Os médicos cubanos e a postura dos grandes jornais

Do Jornal GGN

Mais Médicos, cubanos e a postura dos grandes jornais

Lourdes Nassif

Médicos estrangeiros ocuparam as redes sociais na terça-feira, 27, e voltaram para as páginas dos jornais Folha e Estadão, com desdobramento do ocorrido em Fortaleza (CE), onde foram hostilizados por manifestantes de jaleco branco. Facebook e Twitter receberam notas de repúdio contra a ação dos ‘prováveis’ médicos brasileiros, reproduzindo matérias e colunas de sites, blogs e jornais.

Um fato interessante na cobertura de hoje das hostilidades sofridas pelos médicos cubanos, é o tom das matérias nos dois jornais. Se antes havia críticas à vinda desses profissionais, com farto material sobre alegações de trabalho escravo e veementes declarações dos dirigentes dos conselhos de medicina, a tônica agora é outra. O exagero dos protestos de ‘médicos’ brasileiros acabou por torná-los figuras pouco apreciadas dentro das críticas ao Programa Mais Médicos, fazendo com que os grandes jornais baixassem o tom e velassem a mordacidade depois do episódio em Fortaleza. Um exemplo pode ser dado na abordagem de hoje da Folha, que anuncia em seu texto que a foto (a mesma que rodou nas redes sociais) de Juan Delgado foi capa de sua edição de terça, mas esquece da alfinetada dada aos médicos cubanos, em que repórter narra a dificuldade no entendimento do português por parte dos entrevistados, mas se esquece de dizer que a conversa se deu em meio ao calor da manifestação.

Continua aqui Leia mais »

Padilha lamenta postura de médicos

Sugerido por jn

Do O Povo

Ministro lamenta postura de médicos manifestantes contra estrangeiros

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, lamentou a postura de cerca de 50 médicos de Fortaleza que, na noite da última segunda-feira (26), hostilizaram médicos estrangeiros do programa Mais Médicos, que saíam de um curso na Escola de Saúde Pública do Ceará. “Foram atitudes truculentas, incitaram o preconceito e a xenofobia”, disse Padilha. “Eles (os médicos de Fortaleza) participaram de um verdadeiro corredor polonês da xenofobia, atacando médicos que vieram de outros países para atender a população apenas naqueles municípios onde nenhum profissional quis fazer atendimento”, disse Padilha.

Em entrevista coletiva ontem, o secretário de gestão estratégica e participativa do Ministério da Saúde, Odorico Monteiro, também criticou o protesto do Sindicato dos Médicos do Estado (Simec) contra a vinda dos profissionais sem submissão ao Exame Nacional de Revalidação de Diplomas (Revalida). Conforme ele, o ato foi uma demonstração clara de “truculência, violência, agressividade, xenofobia, preconceito e racismo”, pois os manifestantes tacharam os médicos de “escravos” e “incompetentes”, além de terem gritado: “voltem pra senzala”. Leia mais »

O patrocínio da Unimed no Salão de Humor de Piracicaba

Sugerido por Palhaço

Em pleno 40o. Salão Internacional de Humor de Piracicaba, a Unimed (obviamente, plano de saúde ou cooperativa de médicos) patrocinou dois prêmios de "humor" sobre o tema "saúde".

Dou um doce para quem adivinhar a temática das criticas das charges. Obviamente não foram os inúmeros problemas dos planos de saúde...

Leia mais »

SP: aumento de 29% nos casos de latrocínio em 2013

Sugerido por Marcel Santos

Da Agência Brasil

Latrocínio cresce quase 30% na capital paulista em 2013, segundo balanço

Em todo o estado, o número de latrocínios passou de 209 nos primeiros sete meses do ano passado para 234 este ano

São Paulo – De janeiro a julho deste ano, o número de latrocínios (roubo seguido de morte) cresceu 29,4% na capital paulista, segundo balanço mensal de ocorrências policiais que foi divulgado nesta segunda-feira (26/8) pela Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. Nos primeiros sete meses do ano passado, ocorreram 68 mortes em decorrência de roubo, enquanto neste ano houve 88 mortes.

Em todo o estado, o número de latrocínios passou de 209 nos primeiros sete meses do ano passado para 234 este ano, um aumento de quase 12%. Segundo o secretário de Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, os crimes de latrocínio são uma das maiores preocupações do governo de São Paulo.

“Sempre disse que latrocínios e roubos são os crimes que mais nos preocupam porque são os que mais impactam na sensação de segurança. Ainda há muito a ser feito, mas estamos adotando uma série de medidas, que exigem algum tempo para serem adotadas ou implantadas”, disse o secretário. Leia mais »

CRM de Minas tem liminar indeferida contra Mais Médicos

Sugerido por alirio

Em Belo Horizonte/MG foi indeferida liminar requerida pelo CRM/MG, em Ação Civil Pública, para que o Conselho não fosse obrigado a efetuar o registro provisório dos médicos extrangeiros que aderirem ao Programa Mais Médicos. Caso deferida, os Cubanos (e tb. os outros) seriam obrigados a revalidar seus diplomas.

