Ativistas contra incineração de lixo ganham o "Nobel Verde"

Por Dan Moche Schneider

Autor: GAIA - Aliança Global para Alternativas à Incineração

A catadora Nohra Padilla e o professor italiano Rossano Ercolini receberam o Prêmio Goldman de prestígio Ambiental em uma cerimônia realizada hoje, dia 15/04, em  San Francisco, EUA. Eles são dois de um grupo de seis vencedores, cuja liderança tem alcançado excelentes impactos ambientais no mundo.

Nohra e Rossano vem de locais opostos do mundo. Ela é da cidade tumultuada de Bogotá, Colômbia. Ele é da terra rústica Capannori, Itália. Apesar de suas origens e experiências são muito diferentes, eles compartilham uma causa comum e profunda: a gestão responsável de resíduos sólidos para o benefício das comunidades, trabalhadores e do planeta.

"Eu sou uma catadora, o que significa que presto um serviço público essencial que permite a recuperação de materiais reutilizáveis e recicláveis que de outra forma acabam em aterros ou incineradores", disse Nohra. "Este é um componente-chave de um sistema de desperdício zero. Através da nossa rede de cooperativas de catadores de materiais recicláveis reunimos 100 vezes o que consegue a indústria de reciclagem formal em Bogotá" declara. Leia mais »

Imagens: 
Catadoras em luta pela coleta seletiva contra a incineração

Ativistas contra a incineração de lixo ganham o "Nobel Verde

A catadora Nohra Padilla e o professor italiano Rossano Ercolini receberam o Prêmio Goldman de prestígio Ambiental em uma cerimônia realizada hoje, dia 15/04, em  San Francisco, EUA. Eles são dois de um grupo de seis vencedores, cuja liderança tem alcançado excelentes impactos ambientais no mundo.

Nohra e Rossano vem de locais opostos do mundo. Ela é da cidade tumultuada de Bogotá, Colômbia. Ele é da terra rústica Capannori, Itália. Apesar de suas origens e experiências são muito diferentes, eles compartilham uma causa comum e profunda: a gestão responsável de resíduos sólidos para o benefício das comunidades, trabalhadores e do planeta. Leia mais »

Imagens: 
Catadoras em luta pela coleta seletiva contra a incineração

Os problemas no traçado da Ferrovia Norte-Sul

Do Valor

Erros e abandono marcam traçado da Ferrovia Norte-Sul

Por André Borges

Uma árvore cresce entre os dormentes da Ferrovia Norte-Sul. A planta avança bem. O capim também é promissor e começa a encobrir os trilhos. Aos poucos, a vegetação investe sobre a malha da ferrovia, mas não encobre a profusão de problemas em que se transformou o mais importante projeto ferroviário do país.

O trecho de 855 quilômetros da Norte-Sul, que liga a cidade de Palmas (TO) à Anápolis (GO), teve suas obras retomadas em 2007 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, depois de passar 20 anos no limbo durante os governos anteriores. Lula sacou R$ 4,2 bilhões dos cofres públicos e depositou na estatal Valec, que prometia entregar todo o traçado até outubro de 2010. Até hoje, nenhum trem passou pelo trecho. No caminho da Norte-Sul, o que se viu foi um festival de contratos aditivados por até 17 vezes, projetos de engenharia deficientes, casos frequentes de superfaturamento e obras mal executadas, uma farra que, em 2011, levou a Norte-Sul para as páginas policiais. Leia mais »

Campos faz planejamento de longo prazo para Pernambuco

Por Filipe Rodrigues

Comentário ao post "O fator Eduardo Campos"

Campos deveria fazer uma campanha propositiva, afastar do pessoal do "quanto pior melhor" (Roberto Freire, Serra, Malafafaia, PIG). Se for assim será apenas mais um candidato, não precisa nem concorrer.

Venho dizendo que a macroeconomia do PT é deficiente, dar dinheiro para mega-empresários (Eike Batista, JBS Friboi, Odebrecht, etc) não dá futuro. Esses empresários não querem correr riscos e isso incentiva a inflação (o governo garante o lucro, podem cobrar mais caro mesmo que percam mercado).

