A medição da qualidade da banda larga no Brasil

Por josimar

Do EAQ (Entidade Aferidora da Qualidade da Banda Larga)

Cadastre-se já para fazer parte da comunidade que medirá a banda larga no Brasil.

Meça com precisão a sua banda larga

A ANATEL e as operadoras de banda larga fixa (Internet) do Brasil têm o compromisso de medir e acompanhar os indicadores de qualidade da conexão banda larga em todo o país.

Para a medição da qualidade de banda larga fixa o Programa abrangerá usuários das prestadoras do Serviço de Comunicação Multimídia (SCM) com mais de 50 mil acessos (atualmente, Oi, NET, VIVO, GVT, Algar, Embratel, Sercomtel e Cabo).

Caso tenha interesse em participar dessa iniciativa, como voluntário, conheça os pré-requisitos antes de iniciar sua inscrição.

http://www.brasilbandalarga.com.br/index.php/signup

Anatel vai monitorar os serviços de banda larga

Por Marco Antonio L.

Do blog do Planalto

Governo quer garantir a qualidade da internet de banda larga no país, afirma Dilma

A presidenta Dilma Rousseff afirmou hoje (10), no programa de rádioCafé com a Presidenta, que o governo vai cobrar das empresas que fornecem internet de banda larga garantia de acesso rápido e com conexão estável aos consumidores. Segundo ela, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) vai avaliar e monitorar os serviços de internet prestados no país.

“Muitos consumidores estavam reclamando da velocidade e da estabilidade das conexões. Em muitos casos, os consumidores recebiam apenas 10% da velocidade da internet que eles tinham contratado com as empresas prestadoras desse serviço. Foi para mudar essa situação que a Anatel estabeleceu metas de qualidade. A partir de agora, estamos cobrando qualidade das empresas que prestam o serviço de banda larga”.

A internet banda larga na mira do setor elétrico

Por Assis Ribeiro

Do Observatório do Direito à Comunicação

Decreto vai incentivar setor elétrico a oferecer banda larga

Por Luís Osvaldo Grossmann - Convergência Digital

Está no forno um documento que pode fazer uma grande diferença na cobertura de Internet no país – uma significativa ampliação do papel das redes de energia elétrica na oferta de conexões.

Trata-se de um Decreto, já em estágio de minuta, que versa sobre compartilhamento de infraestrutura, mas cujo maior potencial está na forma de remuneração de investimentos. A ideia é permitir que as elétricas capturem 70% das receitas extras, como telecomunicações, contra os atuais 10%, cenário considerado de muito pouco estímulo.

O setor elétrico já detém o principal tronco de telecomunicações do Brasil, ou seja, o mais abrangente backbone de fibras ópticas graças aos cabos OPGW (do inglês optical ground wire) que fazem parte do sistema de transmissão de energia. Também chamados de pára-raios, esses cabos são largamente utilizados pelas teles, graças a acordos de aluguel de infraestrutura. 

Leia mais »

A banda larga da Telebras para pequenas e médias empresas

Do O Globo

Telebras terá internet banda larga para pequenas e médias empresas

Plano deverá ser oferecido em 147 municípios do país

RIO - A Telebras anunciou nesta quinta-feira um plano de internet banda larga de alta velocidade para atender pequenas e médias empresas em 147 municípios do país. Na próxima semana, a estatal começa a negociar a oferta do serviço com os provedores de Internet aptos a atender o consumidor final. O pacote atende proposta apresentada pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) ao Ministério das Comunicações e tem potencial para beneficiar 260 mil indústrias instaladas nas cidades mapeadas. Leia mais »

Telebras e RNP unem redes

A Telebras e a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) vão interconectar suas redes, como previsto na segunda fase do acordo que busca ampliar significativamente a capacidade das conexões em todas as instituições federais de ensino superior – além de dar maior capilaridade à rede pública de fibras ópticas utilizada no Plano Nacional de Banda Larga.

O principal objetivo é garantir que uma rede de alta velocidade para as cerca de 900 instituições de ensino – campi das universidades e institutos federais, além de unidades de pesquisa. “Muitos municípios não têm backhaul suficiente para velocidades mais altas e, em vários casos, há campi com conexões de 4Mbps”, diz o diretor geral da RNP, Nelson Simões.