Da Justiça Federal em Minas Gerais

“Mais Médicos”: Juízo da 5ª Vara Federal de BH indefere liminar ao CRM/MG

O Conselho Regional de Medicina do Estado de Minas Gerais ajuizou ação civil pública contra a União, para que seja desobrigado de efetuar o registro provisório dos médicos intercambistas que aderirem ao Programa Mais Médicos para o Brasil, sem a comprovação documental da revalidação dos diplomas emitidos por universidades estrangeiras, bem como apresentação de certificado CELPE/BRAS para os estrangeiros.

O juiz titular da 5ª Vara Federal da Seção Judiciária de Minas Gerais, João Batista Ribeiro, indeferiu o pedido de antecipação dos efeitos da tutela ao CRM, por considerar que negar o registro aos médicos intercambistas “causaria à Administração o perigo da demora inverso, sob o aspecto de deixar ao desamparo cidadãos hipossuficientes das camadas mais pobres de nossa sociedade”. Leia mais »

Em Goiás, a farsa de jaleco contra os médicos estrangeiros

Sugerido por zanuja castelo branco

Do Tijolaço

Como se desmonta uma farsa de jaleco

Está rodando na internet uma farsa apelativa.

O Dr. Rogério Augusto Perillo, que acha que as pessoas são burras, postou uma foto segurando um cartaz dizendo que “não faltam médicos” e denunciando ter sido demitido pelo prefeito da cidade de Trindade, próxima a Goiânia, “para dar lugar a um médico cubano”.

Com a repercussão nas redes, o prefeito teria “reconsiderado” a decisão e mandado readmitir Rogério.

Conversa.

Rogério é amigo e correligionário do prefeito da cidade, Jânio Darrot, do PSDB, com quem aparece sorridente na foto postada  há 15 dias.

E, pelo sobrenome Perillo, você deve imaginar de quem ele é parente.

Claro, do governador Marconi Perillo, também do PSDB, aquele que escapou, sabe-se lá como, dos escândalo Demóstenes-Cachoeira. Leia mais »

Índios Tupinambá esperam a mais de um ano por demarcação

Autor: 

O povo Tupinambá tem sido vítima da opção do governo da presidenta Dilma Rousseff pelo agronegócio. Concluídos os estudos que comprovaram de maneira cabal a ocupação tradicional do território pelos indígenas, cabe agora ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, assinar a portaria declaratória da Terra Indígena.

O documento está nas mãos do ministro há cerca de um ano e meio, apesar de a legislação determinar o prazo de 30 dias após o recebimento do processo para que o ministro dê os encaminhamentos pertinentes. A omissão do Estado tem gerado tensão no sul da Bahia, que se intensificou em agosto de 2013. Neste mês, um caminhão que transportava estudantes indígenas e não indígenas foi alvejado, deixando dois jovens feridos; indígenas tiveram suas casas incendiadas; e veículos de órgãos governamentais também foram incinerados, entre outros ataques.

Petição em apoio ao Povo Tupinambá
Leia mais »

Médicos cearenses cometem suícidio de imagem

Do Diário do Nordeste

Médicos cubanos são hostilizados em aula inaugural em Fortaleza

Germano Ribeiro

Médicos cubanos são hostilizados em aula inaugural em Fortaleza

Os 95 médicos estrangeiros que iniciaram nesta segunda-feira (26) o treinamento do programaMais Médicos em Fortaleza foram hostilizados por cerca de 50 profissionais cearenses da área que faziam uma manifestação na entrada da Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP-CE), no Meireles. O alvo do protesto era o grupo de 79 médicos de Cuba que farão o curso. Na saída, os estrangeiros e as autoridades foram vaiadas, xingadas e provocadas pelos manifestantes. 

Com início do protesto, as portas da ESP-CE foram fechadas. Apenas os participantes do evento e a imprensa puderam entrar. A atitude revoltou os médicos cearenses, que batiam nos vidros da entrada do local. “Estão nos tratando como marginais”, disse o presidente do Sindicato dos Médicos do Ceará (Simec), José Maria Pontes. Com palavras de ordem, o grupo exigia que os estrangeiros fizessem o Revalida, exame destinado aos médicos que obtiveram diploma no exterior e querem atuar no Brasil. Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo

Como funciona o acordo para atrair médicos estrangeiros

Sugerido por Assis Ribeiro

Do site das Nações Unidas

Brasil assina acordo com Organização Pan-Americana da Saúde para atrair médicos estrangeiros

O Ministério da Saúde assinou nesta quarta-feira (21) termo de cooperação com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), representação da Organização Mundial da Saúde (OMS) para as Américas, para atrair médicos estrangeiros ao Brasil, por meio do programa Mais Médicos. Pelo acordo, fica definida a vinda de 4 mil profissionais de Cuba para as vagas que não foram escolhidas por brasileiros e estrangeiros na seleção individual.

