Empresa em SP oferece babás e diaristas pela cor da pele

DO BLOG OS AMIGOS DO PRESIDENTE LULA

A cor da pele vem sendo usada como critério para a contratação de pessoal em São Paulo. Conforme a reportagem de O Dia constatou ontem, a empresa de recursos humanos Resilar, situada no bairro Vila Mariana, zona sul da capital paulista, dá ao cliente a opção de escolher, na ficha que preenche no site, a opção "cútis" (pele) para ajudar a definir o "perfil" do empregado que quer em sua casa. 

Criado em 1989, o Estatuto da Igualdade Racial pune com pena de prisão de um a três anos o preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. Para o deputado federal e ex-ministro da Igualdade Racial, Edson Santos, o site (www.resilardomesticas.com.br) da empresa é uma forma de segregação racial. Ele promete levar o caso à Polícia Federal. 

Em telefonema da redação de O Dia à Resilar, um repórter se fez passar por contratante e uma funcionária da empresa confirmou que o critério de seleção é baseado na etnia. Ao pedir informações sobre opções de perfil de empregada doméstica, a funcionária respondeu: "o senhor tem que me dizer o serviço que ela vai exercer na residência, a idade, alguma preferência de etnia...", explicou. Depois, disse que a pergunta sobre etnia é feita para evitar possível "constrangimento" durante a fase de entrevistas, em que empregado e patrão em potencial ficam cara a cara. 

Em visita à sede da empresa, em São Paulo, a equipe de O Dia perguntou a uma funcionária da Resilar os critérios da escolha de uma empregada doméstica e também ouviu como resposta que a cor da pele é usada como fator de seleção. Informada sobre a denúncia de racismo, uma outra funcionária afirmou, por telefone, que o "responsável pela empresa" só estaria na sede hoje, às 10h. 

A presidente do Sindicato das Empregadas Domésticas do Rio, Carli Maria dos Santos, achou um absurdo o critério adotado. "É muito descaramento. Geralmente, as empresas pedem fotos e escolhem as pessoas pela aparência. Aí, não temos como provar que há preconceito. Neste caso, a discriminação é clara", disse. 

Brasil tem 7 milhões de domésticas

De acordo com pesquisa do IBGE, cerca de 7 milhões de brasileiras desempenham a função de empregadas domésticas, sendo que 73,8% do total não têm carteira assinada. A maioria é negra. 

Na informalidade, de acordo com a pesquisa, as empregadas acabam ganhando 30% menos das que têm carteira assinada. Quando a trabalhadora é negra e vive na informalidade, o ganho é ainda menor: o equivalente a 64,7% do salário mínimo por mês. 

Ex-ministro da Igualdade Racial garante: é racismo

Procurado por O Dia, o deputado federal Edson Santos (PT), ex-ministro da Igualdade Racial, disse que vai protocolar denúncia de racismo contra a Resilar na Polícia Federal. Ele também vai denunciar o caso no Ministério Público Estadual de São Paulo, e falou que abordará o assunto na reunião de hoje, na Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, em Brasília. 

Edson Santos disse que não tem dúvidas de que a Resilar praticou racismo. "Ao usar a expressão cútis no site, está claro que o critério de seleção é baseado na etnia, o que é proibido", disse. 

O deputado viu com tristeza o critério usado na seleção dos funcionários. Ele disse que, agindo desta forma, a empresa deixa de oferecer emprego a grande parte da população. "As empregadas domésticas são, geralmente, pessoas muito humildes. E a maioria é negra. Com certeza, uma parcela grande destas profissionais está ficando fora do mercado de trabalho devido à questão racial", afirmou. 

http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/2011/05/empresa-em-sp-oferece-babas-e-diaristas.html

Nenhum voto

Postar novo Comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
CAPTCHA de imagem
Digite os caracteres exibidos na imagem acima.