O hangout da CNI sobre os rumos da indústria

Do Portal da Indústria

Inovação é tema do próximo debate virtual da CNI

O presidente da Embrapii, João Fernando Gomes de Oliveira, e o diretor de Inovação da CNI, Paulo Mól, participam do bate-papo moderado pelo colunista da Revista Época Clemente Nóbrega
 
A Confederação Nacional da Indústria (CNI) promove nesta quarta-feira, 28 de agosto, a partir das 15h, mais um debate virtual Rumos da Indústria. A terceira edição do bate-papo terá como tema a inovação. O debate reunirá o colunista da Revista Época e especialista em gestão da inovação, Clemente Nóbrega, o presidente da Embrapii, João Fernando Gomes de Oliveira, e o diretor de Inovação da CNI, Paulo Mól.
Leia mais »

Sobre o pessimismo dos analistas do mercado financeiro

Sugerido por Ed Doer

Do Jornal do Commercio

Opinião Econômica - Qualidades

Há muitos defeitos, alguns graves, a corrigir no País; mas que tal olhar um pouco mais para as qualidades?

Benjamin Steinbruch

Steinbruch é diretor-presidente da CSN e primeiro-vice-presidente da Fiesp

Se os empresários do setor produtivo fossem orientar suas ações e investimentos com base em opiniões de analistas do mercado financeiro, estariam fritos. Às vezes fico me perguntando se eles seriam analistas ou terroristas. 

Curioso é que, por mais pessimismo que exalem, com poucas exceções, não conseguiram prever a megacrise que começou dentro do próprio mercado financeiro norte-americano no fim da década passada e que até agora contamina a economia global. 

Dias atrás, o Banco do Brasil divulgou seu balanço e apresentou um lucro recorde de R$ 10 bilhões no primeiro semestre. Além disso, a instituição mostrou uma redução de seu índice de inadimplência de 2% para 1,87%. 

Todos os analistas previam o contrário, que a inadimplência aumentaria porque o banco estaria adotando uma política arriscada de concessão de crédito - na contramão do setor financeiro privado, que está encolhido, o BB aposta em uma política anticíclica e aumenta sua participação no crédito geral do País.  Leia mais »

A crise de 2008 e o paradigma do modelo econômico e político

Sugerido por Assis Ribeiro

Do Instituto Lula

Artigo: A hora da ação política

Por Luiz Inácio Lula da Silva

A lenta retomada da economia global e os seus enormes custos sociais, especialmente nos países desenvolvidos exigem uma corajosa mudança de atitude. É preciso identificar com clareza a raiz da crise de 2008, que em muitos aspectos se prolonga até hoje, para que os líderes políticos e os órgãos multilaterais façam o que deve ser feito para superá-la.

A verdade é que, no dia 15 de setembro de 2008, quando o banco Lehman Brothers pediu concordata, o mundo não se viu apenas mergulhado na maior crise financeira desde a quebra da Bolsa de Nova York em 1929. Viu-se também diante da crise de um paradigma.

Outros grandes bancos especuladores nos Estados Unidos e na Europa só não tiveram o mesmo destino porque foram socorridos com gigantescas injeções de dinheiro público.  Ficou evidente que a crise não era localizada, mas sistêmica. O fracasso não era somente desta ou daquela instituição financeira, mas do próprio modelo econômico (e político) predominante nas décadas recentes. Um modelo baseado na ideia insensata de que o mercado não precisa estar subordinado a regras, de que qualquer fiscalização o prejudica e de que os governos não tem nenhum papel na economia, a não ser quando o mercado entra em crise. Leia mais »

Primeiro leilão de ferrovias deve acontecer em novembro

Do Estadão

Governo admite 1º leilão de ferrovias só em novembro

Plano anterior previa que licitação ocorreria em 18 de outubro; publicação do edital ainda depende de aprovação do TCU

Luciana Collet, da Agência Estado

SÃO PAULO - O governo federal não trabalha mais com a perspectiva de fazer o primeiro leilão de ferrovias, do trecho entre Açailândia (MA) e Barcarena/Vila do Conde (PA), em 18 de outubro, como divulgado no mês passado. A estimativa agora é que a licitação ocorra em novembro.

