O garrote vil da dívida

Autor: 

Do "Globo" de hoje. Não sei porque, mas a norícia tem um ar de "déjà vu"...

 

BUDAPESTE - O FMI e a União Européia (UE) suspenderam neste sábado uma revisão do programa de financiamento da Hungria, implantado em 2008 para salvar o país da crise financeira. FMI e UE disseram que o país tem que tomar medidas duras para alcançar as metas de redução do déficit orçamentário.

A suspensão da revisão significa que a Hungria não terá acesso ao restante dos fundos de um pacote de 25,1 bilhões de dólares, criado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e a UE.

Analistas dizem que o câmbio pode cair bastante quando os mercados financeiros reabrirem na segunda-feira.

"As metas de déficit fiscal antes anunciadas, 3,8 por cento do PIB em 2010 e menos de 3 por cento em 2011, permanecem uma âncora apropriada para o processo de consolidação necessária, mas medidas adicionais serão necessárias para atingir esses objetivos", disse o FMI.

"A consolidação sustentável vai requerer medidas duráveis, que as autoridades precisam de mais tempo para desenvolver", afirma o comunicado.

O novo governo de centro-direita, eleito em abril na Hungria, tem dito querer estender o seu atual acordo de financiamento até o fim de 2010 e buscar um acordo de precaução para 2011 e 2012.

O Fundo Monetário Internacional, enquanto diz que há muito terreno em comum com o governo húngaro, afirma que temas "permanecem em aberto".

A UE divulgou um comunicado em separado, afirmando que a conclusão da revisão teve que ser adiada e que novas negociações ocorrerão num estágio posterior.

"A Hungria voltou para o caminho positivo do crescimento e agora tem um dos déficits orçamentários mais baixos da UE. Eu celebro o compromisso com as metas de 2010", declarou Olli Rehn, responsável na UE por temas econômicos.

"No entanto, a correção do déficit excessivo para o ano que vem vai requerer decisões duras, principalmente em gastos."

A Hungria precisa do fundo da UE e do FMI para manter a confiança dos investidores. O país permanece vulnerável devido ao seu alto déficit público, que é igual a 80 por cento do PIB, e a sua dependência de financiamento externo.

Nenhum voto

Postar novo Comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
CAPTCHA de imagem
Digite os caracteres exibidos na imagem acima.