O transporte público gratuito em Muzambinho, MG

Sugerido por Almeida

Do G1

Tarifa zero: transporte público é de graça em Muzambinho, MG

Na cidade de pouco mais de 20 mil habitantes, ninguém paga por ônibus. Serviço foi criado em 2011 e funciona de segunda a sexta-feira.

A insatisfação com o serviço e o preço cobrado pela passagem do transporte público tem sido o principal alvo dos manifestantes em todo o Brasil. Mas, pelo menos em Muzambinho (MG), esse não foi o motivo dos protestos na cidade. Isso porque no município ninguém paga para andar de ônibus.

A cidade de pouco mais de 20 mil habitantes tem transporte coletivo desde outubro de 2011. A cada viagem, os veículos percorrem 28 quilômetros de ruas e avenidas, passando por vários bairros. Nos ônibus, há roletas, mas não existem cobradores. Basta passar e seguir viagem sem nenhum gasto. Diferente de cidades onde o transporte público é complicado e superlotado, em Muzambinho, geralmente, todos os passageiros ficam sentados.

"Pra mim, pra ir trabalhar, é de grande ajuda já que eu sou autônomo, não tenho carro. Facilitou muito para mim, para minha esposa, minha família", diz o desenhista Paulo de Melo. Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo

Paulínia terá tarifa zero no transporte público

Sugerido por Almeida

Mais uma vitória para o Movimento Passe Livre!

O prefeito de Paulínia anuncia a implantação do projeto tarifa zero no município. Paulínia, com cerca de 87 mil habitantes e situado na região metropolitana de Campinas, a nona maior do país, se tornará o munícipio mais populoso que adota o projeto no Brasil. Se o projeto demonstrar sua viabilidade e eficácia, Paulínia será uma referência, não só para a maioria dos pequenos municípios brasileiros, mas também para a maioria dos restantes, grandes e médios, em torno de 350 municípios, que têm população semelhante ou superior.

Do G1

Moura Júnior anuncia tarifa zero no transporte público de Paulínia, SP

Segundo o prefeito, medida passa a valer no dia 1º de outubro deste ano. Político foi empossado nesta terça após reverter impugnação eleitoral. 

O prefeito de Paulínia (SP), Edson Moura Junior (PMDB), anunciou, nesta terça-feira (16), que o transporte público urbano passará a ser gratuito na cidade a partir do dia 1º de outubro. Hoje, custa R$ 1. A informação foi dada por ele durante as comemorações da posse, que se deu após decisão do TSE que o autorizou a assumir a Prefeitura sete meses após o início do ano da nova administração.

De acordo com a assessoria de imprensa do prefeito, a tarifa de ônibus será integralmente subsidiada pelo município, mas nesses três meses ainda será realizado um estudo para definir as formas como isso se dará. Com esta determinação, Paulínia será a primeira cidade da Região Metropolitana de Campinas com tarifa zero. Leia mais »

As exigências de Dilma para os investimentos em transporte

Sugerido por Assis Ribeiro

Do Tijolaço

Dilma fará prefeitos endurecerem com empresários de ônibus

A reunião que a Presidenta Dilma Rousseff está convocando e que reunirá governadores, prefeitos de grandes cidades e representantes dos movimentos sociais e empresários de transportes tem um recado muito claro a ser dado.

Só terá dinheiro do Governo Federal, dentro dos R$ 50 bilhões anunciados para investimentos em transportes urbanos quem proceder a uma revisão nas planilhas que servem de base ao cálculo das tarifas. Ou seja, quem “enxugar” as gorduras – gorduras, como se sabe, são coisas frequentemente nojentas – embutidas nos preços dos ônibus. E, por consequência, também os de trens, metrôs e barcas, fixados pelos governos estaduais na mesma toada.

Ou seja: o próximo casamento de Dona Baratinha terá de ser feito com bem menos dinheiro na caixinha. Principalmente na caixinha-dois. Leia mais »

Ex-presidente da Siemens tinha conta em Luxemburgo

Do Estadão

Justiça diz que ex-presidente da Siemens tinha conta em Luxemburgo

FERNANDO SCHELLER

A saída de Adilson Primo da presidência da Siemens, em outubro de 2011, gerou uma briga que se desenrola na Justiça. O executivo, que trabalhou durante 34 anos na multinacional alemã e presidiu a subsidiária brasileira por uma década, entrou com pedido na Justiça do Trabalho da 2ª Região para reverter a demissão por justa causa que impediu que ele recebesse rescisão contratual e bônus. O pedido foi negado em primeira instância.

