Tablets a serem distribuídos pelo MEC

Autor: 

A tecnologia é uma aliada da educação? Sim, sem dúvida. O Governo Federal concorda e, por isso, abriu uma licitação para a compra de até 650 mil tablets que serão distribuídos para professores do Ensino Médio da rede pública de educação. Que tablets são esses? A gente conta.

Eles foram produzidos pela Positivo e são bastante parecidos com a linha de tablets Ypy, vendida no varejo desde o final de 2011. Na licitação, feita no começo de 2012, a fabricante paranaense venceu três dos quatro lotes, ficando responsável pela produção e venda de até 650 mil tablets (pode ser isso, pode ser menos, tudo depende da demanda dos estados). O restante, 250 mil, ficou a cargo da CCE, recentemente adquirida pela chinesa Lenovo.

Conversamos com a assessoria da Positivo para saber detalhes do tablet e nos surpreendemos ao saber que são, na realidade, os tablets: dois modelos, um de 7″, outro de 9,7″ — exatamente como os Ypy do varejo, mas nesse caso, apenas modelos Wi-Fi, nada de 3G. Eles terão garantia de 24 meses, segundo o MEC. As configurações deles são:

Modelo de Tablet Tipo 1 Leia mais »

Imagens: 
Tablet MEC

Jaques Wagner lança novo Portal da Educação na Bahia

O Instituto Anísio Teixeira convida a todos os parceiros da Educação para o Lançamento Oficial do novo Portal da Educação do Estado da Bahia que acontecerá no dia 01 de fevereiro de 2013, às 14h30 no auditório do IAT, e terá transmissão ao vivo pelo sistema de videoconferência e pelo Portal da Educação. O evento contará com a presença da Diretora Geral do IAT, Sra. Irene Cazorla,  do Secretário da Educação, o Sr. Osvaldo Barreto e do Governador do Estado, o Sr. Jaques Wagner.

Através do novo Portal da Educação todos poderão ter acesso a notícias atualizadas sobre a Educação no nosso estado, informações sobre os serviços oferecidos e projetos desenvolvidos pela Secretaria da Estadual de Educação e pelo Instituto Anísio Teixeira, transmissão de videoconferências ao vivo, visualização dos programas da TV Anísio Teixeira, mais de 2 mil conteúdos digitais educacionais(jogos, vídeos, animações, experimentos),  inscrição on-line nos cursos, ambientes virtuais de aprendizagem, sites temáticos das disciplinas e uma Rede Social Educacional. Tudo isso através de um layout interativo, de fácil acesso e adaptado a cada público.
Leia mais »

O conservadorismo do Brasil adora copiar

Por Assis Ribeiro

O Brasil é nitidamente conservador e consequentemente medroso em relação à mudanças de "status quo".

Daí a paralisia dos nossos empresários não só na área de produção (PIB) mas na área de educação e outras.

Já viram a saraivada de criticas que aconteceram à mudanças leves, como aumento real de salário mínimo, queda de juros, cotas, reservas indígenas, diminuição de preço de energia,  etc, etc, etc.

E ainda assim o governo avançou e políticos, como ACM Neto do DEM, copiam o bolsa família, cotas, etc.

Tem que se ter coragem, a coragem que Lula teve, senão os seguidores da "gestão" farão sempre do mesmo, com os aperfeiçoamentos "exigidos" pela "gestão".

Governo é antes de qualquer coisa "político" e não "gestor".

Leia mais »

A prática confirma o desperdício de potencial na educação

Por Marcio TT

Nassif

Minha irmã é professora do ensino fundamental há quase 30 anos. Sempre nos conta sobre os alunos que encontra em sala de aula, muitas ao longo desses anos todos, e especialmente sobre aqueles que já no primeiro semestre do ano completaram todas as atividades anuais e ficam em sala de aula porque não se tem outra alternativa. Estão prontos para avançar, mas não é permitido, devem enfrentar um ano de atividades que já cumpriram em seis meses. É um desperdício de capital humano, atrasa o desenvolvimento da criança, que poderia desabrochar mais se pudesse ter um conteúdo adiantado numa outra série.

