A ESCOLHA PODE SER SUA

Em artigo publicado no Globo essa semana, intitulado A Era da Vulnerabilidade”, Joseph E. Stiglitz, prêmio nobel de economia, desmascara o mito da ascensão social nos Estados Unidos - ainda o maior representante do Capitalismo Financeiro da atualidade. E, como ultimamente a questão do dito baixo crescimento do PIB tem andado na boca da oposição por aqui, acho interessante registrar a conclusão de seu texto:

 

“Independentemente da rapidez com que o PIB avança, um sistema econômico que não consegue ganhos para a maioria dos cidadãos, e no qual uma parcela crescente da população enfrenta cada vez mais insegurança, é um sistema econômico falido. E são falidas políticas, como a de austeridade, que aumentam a insegurança e baixam a renda e o padrão de vida de grande parte da população.”

 

Pensando nisso, imagine um país no qual volta e meia surjam escândalos envolvendo o partido do governo. E que, ali, a grande imprensa ajude a investigar e a denunciar os grupos envolvidos em terríveis histórias de corrupção que obviamente arrepiam todo cidadão de bem...

 

Logo, julgamentos e prisões (no mínimo desmoralizantes) enchem as páginas dos jornais, e o governo sente que precisa amadurecer, precisa vigiar mais e impedir que os enraizados costumes da prática política nacional continuem. Até para não servirem de munição para a mídia flagrantemente de oposição.

 

Afinal, está acima de tudo um grande projeto: transformar o país em um lugar mais igual, distribuindo-se melhor as riquezas, até o ponto de instituir-se impostos sobre as grandes fortunas, e permitir-se que o ônus por uma sociedade melhor recaia também, e numa justa proporção, sobre os mais ricos. Inclusive, revendo-se – até na própria carne, vejam só! – a questão da Seletividade Punitiva.

 

Agora, imagine um país no qual a grande imprensa não se interesse por divulgar em profundidade as atividades do governo, simplesmente porque ele representa os seus próprios interesses...

 

Nesse país, as Leis que sempre foram feitas, seja em seu período colonial, seja durante a escravidão, seja durante a ditadura militar, para proteger as elites, ao invés de passarem a ser cada vez mais elaboradas em nome do bem geral, firmam-se como instrumento da manutenção do status quo, sustentando, por exemplo, LEGALMENTE, em várias instâncias, a mesma e inacreditável lógica dos derivativos negociados pelas Bolsas de Valores. Explorando, expropriando e roubando até a dignidade dos cidadãos mais vulneráveis.

 

A tendência, então, nesse país, é que as cadeias continuem a encher apenas de ladrões de galinhas.

 

 Agora, pense: EM QUE PAÍS VOCÊ PREFERIRIA VIVER?

 

Nenhum voto

Postar novo Comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
CAPTCHA de imagem
Digite os caracteres exibidos na imagem acima.