O representante da OPAS no Brasil, Joaquín Molina, ressalta que na negociação com Cuba a organização buscou um perfil de profissional direcionado às necessidades do programa Mais Médicos. “São médicos experientes, que já trabalharam em países de língua portuguesa e com especialização em saúde da família. Com certeza, estamos trazendo um grupo muito preparado ao Brasil”, afirmou.

“Hoje estamos encerrando uma importante negociação para reforçar a assistência em saúde nas regiões carentes do Brasil. Vamos, por meio deste acordo com a OPAS, ampliar o número de médicos exatamente naqueles municípios em que há maior dificuldade de levar profissionais. Nosso foco é levar médicos para aquelas cidades que não foram selecionadas no programa nem pelos brasileiros nem pelos estrangeiros, mas aguardam por profissionais”, destacou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Leia mais »

Lei Cultura Viva será votada esta semana na Câmara

Autor: 

Nesta terça-feira, 27/08, o Projeto de Lei 757/2011, conhecido como Lei Cultura Viva, entra na pauta da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados, em Brasília. Se aprovado nesta Comissão, o Projeto de Lei segue diretamente para o Senado Federal, sem necessidade de votação no plenário da Câmara. Uma vez aprovado no Senado, o Projeto pode ser enviado diretamente para sanção presidencial.

A Lei Cultura Viva, apresentada ao Congresso Nacional pela deputada federal Jandira Feghali (PCdoB / RJ), surge como uma demanda concreta da luta de milhares de iniciativas, redes, coletivos e movimentos culturais do Brasil. Com a aprovação desta lei, o Programa Cultura Viva e os Pontos de Cultura passarão a ser uma política permanente de estado, baseada no reconhecimento e apoio do Estado às manifestações, linguagens e formas de expressão cultural independentes, comunitárias e articuladas em rede.
Leia mais »

MS: grande incêndio em canavial destrói acampamento indígena

Por mpaiva

Em Dourados , MS , a situação dos indígenas cujo acampamento foi destruído por um incêndio (que começou no canavial) é grave ! A Suki Ozaki (repórter do SBT-MS) está ajudando na coleta de socorro . Leia mais »

O trabalho no SUS visto de dentro

Por gustavoccp

Comentário ao post "Não destruam por arrogância a relevante imagem dos médicos"

Não P Pereira, não me cadastrei. Minha situação neste momento como especialista nem permite isso. Acho que já passei deste momento. Sou cirurgião especialista há mais de 7 anos, estabelecido e não vou mudar minha carreira, até porque nem sei ser mais um clínico, não estudo o assunto. No entanto gostaria que vc pensasse que posso ser útil neste país, mas nunca e digo, nunca mesmo, fui valorizado ou estimulado a contribuir para o SUS. Já contribuí muito para a promoção da saúde pública e amo o que faço. Gasto mais do que ganho do SUS. Vc não tem idéias da pressão política que sofro, do descaso da estrutura e de como abdico de muitas coisas em favor de ajudar as pessoas carentes. Vc não sabe como é lidar com uma fila de Câncer.!!! Já perdi noites de sono, me questiono diariamente como indivíduo sobre meu papel e como deveria me posicionar. Não tenho contrato e o governo me trata como "freelancer" amigo. Meus amigos também sofrem e dão seu máximo. Há erros graves de formação, mas dizer o que andam dizenod de nós é inverdade. Maioria dos que conheço não são assim. Minha turma da faculdade tem muitos cujos pais esforçaram-se muito e nada têm de egoístas playboys. Muitas Xs penso eu aqui com meu bom carro, boa casa, que estous formando opinião errada. No entanto, preciso me basear na seriedade, na ciência para me nortear. Absolutmanete angustiante o momento em que nó médicos nos encontramos. E te digo, para muitos que conheço. Leia mais »

Médica cubana chega para trabalhar pela 2ª vez no Brasil

Sugerido por hugo

Marquei em negrito a data que ela trabalhou no Brasil pela primeira vez, na época do FHC. Na época não houve gritaria nem chiadeira dos Conselhos ou dos colunistas da Folha.

Da Folha

Médica cubana irá trabalhar no Brasil pela segunda vez

BRUNO BASTOS
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DO RECIFE

Desembarcar no Brasil para trabalhar como médica não foi novidade para a cubana Wilma Zamora Rodríguez, 45, que chegou neste domingo (25) ao Recife. Entre 2001 e 2003, ela já havia trabalhado como médica no Tocantins.

