Abert reage contra rádios comunitárias

Da Agência Brasil

Emissoras contestam mudanças na legislação para rádios comunitárias

Sabrina Craide
Repórter da Agência Brasil

Brasília - A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) está contestando mudanças feitas pelo Ministério das Comunicações em regras para as rádios comunitárias. Em documento assinado com mais 20 associações estaduais do setor, são questionados três itens de uma portaria publicada recentemente que, segundo as entidades, contrariam a legislação e, por isso, devem ser revogados.

O primeiro item da portaria contestado pelas associações é o que permite às rádios comunitárias receberem patrocínio, sob a forma de apoio cultural, de poderes e órgãos públicos. Segundo a Abert, essa mudança contraria a Lei nº 9.612, de 1998, que institui o Serviço de Radiodifusão Comunitária, que permite o patrocínio, desde que restrito aos estabelecimentos situados na área da comunidade atendida. Leia mais »

Download: Seu Tempero com a cantora Angélica Criss

Autor: 

 

Me leia em um instante
Como um livro em sua estante
Me pense de verdade
Como um pensamento bom

Me sinta e não minta
Não me finja e me sinta
E fale bem comigo fale alto
E em bom tom

Não me vire o rosto,
Não me dê desgosto,
Tudo aqui tem gosto desse seu tempero Leia mais »

DOWNLOAD Seu Tempero com a cantora Angélica Criss

Autor: 

 

Me leia em um instante
Como um livro em sua estante
Me pense de verdade
Como um pensamento bom

Me sinta e não minta
Não me finja e me sinta
E fale bem comigo fale alto
E em bom tom

Não me vire o rosto,
Não me dê desgosto,
Tudo aqui tem gosto desse seu tempero Leia mais »

A substituição dos jornais pela cacofonia da internet

Sugerido por jns

Do World Tribune

A Morte do Washington Post

Os grandes jornais como o The Washington Post e o papel tradicional de outros jornais estão sendo substituídos pela cacofonia da Internet sem nenhum tipo de filtro.

Em muitos aspectos, a história recente do The Washington Post, como uma publicação de destaque, não era a da maioria dos grandes jornais americanos que estão envolvidos com financiamento de enormes fortunas para a sua manutenção.

...

Quando, no futuro, as histórias do século 20 forem reescritas, alguns jornais lendários tendem a ser vistos sob uma luz completamente diferente.

...

Praticamente, qualquer pessoa, a qualquer hora, com qualquer falta de formação [ou talento] pode subir no seu próprio poleiro para esbravejar as suas idiossincrasias. [Um caso em questão: o me upróprio blog].

Pior ainda, os chamados "agregadores" coletam essas peças importantes de informação e de opinião ou a baba constante de assuntos irrelevantes.

Mentiras, exageros, preconceitos, equívocos são, desde sempre, o produto do dia.

Como sempre, a tecnologia é neutra, e assim é o incrível milagre da web emtodo o mundo.  Leia mais »

A hipocrisia na TV Cultura, por Paulo Moreira Leite

Da Istoé

Menos hipocrisia na Cultura, por favor...

Paulo Moreira Leite

A decisão de demitir e contratar apresentadores no "Roda Viva" é política. Não tem nada a ver com "rumos do jornalismo"

É bom controlar a hipocrisia quando se fala sobre mudanças no programa “Roda Viva”.

O antepenúltimo apresentador, Heródoto Barbeiro, perdeu o posto depois de perguntar sobre pedágios ao governador José Serra.

Marília Gabriela, penúltima apresentadora, deixou o programa após um ano de casa, apenas, para seguir sua carreira em canais de grande audiência.

Naquele período a equipe do programa enfrentou pressões fortes e óbvias quando entrevistava personalidades que não agradavam ao governo ou quando demorava um pouquinho a mais para convidar nomes que agradavam.

A mais nova mudança foi consumada depois que se bateu um recorde tucano. O “Roda Viva” entrevistou José Serra e Fernando Henrique Cardoso de uma enfiada só, em duas semanas seguidas, sem pausa. Leia mais »

As fortes emoções do novo Roda Viva

Sugerido por Adamastor

Do blog Jornalismo Wando, do Yahoo! Notícias

Roda Viva com Augusto Nunes, uma ótima pedida

 

Daqui 2 semanas, Augusto Nunes será o novo apresentador do Roda Viva. O presidente da Fundação Padre Anchieta, que administra a TV Cultura, resolveu apostar na serenidade, na sensibilidade e no senso de justiça jesuítico do blogueiro da VEJA.

Para quem não o conhece, Gutinho é muito famoso pela finesse com que costuma tratar seus leitores e adversários políticos.

A seguir, apresento um pot-pourri com os melhores momentos do jornalista, demonstrando que a emissora não poderia ter feito escolha melhor.

Leia mais »

A relação entre Mídia Ninja e a compra do Washington Post

Sugerido por Adir Tavares

Do blog Coleguinhas, Uni-vos!