Campos acaba de esboçar um projeto interessante, ainda não é o ideal, mas um bom começo:

Do Brasil 247

Planejamento de longo prazo é o modelo do PSB 

“Pernambuco 2035”. Essa é a denominação do projeto de longo prazo que está sendo elaborado pelo governador do Estado, Eduardo Campos (PSB), pré-candidato à Presidência em 2014, e que está em negociação com um consórcio de empresas privadas de consultoria, sendo a Macroplan (nacional), com sede no Rio de Janeiro, e a Ceplan e TGI (locais); classificado como uma “visão estruturante do Estado”, o projeto será uma espécie de legado a ser seguido pelos próximos governantes, o que deve fortalecer a imagem do socialista em nível nacional; estima-se que o projeto tenha um orçamento de R$ 10 milhões Leia mais »

Estado do Rio de Janeiro vende batalhões da PM

Por Helio J. Rocha-Pinto

Do O Globo

Estado vende batalhões da PM sem se preocupar com a destinação dessas áreas

Simone Candida e Natanael Damasceno

A lista oficial de unidades que serão esvaziadas nos próximos meses inclui, além do QG, o 6º BPM (Tijuca) e o 2º BPM (Botafogo) 

RIO - Com o início da desativação — e a contagem regressiva para a implosão — do prédio do Quartel-General da Polícia Militar, na Rua Evaristo da Veiga, no Centro, o Rio se prepara para um período de bota-abaixo dos batalhões da PM. A lista oficial de unidades que serão esvaziadas nos próximos meses inclui, além do QG, o 6º BPM (Tijuca) e o 2º BPM (Botafogo), que, juntos, somam 21 mil metros quadrados. Todos são ilhas de espaço no meio de bairros densamente ocupados. A medida já começa a provocar polêmica com os vizinhos, que temem a chegada de espigões, reclamam de não terem sido consultados sobre a venda e gostariam de ver esses espaços destinados ao uso público.

A demolição do QG, inicialmente marcada para 16 de abril, segundo o governo do estado, depende da mudança da corporação para o prédio da Uerj. A previsão é que o último PM saia de lá no dia 11 de agosto. Ou seja: no segundo semestre, tudo o que está de pé no terreno de 13,5 mil metros quadrados vai virar pó. Leia mais »

A importância do financiamento público de campanhas

Autor: 

Os EUA ainda são, para muita gente, o grande caso de sucesso da democracia ocidental. É onde as coisas “funcionam”, as instituições são fortes, e o capitalismo existe na sua forma plena, com liberdade total de ação e sem a interferência do governo. Um dos exemplos dessa não interferência é o lobby, que lá é uma atividade oficial. Existem inúmeras empresas especializadas nessa atividade, prestando o serviço de influenciar os políticos sobre qualquer assunto que o cliente esteja disposto a pagar. É um mercado milionário, que tem o seu lado moral, onde se montam campanhas, e cadeias complexas de relacionamentos são utilizadas para trabalhar as ideias dos deputados e senadores contra ou a favor de algum tema. Mas também existe, é claro, o lado sórdido, onde contribuições de campanha e “estímulos” (compra de votos?) são oferecidos para apoiar uma proposta. Leia mais »

Margarete e Eu

Autor: 



Em 1983, cansado da falta de opções no Brasil, casei-me, junto com minha primeira esposa nos mudamos para Londres. Ela tinha uma amiga, Susanne, recém casada, que precisava alugar um quarto de seu apartamento para poder pagar o financiamento; o que ela e o marido ganhavam não era suficiente. A ideia era fazer um casamento cruzado, eu me casaria com a Susanne, e minha mulher com o marido dela; assim conseguiríamos visto de permanência e poderíamos ficar e trabalhar sem medo da imigração, o temido Home Office, que na época (e ainda hoje) mirava principalmente os latino americanos.
Leia mais »

O Plano de Resíduos de São Bernardo do Campo

 

A administração pública de São Bernardo de campo, município da região metropolitana de São Paulo, pretende investir centenas de milhões de Reais num modelo tecnológico e de gestão de resíduos sólidos baseado numa importante omissão, que pode ser resumida numa única frase pinçada do seu Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos: “O ideal é que o município implante um programa eficiente que recupere a médio prazo, 20% do total dos resíduos coletados”.

Por força da melhor gestão e do artigo 9º da Política Nacional de Resíduos Sólidos, que prioriza a reciclagem sobre qualquer outra forma de tratamento, o município deve reciclar não 20%, mas 87% de todos os resíduos (100% dos resíduos secos e úmidos). Prioridade é, segundo Houaiss, condição do que é o primeiro em tempo, ordem, preferência, primazia, urgência, premência. Leia mais »

Gestão da saúde pública: há vacina contra a corrupção?

