Raimundo Carpinteiro, Filho do lenhador

Autor: 

Quis por leviano destino o acaso. Por sobre a vida as forças da gravidade e da Natureza. Quis encher a Vida de vida. Quis encher os olhos de beleza. Foi assim meus amigos, o destino de um caboclo matuto. Nascido no mato. Crescido no mato. E seu pai lenhador. Cresceu aprendendo a cortar árvores. Cresceu preocupado com o desabrigo dos ninhos dos pássaros e com a demolição das arquiteturas dos maribondos. Aprendendo a suportar a dor e as ferroadas – destas que a vida apregoam e pregam. Foi o destino de seu tempo, mudar pra cidade, tornar cidadão, estudar ser doutor. Mas vida na cidade grande, regrada de oportunidades, nem sempre é amiga dos amigos do senhor. Vou conta-lhes a vida sofrida, de quem nestas terras foi o maior sonhador.

  Leia mais »

A sociedade dos formadores de opinião

Autor: 

Era uma vez um lugar distante, dois terços de água, entretanto era conhecido como Terra. Um planeta imenso e lindo, vivendo em um “tempo líquido” e abrigo de diversas sociedades. Umas perfeitas como exemplo: as formigas; as abelhas (europeias e africanas miscigenadas); entre outras. E a imperfeita: a Humana, diretamente relacionada à racionalidade; essa não se entende apesar do dom da fala, a comunicação é por vezes incompreendida. E do contraste civilizatório emerge o consenso de poucas “mentes pensantes”, a solução imediata e eficaz (e sustentável?): A Sociedade dos Formadores de Opinião. Leia mais »

A nau dos ressentidos.

Autor: 

E de repente começa a tomar corpo uma sagrada frente única contra o PT.

Todos sabemos que com o tempo, qualquer governo vai criando seus ressentidos, pois a política é feita de opções e em cada uma delas, você cria os seus ressentidos. Muitos não passam de pequenos escribas que pouco podem e pouco fedem e que pululam aos montes pelas organizações sociais, universidades, associações de classe e outras corporações.

 Em um governo cada vaga é disputada a tapas e intrigas. Feita a escolha, ficam os ressentidos confabulando como farão para se vingar. São gente pequena que veem a política como uma forma de defenderem o seu pirão. Uma é aquela professora da universidade que estava prestes a se aposentar com 45 anos; outro o que ia se aposentar com 58. O PT virou inimigo porque acabou com este tipo de aposentadoria. Para eles pouco importa o alcance de uma medida política, serão contra sempre que forem prejudicados ou perderem um privilégio. Leia mais »

Como se constrói uma nação?

Autor: 

Segundo o MEC, a carreira universitária de Engenharia naval teve a maior nota de corte no Sisu em 2014: 869,15. Em seguida, aparecem engenharias aeronáutica (817,15), aeroespacial (787,62) e naval e oceânica (783,17).
E pensar que tudo começou quando um operário inteligente e nacionalista decretou que dali para a frente todos os navios e plataformas encomendadas pela Petrobrás teriam uma participação mínima de componentes fabricados no Brasil, ressuscitando a gloriosa Indústria Naval e criando milhares de empregos no Brasil, e não mais na Koreia, Indonésia e Cingapura.  Agora claramente vê-se que o setor começa a atrair jovens mentes privilegiadas.  É assim que se constrói uma nação.

“Nesta cidade não existe nada pra fazer”

Autor: 

Recorrente. Sim, rotineiro, cotidiano, normal, repetitivo, etc., etc., etc. Entre os jovens do meu tempo palavra salta a boca constantemente, entre os jovens mais novos quase uma norma. Estou a falar da famosa frase: “Nesta cidade não tem nada pra fazer!” A frase é um tanto vazia e a muito tempo me intriga profundamente. Onde será, que será que fica este Nada? Penso, logo exijo; quer dizer existo. E sem hesitar digo, existe ai contido um continuo paradoxo. O que estes jovens querem? Quer dizer ...

  Leia mais »

Diferentes métodos para se ensinar uma nova língua.