Daí o uso da rede da Telebras – e a substituição de pelo menos parte das contratações atuais da RNP junto a outras operadoras – para garantir que, no interior, todos os campi do interior do país contem com pelo menos 100 Mbps, e as sedes das instituições com 1 Gbps. A meta é cobrir todos até 2014. Dois projetos-piloto nesse sentido já foram implantados em Anápolis-GO e Gurupi-TO.
Leia mais »

Exclusão digital: Apenas 4% das escolas públicas têm PCs

Autor: 

A pesquisa TIC Educação 2011, produzida pelo CETIC.br, do Comitê Gestor da Internet, divulgada nesta terça-feira, 19/06, na capital paulista, revela que o Brasil está muito atrasado no uso das ferramentas de TIC nas escolas e na prática pedagógica. O estudo mostra, por exemplo, que a banda larga não é realidade para a maioria das escolas, mesmo que elas tenham algum ponto de conexão à Internet.

O grande problema, observa o TIC Educação 2011, é que 55% das escolas têm conexão entre 256Kbps e 2 Mbps, para ser compartilhada, em média, por 500 alunos, nas escolas públicas. Apenas 6% das escolas pesquisadas têm velocidades de conexão superiores a 8 Mbps. E pior: 27% das escolas pesquisadas desconhecem o valor de conexão da Internet. E o levantamento não leva em conta as escolas rurais, onde há problemas de infraestrutura de telecom.

"Há problema, sim, de acesso à banda larga, mas há questões estruturais que devem ser cuidadas. Entre eles, a disponibilidade da energia elétrica. Não basta ter banda larga, ela precisa funcionar e ajudar na prática pedagógica", observa Juliano Cappi, responsável pelo estudo no CETIC.br.
Leia mais »

Entidade contesta edital da qualidade da banda larga

Por wilson yoshio.blogspot

Do IDG Now!

 

NIC.br contesta escolha da Price para medir qualidade da banda larga

Entidade pediu à Anatel que revise o edital de seleção, pois este prevê medição na rede de acesso, o que facilitaria a manipulação do resultado.

O NIC.br não ficou satisfeito com a escolha da PriceWaterhouseCoopers como Entidade Aferidora da Qualidade da Internet (EAQ). Por isso, já pediu a revisão do resultado à Anatel, conforme anunciado na última quarta-feira (7/03). Leia mais »

Mobilização pressiona Oi a cumprir velocidade de internet

Por Walter Serralheiro.'.

Do campanhabandalarga.org.br

Mobilização contra a Oi atinge #1 nos trending topics do Twitter e motiva resposta da empresa

O tuitaço promovido pela Campanha Banda Larga é um direito seu! atingiu o primeiro lugar nos trending topics do twitter durante a tarde desta segunda-feira. Milhares de mensagens com o mote #oicontraqualidade foram utilizadas pelos internautas em protesto contra o pedido da empresa de anulação das metas de qualidade aprovadas pela Anatel para a banda larga fixa e móvel.

A mobilização também tinha links para a iniciativa do Idec e da Campanha Banda Larga que propõe um texto para os internautas mandarem para a consulta pública realizada pela Anatel para ouvir os cidadãos sobre a pedido da Oi. Até esta tarde, mais de 5 mil mensagens já haviam sido mandadas como contribuições à consulta.

Em resposta à mobilização, a empresa publicou uma nota em que diz ser favorável aos parâmetros de qualidade. Diferentemente do que afirma, a operadora é sim contra metas obrigatórias para variações na velocidade contratada, entre outras. Defende apenas a medição para fins de divulgação dos resultados, sem que índices ruins signifiquem qualquer punição à empresa. Segundo a Oi, isso permitiria aos consumidores escolherem a melhor prestadora e a empresa já sentiria o efeito dos maus resultados. Porém, em mais de 90% dos municípios brasileiros, não há concorrência nem no serviço fixo nem no móvel. Leia mais »

Ação quer anular acordo entre governo e teles

Por alfeu

Da Agência Brasil

Entidade de defesa dos consumidores pede anulação de acordo sobre plano de banda larga

Sabrina Craide
Repórter da Agência Brasil

Brasília - A Associação de Consumidores Proteste pediu hoje (7) a anulação dos termos de compromisso que foram firmados entre o governo federal e as empresas de telefonia para o Programa Nacional de Banda Larga, que tem o objetivo de levar internet de alta velocidade a todo o país até 2014. Segundo a entidade, os acordos prejudicam os consumidores porque permitem que as empresas ofereçam planos com limite reduzido de tráfego de dados e sem a garantia de manutenção da velocidade de acesso.

