Haddad diz não a indicações políticas na prefeitura

Por marcelosoaressouza

Do Último Segundo

Haddad recusa pressão por cargos, causa insatisfação no PT e suspense na Câmara

Ricardo Galhardo

Prefeito não tem aceitado indicações políticas para cargos na prefeitura, preferindo nomes que já têm experiência em administração pública, alguns até de gestões anteriores

A recusa do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), em aceitar indicações políticas para cargos na prefeitura tem causado descontentamento na base do PT paulistano, movimentos sociais ligados ao partido e suspense na Câmara dos Vereadores.

Na semana passada alguns dirigentes petistas descontentes com a falta de espaço na administração Haddad iniciaram um movimento por uma renúncia coletiva. Sete presidentes zonais do PT ouvidos pelo iG confirmaram a intenção de renunciar caso suas reivindicações não sejam atendidas. Leia mais »

Os problemas de gestão das prefeituras

Por Murdok

Nassif, o caso da prefeitura de João Alfredo (PE) é mais um dentre centenas de outros. O prefeito saiu e deixou a prefeitura quebrada. Impressionate. Ontem o fantastico mostrou um caso em que a prefeita levou até os móveis do gabinete dizendo que eram todos dela. Em outra prefeitura levaram o aparelho de raio X do hospital,  as CPUs dos computadores. Numa conta corrente de uma prefeitura deixaram pouco mais de R$ 2,00. Casos de âmbulâncas e carro de gabinete quebrados e sem motores, servidores sem salários, contas que não fecham, prédios depredados caindo aos pedaços.

A folha online mostra esse caso da prefeitura de João Alfredo, em razão de ter sido o prefeito o ex deputado Severino Cavalcanti (PP).

Da Folha

Ex-deputado Severino Cavalcanti deixa prefeitura sucateada

FÁBIO GUIBU
ENVIADO ESPECIAL A JOÃO ALFREDO (PE)

Aos 82 anos e com a ficha suja até 2015, o ex-presidente da Câmara Severino Cavalcanti (PP) encerrou seu mandato de prefeito em João Alfredo (PE) sem pagar salários de dezembro dos servidores, devendo a fornecedores e sob denúncias de sucateamento de equipamentos públicos. Leia mais »

A coleta seletiva do lixo nos municípios, por Paulo Paim

Por Demarchi

Coleta seletiva de lixo I

Sul 21 - Paulo Paim

Temos ainda muitos problemas fundamentais a resolver em nosso País, apesar de termos alcançado posição de destaque no ranking econômico mundial. Educação, saúde, segurança pública e infraestrutura estão entre os mais urgentes, para citar apenas alguns exemplos. Por mais que tenhamos avançado na solução dessas questões, ainda há muito que fazer para chegarmos ao patamar dos países ditos desenvolvidos.

A coleta seletiva do lixo nas nossas cidades é um assunto com muita repercussão na vida da população, não apenas do ponto de vista da saúde, mas também no que tange à preservação do ambiente.

Para entendermos melhor essa questão, vamos examinar inicialmente os números mais atualizados sobre o tratamento dado no País aos chamados resíduos sólidos urbanos. São dados provenientes de uma pesquisa da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (ABRELPE), realizada em 400 municípios brasileiros – uma amostragem bastante significativa, já que neles vivem 51% da população urbana do Brasil.

Leia mais »

Os problemas da transição nas prefeituras

Por  Assis Ribeiro

Rombo em caixa e serviços públicos suspensos em Minas

Ezequiel Fagundes/Toninho Almada, O Globo - 11/01/2013 

Prefeitos encontram computadores vazios e vestígios de documentos queimados

Lixo. Leite descartado em Santa Luzia (MG)

Belo Horizonte Com uma dívida de R$ 111 milhões e um orçamento anual de R$ 20 milhões, o prefeito Carlos Calixto (PSB), de Santa Luzia, na Grande Belo Horizonte, adotou uma medida drástica. Em seu terceiro mandato, ele baixou um decreto logo depois da posse determinando a suspensão de serviços públicos. Por causa da falta de médicos, dos 25 postos de saúde, apenas quatro funcionam. E não há previsão para o serviço ser normalizado até que pelo menos 40 profissionais da saúde sejam contratados. O serviço de coleta de lixo, interrompido na véspera do Natal, voltou a funcionar somente em 3 de janeiro. Mas devido ao acúmulo de resíduos, o mau cheiro ainda pode ser sentido em várias ruas da cidade, segundo o líder comunitário Fernando de Castro, do distrito de São Benedito.