            A edição no. 126 da Revista RADIS, editada pela Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, traz o panorama encontrado pelos atuais titulares das secretarias municipais de saúde em 10 capitais brasileiras. Vários gestores relatam ter encontrado heranças malditas e pesados esqueletos nos armários: irregularidades na contratação de pessoal e fornecedores, comprometimento de quase todo o orçamento com a folha de pagamento do funcionalismo, atraso no pagamento de salários, dívidas milionárias deixadas pela administração anterior, falta de material e sucateamento de hospitais e ambulatórios. Leia mais »

Direitos Urbanos impede Eduardo Campos de construir viadutos

Autor: 

Obras orçadas em R$ 132 milhões 

 

 

 “O Projeto dos Viadutos da Agamenon Magalhães era o que causava maior preocupação pela dimensão dos seus impactos na cidade. Como cidadã (e acreditando ser o desejo de toda a sociedade), gostaria de ter acesso aos Estudos realizados sobre a obra (Estudo Técnico Ambiental e Estudo de Impacto de Vizinhança)”. Belize Câmara via Facebook Leia mais »

Os delegados da PF retaliados após concederem entrevistas

Da ADPF

ADPF cria abaixo-assinado em defesa dos delegados do "Mensalão" e "Monte Carlo"

Manifesto será entregue ao Ministério da Justiça e a Secretária de Direitos Humanos

A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) está colhendo assinaturas em um abaixo-assinado online em defesa dos Delegados de Polícia Federal Luís Flávio Zampronha de Oliveira e Matheus Mela Rodrigues, os quais estão sendo vítimas de procedimentos disciplinares com base em normas inconstitucionais que negam o direito de manifestação e à informação.

Os Delegados, responsáveis pelas investigações do "Mensalão" e "Monte Carlo", estão sendo retaliados pela Administração da Polícia Federal após entrevistas concedidas, na qual se manifestaram como pessoas comuns e não em nome da instituição. O manifesto será entregue ao Ministério da Justiça e à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Leia mais »

Novo ministro da Aviação Civil é favorável a mais concessões

Do Estadão

Ministro quer privatizar mais aeroportos

Novo ministro da Aviação Civil diz que governo vai manter processo de privatizações após leilões dos terminais de Galeão (RJ) Confins (MG)

JOÃO VILLAVERDE / BRASÍLIA

O governo federal deve realizar novas concessões de grandes aeroportos à iniciativa privada. O novo ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Moreira Franco, afirmou ontem ao 'Estado' ser favorável a mais concessões de terminais às empresas e consórcios privados, sinalizando uma ruptura com a ordem anterior, que era terminar as privatizações com os leilões de Galeão (RJ) e Confins (MG), previstos para o fim deste ano.

"Fizemos três primeiras concessões (Viracopos, Guarulhos e Brasília), depois o governo colocou o pé no freio para analisar os resultados, acertar os eventuais erros, e só então anunciou as duas concessões mais recentes. Agora devemos ter mais, porque há mercado para isso", afirmou Moreira Franco, que assumiu a SAC no sábado. Em janeiro, seu antecessor Wagner Bittencourt afirmara que novas concessões estavam fora de cogitação. Leia mais »

RDC versus Lei de Licitações

Do Brasilianas.org

RDC versus Lei de Licitações

Essa é a edição do programa Brasilianas.org, veiculado no dia 4 de Março, de 2013, na TV Brasil, a respeito da aplicação do Regime Diferenciado de Contratações (RDC), instituído pela Medida Provisória 527. 

A proposta, que recebeu duras críticas quando sancionada pela presidente Dilma Rousseff, foi criada para substituir a Lei de Licitações (nº 8.666) nas obras da Copa de 2014 e das Olimpíadas de 2016, reduzindo os trâmites burocráticos da Lei 8.666. Desde então, o RDC foi ampliado às obras nas áreas portuárias, de educação e saúde.

Será mesmo que o Governo Federal acertou ao editar a MP 527? Ou ajustes na Lei das Licitações poderiam trazer os resultados desejados - de aceleração das obras - sem deixar de canto fatores positivos da burocracia?

Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo

Falta de recursos pode parar obras da Arena Corinthians

Por Assis Ribeiro

Do Portal 2014

Sem recursos, Arena Corinthians pode parar

Obra chegou ao limite, diz Andrés Sanchez. Prefeitura deve emitir certificados nas próximas semanas

O tempo passa, a Copa do Mundo se aproxima e o dinheiro fica escasso na Arena Corinthians.

Ex-dirigente do clube paulista e da CBF, Andrés Sanchez admitiu, durante participação em programa na “TV Gazeta”, neste domingo (10), que as obras do estádio da abertura da Copa de 2014 podem ser paralisadas nas próximas semanas caso o empréstimo do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) ou os incentivos fiscais da prefeitura de São Paulo não sejam liberados.

"Todos sabem que o Corinthians dependia do financiamento do BNDES e de uma garantia sobre investimentos de melhoria para a zona leste. Não saiu nem o financiamento e nem o pacote. Se não sair em um mês, a obra para", disse o ex-dirigente. Leia mais »