Fotos da revolta em Jirau

Histórico da construção de Jirau vai de revolta de operários à desmatamento ilegal

Além dos problemas já conhecidos, construtora Camargo Corrêa e consórcio Energia Sustentável ainda desmataram 18 hectares às margens do Rio Madeira durante construção da barragem


PROTESTO

O canteiro de obras da usina de Jirau foi, esta semana, mais uma vez palco de tumultos e aparece outra vez no cenário nacional em decorrência da falta de responsabilidade entre patrão-empregado. O protesto começou na terça-feira (15), e teve como saldo negativo incêndios e destruição de alojamentos.

Aproximadamente trezentos trabalhadores atearam fogo em quarenta e cinco ônibus e queimaram outras instalações da usina. A reivindicação chegou a tal ponto, porque os trabalhadores da usina não agüentaram mais as péssimas condições de trabalho e ainda, segundo informações dos próprios funcionários, cerca de quatro mil pessoas foram ameaçadas de demissão.

Longe do que diz a nota de esclarecimento da empresa Camargo Corrêa, os protestos prosseguem ainda nesta quinta-feira (17), já que centenas de funcionários se juntaram à frente da entrada da usina – já que no canteiro ficaram apenas os alojados –, fontes dão conta de que há possibilidade de nova revolta.

Confira o primeiro vídeo da revolta dos operários da Usina de Jirau veja aqui

Clique aqui para ver o segundo vídeo dos protestos envolvendo trabalhadores da usina

CONTRAPARTIDA

A falta de responsabilidade do consórcio responsável pela Usina é tão grande, que os vereadores de Porto Velho se viram obrigados a intervir para resolver o problema. No último dia 15, a Câmara Municipal de Vereadores da Capital criou uma comissão pluripartidária para fiscalizar de perto a aplicação dos recursos de compensação do consórcio da usina de Jirau.

O presidente da Câmara, Eduardo Rodrigues, chegou a dizer em sessão que, “os responsáveis pela Hidrelétrica de Jirau tratam a população do Jaci como lixo”. Dá razão ao vereador, qualquer pessoa que tenha ido até Jaci-Paraná somente neste período em que a Usina de Jirau está sendo construída.

Focos de prostituição infantil, criminalidade crescente, ruas e vias obstruídas por pessoas bêbadas. A iminência de uma tragédia no distrito é tão grande que os políticos de Rondônia tiveram que começar a mexer seus pauzinhos para frear os desmandos dos responsáveis pela Usina de Jirau.

DESMATAMENTO

Ainda em 2009, durante a construção da barragem , o desmatamento de uma área de 18,7 hectares às margens do Rio Madeira causou uma multa de R$ 475 mil ao Consórcio Energia Sustentável do Brasil (Enersus), responsável pela construção da usina de Jirau, em Rondônia.

De acordo com nota publicada pelo Ibama, que aplicou a autuação, as empresas do consórcio não tinham licença para remover a floresta nativa, que estava localizada em área de preservação permanente – local próximo à beira de rios, nascentes ou topo de montanhas.

"A licença parcial que eles têm permitia apenas o desmatamento de vias de acesso e do canteiro pioneiro (primeiro local para depositar material e equipamentos para a obra da usina)", explicou à época, César Guimarães, superintendente do Ibama no estado.

Confira fotos do quebra-quebra em Jirau

Imagem News teve acesso ao interior do canteiro de obras na usina de Jirau e registrou a situação de destruição em que ficou o local, após protesto dos operários, que teve inicio na tarde de terça-feira (15) e foi parcialmente controlada pelo Polícia Mili

  IMAGEM NEWS - 

  O Imagem News teve acesso ao interior do canteiro de obras na usina de Jirau e registrou a situação de destruição em que ficou o local, após protesto dos operários, que teve inicio na tarde de terça-feira (15) e foi parcialmente controlada pelo Polícia Militar nesta quarta-feira (16). Operários ameaçam recomeçar o quebra-quebra agora à noite.

 http://www.rondoniadinamica.com/arquivo/historico-da-construcao-de-jirau-vai-de-revolta-de-operarios-a-desmatamento-ilegal,24034.shtml

Média: 4.3 (3 votos)
2 comentários
imagem de camargo correa de novo?

Tem muita gente fazendo vistas grossas para estas situações , so assim para que as coisas apareçam de verdade, as condições nas obras sao orriveis, falo por conhecer pois ja trabalhei nelas, eu acho que estamos sempre fazendo algo para ganhar a vida , mas estamos na verdade vendendo nossa saude, e tempo com uma obra que esta custando bilhoes para os cofres publicos...será que sabem o valor que esta sendo pago por esta obra??? será que está tudo dentro dos valores normais??? ....de uma coisa é certa muita gente ganha muito pouco nestas obras e alguns que se dizem gerentes de obra ganham fortunas, só sabem ganhar em cima dos probres coitados . é um trabalho sub humano...cade a fiscalização? alem do problema trabalhista tem o problema AMBIENTAL que presumo que não seja a unica obra destas empresas com problemas AMBIENTAIS ....já pensaram quantas obras estão com os mesmos problemas AMBIENTAIS??? Lembrem -se a Camargo não tem so esta obra tem fábricas que tambem poluem o nosso ar e destroem a natureza, possuem outros seguimentos que também destroem e muito nossa Natureza e trabalhadores, senhores levantem a bandeira pela ETICA neste Brasil que amamos! Vamos criar uma rede para acabar com estas obras e empresas que denigrem o nosso Povo trabalhador, e destroi nossa maior riqueza a NATUREZA. Não se enganem com as propagandas sociais que estas empresas fazem , dizem que combatem por exemplo a exploração sexual , mas já pensaram o que deve acontecer em uma obra como esta? pensem nisso e coloquem um basta. Tem obras em cidades pequenas por onde eles passam e acontecem de tudo, tudo mesmo, esta ocorrencia é so a ponta do ice berg...