Leia mais »

Alexandre Schneider é absolvido de acusações de improbidade

Por Stanley Burburinho

Do Conjur

Juíza diz para MP não entrar em rinha política

Por Pedro Canário

Só pode ser exigida licitação para contratação pelo poder público se há concorrência para o serviço que se quer adquirir. Com essa interpretação, a juíza Silvia Meirelles Novaes de Andrade, da 12ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, absolveu o ex-secretário de Educação de São Paulo Alexandre Schneider da acusação de improbidade administrativa. Ele contratou sem licitação um curso de gestão em educação da Fundação Victor Civita e o Instituto Protagonismo Jovem e Educação (Protagonistés).

De acordo com a juíza, o Ministério Público de São Paulo, ao fazer a acusação, se deixou levar por "uma rinha de natureza política entre partidos, da qual o Judiciário e o Ministério Público não devem e nem podem participar". Isso porque Alexandre Schneider foi candidato a vice-prefeito de São Paulo na chapa de José Serra (PSDB) nas eleições municipais de 2012. As suspeitas de irregularidades no contrato da prefeitura com a Fundação Victor Civita foram levantadas pela primeira vez por pessoas ligadas ao Partido dos Trabalhadores. Leia mais »

Salvador terá cotas raciais para servidores públicos

Por Assis Ribeiro

Da Carta Capital

ACM Neto anuncia cotas raciais para servidores

Contra a história do seu próprio partido, o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), anunciou um programa de cotas para negros no serviço público da capital baiana. O decreto, divulgado nesta quarta-feira 9, cria um grupo de trabalho que ainda deve elaborar os detalhes da ação afirmativa. A quantidade de vagas e os critérios de escolha dos candidatos ainda não foram definidos.

“É comum ouvir que Salvador é a cidade mais negra fora da África, mas não é comum nós cultuarmos e enaltecermos a luta e a riqueza cultural dos nossos ancestrais. O objetivo deste trabalho em conjunto é abrir portas e quebras paradigmas”, disse o prefeito ao anunciar o programa. Leia mais »

A adaptação de programas federais de habitação em São Paulo

Da Agência Brasil

Haddad vai adaptar programas de habitação para incluir áreas do centro de São Paulo

Daniel Mello
Repórter da Agência Brasil

São Paulo – Representantes de movimentos que atuam na luta por moradias se reuniram na noite de hoje (8) com o prefeito de São Paulo, Fenando Haddad. O encontro durou mais de duas horas e ao final o prefeito disse que está estudando a adaptação de programas federais para disponibilizar moradias no centro da cidade.

“Nós estamos em negociação com o governo federal, inclusive, pensando na adaptação do programa que não foi pensado para os centros das grandes regiões metropolitanas. Porque o pressuposto do programa é a terra, que o município não tem. Portanto, nós temos que conformar o programa para a realidade de São Paulo”, disse. Leia mais »

O debate sobre o uso da Praça Roosevelt

Do Estadão

Agressão de GCMs contra skatistas reacende debate sobre uso da Roosevelt

Após vídeo causar grande discussão na web, corporação afasta agente que aparece sem farda nas imagens e outros colegas envolvidos

Juliana Deodoro

SÃO PAULO - A Prefeitura afastou na segunda-feira, 7, integrantes da Guarda Civil Metropolitana (GCM) envolvidos em uma agressão contra skatistas na sexta-feira na Praça Roosevelt, no centro da capital. Além de uma "gravata", dada por um guarda sem farda em um dos skatistas, pelos menos outros cinco jovens foram atingidos por spray de pimenta. Gravado por um deles, o conflito teve ampla repercussão na internet - até as 20h15 de segunda, foram 408 mil visualizações. Esse foi mais um capítulo da disputa pelo uso da Roosevelt desde a reinauguração, no fim do setembro. Leia mais »

A Copa de 2014 e o debate sobre desenvolvimento urbano

Por Assis Ribeiro

Da Agência Brasil

Curitiba oferece oportunidade para discutir o melhor modelo de desenvolvimento urbano do país

Camila Maciel
Repórter da Agência Brasil

São Paulo - Para o advogado Thiago Hoshino, integrante do Comitê Popular de Curitiba, a Copa do Mundo pode ser encarada como uma oportunidade para discutir o modelo de desenvolvimento urbano adotado no país. "Nenhum dos comitês da Copa do Mundo está falando, na verdade, de esporte. Estamos falando de cidade. Os grandes eventos são só uma pequena face, mas que aceleram muito esse processo de desenvolvimentismo [já que] se legitima qualquer coisa em nome do evento", avalia.

