Cinismo

Autor: 

El secretario de Defensa estadounidense, Robert Gates, visitó sorpresivamente a las máximas autoridades y al mando militar que su país tiene en Irak desde el 2003. En su recorrido por la base militar admitió que la impuesta “democracia” iraquí no es perfecta, pero afirmó que es un ejemplo para los pueblos árabes.  

“No todo es perfecto, pero es algo nuevo y es una democracia en la que el pueblo tiene sus derechos”, aseguró a los medios de comunicación el jefe del  Pentágono.

“Si nos fijamos en la agitación en toda la región (árabe), muchas de esas personas estarían contentas si estuvieran donde Irak está en el día de hoy”, agregó Gates.

Indicó que lo que se ha “logrado” en el país asiático es gracias a los “grandes sacrificios por parte de los iraquíes, de nuestros soldados y del pueblo americano, es algo verdaderamente extraordinario”, consideró.

Gates visitó la base Camp Liberty, ubicada al noreste del Aeropuerto Internacional de Bagdad (BIAP), con 175 soldados norteamericanos que participan en la formación de las fuerzas de seguridad del país. Leia mais »

Nobel

Autor: 

Será que Obama vai receber um novo Nobel da Paz?

Mídia conservadora...

Autor: 

Libia: La desinformación es un crimen contra la humanidad

La desinformación sobre lo que sucede en Libia es una de las más emblemáticas de los últimos años, porque en esta ocasión- y quizás sólo valga recordar la ilegalidad de la guerra contra la ex Yugoslavia y la liviandad de alguna prensa e intelectuales "progresistas"- la mentira y falsedades no sólo son transmitidas por los medios, mayoritariamente en manos del poder hegemónico mundial, sino por muchos de los llamados alternativos.

A vida secreta dos economistas do sistema

Nos editoriais e aparições públicas, os economistas acadêmicos não costumam revelar seus investimentos em – ou contratos com – instituições financeiras privadas, que poderiam influir em suas recomendações políticas. Mas desde que dois investigadores expuseram uma série de potenciais conflitos de interesse entre membros de sua profissão, os economistas estão agora, pela primeira vez, levando em consideração regras éticas que os obrigariam a divulgar qualquer conexão entre suas finanças pessoais e as políticas públicas que eles defendem. O artigo é de Mica Uetricht.

Marina Silva e a devastação verde

Autor: 

Considerada um “fenômeno eleitoral” em 2010, quando obteve quase 20 milhões de votos e ficou em terceiro lugar na disputa presidencial, Marina da Silva agora vive os seus dias de agonia. No final de 2009, ela e o seu grupo político abandonaram o PT e ingressaram no PV – um partido gelatinoso, que fala em “renovação política”, mas que em vários estados participa de governos da velharia demotucana. A união, porém, parece estar por um fio. A devastação verde é visível. Leia mais »

Notícias internacionais têm pauta única

  As agências de notícias tradicionais foram criadas como empreendimentos para a divulgação de informações financeiras em meados do século 19. Apoiadas pelos governos dos países onde tinham sede, essas agências nunca deixaram de ver o mundo segundo a ótica peculiar desses mesmos países.

  Leia mais »

Sara Flounders: Barcos de guerra perto da Líbia

Autor: 

O pior que pode acontecer ao povo da Líbia é a intervenção dos Estados Unidos. O pior que pode acontecer ao ascenso revolucionário que abala o mundo árabe é a intervenção dos EUA na Líbia.
Por Sara Flounders*

A Casa Branca se reúne com seus aliados imperialistas europeus da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) para discutir a imposição de uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia, o bloqueio de todas as comunicações do líder Muamar Kadafi dentro da Líbia e o establecimento de corredores militares para a Líbia a partir do Egito e da Tunísia, supostamente para “ajudar os refugiados”. (New York Times, 27 de fevereiro)

Isto significa posicionar tropas dos EUA e da Otan no Egito e na Tunísia perto dos dois campos petrolíferos mais ricos da Líbia, no leste e no oeste. Significa que o Pentágono coordene manobras com os militares egípcios e tunisinos. Que poderia ser mais perigoso para as revoluções egípcia e tunisina? Leia mais »

Oposição denuncia antigo acordo de lobistas dos EUA com Kadafi

Logo depois que George W. Bush suspendeu as sanções contra a Líbia em 2004, quando Kadafi anunciou que pretendia abrir mão das armas de destruição em massa e expressou seu entusiasmo em se juntar à guerra contra o terror, os produtores de petróleo dos EUA e da Grã Bretanha aproveitaram a oportunidade para se expandir no país. Empresas como BP, Exxon, Halliburton, Chevron, Conoco e Marathon Oil juntaram-se a gigantes da indústria armamentista, como Raytheon e Northrop Grumman, a multinacionais como Dow Chemical e Fluor e à poderosa firma de advocacia White & Case para formar a US-Libia Business Association, em 2005.

Hillary Clinton: "Estamos perdendo a guerra da informação"

No dia 2 de março, diante de um comitê de Política Externa do Congresso, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, disse que o país está perdendo a "guerra da informação". "A Al Jazeera está ganhando", resumiu. Muito citados nos últimos meses, Wikileaks, Twitter e Facebook tornam-se quase insignificantes em comparação com o papel exercido pela Al Jazeera no Oriente Médio. A Al Jazeera em inglês está fora da programação de tvs a cabo nos EUA, com exceção dos que estão em Toledo, Ohio; Burlington, Vermont e Washington DC. Isso não impede, é claro, que tanto Obama como a senhora Clinton critiquem a censura no Irã. O artigo é de Alexander Cockburn.

