"É a cidadania e não o poder econômico,quem deve ser ouvido"

"É a cidadania, e não o poder econômico, quem deve ser ouvido em primeiro lugar." 

(que as palavras voltem a significar)

MUITO MUITO FELIZ com essa VITÓRIA ! O governo recuou ! E ficou mais forte por isso !


“A Funai e o governo federal como um todo está suspendendo qualquer pesquisa que estiver sendo feita aqui na região de vocês”

♩♪ ♫ ♪ ♩♪ ♫ ♪ ♩♪ ♫ ♪ ♩♪ ♫ ♪ ♩♪ ♫ ♪ ♩♪ ♫ ♪ ♩♪ ♫ ♪ ♩♪ ♫ ♪ ♩♪ ♫ ♪


PARABÉNS AOS GUERREIROS MUNDURUKUS e sua luta pelo não barramento do rio Tapajós !

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=134007340140700&set=a.103763073165127.1073741828.100005943034279&type=1&theater

Campanha Mundurukuhá 6 horasCOMPARTILHE! VITÓRIA!

Nós resistimos - e conseguimos uma primeira vitória! Nesse instante, em praça pública em Jacareacanga, depois de nós termos expulso quase 30 pesquisadores de nosso território, a assessora da Funai, Lucia Alberg anunciou: "Está suspenso qualquer estudo na região", referindo-se às hidrelétricas no Tapajós. Afirmou ser um recado dos ministros Gilberto Carvalho e Cardozo. Vamos cobrar e monitorar - e comemorar. Vitória! "Está suspenso qualquer estudo na região", referindo-se às hidrelétricas no Tapajós. Afirmou ser um recado dos ministros Gilberto Carvalho e Cardozo. Vamos cobrar e monitorar - e comemorar. Vitória!342




Nenhum voto
1 comentário
imagem de mpaiva

http://www.cimi.org.br/site/pt-br/?system=news&conteudo_id=6991&action=read

Sob pressão, governo suspende estudos de barragens no rio Tapajós

Inserido por: Administrador em 23/06/2013.
Fonte da notícia: Assessoria de Comunicação - Cimi

 Ruy Sposati,
de Brasília (DF)

Pressionado por dois meses de enfrentamento e resistência dos indígenas Munduruku, o governo federal suspendeu as pesquisas da região do rio Tapajós para a construção de hidrelétricas. O anúncio foi feito durante reunião em praça pública no final da tarde deste domingo, 23, em Jacareacanga, extremo oeste do Pará. Os pesquisadores que estavam em área indígena deixaram a cidade.

“A Funai e o governo federal como um todo está suspendendo qualquer pesquisa que estiver sendo feita aqui na região de vocês”, afirmou a assessora da presidência da Fundação Nacional do Índio Lucia Alberg, apesar do ministro Gilberto Carvalho ter anunciado publicamente que não suspenderia nem obras, nem estudos.

“Estamos nos sentindo muito felizes”, aponta o chefe dos guerreiros Paygomuyatpu Munduruku. “Ela ainda não nos deu nenhuma prova disso, estamos esperando uma prova, mas estamos muito satisfeitos com o que ela disse”. Em maio e junho, os indígenas Munduruku realizaram um sem número de ações exigindo a suspensão das obras e estudos de barragens nos rios Tapajós e Teles Pires, onde vivem 13 mil pessoas do povo Munduruku.

Em maio, depois de uma assembleia que reuniu mais de 200 mulheres, caciques, lideranças e guerreiros, os Munduruku marcharam pelas ruas de Jacareacanga e juntaram-se a outros indígenas da bacia do Tapajós e do médio Xingu. Realizaram duas ocupações que paralisaram as obras da usina hidrelétrica Belo Monte por 17 dias, viajaram à capital federal, onde realizaram uma marcha, ocuparam a sede da Funai e fizeram protestos no Ministério de Minas e Energia e no Palácio do Planalto. Na última sexta-feira, um grupo de 40 guerreiros expulsou cerca de 25 pesquisadores da empresa Concremat, prestadora de serviços do Grupo de Estudos Tapajós, consórcio composto por Camargo Correia, GDF Suez e Eletrobras, entre outros.

Neste contexto, os Munduruku sofreram um processo de criminalização, difamação e repressão por parte do governo federal. Notas públicas, declarações à imprensa e processos judiciais acusavam os indígenas de criminosos e mentirosos, questionando a legitimidade das lideranças Munduruku, que entraram com interpelação criminal contra declarações do ministro Gilberto Carvalho.

PESQUISADORES

“Nós liberamos os pesquisadores. A gente não quer mais vê-los aqui”, explica a liderança Maria Leusa Kabá. “Se eles voltarem, nós vamos tirar a cabeça dos pesquisadores. Nós somos guerreiros. Nossos guerreiros antigos são conhecidos por serem cortadores de cabeças. Nós não esquecemos nosso passado”, remonta Leusa.

“Vamos continuar na nossa luta. A gente não quer que eles [estudos] sejam suspensos. Nós queremos que os estudos e as obras sejam cancelados. A suspensão é uma vitória parcial”, conclui Paygomuyatpu.

 

mpaiva

Postar novo Comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
CAPTCHA de imagem
Digite os caracteres exibidos na imagem acima.