 
imagem de Jefferson

 

<!-- /* Font Definitions */ @font-face {font-family:"Cambria Math"; panose-1:2 4 5 3 5 4 6 3 2 4; mso-font-charset:1; mso-generic-font-family:roman; mso-font-format:other; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:0 0 0 0 0 0;} @font-face {font-family:Calibri; panose-1:2 15 5 2 2 2 4 3 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:swiss; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:-1610611985 1073750139 0 0 159 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-unhide:no; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:""; margin-top:0cm; margin-right:0cm; margin-bottom:10.0pt; margin-left:17.85pt; line-height:115%; mso-pagination:widow-orphan; font-size:11.0pt; font-family:"Calibri","sans-serif"; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:Calibri; mso-fareast-theme-font:minor-latin; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi; mso-fareast-language:EN-US;} p {mso-style-noshow:yes; mso-style-priority:99; mso-margin-top-alt:auto; margin-right:0cm; mso-margin-bottom-alt:auto; margin-left:0cm; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman","serif"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";} .MsoChpDefault {mso-style-type:export-only; mso-default-props:yes; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:Calibri; mso-fareast-theme-font:minor-latin; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi; mso-fareast-language:EN-US;} .MsoPapDefault {mso-style-type:export-only; margin-top:0cm; margin-right:0cm; margin-bottom:10.0pt; margin-left:17.85pt; line-height:115%;} @page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;} div.Section1 {page:Section1;} -->
/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:"Tabela normal";
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:"";
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:17.85pt;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:"Calibri","sans-serif";
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:"Times New Roman";
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;}

Na realidade a insatisfação já é de muito tempo e dessa vez tiveram coragem de fazer algo apesar de não ser a melhor forma de protesto. Eu como um dos colaboradores também insatisfeito concordo com o protesto da seguinte forma "SENTA E NINGUÉM FAZ NADA" sem o quebra quebra onde inocentes ou quem não teve partida alguma saíram ou podem ser prejudicados. Com tratamento desumano e de cárcere semi privado foi passado pela impressa da empresa que todas as horas trabalhadas estavam sendo repassadas aos funcionários sendo que a conta cheque mostra outra realidade, as áreas de lazer tinham horários determinados bem como o refeitório sendo fechado com uns quinze minutos de antecedência e ficando fechado por aproximadamente por quatro horas entre uma refeição e outra já que cada turma de colaboradores possuía horários diferenciados e a qualidade da comida servida não era boa sabemos que não conseguiremos agradar a todos, mas uma alimentação no mínimo bem temperada e feita é mais sugestiva. Não podemos esquecer ainda da negligência sofrida por alguns trabalhadores no âmbito da saúde, eu mesmo fui uma das vítimas de um acidente de trabalho e o encarregado foi omisso com a situação não fazendo a CAT e por conta disso passei três meses acidentado sem poder caminhar direito porque ele mesmo foi o causador do acidente  quando empurrou um sarrafo que caiu em meus joelhos ocasionando uma lesão no joelho esquerdo, a necessidade cirúrgica se estendeu por longos três meses até ser realizada no dia 27 de fevereiro estou afastado pelo INSS com um auxílio doença recebendo um benefício bem abaixo do valor do salário, esse é um dos casos e com certeza existem muitos outros. Houve uma campanha interna de redução de custos por outro lado estava custeando a campanha eleitoral da nossa presidente eleita Dilma e quem acabou sofrendo com a situação foram os colaboradores porque postos e ambulatórios foram fechados aumentando o fluxo de feridos na UPA Pioneiro onde é feita toda triagem de admissão, demissão e renovação de contratos e não possui estrutura para todos os tipos de atendimentos, até o plano de saúde não conseguiu autorizar os procedimentos em tempo hábil, por conta dessa ausência de atendimento podemos até dizer que a Usina de Jirau é um canteiro de mortes ou um abatedouro de vidas igual a gado indo ao matadouro. Se fossemos colocar tudo como alimentação, condições de trabalho, segurança que pessoas têm suas vidas ceifadas e ninguém sabe por que e como foi, de chegar ao quarto pra dormir depois de trabalhar a noite toda ou o dia todo e encontrar seu colega de quarto morto na cama vitimado por facadas ou outros tipos de morte, nem é bom comentar até mesmo  porque quando algumas pessoas desaparecem já é quase normal porque isso já virou rotina pode ser classificado como uma resenha... E pra terminar só faltou de verdade a empresa perceber que a labuta diária é muito exaustiva trabalhamos de domingo a domingo, de sol a sol, longe de casa, e fica muito difícil segurar a barra diante das injustiças, o colaborador passa meses fora de casa e só tem direito a cinco dias de visita a família então são nas pequenas coisas que a empresa está deixando a desejar. Estou voltando pro Jirau e não sei como estão às coisas por lá, vou deixar minha família preocupada tensa porque estão sabendo de toda a situação e é isso que Deus tenha misericórdia de mim e me proteja enquanto estiver por lá...

 

Postar novo Comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
CAPTCHA de imagem
Digite os caracteres exibidos na imagem acima.