Em apresentação no Fórum de Líderes Empresariais (Lide), o ministro da Fazenda, Guido Mantega, apresentou um quadro com o cronograma de concessões que indica a realização dos leilões de ferrovias entre novembro de 2013 e março de 2014, com a publicação dos editais entre setembro e janeiro. Quando o Programa de Investimentos em Logísticas (PIL) foi lançado, a sinalização era de que os certames aconteceriam entre maio e junho deste ano.

Em entrevista na semana passada ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, o ministro dos Transportes, César Borges, disse que a publicação do edital, que era prevista para 19 de agosto, pelo cronograma mais recente, ainda dependia de aprovação do Tribunal de Contas da União (TCU). O ministro explicou que, entre os motivos para a demora do TCU em aprovar o edital, estava o fato de que o modelo de concessão previsto para as ferrovias dentro do PIL é novo, diferente das concessões ferroviárias existentes. Leia mais »

Instituições financeiras preveem aumento da taxa Selic

Da Agência Brasil

Taxa Selic deve subir 0,5 ponto percentual, segundo pesquisa do BC a instituições financeiras

26/08/2013 - 9h41

Kelly Oliveira
Repórter da Agência Brasil

Brasília – As instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) esperam por aumento de 0,5 ponto percentual na taxa básica de juros, a Selic, que atualmente, está em 8,5% ao ano. Amanhã e na quarta-feira, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC vai se reunir para definir a taxa básica.

De acordo com a pesquisa do BC, a Selic vai finalizar 2013 em 9,5% ao ano. A previsão anterior era 9,25% ao ano. Além da reunião deste mês, o Copom também vai definir a Selic em outubro e em novembro deste ano. Para o fim de 2014, a previsão segue em 9,5% ao ano.

Leia mais »

O aumento da desigualdade na França

Sugerido por Assis Ribeiro

Do Brasil de Fato

Na França, os ricos são cada vez mais ricos e os pobres… cada vez mais pobres

Enquanto crise golpeia camadas populares e classe média, grandes fortunas aumentaram riqueza em 25% em um ano

Com uma produção anual superior a 1,9 bilhões de euros, a França, quinta potência mundial, jamais foi tão rica em sua história. Ainda assim, desde 1945, o país nunca teve tantos deserdados, com mais de 8,6 milhões de pessoas vivendo abaixo da linha de pobreza, ou seja, mais de 14% da população. Um relatório do governo discorre sobre esta alarmante constatação e reconhece “a massificação da uma precariedade que alcança lares antes protegidos”.

As crianças e jovens em geral são as primeiras vítimas da pobreza. “Cada vez mais jovens adultos e crianças só conhecem a pobreza como condição de futuro”, admite o governo francês de François Hollande. De fato, dois de cada três novos pobres, ou seja, 65% deles, têm menos de 18 anos. A pobreza entre os menores de idade chega a 19,6%.

No total, 2,7 milhões de crianças vivem abaixo da linha de pobreza. Além disso, 21,9% dos que têm entre 18-24 anos, ou seja, mais de um milhão de jovens, vivem na indigência. A situação é ainda mais dramática nas ZUS (zonas urbanas sensíveis), onde 49% das crianças e 42,5% dos que têm entre 18-24 anos vivem em um lar pobre. Leia mais »

Disparidade de números caracteriza temporada de balanços

Do Jornal GGN

Disparidade de números caracteriza temporada de balanços trimestrais

sex, 23/08/2013 - 19:15 - Atualizado em 25/08/2013 - 12:10

Tatiane Correia

Jornal GGN - Os números relacionados à temporada de balanços financeiros do segundo trimestre confirmam a disparidade apresentada dentro dos setores econômicos, seja por conta das condições econômicas ou pelas medidas adotadas pelas empresas em termos gerenciais. Analistas destacam que as companhias que concentraram esforços na reestruturação de suas contas ou realizaram ajustes acabaram apresentando um desempenho melhor, embora a conjuntura econômica também tenha seu componente de participação.

Leia mais >>> Leia mais »

Para entender a raiz dos cartéis de trem

Autor: 

Coluna Econômica

Há um motivo para a gênese dos atuais escândalos da Siemens e do cartel dos trens estar no governo Mário Covas.

Covas assumiu em 1995 sob duas fortes pressões. A primeira, de ordem moral, de responder à imagem de descalabro do governo paulista pós-redemocratização. A segunda, a grave crise fiscal do Estado e as pressões que sofria do governo Fernando Henrique Cardoso para vender suas estatais.

