Cuidado com Bitcoin!

Autor: 

Bitcoin (BTC) é uma "moeda digital criptográfica" que vai revolucionar a internet e o comércio inernacional, tornar bancos obsoletos, acabar com as moedas nacionais e com o controle dos governos sobre a economia, e garantir a privacidade de transações comerciais.  Quem conseguir encher o bolso com bitcoins agora será milionário quando isso acontecer.

Ou... bitcoin é o maior esquema de pirâmide da história, que vai transferir bilhões de incautos para uns poucos espertos.  Quem investir todas suas economias em bitcoins agora (como muitos fizeram com as cotas da TelexFree) pode acabar na miséria (como eles).

O que é  bitcoin

Bitcoins não são objets físicos; são moedas virtuais, gerenciadas de forma aberta e coorperativa por uma rede de voluntários espalhados pelo mundo.   Para usar bitcoins, uma pessoa precisa criar uma espécie de conta no sistema, chamada "carteira" (wallet)  As carteiras são anônimas (como contas numeradas em bancos suíços), e cada pessoa pode abria quantas carteiras quiser. A cada momento, cada bitcoin no sistema está "guardado" em alguma carteira.  Ao criar uma carteira, a pessoa recebe duas chaves criptográficas (senhas): uma privada, que lhe permite tirar bitcoins da carteira, e uma pública, que permite que outras pessoas coloquem bitcoins nela.

Uma transação com bitcoins consiste da transferência de uma quantidade de bitcoins (que pode ser fracionária) de uma carteira para outra.  Quem faz a transação é o dono da carteira de origem, usando a chave privada desta e a chave pública da carteira de destino.  A transação é feita com um aplicativo público que pod ser executado no computador ou smartphone do dono da carteira.   Para ser válida, toda transação com bitcoins feita no mundo deve ser registrada em um grande arquivo digital (a "cadeia de blocos" ou blockchain ) que é mantido de forma distribuída de aberta pelas pessoas que participam do esquema.  A cada transação é acrescentado mais um bloco de informações no final desse arquivo, contendo o código das duas carteiras e o valor transferido. A cadeia de blocos é criptografada de tal maneira que todos podem verificar que a transação foi feita e que o usuário que a fez era realmente o dono da carteira de origem; mas é supostamente impossível alterar ou apagar essa informação, ou transferir bitcoins das carteiras de outros.

As transferências de bitcoins entre carteiras não precisam envolver nenhum banco empresa privada, e portanto não tem em princípio nenhuma tarifa além do custo de acessar a internet.   Além disso, não há nenhum registro de quem é o dono de cada carteira.  Portanto, as transferências são teoricamente anônimas.

Na intenção dos inventores do sistema, bitcoins eventualmente substituirão as moedas convencionais e os serviço de pagamento via bancos, como cartões de crédito, cheques e boletos, em todas as transações comerciais, salários, etc.  Alguns proponentes, especialmente os de ideologia libertária (anarco-capitalista) veem no sistema bitcoin um meio para escapar ao controle (e taxação) dos governos e furar barreiras comerciais.

Especulação com bitcoins

Há uma quantidade máxima fixa de bitcoins possíveis (cerca de 20 milhões) mas apenas metade delas estão no sistema.  Há um  processo computacional bastante custoso, a "mineração de bitcoins"; que qualquer um pode executar no seu computador para tentar encontrar as bitcoins restantes.  Quem encontra um bitcoin dessa maneira pode guardá-la em qualquer das suas carteiras. a mineração fica cada vez mais difícil à medida que o tempo passa, e atualmente só compensa para quem tem computadores possantes e especializados.  Hoje, a maneira usual de obter bitcoins é por transferência de outras pessoas, em troca de moedas tradicionais,  mercadorias e serviços.

Segundo seus proponentes, se e quando o sistema bitcoin for o meio preferido de pagamento no mundo todo, bitcoins serão um "commodity" muito procurado, e portanto muito valioso.  Já existem agências de câmbio onde é possível trocar moedas tradicionais por bitcoins ou vice-versa.  No ínicio, a cotação de um bitcoin era poucos centavos de dólar; mas foi crescendo exponencialmente, e chegou a mais de 1200 dólares no final de novembro de 2013.  Ninguém sabe até onde chegará esse valor.  Os mais fanáticos sonham que chagará a milhões de dólares, ou mesmo que continuará crescendo sem limite.

Por conta desse aumento vertiginoso da cotação, hoje há muitas pessoas que especulam com bitcoins como poderiam especular com o câmbio ou na bolsa de ações.  Na verdade, parece que quase todo o movimento nessas agências tem fins especulativos e não comerciais.  Alguns compram bitcoins para revender a curto prazo com lucro, outros (dizem) estão colocando todas suas economias em bitcoins, para gastar no futuro quando bitcoins tomarem conta do mundo.

