As cinco postagens mais lidas de 2014 no Infopetro

Autor: 

Durante o ano de 2014, o Blog Infopetro publicou 42 postagens, que tiveram em seu conjunto, aproximadamente, 21.000 visualizações. Esse valor representou 21% do total de visualizações que o Infopetro teve no ano (100.000).

As 5 postagens aqui apresentadas foram responsáveis por 30% daquelas 21.000 visualizações. Dentre elas, 3 são sobre a crise do setor elétrico no Brasil, uma sobre a relação entre a  crise da Ucrânia e gás não convencional e uma sobre os desafios do setor energético brasileiro em 2015. Leia mais »

Liderança, Autoavaliação Institucional, Complexidade e Redes

A autoavaliação compõe o conjunto de processos e estratégias de pesquisas para colaborar com a demonstração da realidade da instituição. Essa realidade revelada, para ser aprendida em seus múltiplos e variados aspectos deve ser, ao mesmo tempo, conhecida, sentida e vivida. Leia mais »

Operação Lei Seca, de dia, é necessária

Boa parte dos motoristas brasileiros tem compulsividade para descumprir normas de trânsito. Leia mais »

MENSAGEM DE CHAPLIN PARA O NATAL

 TUDO DEPENDE DE MIM (um texto para reflexão) Hoje levantei cedo pensando no qu Leia mais »

Setor de energia no Brasil: o balanço de 2014

Do Blog Infopetro

Por Edmar de Almeida e Luciano Losekann

O setor de energia no Brasil no ano de 2014 foi marcado pela gestação de uma agenda extremamente negativa, que terá que ser revertida nos próximos anos, sob pena de o país jogar fora um dos seus principais salvo-condutos para o futuro que é sua generosa dotação energética.

A Copa do Mundo, no primeiro semestre, e o processo eleitoral, no segundo, postergaram decisões importantes para o enfrentamento adequado de problemas antigos e novos, acumulando um enorme conjunto de problemas tanto no setor elétrico quanto no setor de óleo e gás para 2015. Leia mais »

Trânsito brasileiro mata mais que na guerra na Síria

 Num período de quase quatro anos os conflitos na Síria resultaram, até aqui, na morte de 202.354 pessoas. A epidemia permanente, na barbárie do trânsito brasileiro, pela imprudência em rodovias e vias urbanaS, produziu, nos últimos cinco anos, uma média de 45 mil vítimas fatais/ ano. Ou seja: mais óbitos do que na guerra da Síria. 

Segundo a ABRAMET, no ano de 2012, a violência no trânsito ceifou a vida de 44 mil pessoas no Brasil, o que representa, em média, 122 óbitos/dia. O Denatran, por sua vez, revela que chegou a 46 mil o número total de óbitos naquele mesmo ano. Conforme a ABRAMET seis de cada dez leitos nas UTIs dos hospitais brasileiros são ocupados por vítimas de acidentes de trânsito. Foram gastos, no ano de 2012, o montante de R4 216 milhões com a internação das vítimas.
Leia mais »

Eu sou um burguês?

Autor: 

Eu sou um burguês?

 *********

Na minha infância eu detestava chinelo. Corria. Eu e a terra éramos um só. Sem nenhum isolante sintético. Na primeira chuva do ano eu sempre me molhava. Minha mãe dizia pra cuidar com relâmpago. Mas somente os trovões me assustavam. Eu andava descalço. Não enclausurava as partes intimas, e camiseta era artigo de luxo. (Pra dia de festa, ocasião especial). Nas minhas origens é que moram o “eu”. Apesar de afirmarem que “O Tempo só anda de ida”. Duvido. Mas também pouco discordo... Leia mais »

Osasco aprova a criação do Dia Municipal dos Ostomizados

Autor: 

Dia 16 de novembro integrará calendário de políticas públicas de saúde, prevenção e de inclusão social

A Câmara Municipal de Osasco aprovou no dia 18 de novembro, com 18 votos favoráveis, em segunda votação, o Projeto de lei nº 71/2014, que institui o Dia Municipal dos Ostomizados, a ser reverenciado no dia 16 de novembro. Na parte da manhã, o projeto já tinha sido aprovado em primeira votação, em sessão extraordinária. O projeto segue agora para o prefeito Jorge Lapas para sanção.

A proposta, de autoria do vereador André Sacco (PSDB), visa instituir uma data para impulsionar as campanhhas de prevenção e de inclusão social dos ostomizados, aquelas pessoas que passaram pela ostomia, um procedimento cirúrgico que consiste na abertura de um órgão, que exterioriza partes internas do corpo humano.
Leia mais »

O mercado de Líquidos de Gás Natural nos Estados Unidos

Autor: 

Do Blog Infopetro

Por Marcelo Colomer

Nos últimos anos, o crescimento da produção de petróleo e gás natural localizados em formações geológicas reconhecidas como não-convencionais nos EUA deu origem a importantes mudanças nos mercados internacionais, sendo manchete de muitas revistas e tema de muitos trabalhos acadêmicos. Contudo, o que pouco tem sido analisado é a relação existente entre o mercado de petróleo e a comercialidade dos projetos de exploração de gás não convencional.

