...A vida é repleta de mistérios! LENINE

Autor: 

 

ENTREVISTA EXCLUSIVA

Imagens inéditas sob a perspectiva da fotográfica Vivian Psilva Leia mais »

Imagens: 
...A vida é repleta de mistérios! LENINE
...A vida é repleta de mistérios! LENINE
...A vida é repleta de mistérios! LENINE
...A vida é repleta de mistérios! LENINE
...A vida é repleta de mistérios! LENINE
...A vida é repleta de mistérios! LENINE
...A vida é repleta de mistérios! LENINE

Música, o pecado original da internet

Por Paulo Gurgel Carlos da Silva, no Portal LN

Em LOCUS online, num artigo intitulado "Music: The Internet’s Original Sin"(Música: Pecado Original da Internet), Cory Doctorow pergunta por que os direitos autorais das músicas são como uma "batata quente" na internet, mesmo na era pós-DRM, quando a maioria das músicas em MP3 custa $ 0,99 na Amazon. Segundo ele, a música compactada não é inteiramente compatível com o comércio contemporâneo e a indústria fonográfica, ao tentar "consertar" isso, apenas nos passou a ideia de que tudo o que sabemos sobre a forma legítima de desfrutar, produzir e compartilhar música acha-se errado. Leia mais »

Brasil lidera pedidos de remoção de conteúdo do Google

Por marcelosoaressouza

Do Convergência Digital

Governo do Brasil lidera pedidos de remoção de conteúdo ao Google

Luís Osvaldo Grossmann

Novo relatório de transparência divulgado nesta quinta-feira, 25/4, pelo Google, mostra forte aumento nos pedidos de remoção de conteúdo feitos por entidades governamentais no segundo semestre do ano passado. E o grande destaque é o Brasil, com quase um terço desses pedidos – boa parte deles ordens judiciais. 

Segundo o Google, enquanto no primeiro semestre de 2012 houve 1.811 pedidos para remover 18.070 itens, entre julho e dezembro o número pulou para 2.285, que queriam a remoção de 24.179 itens. Desses, 697, ou 30%, tiveram origem em entes públicos do Brasil. 

“Fica cada vez mais claro que tentativas de governos de censurar conteúdo em serviços do Google têm crescido. Em cada vez mais lugares, recebemos solicitações de governos para remover conteúdo político que usuários postam em nossas plataformas”, diz o Google em seu blog.  Leia mais »

Governo lidera pedidos de remoção de conteúdo ao Google

Novo relatório de transparência divulgado nesta quinta-feira, 25/4, pelo Google, mostra forte aumento nos pedidos de remoção de conteúdo feitos por entidades governamentais no segundo semestre do ano passado. E o grande destaque é o Brasil, com quase um terço desses pedidos – boa parte deles ordens judiciais.

Segundo o Google, enquanto no primeiro semestre de 2012 houve 1.811 pedidos para remover 18.070 itens, entre julho e dezembro o número pulou para 2.285, que queriam a remoção de 24.179 itens. Desses, 697, ou 30%, tiveram origem em entes públicos do Brasil.

“Fica cada vez mais claro que tentativas de governos de censurar conteúdo em serviços do Google têm crescido. Em cada vez mais lugares, recebemos solicitações de governos para remover conteúdo político que usuários postam em nossas plataformas”, diz o Google em seu blog.
Leia mais »

Teles ensinam deputados a ‘boa’ e ‘má’ neutralidade de rede

Sem fanfarra, mas com clara competência, as operadoras de telecomunicações começaram a catequisar deputados sobre os perigos de manter o que consideram uma extrema rigidez do projeto do Marco Civil da Internet. Ou seja, pela alteração do artigo que é a essência da proposta ao gravar em lei a obrigação de que seja respeitada a neutralidade de rede.

Ainda que alinhem diversos pontos merecedores de reparos no texto, que já está no Plenário da Câmara, os representantes das teles concentram fogo em duas mudanças principais, poriam fim à cizânia e abririma caminho para a aprovação do projeto – ambas no nono dos 25 artigos propostos pelo relator do PL 2126/2011.

O artigo é o que trata da neutralidade de rede. A lógica é de que ele precisa ser alterado para não criar um grave problema à Internet. Mas a premissa sobre a qual se sustenta a fundamentação é, no mínimo, discutível, como será demonstrado adiante.