Em ação civil pública ajuizada na Justiça Federal, em São Paulo, a Proteste argumenta que os valores cobrados, entre R$ 29,80 a R$ 35, não garantem um serviço de qualidade e são mais elevados que outros pacotes fora do termo de compromisso. A ação envolve as empresas de telefonia, a União e a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Segundo a Proteste, o serviço de banda larga deveria ter sido incluído no regime público, e o governo deveria ter imposto garantias de regulação do serviço e condições de prestação do serviço. Leia mais »

Brasil tem banda larga mais cara do mundo

Do Convergência Digital

Brasil tem a banda larga mais cara do mundo

Ana Paula Lobo

O Brasil tem a banda larga - fixa e móvel - mais cara do mundo e com custo muito acima do praticado em países emergentes e até mesmo com economias menos desenvolvidas, revela estudo da UNCTAD(Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento), da ONU(Organização das Nações Unidas), divulgado nesta quarta-feira, 19/10.

De acordo com estudo, divulgado no país pelo Comitê Gestor da Internet, o custo do mbps móvel está em US$ 51, enquanto no Quênia fica em US$ 4 e na Turquia, US$3. Na banda larga fixa brasileira, o custo do megabit está estimado em US$ 61. Leia mais »

Banda larga popular sai a R$ 35 por mês, mas modem custa R$ 300

Originalmente: http://www.hardware.com.br/noticias/2011-08/banda-larga-popular.html

Enfim, o famigerado Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) começou nesta semana. O município goiano de Santo Antônio do Descoberto é o primeiro a contar com o serviço (fica na região metropolitana do DF).

Por lá a conexão popular de 1 Mbps será fornecida pela Sadnet, empresa da região, com base na rede da Telebras.

Há um porém. A mensalidade do serviço é de R$ 35,00, algo até bom demais para 1 Mbps considerando o padrão atual no Brasil. Só que isso não inclui o modem. E a venda "oficial" sairá por nada mais, nada menos do que R$ 300,00. Isso mesmo, R$ 300 por um modem. O valor até pode ser parcelado, mas será um grande impacto pela propaganda dos R$ 35 mensais, especialmente ao levar em conta o público alvo do plano. Leia mais »

Como foi o Brasilianas.org sobre o PNBL

PNBL deve constar no PAC, defende especialista 

Resumo do debate do programa Brasilianas.org sobre o PNBL

Por Lilian Milena, no Brasilianas.org
Da Agência Dinheiro Vivo 

O governo federal tem planos de ampliar para 114 milhões o número de brasileiros conectados à internet, até 2014, conforme as metas divulgadas no Programa Nacional de Banda Larga (PNBL). Segundo dados do instituto Ibope Nielsen Online, em abril de 2010, o país contava com 73,9 milhões de internautas – 31% acessavam a rede de uma lan hause; 27% da própria casa; e o restante (25%) da casa de parentes e amigos.

Os desafios do PNBL foi o tema de debate do programa Brasilianas.org, de 8 de agosto, que contou com a presença do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, do diretor-executivo do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia (Sinditelebrasil), Eduardo Levy, e do sociólogo e professor da Universidade Federal do ABC, Sérgio Amadeu. 

Leia mais »

O call center da Telebrás

Por Diego Duarte

Isso me faz pensar... Se a Telebrás contratou o serviço de um callcenter, então o publico a ser atendido será muito maior do que pensamos, não?

Do Telesintese

Central de relacionamento da Telebras será servida pela Embratel

A Embratel foi a operadora vencedora do pregão realizado pela Telebras para contratação de empresa de telefonia fixa local e longa distância nacional, adequada ao recebimento de chamadas franqueadas aos clientes e ao público em geral, realizadas por meio do código de acesso 0800, oriundas de terminais fixos e móveis, e encaminhamento à central de relacionamento da estatal.

A Embratel venceu o pregão nº 23/2011 da estatal, porém a Telebras ainda não informou o valor do contrato. No edital, o preço de referência estabelecido foi de R$ 382,5 mil. Leia mais »