Mídia Ninja responde a Chico Otávio

Autor: 

Segue o texto do fotógrafo Rafael Vilela, membro do coletivo Fora do Eixo e do Mídia Ninja.

Querem criticar a nova midia, mas não tem o minimo cuidado de pesquisar sobre quem e o que estão falando. E depois ainda querem falar de imparcialidade e apuro jornalístico. Esta é a grande mídia brasileira. Não sei se rio ou se choro. 

A matéria do Jornal O Globo, intitulada "Os Ninjam querem verba oficial pra sobreviver" do jornalista Chico Octavio é a prova real de como os grandes veículos de comunicação radicados no Rio de Janeiro e São Paulo perderam a capacidade de conexão com a realidade e as rápidas mudanças que tem vivido a sociedade brasileira.  Leia mais »

Mídia Ninja responde Chico Otávio

Autor: 

Segue o texto do fotógrafo Rafael Vilela, membro do coletivo Fora do Eixo e do Mídia Ninja.

Querem criticar a nova midia, mas não tem o minimo cuidado de pesquisar sobre quem e o que estão falando. E depois ainda querem falar de imparcialidade e apuro jornalístico. Esta é a grande mídia brasileira. Não sei se rio ou se choro. 

A matéria do Jornal O Globo, intitulada "Os Ninjam querem verba oficial pra sobreviver" do jornalista Chico Octavio é a prova real de como os grandes veículos de comunicação radicados no Rio de Janeiro e São Paulo perderam a capacidade de conexão com a realidade e as rápidas mudanças que tem vivido a sociedade brasileira.  Leia mais »

Cuidado, a Apple pode enganar seu filho e é você quem paga

Autor: 

Sabe aquela expressão mais fácil que roubar doce de criança? A Apple encontrou a sua versão para tabletes e celulares. Minha filha de seis anos sempre usa meu Ipad para jogos online e no caso da Apple, como todos sabemos, isso acontece via aplicativos. Minha filha me pediu que encontrasse um jogo chamado SubwaySurfers. Achei e para baixar era "grátis" ( ou seja o bombom). Baixei e junto com o aplicativo vem o conteúdo que ela pode dar início ao jogo "grátis". Saí de perto e deixei ela jogando. Na sequência a Apple então dá o bote e oferece à criança outros níveis (ou seja, as caixas de bombom). De que maneira? Aparecem botões que se a criança clicar ela realiza a compra que é debitada direto da sua conta na Apple. Ou seja, quando vc baixa um aplicativo, a Apple espertamente mantém aberta  "a porta do caixa"  e a sua conta fica aberta para compras em sequência. A criança não sabe, clica e compra sem saber que está comprando (uma vez que está tudo em inglês e afinal, aparece aqui, é para clicar e continuar jogando). Resultado, minha filha gastou 59 dolares em compras de níveis do SubwaySurfers sem a minha autorização, que sou o dono da conta. Mas ainda não acabou. Leia mais »

É pau, é pedra é o fim do caminho......

Autor: 

Foto feita pelo fotógrafo Fernando Donasci, ontem.

Imagens: 
Foto: Fernando Donasci

A foto que define o que é ético

Autor: 

Há oito anos Paulo Maluf e seu partido fazem parte da base de governo Lula/Dilma. Ninguém lembra disso. Mas todos lembram que mais de 23 milhões de pessoas saíram da extrema pobresa através da política social do governo Lula que continua no governo Dilma. Todos lembram quantos ingressaram na universidade graças aos programas do governo Lula para inserção de camadas da população que não tinham este acesso. Todos lembram que Lula restaurou o respeito aos governos dos países latino americanos e africanos, sobretudo pela autonomia de todos eles. Leia mais »

"A pata pesada do poder" - Remoção de famílias no RJ

Autor: 

Veja o vídeo feito pelo coletivo carioca, Favela em Foco, composto por fotógrafos formados na Escola de Fotógrafos Populares da Maré, do projeto Imagens do Povo, um dos projetos gerenciados pelo Obversatório de Favelas(RJ). O vídeo mostra os preparativos para a remoção de famílias no Morro da Providencia, no Rio de Janeiro.







Santiago e o corretor de texto da grande imprensa

Autor: 


Do cartunista Santiago, direto de sua página no Facebook

A parte boa de não estar na grande imprensa é poder criticá-la, coisa impensável para os comunicadores e palpiteiros dos grandes veículos.  Sempre achei bizarro um profissional ser contratado para criticar todas as instituições do país, menos a instituição imprensa, esta, intocável nas suas mazelas.
Exemplos: a verdadeira caixa preta das concessões de rádio e TV, as nove famílias que comandam a informação no Brasil, a brutal prepotência de quem tem o privilégio de falar, sem direito de resposta da outra parte, o enorme domínio do anunciante que exerce, sim, censura nas redações.
Neste desenho falo de alguns dogmas que viram afirmação indiscutível, como o fato dos movimentos socais serem sempre tratados como organizações criminosas!!