Transparência & gestão
Leia mais »

Câmara dos EUA aprova projeto de lei sobre cibersegurança

Por Djamar

Do Estadão

Cispa é aprovada pela Câmara dos EUA

Projeto de lei sobre segurança online pode comprometer privacidade dos usuários; ativistas organizam protestos na rede

SÃO PAULO – A Cispa, controverso projeto de lei sobre cibersegurança dos Estados Unidos, foi aprovada pela Câmara dos Representantes (Deputados) do país na quarta feira, 17, por 287 votos a 127.  A lei segue agora para o  Senado norte-americano e, dali, para o presidente Barack Obama.

Não foi a primeira vez que a lei é aprovada na casa. No ano passado, a Câmara também deu sinal verde à legislação por 248 votos a 168, apesar de a Casa Branca ter ameaçado vetar a proposta. O projeto, no entanto, ficou engavetado e nem sequer chegou ao Senado. O nome da lei é a sigla para  Cyber Intelligence Sharing and Protection Act – Lei de Compartilhamento e Proteção de Inteligência Cibernética. Leia mais »

Assista notícias pelo Youtube | TV Nunca Mais! (Dica)

Autor: 

Neste texto procuro expor algumas práticas já adotadas por mim. Apresentarei um novo modelo, visando acelerar esta fase de transição relacionada a "mídia televisiva" x internet, que estamos vivenciando. Percorrerei brevemente pela motivação, depois vamos à dicas práticas, além da recomendação de canais na web. Ao final você já estará imerso à Nova Mídia, o Video-Noticiário eletrônico.

Atualmente, eu substituo 100% os Telejoranais, em prol das Video-Notícias. Você acaba recebendo muito mais informação, considerando um mesmo prazo de tempo que os Telejornais convencionais, fora a qualidade frequentemente melhor.

Motivação:

1 - Sabemos que a alternativa ao jornal impresso, são os jornais eletrônicos e blogs. Agora, e quanto ao "Jornal Falado", devemos deixá-lo no passado? Creio que Não!

  • A mídia "falada" possui suas vantagens sobre a mídia escrita: Concisão, informação rápida e generalizada.

2 - Mas existem algumas desvantagens do Telejornal tradicional (seja, Globo, Record, Band, etc.): Leia mais »

Diminui tempo de uso das redes sociais na Inglaterra

Por Demarchi

Do Outras Palavras

As redes sociais começaram a declinar?

 

130417-qsocialmedia

Mais uma pesquisa sugere que, entre os públicos que mais as utilizam, há sinais de saturação

A Experian, uma empresa internacional de análise de tráfego na internet, lançou novos dados sobre o declínio do uso das redes sociais, nos países em que elas estão mais presentes. O estudo, cujo foco é o comportamento dos internautas na Inglaterra, mostrou que em 2012 eles dedicaram às redes 22% de seu tempo na internet — em 2011, o percentual era de 25%. O espaço foi ocupado por sites de multimídia e entretenimento (como o YouTube), que avançaram de 13% para 15% e de notícias (de 4% para 5%) Leia mais »

Unicef avisa que like no Facebook não salva vida de ninguém

Autor: 

Nova campanha ironiza as curtidas na rede social e pede doação de vacinas Leia mais »

Vídeo Unicef

Em menos de duas horas, Globo retira vídeo do YouTube

O Brasil ainda não tem legislação que preveja a possibilidade de remoção de conteúdos da Internet, mas isso não impede alguns interessados de garantir seus interesses – e com impressionante agilidade. Um exemplo pode ser verificado nesta segunda-feira, 22/4.

Às 8h40, o programa matutino da TV Globo - Mais Você - se preparava para descrever as qualidades de um carro que anda sem motorista – com auxílio de câmeras e sensores – quando o veículo começou a se mover e atropelou a apresentadora Ana Maria Braga.

O acidente em si teve pequenas proporções – a apresentadora retornou no bloco seguinte. E, sem surpresas, um vídeo de 30 segundos foi imediatamente parar na rede. Surpreendente mesmo foi a agilidade da emissora da TV. Em menos de duas horas, pelo menos uma das versões do pequeno vídeo já tinha sido retirada do YouTube.

No lugar do link para “Ana Maria Braga levando uma portada”, às 10h30 já estava no lugar um aviso do sistema de vídeos do Google para casos de violação de direitos autorais: “‘Ana Maria Braga levando uma...’ This video is no longer available due to a copyright claim by Organizações Globo”, dizia o recado. Leia mais »

MG busca parcerias no Vale do Silício

G1

MG vai ao Vale do Silício buscar parcerias para programa de startups

Delegação também estará em evento do Media Lab do MIT.
Minas é o primeiro ente governamental latino-americano a integrar o MIT.