Na decisão, a juíza substituta Camila de Oliveira Rossetti Jubilut, da 89.ª Vara do Trabalho de São Paulo, considera que a discussão sobre a demissão é relativa à quebra de confiança por omissão de informações sobre a movimentação de uma conta no Banco Itaú Europa de Luxemburgo, país europeu considerado um paraíso fiscal, pela qual teriam passado 6 milhões entre 2003 e 2006.

Na sentença, a juíza afirma ter "convicção clara" de que "o reclamante (Primo) sempre teve conhecimento da existência e estrutura da referida conta", que pertencia à empresa Singel Canal Services. Um total de 99,99% da Singel era de propriedade da Suparolo Private Foundation, formada pelo executivo e por outros três sócios. A decisão diz que a conta era "estranha à reclamada (Siemens)" e "recebeu ativos da ré de forma irregular e não contabilizada". Leia mais »

Governo paulista quer ressarcimento por cartel de trens

Sugerido por Gilberto . 

Do Estadão

Governo de SP pedirá ressarcimento por cartel de trens

A Corregedoria-Geral da Administração do governo do Estado de São Paulo afirmou ontem que pedirá ressarcimento de perdas e punição dos envolvidos caso seja comprovado que multinacionais formaram cartel para licitações do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

De acordo com nota, a corregedoria já solicitou cópia do inquérito do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que investiga o caso. Agora, o órgão espera envio dos documentos.

A suspeita é que as empresas se reuniam para combinar os resultados das licitações, o que acarretava em preços de 10% a 20% maiores do que os que deveriam ser aplicados.

A multinacional alemã Siemens delatou o cartel, do qual fez parte, envolvendo as empresas Bombardier, CAF, Mitsui e Alstom. A informação foi revelada pelo jornal Folha de S.Paulo. A delação da empresa faz parte de um acordo de leniência com o governo brasileiro, na qual ela ganha imunidade no processo. Leia mais »

Justiça obriga ANTT licitar 2 mil linhas de ônibus vencidas

Sugerido por Assis Ribeiro

Justiça determina licitação de 2 mil linhas de ônibus

Pedro Peduzzi
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A Justiça Federal deu prazo de dez dias para que a Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT) publique os editais de licitação de cerca de 2 mil linhas de transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros, com extensão superior a 75 quilômetros, vencidas desde 2008. A decisão é de primeira instância e cabe, portanto, recurso.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), autor da ação na Justiça, o caso se arrasta desde 1993, quando um decreto presidencial ofereceu o serviço por 15 anos em caráter emergencial, sob o argumento de garantir a continuidade do serviço enquanto governo e empresas iriam se adequar às novas regras para fazer as licitações. Leia mais »

Prefeitura de SP abre planilhas do sistema de transportes

Por alfeu

Da Rede Brasil Atual

Haddad abre planilhas do sistema de transportes de São Paulo na internet

Remuneração de concessionárias e cooperativas somou R$ 15,8 milhões de reais no primeiro dia do mês de julho. Transparência é uma das reivindicações do Passe Livre

por Eduardo Maretti, da RBA 

Em 1º de julho a remuneração bruta das concessionárias da capital foi de R$ 10,8 milhões

São Paulo – A remuneração bruta das concessionárias que operam os ônibus de São Paulo no dia 1° de julho foi de R$ 10.851.173,28, enquanto a das cooperativas chegou a R$ 4.989.692,79. No total, a soma da remuneração do sistema chegou a R$ 15,8 milhões de reais em um dia, o que projeta a remuneração das operadoras do sistema em R$ 474 milhões por mês e R$ 5,7 bilhões por ano. Os dados constam de planilhas que a prefeitura de São Paulo coloca à disposição a partir de agora no site da Secretaria Municipal de Transportes (SMT), com dados detalhados sobre a remuneração diária dos contratos de concessão e permissão do sistema de transporte público da capital. Leia mais »

Quem constrói a reputação

Autor: 

Coluna Econômica

Palestro na Fundação Luiz Eduardo Magalhães, OSCIP que trabalha com gestão pública na Bahia.