O trabalho ocorreu por meio de um convênio com o governo cubano, assim como será com o programa Mais Médicos, que vem causando polêmica.

No aeroporto, a médica disse que a experiência no passado foi "muito boa" e que estava feliz por poder voltar e ajudar o país. Ela afirmou que não teve nenhuma dificuldade com o português quando trabalhou no país.

"Os médicos terão um bom relacionamento com os pacientes brasileiros", disse, acrescentando que não teme a reação negativa em torno do programa. Para ela, os brasileiros vão ficar "muito agradecidos" aos profissionais trazidos Mais Médicos.

Wilma e outros 65 profissionais desembarcaram na tarde de hoje no Aeroporto Internacional dos Guararapes, no Recife, em um voo fretado vindo de Havana. Leia mais »

Debatendo a remuneração dos profissionais na área pública

Por hugo

Comentário ao post "Pela 1ª vez, a saúde é discutida pelo povo com engajamento"

André, por que professores que formam a base da sociedade que formnarão os futuros médicos, engenheiros, advogados, fazem 3 jornadas diárias para ganhar pouco mais de 2 mil reais por mês. Não é absurdo? Sim. Falar em federalização para a carreira médica, me desculpe mas é mais um corporativismo de classe.

Todos os profissionais de todas as áreas do serviço público são mal remuneradas, não somente os médicos.

Um salário de médico da familia no serviço público gira e torno de 10.000 reais por mês por 8 horas diárias e ainda assim  você não encontra médicos que cumpram a jornada integral. Os vícios de emprego não se dão somente nos gabinetes de Brasília, pode estar no posto de saúde da esquina da sua casa.

Imagine que um professor é contratado para dar 5 aulas numa escola pública numa manhã, mas ele dá apenas uma e no resto do tempo dá aulas particulares e recebe seu salário público integralmente. Seria um escandalo, não? Óbvio. Mas o mesmo ocorre diariamente nos hospitais públicos brasileiros sem que ninguem se incomode. A alegação dos médicos? Baixos salários. Portanto um profissional alegando baixa remuneração pode usurpar o dinheiro público da maneira que bem entende sem que ninguém o incomode. Leia mais »

Algumas questões sobre violência e segurança pública

Por Fred Montero

Comentário ao post "Conte comigo - um relato da violência urbana"

Recentemente eu passei por uma situação que me colocou diante da cruel realidade do momento. Não chegou a ser tão dramático quanto o assalto narrado pelo senhor Luiz Seixas. É uma dessas situações em que nós agradecemos por ter sido apenas um furto à residência, sem envolver ninguém da família. É irônico termos de agradecer por apenas termos sidos furtados. Mas a verdade é que a violência não deixa só as marcas financeiras. Nem todos os bens materiais podem ser readiquiridos, pois foram oriundos de muitas horas-extras e sacrifícios aos quais a idade já não permite. Além do que alguns destes bens materiais carregam muitas lembranças nossas, como fotos e vídeos dos filhos pequenos, já que nossa vida cada vez mais passa a ser digital. Mas ainda assim eu acho tudo isso um mal menor.

Também não me falo da insegurança que trouxe para a nossa família, que passou a vive em clima de pavor diante de qualquer ruído no quintal ou traseunte na rua, quando me refiro às mais profundas marcas. Hoje em dia, as marcas mais profundas estão relacionadas à minha própria consciência ao ver que vivemos em uma sociedade em que o valor à vida física, familiar e sentimental dos outros vale tão pouco.

Eu não pago a "guardinha" que ronda o bairro por uma questão financeira em primeiro lugar. O nosso apertado orçamento não dá conta de pagar pela segurança particular. Mas para além disso, há também um problema de princípios. Depois de médicos e professores, eu acredito que os policiais deveriam ser os profissionais mais bem pagos do país. Assim não haveria a necessidade de fazerem bicos para complementar a renda. Mas há vizinhos que pagam e através deles eu soube que os seguranças do bairro conhecem quem provavelmente invadiu minha casa. E é aqui que a situação começa a ficar dramática na minha opinião. Segundo os vizinhos, os vigilantes garantiram que se pegarem esses rapazes, eles lhes darão uma surra de quebrar pernas e braços. E assim a bola de neve rola a montanha abaixo causando mais destruição no seu caminho. Já imagino que depois de apanharem, os pequenos ladrõezinhos passem a andar armados para se protegerem e que depois de praticarem furtos às residências passem aos assaltos à mão armada, até que um dia matem alguém ou morrem. Então eu me pergunto é neste tipo de sociedade em que eu me vejo criando os filhos? Para mim, a vontade de vingança cruel é pior do que qualquer furto. Isso não resolve nenhum problema. Leia mais »