Lilian Quaino
Do G1, no Rio

Uma delegação do governo de Minas Gerais irá ao Vale do Silício, na Califórnia, a partir da próxima semana, em busca de parcerias para o programa Startup Minas, que visa a promover a cultura de inovação no estado.

Segundo o governo mineiro informou nesta sexta-feira (19), representantes das secretarias de Desenvolvimento Econômico, de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, e do Escritório de Prioridades Estratégicas de Minas Gerais têm um encontro com profissionais e empresas ligadas a startups na Singularity University, que fica no campus da Nasa, a agência espacial americana, e que é patrocinada por empresas como Google. A instituição também é conhecida como Universidade do Futuro por seu trabalho na preparação de líderes para criação de novas tecnologias.
Leia mais »

O site de relacionamentos extraconjugais

Por Demarchi

Do iG

Empresário que vende infidelidade não sabe se perdoaria uma traição

Eduardo Borges comanda o maior site de relacionamentos extraconjugais do Brasil e virou consultor informal dos amigos sobre o tema. Leia entrevista

Fernanda Aranda

Eduardo Borges, hoje com 28 anos, ganhou seu primeiro dinheiro aos 14. Morador de São José do Rio Preto, interior de SP, ele resolveu conciliar o conhecimento que tinha em web design e o interesse adolescente no mercado erótico. Fez um site que reunia filmes pornôs e recebeu 220 dólares de um anunciante.

“Quando meu pai descobriu, achou o máximo”, lembra. A empreitada durou só cinco meses, mas de alguma forma serviu de ponto de partida para a atual carreira do empresário. Após cursar administração, trabalharno mercado financeiro e desistir da área, Borges viu a oportunidade de negócio quando foi morar no Canadá em 2010. Conheceu uma rede virtual de relacionamentos canadense diferente e decidiu trazê-la ao Brasil.

Desta vez, nem toda a família aprovou. Até hoje, por exemplo, não disse para a sogra exatamente o que faz. Leia mais »

Esquecimento é o maior inimigo do Marco Civil da Internet

Em estado criogênico desde o sexto nocaute na Câmara dos Deputados, em novembro do ano passado, o projeto de lei 2126/2011 – mais conhecido como Marco Civil da Internet – começa, lentamente, a passar por um tratamento de ressuscitação. Dois eventos em Brasília voltam a discutir o tema publicamente nesta semana com o objetivo claro de sensibilizar os parlamentares a retomarem a análise da proposta.

O esforço se justifica. Como destacou o relator do projeto na Câmara, deputado Alessandro Molon (PT-RJ), o engavetamento dessa discussão é o risco mais grave de ferir de morte a iniciativa. “É importante falar desse projeto e cobrar da Câmara sua votação para impedir o esquecimento, o grande inimigo de agora”, destacou Molon, ao abrir nesta quarta-feira, 17/4, um seminário organizado pela Abert e a Fundação Getúlio Vargas especificamente sobre o Marco Civil.
Leia mais »

Princípio editorial do JN faz terrorismo econômico

Autor: 

 Veja quem faz o Jornal Nacional diariamente (Divulgação TV Globo/João Cotta)


Por Zeca Peixoto* Leia mais »

A ferramenta de buscas Shodan

Por Dê

Da Carta Capital

O concorrente do Google

Felipe Marra Mendonça 

O Google é uma ferramenta de buscas que abarca grande parcela da internet, mas não tudo. “Quando as pessoas não veem algo no Google, acham que ninguém pode achar aquilo. Isso não é verdade”, diz John Matherly à rede de notícias CNN. Matherly é o criador da ferramenta de buscas Shodan, capaz de encontrar servidores, impressoras, roteadores, câmeras e qualquer equipamento conectado à internet.

O problema é existir muita coisa listada pelo Shodan que não deveria ser acessível por qualquer usuário nem passível de ser controlada, caso de semáforos, webcams, sistemas de aquecimento ou automação, operação de postos de gasolina, parques aquáticos e até crematórios.

Dan Tentler, expert em segurança e decodificação de sistemas, disse em palestra em 2012 (disponível no YouTube, basta procurar por Defcon 20 Dan Tentler) que a maioria dos esquemas de segurança “é horrivelmente, horrivelmente ruim”. “Eu posso controlar uma usina hidrelétrica francesa pela internet. Ela possui duas turbinas com produção de cerca de 3 megawatts cada, o que pode ser interessante. Ou simplesmente entrar no sistema que controla um lava-rápidos”, afirma. Leia mais »