Essas duas pressões levaram-no a uma atitude voluntarista, de cortar despesas no tranco, que traria graves consequências para o Estado. Juntou os principais fornecedores e, pessoalmente, mandou o aviso: ou reduziam em 20% todos os contratos ou eles seriam rompidos.

Foi um gesto positivo, que ecoou bem na mídia e junto à opinião pública, mas que teria desdobramentos negativos depois.

***

O corte foi feito linearmente, na orelhada. Em lugar de reduzir a margem de lucro, as empresas de serviço reduziram a qualidade do serviço, fazendo o mesmo com menos gente.

Já as empresas de construção e equipamentos, mais espertas, esboçaram um recuo inicial, mesmo porque na área federal havia também o predomínio do PSDB. Mas sabiam que, em pouco tempo, haveria pressões políticas para o governo mostrar serviço - e ele teria que vir atrás delas.

Alguns contratos foram abandonados. Em outros, ampliaram os acordos de cartelização. Tratando com um governador de gênio difícil, buscaram se aproximar de empresas que tivessem interlocução com o governo do Estado. É nesse contexto que, de repente, empresas de serviço - como a Tejofran e, na área de quentinhas a presídios, a Denodai - tornam-se integrantes de consórcios ao lado de gigantes globais, como a Siemens. E empresas como a Allston e a Duke passam a distribuir propinas a políticas capazes de influenciar a administração pública.

*** Leia mais »

O jogo do gás boliviano

Por Andre Araujo

http://money.cnn.com/pf/features/lists/global_gasprices/

O JOGO RUIM DO GAS BOLIVIANO - A Bolivia viveu no Seculo XX do estanho, metal cuja produção atingiu seu pico antes da Segunda Guerra e caiu muito após 1960. A Bolivia salvou-se com o gás, descoberto na provincia de Tajira por brasileiros, no começo o Grupo Soares Sampaio (União Brasil Bolivia de Petroleo S.A.) que desenvolveu a exploração com as economias de 10.000 brasileiros que compraram suas ações.

A UBBP foi comprada pela Petrobras, que herdou os campos de San Antonio e San Alberto e construiu um gasoduto de 3.500 quilometros para trazer o gas para São Paulo, no conunto um investimento de US$8 bilhões. Todos os governos bolivianos de 1960 até 2003 respeitaram os Acordos de Roboré que davam ao Brasil preferencia e garantia de fornecimento de gás.

Chega ao poder Evo Morales, um populista demagogo que foi eleito pela população aymará do Altiplano e contra o poder politico da região pós andina, a chamada Meia Lua, cinco provincias mais prosperas, desenvolvidas e exatamente onde estava o gás. Morales rompeu todos os acordos do gás, estatizou sem indenização os campos e investimentos da Petrobras,  simplesmente rasgou os tratados e triprlicou os preços para o gás despachado ao Brasil. Leia mais »

Dólar cai 3,23% na sexta

Sugerido por Roberto São Paulo - SP

Da Agência Brasil

Dólar cede 3,23% e tem a maior queda diária em dois anos

Brasília – Depois de nove pregões seguidos de altas, o dólar fechou o segundo dia em baixa. Na quinta-feira (22), ele caiu 0,78% com a forte venda do Banco Central (BC) no mercado livre de câmbio, e nesta sexta-feira (23) deu continuidade ao processo de desvalorização, registrando queda de 3,23%, cotada a R$ 2,353 para venda. Foi a maior diminuição do dólar desde 23 de setembro de 2011. A moeda norte-americana teve redução de 1,78% na semana, mas mantém valorização de 3,1 no mês e 15,1% no ano.