FOLHA: UM FENÔMENO DO REBOLADO

Neste domingo de Momo, o jornal da família Frias brindou os leitores com uma detalhada reportagem de duas páginas sobre a revolução econômica em marcha no Nordeste brasileiro, mais especificamente em Pernambuco. Um ciclo de redenção econômica e social, atesta a matéria, acontece nesse momento na região mais pobre do país puxado por uma "injeção de R$ 46 bilhões em investimentos públicos e privados previstos até 2014... (o conjunto está fazendo de ) "...Pernambuco, a nova locomotiva do Nordeste (e)... Leia mais »

Os blogueiros e a mídia conservadores: sobre a Líbia

Autor: 

Tanto a mídia conservadora quanto os blogues estão boicotando o noticiário sobre a Líbia. O máximo que aparece é a Al Jazeera que deixou de lado o contraditório na cobertura sobre a rebeldia na Líbia.  Basta ler a matéria abaixo para ver como estão sendo parciais. Nos blogues o que se vê são manifestações direitistas caricaturando Chávez -- que busca o diálogo -- e Kadafi. Assim perde-se toda esperança numa mídia independente -- pelo menos os blogues... (E lá se vão os fatos!)

  Leia mais »

Por que não noticiam os fatos na Líbia?

Autor: 

La jornada de este jueves en la capital de Libia, Trípoli, culminó en calma con decenas de manifestantes reunidos en la Plaza Verde para apoyar al presidente Muammar Al Gadaffi y la paulatina recuperación de la normalidad. No obstante al este, en la frontera con Egipto, tres ciudades estarían en manos de la oposición, reportó este jueves el enviado especial de teleSUR Jordán Rodríguez.

“En la capital, la situación es de calma, hay muchísma presencia de la policía y de fuerzas militares para tratar de mantener controlada la situación, para que no se presenten disturbios como los de los últimos 4 y 5 días. Fuera de Trípoli, al este en la frontera con Egipto, se habla de que la ciudad de Benghasi y otras 2 ciudades más estarían siendo controladas por sectores de la oposición", detalló Rodríguez vía telefónica.

El equipo de teleSUR no ha podido constatar directamente esta información por los "mil 200 kilómetros por tierra" que separan a Trípoli de estas zonas, afirmó Rodríguez. Leia mais »

Que é revolução?

Autor: 

Não é um artigo. É só um comentário.

Não entendo porque tanta pressa em caracterizar de revolucionário o movimento árabe-muçulmano atual. Pode ser um tsunami, mas será (haverá) alguma revolução?

Derrubar o regime iraniano a partir do apoio dos EUA será um grande passo atrás e não será nem arremedo de revolução.

E o que danado é a Líbia? Democracia ocidental não é. Ditadura ocidental também não. Há participação popular em diversos comitês de forma muito diferente das ditaduras do mundo ocidental cristão.

Por que essa pressa em demonizar a Líbia de Kadafi? O derrube do regime líbio também pode ser um serviço magnífico para os EUA. Só não sei o quanto eles estão investindo na revolta líbia. Mesmo a Al Jazeera não consegue confirmar relatos, uma de suas principais fontes fala a partir da Grã Bretanha, e a emissora não pode entrar na Líbia. Leia mais »

Contra islamofobia no blog

Autor: 

Tariq Ali: A alegria do Egito com a saída de Mubarak Com a partida de Mubarak, a idade da maturidade política está de volta ao Egito e ao mundo árabe. Uma noite alegre no Cairo. Que felicidade estar vivo, ser egípcio e árabe. Na Praça Tahrir estão a cantar: "O Egito está livre" e "Vencemos!"

Por Tariq Ali*

A saída de Mubarak (e a recuperação para o Tesouro Nacional do saque de U$40bi), sem quaisquer outras reformas, já seria sentida em toda a região e no Egito como um imenso triunfo político.

Novas forças entrarão em movimento. Uma nação que testemunhou o milagre da mobilização de multidões e a força do soerguimento da consciência popular, não será fácil de esmagar, como a Tunísia está provando.

A história árabe, apesar das aparências, não é estática. Logo após a vitória de Israel em 1967, que marcou a derrota do nacionalismo secular árabe, um dos nossos grandes poetas, Nizan Qabbani, escreveu:

Crianças árabes
Sementes em gestação do futuro
Vocês arrebentarão nossas correntes
Anularão o ópio em nossas cabeças
Matarão as ilusões.
Crianças árabes Leia mais »

Política conservadora para o mínimo

Política econômica conservadora impede a valorização do mínimo O pano de fundo da batalha política em curso sobre o novo valor do salário mínimo é a política econômica conservadora, na opinião do presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Wagner Gomes. “É em nome dela que se nega o aumento real”, argumenta o sindicalista em entrevista concedida nesta quarta-feira (9) ao Vermelho. Arquivo CTB  

Wagner Gomes, presidente da CTB.

  Leia mais »