Direitos de transmissão do futebol brasileiro

Conforme publiquei no meu blog sobre futebol, trago aqui para o Brasilianas.org a discussão sobre o futuro do futebol brasileiro. Com os caminhos que estamos seguindo e, com todo o aval da Rede Globo, detectora dos direitos de transmissão do nosso principal campeonato, a médio e longo prazo, o nosso futebol pode se tornar polarizado, como ocorre na espanha?

 

Publicado em: http://canelada.com.br/caneladas-sortidas/seguindo-o-exemplo-errado/

Seguindo o exemplo ERRADO!

Na semana passada, Paulo Vinicius Coelho, o PVC, postou em seu blog pela Folha e também pela ESPN, um artigo que diz que, a partir do dia 1° de janeiro de 2016, Corinthians e Flamengo terão um aumento considerável em suas cotas de TV.

O colunista palmeirense José Miguel também ressaltou neste post, sua repúdia em relação a este aumento, que vou tentar esboça-lo e compara-lo com dois dos maiores campeonatos do mundo.

Hoje, os contratos de transmissão dos jogos desses dois times valem 110 milhões de reais por ano. Com o aumento, este valor subirá para 170 milhões de reais. Com isso, o abismo entre Corinthians e São Paulo, por exemplo, vai aumentar ainda mais. O Tricolor Paulista hoje têm seus direitos de transmissão valendo R$ 80 milhões por ano. Em 2016, o São Paulo receberá R$110 mi. A diferença atual, de 30 mi, passará a ser de 60 milhões. Palmeiras e Vasco, por exemplo, recebem hoje 70 milhões de reais da Rede Globo. Este valor subirá para 100.

Observando esses valores, fica quase impossível não imaginar uma polarização no futebol brasileiro. No cenário internacional, temos dois bons exemplos de ligas nacionais: A Liga Inglesa (Barclays Premier League) e a Liga Espanhola (Liga BBVA).

Vamos discutir aqui como é a distribuição de valores em cada um destes campeonatos e as consequências disso.

Como funciona a distribuição dos valores por direitos de imagens da Premier League?

Sou suspeito para falar da Premier League. Na minha opinião, é o melhor campeonato nacional do mundo, pelos jogos, pela sua torcida, pelos gramados, e principalmente pelo seu equilíbrio em comparação aos outros campeonatos nacionais da Europa.

Por lá, os valores pagos pelos direitos de transmissão do campeonato são negociados com o grupo, e a renda é dividida da seguinte forma:

  • 50% é dividido em partes iguais pelos 20 times da primeira divisão. O valor arrecadado gira em torno de 9,7 bilhões de reais, logo, cada clube recebe aproximadamente 485 milhões de reais.
  • 25% varia de acordo com a classificação do ano anterior do clube. Por exemplo, o QPR, rebaixado como lanterna da competição na temporada 2012-13, recebe nesta temporada aquilo que lhe é de direito. Todos recebem as suas cotas, do primeiro ao ultimo colocado.
  • Os demais 25% fica por conta das medições de audiência, publico, torcida, entre outros. Desta cota, os quem mais recebem são Manchester United e Liverpool, mas a diferença entre eles e os que recebem menos, está longe de ser um abismo.

Esta forma de distribuição, que me parece justa, pode trazer mais equilíbrio à competição, já que os times, com um caixa gordo oriundo das receitas de TV, não precisam desfazer de seus craques. Outro exemplo prático (sim, eu gosto de exemplos) é o caso Manchester United x Everton. Seu ex-treinador, David Moyes tentou de todas as formas comprar dois dos melhores jogadores do Everton, Baines e Fellaini. Conseguiram levar apenas o Belga, mas só após o time de Liverpool ter ido ao mercado e garantido que a falta de Fellaini pouco seria sentida. Hoje, Baines é primordial ao esquema do Everton e é um dos melhores laterais esquerdos do mundo.

O equilíbrio fica ainda mais evidente assistindo os jogos. Não é raro acontecer, como aconteceu dias atrás entre Manchester City x Cardiff City, um clube milionário perder do recém promovido, ou, como a algumas rodadas, o United perdeu do West Brom, jogando em seus territórios. Em poucas palavras, ninguém da Premier League precisa vender seus craques para continuarem vivos.

E como funciona a distribuição dos valores por direitos de imagens do Campeonato Espanhol?

Se você tivesse que apostar no futuro campeão da Liga BBVA, teria coragem de arriscar em alguém que não fosse Real o Barça?

Na Espanha, novidade é quando temos alguém que não seja Barcelona e Real Madrid brigando pelo topo da tabela. Por lá, como aqui, a negociação entre as transmissoras e os clubes é independente. E adivinhe só quem são os clubes que mais recebem? Os mesmos que desde 2005 dominam o futebol de lá. A ultima vez que um cidadão espanhol não culé ou madridista comemorou o título mais importante do país foi em 2003-04, quando o Valência venceu o campeonato espanhol sob o comando de Rafa Benitez.

De lá pra cá, o abismo dos gigantes sobre os demais aumentam ano após ano. Veja só, hoje, a soma das receitas de Barça e Real equivalem a 55% do total arrecadado por toda a liga.  Em 2002, a soma das receitas dos dois maiores da Espanha eram equivalentes a 38% da receita. Já era alto, mas o abismo fica mais evidente observando o gráfico abaixo.

Voltando aos exemplos, caso houvesse uma distribuição mais justa, o Valência venderia Soldado para o Tottenham? E o Málaga, não teria mais condições de ao menos segurar o jovem Isco para valorizar mais?

Enquanto hoje, a Espanha vivendo em plena crise, a economia em frangalhos e a taxa de desemprego estratosférica, Real Madrid e Barcelona vão de vento em popa, gastando milhões e milhões de Euros com jogadores, se reforçando no cenário europeu e consumindo tudo o que resta da Liga das Estrelas.

Mas estamos mesmo sofrendo uma espanholização do Brasileirão?

Os números mostram que não, mas, a forma de distribuição que estamos seguindo mostra que o campeonato polarizado estimula menos a audiência, e consequentemente, as receitas que os times poderia faturar com patrocinadores cai. O público também é outro fator. Se o torcedor doméstico não vê um campeonato interessante pela tv, não sairá do conforto de sua casa.

Num comparativo em reais, são R$5,36 bilhões da liga espanhola contra os R$ 9,7 bilhões da Premier League. Uma receita 55% menor da liga com os dois clubes mais fortes do mundo, em relação ao campeonato mais assistido do mundo.

Nossos clubes estão diante de dois exemplos: O Bem sucedido inglês, ou o desigual espanhol. O caminho que estamos seguindo, todos vêem qual é.

Média: 5 (1 vote)

Postar novo Comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
CAPTCHA de imagem
Digite os caracteres exibidos na imagem acima.