A grande questão que se apresenta: como estimular a inovação no setor público? Em geral, não há o reconhecimento do sucesso e penaliza-se profundamente o fracasso.

Uma das saídas - sugerem - seria o Prêmio de Jornalismo instituído pela Consad (Conselho Nacional de Secretários de Estado da Administração), visando estimular as reportagens sobre gestão pública.

Não é por aí. É prática pontual, que se aplica às velhas formas de jornalismo, não às formas pós-redes sociais. Muito mais eficiente seria instituir um prêmio para as melhores práticas de gestão.

***

Um administrador ousa, até corre riscos, pelo reconhecimento.  Todo processo inovador enfrenta problemas, que precisam ser superados até sua consolidação. No meio do processo, a probabilidade maior é o gestor ser bombardeado pela velha mídia, que dará manchetes para cada problema surgido, muitas vezes inviabilizando o trabalho.

Mesmo quando há o reconhecimento, parte de jornalistas sem conhecimento aprofundado do tema - já que não existem jornalistas setoristas de gestão pública. Assim,  a construção da reputação acaba sendo repassado para mãos leigas. Leia mais »

O debate sobre a política de tarifas do transporte público

Por José Carlos Lima

TV Câmara: Debate sobre a política tarifária do transporte coletivo. Marilena Chauí - Professora da USP

 
 
Vídeos: 
Veja o vídeo

O problema político do subsídio para o transporte público

Por Assis Ribeiro

Transportes, o problema é de política e não de gestão.

O Movimento Passe Livre começou a abrir a caixa de pandora do transporte público brasileiro. Se os transportes coletivos já eram criticados há décadas pelos usuários sofredores, com o movimento outras faces da precariedade do nosso sistema vêm à tona chegando até as possíveis relações espúrias entre o poder concedente e as concessionárias.

Essa opção política pelo crescimento com base no aumento do PIB, incentivando maciçamente a indústria de automóvel, começa a partir de Juscelino Kubitschek e permanece até os dias atuais, levando ao sucateamento do nosso sistema de transporte públicoEste tipo de medida pode ter efeito de gerar crescimento momentâneo, mas não previne a vulnerabilidade econômica e tampouco melhora o acesso da sociedade a direitos básicos. 

O modelo de transportes no Brasil cria o circulo vicioso que privilegia o transporte privado e cria dificuldades na melhoria do transporte público. É preciso deslocar a política neoliberal de incentivo à formação de grandes indústrias para uma política desenvolvimentista que foca no desenvolvimento social do país como forma de alavancar a economia. Leia mais »

A disputa tecnológica do lixo em Barueri

Barueri saíra às ruas nesse 10 de julho para defender a Política Nacional de Resíduos Sólidos que, depois de vinte anos de parto e dois de vigência, está ameaçada na região metropolitana de São Paulo pela opção tecnológica da incineração.

A opção por uma tecnologia não é neutra. Benefica a uns e prejudica a outros.
Leia mais »

É preciso mexer no lucro das empresas, diz MPL

Por Marco Antonio L.

Da Rede Brasil Atual

Movimento critica passe livre estudantil, e insiste: é preciso mexer no lucro das empresas

Grupo que iniciou onda de protestos pelo país critica Renan Calheiros por oportunismo e reforça convicção em favor da tarifa zero para todos os cidadãos, não apenas para estudantes

por Tadeu Breda

São Paulo – O Movimento Passe Livre (MPL) publicou hoje (4) em sua página na internet umcomunicado em que critica duramente o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), por ter pedido na semana passada empenho do Congresso para aprovar uma lei que garanta tarifa zero aos estudantes brasileiros nos ônibus, trens e metrôs do país. “Nos momentos de revolta, há sempre aqueles que querem aparecer como salvadores”, cutuca a nota do MPL. “Viram que a maioria dos envolvidos nos protestos eram jovens e decidiram propor a gratuidade para estudantes na tentativa de acalmar os ânimos.”