A divisão gregoriana é falha, ela toma todos como iguais, quando na verdade o que se tem em abundância são os diferentes e estes não são devidamente trabalhados. Quem perde é o país, quem perde é a criança que se vê obrigada a suportar um tempo de escola que havia superado em poucos meses.

Leia mais »

Estudantes universitários na década de 1950

Por Anarquista Lúcida

Comentário ao post "A importância da decoreba no processo de aprendizagem"

Ivan, te devo uma! Infelizmento o texto do próprio Feynman nao está mais disponível, o link de dentro do do tópico do Nassif nao abre. Mas nesse tópico já há algumas coisas importantes, vou pôr aqui: 

Conteúdo do post: "As críticas de Feynman aos universitários dos anos 50", por Paulo Eduardo Neves Leia mais »

Ironias.

IRONIAS!

Meu pai, que se vivo estivesse estaria completando no dia 27 de março, 99 anos, alfabetizou-se usando esta lousa que preservo. Isso foi pelos idos de 1922 a 1926; e, a bem da verdade a lousa foi usada para escrever e fazer cálculos; ou, aprender a "ler e contar", como dizia à época. Também já um tecnologia ultrapassada, mas ainda corrente no interiorzão do Brasil. O Ministério da Educação começa a partir de agora a fornecer às escolas públicas, tablets que substituirão livros e uma série de mídias usadas na Educação. O salto é gigantesco; mas guarda certa semelhanças, ao menos no formato, não acham?

 

Imagens: 
Ironias.

Estudos analisam o sistema de cotas nas universidades

Por Assis Ribeiro

Dois estudos sobre a funcionalidade das cotas na Universidades. Um na UnB, outro na UFBA.

.....

Origem escolar e acesso a cursos valorizados

Se observada a origem escolar, o vestibular com reserva de vagas proporcionou uma revolução na UFBA, fazendo ingressar, nos seus cursos mais competitivos, parcela considerável de estudantes oriundos de escolas públicas, que estiveram, historicamente, excluídos desse espaço.  A participação de estudantes oriundos das escolas públicas, que era de menos de 27% em cursos como Medicina, Arquitetura e Urbanismo, Direito, Comunicação, Odontologia, Ciências da Computação, Engenharia Civil e Engenharia Elétrica, cresceu consideravelmente, ultrapassando os 43% das vagas a eles reservadas pelo sistema de cotas. A participação dos estudantes oriundos de escolas públicas, na UFBA, que estava em torno de 38% antes do sistema de cotas, elevou-se para 51% em 2005. Embora se verifique em 2006 uma redução deste patamar de participação para 44,9%, ele se mantém num nível acima do que é pretendido pelo sistema de cotas. Nos cursos de Ciências da Computação, Engenharia Civil, Engenharia Elétrica, Geofísica, por exemplo, houve um decréscimo na presença de estudantes oriundos de escolas públicas, em relação a 2005, embora se mantendo o patamar da reserva de vagas. Vale observar que o sistema adotado pela UFBA não implica necessariamente o preenchimento da reserva, posto que ela depende do desempenho do estudante.

Leia mais »

Falta cultura de educação e engenharia de trânsito no Brasil

Conforme matéria de destaque de O Globo, no domingo 13/01/13, apenas 0,3% do arrecadado pela prefeitura do Rio, com multas, no ano de 2012 (R$ 174.4 milhões), foram destinados à ações educativas de trânsito. O problema é evidentemente cultural.  O motorista brasileiro, por deficiência de formação, tem um perfil voltado para a conduta imprudente e deseducada no trânsito. Leia mais »

Uma nova articulação, mas para formar indivíduos

Por MV

Fico pensando se é possível pensar a escola como um todo no Brasil, com estas diferenças tão profundas.

