A benevolência da lei de trânsito

A BENEVOLÊNCIA DA LEI  DE TRÂNSITO

  

  O atropelador do filho da atriz Cissa Guimarães está em liberdade. O Código de Trânsito Brasileiro, sem dúvida, é uma autorização expressa para matar. Basta observar o disposto no artigo 301 em que estabelece que não se imporá a prisão em flagrante, nem se exigirá fiança do condutor, envolvido em acidente de trânsito com vítima, desde que preste à esta pronto e integral socorro. Ou seja, pode matar e mutilar ao volante, em seguida solicita o socorro de emergência para a vítima e depois pode ir ao cinema ou ao supermercado. A lei existe para proteger os assassinos do volante. Não há dúvida. Já beneficia antes do julgamento. Leia mais »

O Brasil e a mentira do primeiro de abril

     O Brasil acaba de ser incluído no rol dos países de primeiro mundo. A educação pública tornou-se de primeira qualidade onde professores têm salários de fazer inveja aos tempos de salários indignos. As escolas públicas dispõem de ar condicionado, gelando, em todas as suas dependências. Os hospitais públicos tornaram-se padrão linha D'or. Não há mais filas para emergências e consultas. Tudo funciona com invejável rapidez de atendimento. A polícia alcançou 95% na taxa de elucidação dos crimes e armas e drogas deixaram de penetrar pelo 'queijo suíço' de nossas fronteiras. Policial tem salário, em início de carreira, de R$ 8 mil e o salário mínimo do país é de R$ 6 mil. Não se houve mais falar em falcatruas entre empresas estatais e empreiteiros. Pela nova e rígida lei penal, dependendo do montante surrupiado, a pena pode chegar a 30 anos de prisão em regime fechado. Detalhe: foram extintas as progressões de regime carcerário e as reduções de pena na lei brasileira. Leia mais »

Operação Lei Seca, de dia, é necessária

Boa parte dos motoristas brasileiros tem compulsividade para descumprir normas de trânsito. Leia mais »

MENSAGEM DE CHAPLIN PARA O NATAL

 TUDO DEPENDE DE MIM (um texto para reflexão) Hoje levantei cedo pensando no qu Leia mais »

Trânsito brasileiro mata mais que na guerra na Síria

 Num período de quase quatro anos os conflitos na Síria resultaram, até aqui, na morte de 202.354 pessoas. A epidemia permanente, na barbárie do trânsito brasileiro, pela imprudência em rodovias e vias urbanaS, produziu, nos últimos cinco anos, uma média de 45 mil vítimas fatais/ ano. Ou seja: mais óbitos do que na guerra da Síria. 

Segundo a ABRAMET, no ano de 2012, a violência no trânsito ceifou a vida de 44 mil pessoas no Brasil, o que representa, em média, 122 óbitos/dia. O Denatran, por sua vez, revela que chegou a 46 mil o número total de óbitos naquele mesmo ano. Conforme a ABRAMET seis de cada dez leitos nas UTIs dos hospitais brasileiros são ocupados por vítimas de acidentes de trânsito. Foram gastos, no ano de 2012, o montante de R4 216 milhões com a internação das vítimas.
Leia mais »

UM BOM EXEMPLO DE POLICIAL

'Sou incansável', diz tenente que comanda Operação Lei Seca em NatalStyvenson Valentim se tornou referência na cidade quando o tema é Lei Seca.
Fotografado por onde passa, o oficial também é alvo de provocações.  Leia mais »

A morte crescente sobre duas rodas

Na guerra do trânsito brasileiro, onde em 2012 os dados oficiais mostram que morreram cerca de 46 mil pessoas, em rodovias e vias urbanas, sem falar nas que resultaram gravemente feridas, as motocicletas, numa frota de cerca de 20 milhões de unidades, representam, segundo o seguro obrigatório DPVAT, 75% das indenizações do trânsito brasileiro em consequência dos acidentes. Cerca de 40 motociclistas morrem por dia no país. Na cidade do Rio de Janeiro ocorrem em média 11 acidentes envolvendo motocicletas diariamente.

  Leia mais »

Turistas em alerta na Copa

Caminhar em grupos, só carregar consigo o dinheiro absolutamente necessário, colocar em parte mais segura do corpo celulares e documentos pessoais, evitar locais ermo ou outros ditos perigosos, não visitar algumas favelas, evitar o uso de jóias que possam despertar o interesse de criminosos, verificar a credibilidade de quem oferece o transporte alternativo, etc. São alertas dados por consulados e agências de viagem num pacote preventivo de medidas comportamentais de segurança, para turistas que virão ao Rio durante a Copa do Mundo. Nada de alarmista num país onde um vaso sanitário, arremessado do alto de um estádio, no Recife, matou recentemente, por traumatismo craniano, um torcedor. Leia mais »

O trabalho da polícia e o direito da imprensa

Mais um lamentável incidente se deu entre a polícia e a imprensa, durante a cobertura de um conflito envolvendo uma ordem judicial de reintegração de posse de, na sexta-feira 11/04, na Zona Norte do Rio, fato que nos obriga a uma necessária reflexão. Mais um desentendimento, desnecessário, entre um policial e um repórter, ambos cumprindo suas imprescindíveis e relevante missões constitucionais sob a égide de um regime democrático  Leia mais »

Álcool, direção, tragédia e lei dura

O tatuador Txai Maloper, de 23 anos, morreu atropelado na madrugada desta terça-feira, 01/04/14, no Aterro do Flamengo, na Zona Sul do Rio. Foi atingido pelo carro dirigido pelo dentista João Gabriel Costa Marques de Oliveira, de 26 anos. O corpo de Txai foi arremessado a cerca de 50 metros de distância. Imaginem a velocidade empreendida ao veículo e a força do impacto. Ele morreu no local em razão dos gravíssimos traumas. O dentista foi submetido a exame no Instituto Médico-Legal (IML), que constatou alteração de sua capacidade psicomotora, já que havia ingerido bebida alcoólica. 

  Leia mais »

Seminário debaterá, no Rio, a descriminalização da maconha

Publicado no blog repórter de crime em 05/03/14 (o globo online)  Leia mais »

Menores continuarão inimputáveis mesmo que matem

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, acaba de rejeitar a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que reduziria para 16 anos a maioridade penal em casos de crimes hediondos ou na múltipla reincidência da prática de lesão corporal grave ou roubo qualificado. Acirra-se pois, novamente, o debate sobre a questão da fixação do limite etário para a responsabilidade penal, objeto de constantes e inúmeras discussões sendo tema de grande polêmica, observando-se que intelectuais, de vários segmentos, aí incluídos respeitados juristas, antropólogos, sociólogos e militantes de direitos humanos se posicionam, terminantemente, contra a possibilidade de menores de 18 anos serem processados criminalmente. Permanecem fiéis à recomendação de 1949, proposta pela Organização das Nações Unidas (ONU), no Seminário Europeu de Assistência Social, realizado em Paris. Leia mais »