A cotação do dólar começou o dia em baixa, mas a desvalorização foi se acentuando no decorrer do dia, à medida em que o mercado digeria melhor o anúncio do BC na véspera, de que vai fazer leilões diários de swap cambial (venda da moeda norte-americana no mercado futuro), no valor de US$ 500 milhões cada, de segunda-feira a quinta-feira, e um leilão todas as sextas-feiras, até o fim do ano, para venda de US$ 1 bilhão das reservas internacionais com compromisso de recompra futura. Leia mais »

Gilberto Carvalho defende novo parâmetro de desenvolvimento

Sugerido por Assis Ribeiro

Da Carta Capital

Ministro pede a superação do modelo "sou feliz quando consumo"

Rafael Nardini

"Se o carro faz o problema, a produção do veículo gera empregos. Devemos fomentar propostas", diz Gilberto Carvalho

O ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, defendeu nesta sexta-feira 23 a abertura de um diálogo efetivo entre governo, empresas e sociedade civil para a construção de novos parâmetros de desenvolvimento econômico e gestão das cidades. Segundo o ministro, com a mobilidade social promovida nos últimos anos para cerca de 40 milhões de brasileiros, novas contradições surgiram, tornando a vida nos grandes centros do país “impossível”.

A declaração foi feita durante palestra no seminário “O Brasil e os objetivos do desenvolvimento sustentável”, organizado por CartaCapital.

“O modelo de que 'sou feliz quando consumo', de que ‘agora chegou a minha vez de ter uma geladeira, uma televisão, um carro, uma casa’ - e quem somos nós da classe média para coibir o consumo dessa gente? - acabou trazendo contradições. Todo o problema da mobilidade urbana, todo o problema do carro, em prejuízo do transporte coletivo, toda a questão dos resíduos sólidos, de infraestrutura, vão fazendo com que a nossa vida entre em choque com a saúde e com a razoabilidade da possibilidade de uma posse democrática de nossas cidades”, afirmou. Leia mais »

A resposta da Norte Energia para matéria do O Globo

Da Norte Energia

Resposta ao jornal O Globo, sobre rede de distribuição usada em Belo Monte

A Norte Energia vem destacar que, em relação à matéria intitulada “Ibama recomenda multa em Belo Monte”, a reportagem publicada em O Globo desta sexta-feira (23) erroneamente atribui à empresa responsabilidades sobre a implantação de linha de transmissão na região da Transamazônica.

A implantação da Linha de Transmissão 69 kV, que atende a outras demandas da região, além de auxiliar no abastecimentos dos canteiros de obras da Usina Hidrelétrica Belo Monte, é de responsabilidade da Celpa e não conta com participação direta da Norte Energia, não sendo correto afirmar que parte dessa linha venha a ser implementada pela empresa que constrói a usina.

A Norte Energia reitera mais uma vez que a implantação da Rede de Distribuição de 34,5 kV, esta sim sob sua incumbência e que também servirá posteriormente a comunidades próximas por meio de doação da Norte Energia, está dentro da legalidade e em total conformidade com os órgãos de fiscalização e licenciamento, segundo já informado aos referidos órgãos.

Em relação à multa de R$ 7 milhões mencionada na matéria, trata-se da única sanção aplicada à Norte Energia, em fevereiro de 2012, não em julho deste ano como a reportagem dá a entender, e contra a qual a Norte Energia recorre nas devidas instâncias. Leia mais »

O serviço clandestino da Telexfree e a velocidade dos blogs

Por Michel

Mídia está noticiando hoje (23/08/2013) que Anatel informou que o VoIP da TelexFree é clandestino (cliqueAQUI). Mas, pessoalmente falando, este não é o escopo da notícia. Para mim, a notícia é esta: como um blog interativo, ou, colaborativo como este do Nassif caminha anos luz na frente da grande mídia e portais a despeito de toda a estrutura (física, financeira e humana) que possuem. O fato é que, para os leitores deste espaço, a notícia já é velha; foi revelada há cinco meses num post do daSilvaEdison.

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-numero-0800-da-telexfree

Do iG

Serviço de telefonia VoIP da Telexfree é clandestino, informa Anatel

Empresa foi autuada por fornecer a tecnologia sem aval e pode ser indiciada pela PF

Vitor Sorano 

O sistema de telefonia por internet (VoIP, na sigla em inglês) da Telexfree é clandestino, informou a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Por essa razão, a empresa foi autuada pelo órgão e poderá ser investigada pela Polícia Federal. Leia mais »

O castelo de sonhos da aviação comercial brasileira

Sugerido por antonio francisco

Do site Vrum

Aviação - Castelo de sonhos

A aviação comercial brasileira motiva sonhos que não combinam com a realidade

Antônio do Nascimento - Estado de Minas

Publicação: 18/08/2013 11:33 Atualização: 18/08/2013 11:43 Leia mais »