A exemplo de Porto Alegre, os curitibanos organizados no comitê também já apontam conquistas do processo de mobilização. Uma das ações destacadas por Hoshino é a obra do corredor metropolitano que abrange oito municípios, além da capital. "Pelo trajeto original, que tinha sido publicado pelo governo, uma projeção feita pelo Observatório das Metrópoles apontava para a remoção de pelo menos 1,1 mil unidades", relembra. Leia mais »

Jaime Lerner e a obsessão pela tragédia nas grandes cidades

Por Marco Bócoli

Da Revista Amanhã

Há uma obsessão pela tragédia

O arquiteto que inspirou gerações de urbanistas critica a visão de que as grandes cidades não têm solução e vê emocionalismo no debate sobre mobilidade urbana

Por Eugênio Esber

A voz grave e pausada de Jaime Lerner não denuncia, mas há um tanto de impaciência no legendário ex-prefeito de Curitiba (e também ex-governador paranaense) quando aborda o que considera “clichês” urbanos e falsos dilemas. Entre eles, a afirmação de que São Paulo cresceu muito e já não tem mais jeito (“O paulista tem orgasmo quando você diz isso”) ou a celeuma que opõe automóveis a bicicletas, ou ainda o debate subsolo versus superfície para o transporte coletivo. Hoje dedicado ao Instituto Jaime Lerner, o homem que há dois anos foi apontado pela Time como um dos 25 pensadores mais influentes do mundo vê os administradores das cidades conformados com previsões pessimistas sobre a desordem urbana (“Tendência não é destino”, apregoa). Ou, o que é pior, comprometidos com paradigmas urbanos que levam ao caos, como o reinado do automóvel. “Há cidades apaixonadas pela sua tragédia”, sentencia, em referência a... Bem, descubra nesta entrevista concedida a AMANHÃ.

Qual será a grande tarefa dos prefeitos eleitos, de um modo geral?

O grande desafio é conseguir atender a um sonho coletivo. Ser prefeito é bom, é muito bom. Mas prefeitos que só enxergam problemas ficarão em situação difícil. Eu gosto muito da frase que li uma vez num muro, em Lima, durante uma eleição, que dizia assim: “Basta de obras, queremos promessas”. Na verdade, o que a mensagem queria dizer é “queremos sonhos”, “queremos alguma coisa a mais”. Vejo, hoje, que a tendência geral das pessoas é se concentrar muito nos problemas – que são sempre os mesmos: mobilidade, educação, saúde, atenção à criança, segurança, tudo isso acrescido de alguns pontos que são fundamentais não só para cada cidade, mas para toda a humanidade, que é o problema da mobilidade, da sustentabilidade e da convivência, da tolerância. Então, o grande desafio hoje do prefeito é ter uma visão global da cidade. Porque se ele se concentrar só nos problemas vai perder a chance de fazer as grandes mudanças. Leia mais »

As medidas antienchente de Haddad

Por Assis Ribeiro

Do Viomundo

Professor aprova medidas antienchente de Haddad e alerta: “Piscinões, não!”

por Conceição Lemes

Após reunir-se com um grupo de secretários e assessores, o novo prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), anunciou ontem, seu primeiro dia de trabalho, 16 medidas emergenciais para combater as enchentes na capital. O repórter Evandro Spinelli, da Folha de S. Paulo, listou-as: 

1. Coordenar ações de limpeza de ramais, galerias e bocas de lobo. Diminuir a periodicidade das limpezas de bimestral para quinzenal nos 132 pontos de reincidência de alagamento e nas sub-bacias de maior risco.

2. Estabelecer convênio entre a Prefeitura e a Sabesp para o uso de caminhões de hidrojatos no período de chuvas para reforçar a estrutura existente nas Subprefeituras.

3. Solicitar às concessionárias a instalação de contêineres em pontos estratégicos nas regiões do Brás, Bom Retiro, Santa Efigênia, 25 de Março e Pari para o despejo de lixo comercial em larga escala.