São Paulo como laboratório da direita

Autor: 


Foto: Bernardo Mendes Ribeiro/Facebook

A sucessão de atos de autoritarismo explícito e uso da força policial para resover questões sociais – a invasão da USP por tropas de choque (gerou imagens que lembram as prisões dos estudantes em Ibiúna, na época da ditadura militar), a truculência na cracolândia e agora o despejo em Pinheirinho – permite perceber que as forças políticas de  direita, capitaneada pelo PSDB está usando São Paulo como laboratório de testes. Está esticando a corda para ver até onde a sociedade convive com o autoritarismo e o conservadorismo.
Leia mais »

Merval x Nassif, esse debate é bom.

Autor: 

Prezado Nassif, desculpe a provocação do título mas é óbvio que o Merval está respondendo seu Post sobr3 a entrevista do Werneck ao Valor Econômico. O impressionante é que ele tenta complementar o raciocínio do Werneck e a análise política fica ainda mais míope.
Antes de carregar o texto do Merval, publicado em o Globo, queria fazer quatro comentários:

1) A Anistia não foi uma conciliação e nem um acordo. Foi o arranjo possível dentro da correlação de forças possível naquele momento. A sociedade brasileira não concordou com a Anistia porque ela não foi chamada a debater e nem corroborar. Distorcer esse fato é distorcer a história e as novas gerações não agradecem essa distorção.
2) Quem disse que pegou em ramas não participou da luta pela democracia? A Dilma está aí na cara de ambos para provar o contrário. Desmantelada a aventura da luta armada, muitos entraram na luta pela volta da democracia e ela só voltou porque toda a sociedade lutou por ela.

3) Chamar de "forças derrotadas"as pessoas que hoje querem uma revisão (até porque a correlação de forças é outra) é de uma falta de respeito sem fim e por outro lado é imaginar que só os que pegaram em armas querem essa mudança.
4) Não sei nem o que dizer nem o que pensar de uma pessoa que tem esse tipo de raciocínio: ...Para ele, “os direitos humanos dizem respeito aos vivos. Aos mortos, o velho direito de serem enterrados como Antígona (protagonista da tragédia grega de Sófocles) quis enterrar o irmão em solo pátrio. É o que esta Comissão da Verdade está fazendo”.
Leia mais »

Mais lenha na fogueira do debate sobre direito autoral

Autor: 

Cibercondição - de Hermano Vianna - O Globo - 13/01/2012

O que considero mais interessante na história de “Ai se eu te pego” não é seu atual sucesso mundial, mas sim o processo de sua composição e divulgação, antes de chegar aos ouvidos de Michel Teló. Os detalhes podem parecer únicos, irrepetíveis, mas na verdade — depois de uma análise nem tão cuidadosa assim — revelam um padrão já dominante na indústria cultural pós-internet, bem popular no Brasil (talvez sejamos até a vanguarda nesse tipo de estratégia criativa-mercadológica). Peço desculpa se vou contar o que todo mundo já sabe. Considero de extrema importância encarar o que é mais óbvio com olhar mais curioso, capaz de nos fazer entender o mundo em que passamos a viver.
Leia mais »

Mais lenha na fogueira do debate sobre direito autoral

Autor: 

Cibercondição - de Hermano Vianna - O Globo - 13/01/2012

O que considero mais interessante na história de “Ai se eu te pego” não é seu atual sucesso mundial, mas sim o processo de sua composição e divulgação, antes de chegar aos ouvidos de Michel Teló. Os detalhes podem parecer únicos, irrepetíveis, mas na verdade — depois de uma análise nem tão cuidadosa assim — revelam um padrão já dominante na indústria cultural pós-internet, bem popular no Brasil (talvez sejamos até a vanguarda nesse tipo de estratégia criativa-mercadológica). Peço desculpa se vou contar o que todo mundo já sabe. Considero de extrema importância encarar o que é mais óbvio com olhar mais curioso, capaz de nos fazer entender o mundo em que passamos a viver.
Leia mais »

O ódio como herança de 2010

Autor: 

É preocupante a construção de um ódio que vem sendo concretado nessa reta final da campanha presidencial. Como petista, claro que estou feliz com o desenrolar da eleição e com a derrocada de José Serra e seu grupo político, se é que isso existe.
Mas tanto da parte do candidato - não vi uma proposta sequer de Serra, um pensamento completo, uma formulação de nada que possa resultar como idéia para debate. Apenas raiva contra o PT e falas de desqualificação de Dilma Roussef. Na verdade o Serra ainda não mostrou porque quer ser presidente e a se basear no que ele vem apresentando e da forma como vem se comportando, seria realmente preocupante se ele estivesse na frente nas pesquisas e tivesse chances reais de ganhar. O que seria um pessoa assim na presidência? Leia mais »