Autor: 

 Different ways to teach a new language

In a Elementary Chinese school there are two English teachers. One is Peter, Australian and the other is Zhang, Chinese.   Both gave a lesson about the use of the prepositions on and under.

Peter taught based on a picture with a book on the table and under the table a cat.
: the book is on the table
: the cat is under the table.

Zhang taught based on picture with a silk handkerchief on the table and a silk caterpillar under the table. He wanted to teach the use of the prepositions and, at the same time, to improve the students vocabulary with something important in the Chinese History
:the silk handkerchief is on the table.
:the silk caterpillar is under the table. Leia mais »

A Agência Brasileira de Notícia e o PIG.

Autor: 

Estras são as chamadas no site da Agênca Brasileira de Notícias (EBC),hoje:

"IBGE: produção industrial recua 0,2% em novembro"
" ONU pede ação imediata para  reestabelecer ordem em presídio"
"Brasil registra em 2013 a maior saída de dólares desde 2002"
"Bens de capital puxam queda Produção cai em 14 setores"
"Avaliação do mercado de trabalho atual piora"
"Juros do empréstimo pessoal e do cheque especial recuam em 2013"
" Litoral paranaense registra 5 mil acidentes com águas-vivas"
" Transferir presos é "tiro no pé, diz juiz."
"CPI identificou problemas em 2008"
"Crise repercute na imprensa internacional"
"Anistia Internacional cobra solução das autoridades"


Você investiria suas economias neste país?

Será que a EBC solicitou filiação ao PIG?

Imagens: 
Foto do site da EBC, dia 9-1-2014.

Alteridade: o mundo fronte a visão das Amazonas

Autor: 

Um espiral; como um sopro e um susto. Assim faz se a vida e o conhecimento. A sabedoria que não se transmite nem utilizando força. Entretanto o conhecimento, essa dadiva vestida de serpente, pode e deve ser transmita ao alcance de todos. Assim confessou um amigo antigo, Lug, a este velho maltrapilho que vós fala. Eu conheci Lug há muito tempo, morava em uma caverna, onde praticava seu conhecimento e desenvolvia experiências novas, numas terras drenadas e cultiváveis, que ficavam escondidas detrás da caverna que habitava. Encontrei Lug por acaso, quando fugia da perseguição dos impuros, que queriam beber minhas filhas e derramar lhes sangue do pescoço: como os vampiros. Esta é uma longa história amigos, mas por merecimento deve novamente contada. Aos que querem conhecer os ensinamentos de Lug, e a verdadeira história (real e plausível) de minha sina de Ló, e como foi transmitia as artes, as ciências, a magia e a agricultura pelos seis cantos do mundo, acompanhem a minha viagem e os saberes de Lug. Leia mais »

O campo rupestre e a Teoria do Incapaz

Autor: 

Há os campos rupestres. Neles o impossível (aos pequenos olhos humanos) são transeuntes adquirindo formas – obviamente mutáveis. Entretanto sobre pedras, sob o mesmo céu azul e suas estrelas (trovões/relâmpagos), transbordam Vida. Um forma impossível (cientificamente), impraticável (mecanicamente), instransponível (a velocidade da luz), porém indubitável. Ali os olhos se perdem, e as viagens deliram: como pode? Será mesmo possível? Quanta ousadia ou será alucinação. O fascínio vem inerente a resiliência daqueles vegetais transbordando vida, como todo adulto chato torna-se criança diante o incompreensível, o inexplicável? Surgem os mitos, as forças divinas, emergem enigmas simbólicos e imaginários. Vasta imaginação surge do pranto. Visto o avesso do praticável sendo cultivado, sim por aquelas rochas. Mensagem abstratas dos céus? Nunca pude perceber ou notar, quem me dera responder de onde vem está branda média norma e degenerativa Teoria do Incapaz? Leia mais »

Dudu, frívolo peralta!