Bitcoins como esquema pirâmide

Entretanto, muitos economistas estão céticos quanto a essas projeções.  O fato é que bitcoins não tem valor nenhum por si mesmas: elas só valem o que as pessoas acreditarem que elas valem.  São como ações de uma empresa que não produz nada.  Enquanto houver gente disposta a comprá-las, elas terão valor no mercado, e enquanto tiverem valor de mercado haverá especuladores interessados em comprá-las.  Mas esse valor, sendo inteiramente fitício, é completamente arbitrário, e mais cedo ou mais tarde desaba para zero.

Na visão desses economistas, a especulação com bitcoins é um perfeito exemmplo de um esquema de pirâmide.  Enquanto o preço de mercado do bitcoin estiver subindo, especuladores conseguem ter lucro comprando baixo e revendendo mais alto.  Mas, como as bitcoins não pagam dividendos nem juros, esse lucro sai todo do investimento feito pelo comprador; que só terá lucro se encontrar outro comprados disposto a pagar ainda mais caro pelas mesmas bitcoins.  Mas se o preço pára de subir, quem comprou por último não consegue mais passar as bitcoins adiante e recuperar seu investimento.  Assim, os que entram e saem mais cedo no mercado lucram às custas dos que entram por último.

Para que a especlação com bitcoins só tenha ganhadores, seria necessário que a cotação aumentasse sem limite, pela eternidade afora.  Isso obviamente não é possível. Pelo contrário, há razões (veja abaixo) para crer que a cotação vai despencar para zero num futuro próximo.  E de fato a cotação da bitcoin já teve algumas quedas espetaculares, de 50% ou mais.  O gráfico abaixo mostra a cotação em dólares (USD) na agência Mt.Gox:

bitcoin price chart - MtGox

No momento em que escrevo a cotação da bitcoin ainda é 75% do valor máximo que tinha em 30/nov, e não há sinal de que volte a crescer.

Pouquissimas pessoas sabem quem é o inventor dos sistema bitcoin, que se esconde atrás do pseudônimo "Satoshi Nakamoto". Ele e outras pessoas que começaram a minerar desde o início possuem centenas de milhares ou milhões de bitcoins.  Outros grandes investidores amealharam  carteiras comparáveis comprando bitcoins quendo o preço era uma pequena fração do preço atual. Se (como muitos desconfiam) eles estão vendendo aos poucos suas bitcoins ao preço atual de mercado, eles poderão lucrar alguns bilhões de dólares --- todos tirados dos coitados que estiverem com montes de bitcoins na mão quando o preço despencar.

Mentiras sobre bitcoins

Se todos os que investem em bitcoins estivessem bem informados sobre o inevitável colapso da cotação, as perdas dos perdedores seriam apenas culpa deles mesmos, como as perdas de quem joga na roleta ou aposta em cavalos.  Mas acontece que os especuladores estão atraindo incautos para o esquema, com afirmações enganosas.  Entre outras:

  • "Bitcoins serão o principal instrumento de pagamento num futuro próximo." Uma limitação do sistema bitcoin é que cada transação leva vários minutos para ser confirmada pela rede de participantes, e só é possível iniciar algumas dezena de transações por segundo no mundo todo.  Esse desempenho teria que aumentar umas 10.000 vezes para cobrir todas as transações comerciais que ocorrem hoj eno mundo.  Além disso, a extrema volatilidade da cotação cria sérios riscos para clientes e comerciantes.
  • "Bitcoins garantem anonimato de transações" Isso pode ser verdade apenas para a transferência de bitcoins entre carteiras, que não tem identificação dos donos.  Porém, as transações são públicas; então, quem conseguir descobrir, por algum meio, quem é dono de uma carteira, vai saber imediatamente todos os pagamentos que ele fez e recebue.   Além disso, uma transação comercial envolve uma contrapartida em bens ou serviços.  Então, quem usa bitcoins para comprar artigos proibidos ou fugir de impostos ainda pode ser pego nessa segunda parte da transação.  Em particular, o comerciante pode ser um colaborador da polícia, um chantagista, etc.
  • "Bitcoins são um meio seguro de pagamento porque não podem ser roubadas ou sustadas" Na verdade, como a rede de apoio do bitcoin não está debaixo de nenhuma jurisdição específica, há muitos serviços desonestos e fraudes no ramo.  Já houve pelo menos dois casos de agências de câmbio roubarem bitcoins de clientes (em um caso, no valor de quase 100 milhões de dólares).  Além disso, quem conseguir a senha privada de sua carteira (por exemplo, invadindo seu computador) pode tirar todo dinheiro de lá --- e você não terá como sustar esse furto, nem a quem pedir restituição.
  • "O estoque de bitcoins é finito"  Verdade no que tange a bitcoins; mas qualquer um pode criar outras moedas digitais criptográficas com as mesmas propriedades da bitcoin, porém independente e com o estoque arbitrário. E de fato já existem dezenas de alternativas ao bitcoin, que também podem ser usadas da mesma forma que ela.


Conclusão

Até o momento, o câmbio de bitcoins tem todas as características de uma pirâmide financeira.  Quem investir em bitcoins e vender no momento certo poderá talvez ter lucros significativos; mas pode também perder tudo.


Média: 2.2 (51 votos)

Postar novo Comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
CAPTCHA de imagem
Digite os caracteres exibidos na imagem acima.