De acordo com Calheiros, autor do Projeto de Lei 248, de 2013, o passe livre para estudantes pode agora ser viabilizado graças à destinação dos royalties do petróleo para a educação, medida já aprovada pela Câmara e ratificada pelo Senado no último dia 2. “Se os trabalhadores contam com o benefício do vale-transporte, é justo que os estudantes também contem com tarifa zero”, argumentou o senador, em discurso proferido no Congresso na semana seguinte às manifestações. Procurado pela RBA no mesmo dia para comentar a iniciativa de Renan, membros do Passe Livre se recusaram a atender a reportagem, alegando a necessidade de discutir internamente a proposta. Agora, publicam documento em que consideram a proposta uma “farsa”. Leia mais »

Transporte privado teve mais investimentos do que público

Por Marco Antonio L.

Do Jornal GGN

Transporte privado obteve mais investimentos do que público

Alvo de reivindicação nas manifestações, o preço cobrado pelas passagens de ônibus foi 65% maior do que a inflação entre 2000 e 2012, gerando um custo superior ao índice dos automóveis particulares e da gasolina. Ou seja, enquanto o transporte público ficou mais caro, o privado ficou mais barato e ainda contou com incentivos do governo, como a redução do Imposto sobre Produto Industrializados (IPI).

O conforto, a praticidade e a facilidade na compra de automóveis particulares resultou na queda de 25% da demanda de transporte público em comparação com os anos 90, gerando um círculo vicioso que favorece, novamente, o aumento das tarifas. É o que aponta a Nota Técnica – Tarifação e financiamento do transporte público urbanodivulgada, na quinta-feira (4), pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA).

Por causa do grande número de automóveis em circulação, o congestionamento urbano acaba aumentando em 20% e [25%, no caso de São Paulo], o que reflete diretamente no preço da tarifa.

Continua aqui>> Leia mais »

PF e Cade investigam cartel em licitações de Metrô e CPTM

Por C. Brayton

Do Estadão

Cade e PF investigam formação de cartel em licitações de Metrô e CPTM

Suspeita é de que 13 empresas se reuniam para combinar previamente resultado e faturar de 10% a 20% além do preço correto

SÃO PAULO - A Polícia Federal (PF) e a Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) investigam suposta formação de cartel em concorrências para manutenção do metrô de Brasília e em ao menos cinco licitações em São Paulo, entre Companhia do Metropolitano (Metrô) e Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). A suspeita é de que empresas se reuniam para combinar previamente o resultado das licitações e, assim, faturar de 10% a 20% além do preço correto.

Como parte das investigações, a PF cumpriu na quinta-feira, 4, mandados de busca e apreensão em 13 empresas. As ações foram em Brasília, São Paulo, Hortolândia, no interior paulista, e em Diadema, no ABC. De acordo com o Cade, as buscas foram autorizadas judicialmente por existirem indícios consistentes da prática do crime de conluio.

Delação. A investigação teve início com um acordo de leniência, uma espécie de "delação premiada", por meio do qual um dos participantes do suposto cartel denunciou a prática. Em troca, receberia imunidade administrativa e criminal. Leia mais »

Só 3,8% dos municípios possuem Plano Municipal de Transporte

Do Jornal GGN

Só 3,8% dos municípios possuem Plano Municipal de Transporte, diz IBGE

A Munic 2012 (Pesquisa de Informações Básicas Municipais), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgou, nesta quarta-feira (3), que apenas 3,8% dos municípios do país possuem Plano Municipal de Transporte. O levantamento anual analisa aspectos relacionados às administrações locais, como segurança pública e meio ambiente.

Leia também: Projeto que reduziria preço da passagem só andou devido aos protestos

Ainda de acordo com o estudo, no ano passado, 4.133 municípios brasileiros, que correspondem a 74,3% do total, têm estrutura organizacional para cuidar de transporte; 6,4% possuem Conselho Municipal de Transporte; e 3,7% contam com Fundo Municipal de Transporte.

Sobre o tipo de transporte existente, só 0,3% das cidades brasileiras oferecem metrô à população. Em relação aos ônibus, 2.114 (38%) oferecem serviço municipal e 4.775 (85,8%), intermunicipal.

Continua aqui>>> Leia mais »