O jornalismo se move, mas os coleguinhas...

Ivson Alves

Dois eventos na semana que passou demonstraram a dificuldade dos coleguinhas em relacinar fatos, mesmo quando eles são próximos pelo tempo e pelo assunto, que, inclusive, é seu ganha-pão. Os dois fatos foram a entrevista dos “ninjas” Bruno Torturra e Pablo Capilé no Roda-Vida, da TV Cultura, e a compra do Washington Post por Jeff Bezos, o criador da Amazon.

O ponto de conexão óbvio entre os dois fatos é que ambos foram protagonizados por gente do mundo digital e em rede que avançaram sobre a comunicação do mundo digital e hierarquizado O problema parece ser a falta de uma visão mais larga por parte dos jornalistas da grande imprensa. Considere o que aconteceu no Roda-Vida. Durante todo o tempo do programa, a bancada, composta por seis jornalistas que, claramente, se consideram papas da profissão, procurou desqualificar a Mídia Ninja, pondo em questão o fato de o coletivo Fora do Eixo, sua nave-mãe, ter recebido verba de R$ 800 mil da Petrobras, obtida em edital público. Para os papas, isso fere de morte a integridade do MN. Eles, obviamente, esqueceram as verbas governamentais de publicidade recebidas pelos meios de comunicação que lhes pagam os salários. Leia mais »

Lobista João Augusto desmente reportagem da Época

Sugerido por Luciano Prado

Do blog Amigos do Presidente Lula

Globo e Época censuram gravações e passam vexame perto da honestidade da Mídia Ninja 

Conforme afirmamos nesta  nota , a  fonte da reportagem malfeita da revista Época, João Augusto Rezende Henriques, iria desmentir  declarações que foram atribuídas à ele,ficou evidente que, da maneira em que foi publicada, se fosse verdade, seria uma confissão de crimes gravíssimos praticados pelo próprio lobista.

Dito e feito. Na tarde de sábado (10), João Augusto distribuíu nota negando participação na reportagem. Eis a nota:

"Informo que não concedi entrevista à revista Época. O contato que mantive com o repórter da publicação tratava-se meramente de uma conversa informal, cujo convite partiu dele, na qual o repórter apresentou as situações descritas na reportagem. O que não significa que houve concordância com a versão do repórter.

Quanto aos fatos mencionados pelo jornalista, não exerço, e nunca exerci, qualquer interferência nos contratos da área internacional da Petrobras. Não recebi e nunca repassei qualquer recurso para pessoas nem tampouco partidos, sejam eles PT ou PMDB.

De fato, havia sido sondado pelo já falecido deputado Fernando Diniz para assumir um cargo na Petrobras, mas declinei do convite. Leia mais »

Dez anos da morte de Roberto Marinho

Sugerido por Adamastor

Do Diário do Centro do Mundo

Dez anos sem o Doutor Roberto

PAULO NOGUEIRA

O legado do nosso companheiro.

Então são dez anos sem o Doutor Roberto Marinho, um homem nas próprias palavras “condenado ao êxito”, completados agora em agosto.

Lembremos sua jornada quase centenária sobre esta terra, contritos, e agradeçamos a ele por:

1)   conspirar contra um governo democrático e abrir as portas para uma ditadura militar que matou, perseguiu e fez do Brasil um campeão mundial de desigualdade;

2)   fazer um pacto com essa ditadura pelo qual em troca de receber uma rede de tevê a apoiaria incondicionalmente;

3)  ocupar o Estado brasileiro, de tal forma que sucessivos governos o brindaram com empréstimos multimilionários a juros maternos ou pagáveis, eventualmente, até com anúncios; Leia mais »

Casa Fora do Eixo - Um Modelo de Negócios

Antes de qualquer coisa, acho que vale sublinhar um dado importante, os coletivos culturais são uma ideia extraordinária, e digo isso porque, graças ao progresso fulminante da informação, outras formas colaborativas ajudarão a renovar a produção cultural brasileira, o que nada tem a ver com a pretensão e a cobiça do modelo de negócios da casa Fora do Eixo. Portanto, atribuir aos coletivos de cultura a lógica triunfalista exposta pelo conceito de marca que vem sendo construído pelos líderes do Fora do Eixo, é perder o sentido do valor e da natureza das novas soluções que ousadamente estão se desenvolvendo no espírito das várias formas da produção coletivada. Porque não há como negar que a experiência de um coletivo verdadeiramente determinado a propor mudanças dentro de um tempo empírico, com novas ações, relações e ideias, não seja a grande mutação contemporânea. E isso é benditamente irreversível, provocado justo pela grande mutação tecnológica onde a utilização da informação é cada vez mais democratizada.