4. Dotar as Subprefeituras com estrutura de cavaletes, cones e faixas de sinalização, bem como planos de desvio de rota para atuarem emergencialmente em situações de alagamento até a efetiva operação da CET. Leia mais »

Haddad orienta equipe para reduzir gasto de custeio

Por Demarchi

Do Valor

Haddad pede redução de gasto de custeio e lança pacote contra enchente

Por Cristiane Agostine | Valor

SÃO PAULO - Em seu primeiro dia como prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT) orientou sua equipe de governo a reduzir gastos com custeio para tentar elevar os investimentos na cidade. Haddad, no entanto, não estabeleceu metas para o corte de gastos. Após reunir-se por quatro horas com secretários na tarde desta quarta-feira, o prefeito lançou um pacote emergencial para combater as enchentes na capital.

Haddad disse ter pedido a seus secretários a revisão dos gastos da prefeitura. “São Paulo hoje compromete praticamente todo o seu Orçamento com o custeio”, disse o prefeito, em entrevista na sede da Prefeitura de São Paulo.  “O nosso investimento hoje, per capita, é a metade do Rio de Janeiro”, afirmou. Segundo a equipe de Haddad, o investimento per capita da capital paulista é de R$ 264,30, enquanto no Rio é de R$ 526,72. “Há uma orientação no sentido de buscar economia de custeio”, afirmou. Leia mais »

A difícil missão de Haddad na prefeitura de São Paulo

Por Assis Ribeiro

Do Blog da Cidadania

A hora e vez de Fernando Haddad

Eduardo Guimarães

No primeiro dia de 2013, nos quatro cantos do país milhares de prefeitos tomarão posse, mas, ao longo dos próximos quatro anos, as atenções se voltarão àquela que promete ser a gestão municipal que mais terá potencial para influir decisivamente na grande política nacional.

Para quem gosta de misticismos ou de numerologia, o paulistano Fernando Haddad é um prato cheio. No próximo dia 25 de janeiro, aniversário de São Paulo, já no comando da cidade ele cumprirá meio século de vida.

O simbolismo vem a calhar para a importância que terá a gestão do mais eminente membro da nova geração de políticos que o PT, por graça e obra do ex-presidente Lula, começou a dar ao país no primeiro dia do ano retrasado, com a posse da presidente Dilma Rousseff.

Não será fácil, porém, a missão do novo prefeito. Assume o comando de uma megalópole mergulhada no caos, ainda que, do ponto de vista financeiro, graças à boa situação do país não enfrente problemas de relevo. Leia mais »

Os 31 subprefeitos da gestão Haddad

Por Demarchi

Em Observação 

Do Estadão

Os 31 subprefeitos confirmados para a gestão de Haddad

Diego Zancheta e William Castanho, de O Estado de S. Paulo 

O Estado antecipa os nomes dos 31 subprefeitos da administração Haddad. As informações foram obtidas com exclusividade.

Aricanduva: Dilian Guimarães
Butantã: Luiz Felippe de Moraes Neto
Campo Limpo: Sérgio Roberto dos Santos
Capela do Socorro: Cleide Pandolfi
Casa Verde: Nelma Lucia Heiffig
Cidade Ademar: Francisco Lo Prete Filho
Cidade Tiradentes: Andreia de Souza Luz
Ermelino Matarazzo: Claudio Toshio Itinoshe
Freguesia do Ó: Eduardo Peres Palia
Guaianases: Adriana Neves da Silva Morales
Ipiranga: Luiz Henrique Girardi Leia mais »

Os incentivos municipais para as micro e pequenas empresas

Por Assis Ribeiro

Do Correio Braziliense

A lei do desenvolvimento municipal

Luiz Barretto

Diretor presidente do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) Nacional

É hora de o prefeito eleito planejar a aplicação da Lei Geral Municipal da Micro e Pequena Empresa. Assim, seu governo poderá oferecer os benefícios para os pequenos negócios e estimular a criação de mais empresas, mais empregos e geração de maior renda em sua cidade. Não por acaso, a 22ª Cúpula Ibero-Americana, realizada na Espanha, foi coroada pelo compromisso dos chefes de Estado de fomentar as pequenas empresas: é consenso no mundo todo o potencial desses empreendimentos para fortalecer a economia.

Diante da constatação de que mais de 70% dos postos de trabalho do país são gerados pelas micro e pequenas empresas — promovendo o crescimento da renda na cidade — os novos prefeitos e vereadores (e os reeleitos também) têm a oportunidade de expandir a economia local. A regulamentação da Lei Geral no município, com a aprovação pela Câmara dos Vereadores, é o primeiro passo. Leia mais »