Autor: 

Duduzinho, frívolo peralta,
Que foi um paspalhão desde fedelho,
Tipo incapaz de ouvir um bom conselho,
Tipo que, morto, não faria falta;

Lá um dia deixou cair a máscara,
E, indo à tumba do avô, honrado velho,
Vendo-se na entrada, diante de um espelho,
À própria imagem disse em voz bem alta:

— Duduzinho, és um rapaz formoso!
És simpático, és rico, és talentoso!
Que mais no mundo se te faz preciso? —

Levantando-se da tumba , o vô sisudo,
Que por detrás da laje ouvira tudo,
Severamente respondeu: — Juízo. —

 

Baseado em soneto de Artur Azevedo

 

 

 

A construção do contra-discurso no Brasil!

Autor: 

Ou a descontrução do discurso da elite dominante no Brasil, representada por alguns partidos e pela quase totalidade da grande imprensa. É muito interessante constatar que isto vem sendo feito de uma forma descentralizada e, até um certo ponto, anárquica, por diversos sites na Internete através de seus comentaristas. É interessante notar que o site ou o blog em si, quando publica um artigo, o faz quase sempre dentro dos conceitos existentes no discurso dominante da elite. No entanto os comentaristas cuidam de dar um trato nas novas ideias e acabam criando um novo paradigma, que se estatui como um novo discurso ou contra-discurso. No passado isto acontecia dentro das organizaçõesa de esquerda. O consenso, que se divulgava através de uma palavra de ordem, era conseguido através de exaustivas reuniões dos dirigentes, e muitas vezes era quase que imposto por algum figurão um pouco mais informado, com mais argumentos, pois conseguia ler em Inglês, como era o caso de um conhecido meu de nome J. Altamira. Para ilustrar minha análise quero pegar o conceito: terrorismo econômico. Leia mais »

Anjos de Deus

Autor: 

Hoje, 29 de dezembro de 2013, ao assistir o Esporte Espetacular da Rede Globo, eu, que tenho formação em engenharia cuja essencialidade é a racionalidade, e que não tenho por hábito me emocionar facilmente, por mais que eu me esforçasse para dizer que não, me peguei com os olhos lacrimejando. Trata-se da reportagem “Portadores de necessidades especiais superam dificuldades através do Tae Kwondo”, que fala sobre o projeto do policial militar de São Paulo, Marcelo Rezende, que treina gratuitamente esta modalidade de luta marcial nas instalações da Policia Militar. Tempos atrás ele foi procurado pela Fundação JK que propôs a ele o desafio de treinar também pessoas portadoras de necessidades especiais. O desafio foi posto em prática, e, hoje o Esporte Espetacular apresentou três dos beneficiados. Leia mais »

Mandela: Eu sou Capoeira mano!

Autor: 

Dividir, separar, apartar, segmentar, partir. Era contra essa mania que surgiu em nosso imaginário que Mandela luta/lutava/lutou. Contra essa mania que temos que continuar a caminhar. Nem de longe essa causa se tornou justa devido a um homem que passou 27 anos preso, e depois andou desprovido de rancor, vendeta ou ódio. No entanto, muito maior que o homem Mandela é a causa que ele (supostamente e indubitavelmente) representa. Assim como maior que qualquer forma de servidão, repressão e escravidão é a Vida. Bem Certo, Certeza (aquela de Voltaire) é que um legado foi deixado, uma mensagem simples e sublime de paz, esperança e amor. Isso é o que ficou, mas o que ainda nós falta? Principalmente a nós os explorados e ditos subdesenvolvidos; que ficamos aqui isolados pela suprema inteligência que guia os dias atuais.

  Leia mais »

Peripécias da Igualdade

Autor: 


“Quem muito trabalha não tem tempo pra ganhar dinheiro”. Está frase marcou minha adolescência, era dita e repetida constantemente por um amigo Burguês (Comerciante). Na época fiquei pensativo, hoje tenho a frase como normal e quase tenho certeza que meu amigo estava certíssimo. Afinal, o mundo move-se e que rearranja as engrenagens são as oportunidades. Sim gente, sou completamente a favor da Revolução Francesa (burguesa) de 1789. Acontece que temos que admitir que prometer “Igualdade, Liberdade e Fraternidade” não é um desafio assim tão fácil. Então vamos dialogar sobre estes três pilares amigo leitor? Nesse texto veremos um pouco sobre o peso/preço da Igualdade. Leia mais »