FORA DO EIXO INSIGTHS – UM PROJETO DA DIREITA
Leia mais »

Mídia Ninja e a disputa pelo poder midiático

Sugerido por alfeu

Do IHU Unisinos

Mídia Ninja. "A disputa pelo poder midiático''. Entrevista especial com Fábio Malini 

“A cultura nativa da rede acaba entrando em conflito com a cultura secular do jornalismo na medida em que há, na rua, uma disputa, um confronto com a estrutura de poder existente”, aponta o pesquisador.

Ao analisar as chamadas “coberturas coletivas” nas redes sociais e o conteúdo produzido pela mídia tradicional após as manifestações que ocorreram em diversas cidades brasileiras no último mês, o pesquisador da Universidade Federal do Espirito Santo, Fábio Malini, é contundente: “O que está em jogo é o poder midiático”. Para ele, “trata-se de duas ecologias em disputa”, personificadas “em figuras como Globo e Mídia Ninja. Ou seja, são elementos que se reduzem a duas formas que demonstram exatamente o conflito que estamos vivendo do ponto de vista de mídia”, pontua.

Na entrevista a seguir, concedida por telefone à IHU On-LineMalini avalia a produção de conteúdo em rede, a exemplo da Mídia Ninja, que ganhou popularidade ao divulgar informações das manifestações em tempo real. “Essa é uma relação invisível, que gera uma potência da invisibilidade fantástica: a pessoa produz um vídeo de um protesto em Vitória, posta na rede via inbox, e envia para a Mídia Ninja publicá-lo, ou seja, conectar a invisibilidade com a visibilidade. A coordenação dessa rede é o elemento mais interessante da Mídia Ninja, mas ela está presente em muitas outras experiências”, menciona. E dispara: "Note que se não há 3G para todos, nada disso é possível acontecer". Leia mais »

O Fora do Eixo é uma organização voltada a si própria

Por ArthurTaguti

Comentário ao post "Mídia Ninja e Fora do Eixo: uma polêmica necessária"

Olha, o que me impressionou na entrevista de Capilé/Torturra, bem como na réplica de integrantes do FdE a Beatriz Seigner, é o uso obsessivo da metalinguagem. Enquanto Beatriz parece uma amante da arte e aborda questões culturais em todo o seu texto, as respostas, em sua maioria, centraram-se no FdE em si: nós, nós, nós, nós, nós, nós.

Um trecho do já viral texto dela é bem revelador. Ela diz: "e o meu choque ao discutir com o Pablo Capilé foi ver que ele não tem paixão alguma pela produção cultural ou artística, que ele diz que ver filmes é “perda de tempo”, que livros, mesmo os clássicos, (que continuam sendo lidos e necessários há séculos), são “tecnologias ultrapassadas”, e que ele simplesmente não cultiva nada daquilo que ele quer representar. Nem ele nem os outros moradores das casas Fora do Eixo (já explico melhor sobre isso)". Leia mais »

Alex critica influência da Globo nos horários do futebol

Sugerido por Luciano Filho

Do Terra

Jornal: Alex diz que Globo cuida mais do futebol brasileiro do que a CBF 

De volta ao Brasil e principal condutor da campanha do Coritiba no Campeonato Brasileiro, o meio-campista Alex disse, em entrevista publicada nesta sexta-feira no jornal Lance!, que o futebol do País tem a Rede Globo como principal organizadora. De acordo com as palavras do experiente jogador, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) cuida apenas da Seleção Brasileira, deixando o futebol doméstico nas mãos da emissora.

“Acho que a CBF não tem uma interferência dentro do futebol tão grande. A CBF cuida apenas da Seleção Brasileira. Quem realmente cuida do futebol brasileiro é a Globo. A gente sabe que a Globo trabalha na dependência da novela. A gente brinca aqui no Coritiba que os jogos de quarta-feira só rolam depois do último beijo da novela”, disse o jogador, em referência aos jogos das 21h50 (de Brasília) que são televisionados em rede aberta. Leia mais »

Mídia Ninja e Fora do Eixo: uma polêmica necessária

Do site Página 13

Mídia Ninja e Fora do Eixo: uma polêmica necessária

07:50:00 08/08/2013

A entrevista de Pablo Capilé e Bruno Torturra para o Roda Viva* da última segunda ampliou o debate sobre a novidade representada pela Mídia Ninja e pelo Fora do Eixo.

Primeiramente vou tentar fazer uma breve explicação sobre o que são os dois, já que ninguém é obrigado a saber tudo de antemão.

O Fora do Eixo é uma rede de trabalhos criada por produtores culturais que estimulam a circulação de artistas e produtores, o intercâmbio de tecnologia de produção e o escoamento de produtos.

A Mídia Ninja (Narrativas Independentes, Jornalismo e Ação) é um coletivo de jornalismo em rede que produz e distribui conteúdo de forma independente e dentro dos acontecimentos, sendo especializado na cobertura de mobilizações sociais.

Desde a criação destes coletivos eles estiveram rodeados de polêmicas, seja com direitistas defensores dos grandes conglomerados de produção e distribuição cultural e midiática, seja com setores mais ortodoxos da esquerda. Leia mais »