A produção de metano, principalmente em formações não convencionais, pode carregar consigo uma elevada produção de Líquidos de Gás Natural (LGN) – da sigla em Inglês (NGL). Incluem-se entre os líquidos de gás natural o etano, propano, butano, isobutano e a gasolina natural. Apesar da pouca atenção despertada por estes produtos, estima-se que eles corresponderão, até 2025, a um quarto da produção de hidrocarbonetos líquidos nos EUA (EBINGER, C e AVASARALA, G, 2013). Leia mais »

Carta Denúncia apresentada no CO pela APG-USP Capital

Autor: 

A Associação de Pós-Graduandos Helenira ‘Preta’ Rezende, que representa os pós-graduandos do campus capital da USP, lançou no último dia 18/11, terça-feira, durante a 962a sessão do Conselho Universitário da USP (CO), carta denúncia sobre os casos de estupro e discriminações de gênero, sexualidade, etnia e assédio moral, tanto na Faculdade de Medicina como em toda a universidade. Na visão da entidade, a instituição tem sido negligente e lenta em dar respostas à comunidade. Portanto, divulgo aqui para amplo conhecimento e reflexão do público, o conteúdo desta carta. Leia mais »

Imagens: 
APG USP CAPITAL - Gestão Unindo Forças na USP

A transformação do panorama global do petróleo e do gás

Do Blog Infopetro

Por Luciano Losekann e Edmar de Almeida

Em 12 de Novembro último, com o apoio do IBP, foi realizado no Rio de Janeiro o seminário “The Changing Global Energy Landscape: Impacts for Brazil”. Fruto da parceria entre o Grupo de Economia da Energia e a Columbia University, o seminário contou com a participação de dois especialistas americanos[1] importantes: Robert McNally e Jason Bordoff. Os dois são fundadores do Center on Global Energy Policy, sendo que o primeiro foi assessor de energia do presidente George Bush e o segundo, atual diretor do Centro, foi assessor do presidente Barack Obama.

O seminário ocorreu em um momento bastante oportuno. O panorama global dos mercados de petróleo e gás natural se alterou fortemente nos últimos meses. Após um período anormal de calmaria nos preços entre 2011 e 2014, os preços do petróleo caíram fortemente e o futuro aponta para maior volatilidade dos preços. A revolução do shale gasagora terá impactos além das fronteiras dos Estados Unidos, tanto diretamente, via as exportações americanas de GNL, quanto indiretamente, mediante a difusão junto a outros países da tecnologia de produção de óleo e gás não convencionais. O novo panorama tem fortes implicações para o Brasil, que necessita realizar pesados investimentos para desempenhar papel mais relevante na indústria de petróleo. Leia mais »

UM BOM EXEMPLO DE POLICIAL

'Sou incansável', diz tenente que comanda Operação Lei Seca em NatalStyvenson Valentim se tornou referência na cidade quando o tema é Lei Seca.
Fotografado por onde passa, o oficial também é alvo de provocações.  Leia mais »

A universidade, as ideias e as pedras

Autor: 

Contam as más línguas, e também as boas, que existem diversas semelhanças entre o povo do Brasil e do EUA. Entretanto existe milhares de pontos antagônicos na formação destes povos. Como exemplo aqui, me atentarei a universidade, sua função e o papel que a mesma desempenha no desenvolvimento destas regiões [divisões] geopolíticas. A primeira universidade do EUA remonta de meados do século XVII, enquanto no Brasil somente no início do século XX. No entanto, dois séculos de “atraso” é pouco, o tempo não é mais forte que uma “ideia”. O principal não é a data, mas a função, o papel designado a universidade e a quem ela forma. Nos EUA, desde sempre, a universidade foi designado o papel central de formar pessoas capacitadas para pensar o desenvolvimento daquele território. No Brasil, em contraponto, as primeiras universidades de medicina e direito, foram criadas para conferir um “status” social, para que indivíduos adquirissem “prestígio” (hierárquico), através de um anel (diploma) perante a sociedade. Leia mais »

Os desafios do investimento em gasodutos

Do Blog Infopetro

Por Michelle Hallack e Miguel Vazquez

Desafios no estabelecimento de mecanismos de decisão sobre o calculo do investimento em gasodutos podem ser observados em muitos países. Discordâncias na determinação de quanto, quando e onde investir no transporte em gás não são uma exclusividade brasileira. Diferentemente das jabuticabas, esses desafios e discordâncias sobre a definição do investimento em infraestruturas de transporte de gás no Brasil são observados em vários países. Neste contexto, a discussão sobre o PEMAT (Plano de Expansão da Malha de Transporte) brasileiro pode ser vista como parte de uma discussão mais ampla sobre possíveis mecanismos para fazer face aos desafios relacionados à decisão de investimento em gasodutos.

Atualmente, discussões deste gênero são frequentes nos países Europeus, em alguns Estados Norte-Americanos (como New England) e países sul-americanos (como a Colômbia). Nestes casos, a inclusão massiva da geração térmica a gás natural combinada com a volatilidade da demanda de ponta (causada por questões climáticas inesperadas e/ou por massiva inclusão de renováveis no sistema) potencializou os desafios dos modelos inicialmente adotados.

Esta postagem chama a atenção para alguns mecanismos e algumas propostas internacionais relacionadas aos mecanismos de decisões de investimento de transporte de gás natural. Estes mecanismos, se pensados no contexto nacional, levando em conta suas especificidades, podem ser fontes de inspiração tanto para a adoção de alguns mecanismos quanto para a rejeição de outros[1]. Leia mais »