Em grandes centros, onde a exigência de mercado é maior, a pressão também aumenta no sentido de formar técnicos e com isto negligenciando um pouco a formação do "indivíduo" mais amplamente falando. Me parece que foi isto que aconteceu ao longo das últimas décadas, com a transformação do colegial/científico, que continha matérias como filosofia, para cursos mais fechados e objetivos (técnico-admnistativo, auxiliar de escritório, etc.). E esta discussão se aplica principalmente ao ensino médio.

Outra discussão é a importância de introduzir matérias como música, artes, idiomas (quais?) no ensino fundamental. Existe custo, tempo na escola (fica difícil ensinar tudo em 3 horas!). Penso que quanto mais carente a comunidade, mais necessária a escola para suprir todas estas deficiências (nestes locais, não há a menor condição de estímulo das crianças fora da escola). Com as crianças de poder aquisitivo alto, já muito estimuladas desde pequeninas e com os pais cobrando, ajudando, já é difícil, que dirá daquelas que ficam totalmente solitárias nesta empreitada...

Leia mais »

Paralelo entre a cultura dentro da escola com a da prisão

Por Ed Döer

Colar uma parte de um artigo (in)diretamente relacionado com o assunto...

Pra quem quiser ler o resto dele:

http://sirfraj.blogspot.com.br/2009/03/por-que-nerds-nao-sao-populares.html

Para mim, a parte mais tensa foi o primeiro ano, quando a cultura adolescente era nova e dura, e a especialização que depois separaria gradativamente os mais espertos apenas começava. Quase todos com quem conversei concordam: o fundo do poço foi entre os onze e quatorze anos.

Em nossa escola, era o oitavo ano [sétima série], que para mim foi nas idades de doze e treze anos. Houve uma breve comoção naquele ano quando uma de nossas professoras por acaso ouviu um grupo de garotas que aguardava o ônibus da escola, e ficou tão chocada que no dia seguinte dedicou toda a aula a um eloqüente discurso para não sermos tão cruéis uns com os outros.

Não teve qualquer efeito perceptível. O que me chamou a atenção na época foi que ela estava surpresa. Quer dizer que ela não sabia que tipo de coisas dizíamos uns para os outros? Quer dizer que isto não é normal?

Leia mais »

Piso dos professores deve ter reajuste de 7,97%

Autor: 

O piso nacional dos professores deve ser reajustado em 7,97% a partir deste mês, segundo cálculo divulgado hoje (9) pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM). De acordo com a entidade, o valor deve passar de R$ 1.451,00 para R$ 1.566,48. Segundo a entidade, a estimativa obedece à Lei do Piso.

Pesquisa feita pela CNM em julho do ano passado sobre salários pagos aos professores aponta que o impacto do reajuste do piso em 2013 será de cerca de R$ 2,1 bilhões, apenas para esfer

Para a CNM, a demora na divulgação do reajuste é uma das principais preocupações dos prefeitos brasileiros. Segundo a entidade, nos últimos dois anos, os valores só foram anunciados pelo Ministério da Educação (MEC) no final de fevereiro. “Para o piso ser pago a partir de janeiro, o MEC deveria ter divulgado o respectivo porcentual, o que ainda não ocorreu”, diz o estudo.

“Os novos prefeitos deverão reajustar os vencimentos dos professores por um índice maior do que a inflação e que ainda sequer é oficialmente conhecido”, ressalta o presidente da entidade, Paulo Ziulkoski.
Leia mais »

Preconceito e exclusão causam danos à capacidade cognitiva

Por Paulo F.

Da Deutsche Welle Brasil

Filhos de imigrantes costumam ter notas escolares mais baixas que seus colegas. Causa não é genética, como alguns pensam. Estudos indicam que preconceito e exclusão podem causar danos permanentes em capacidade cognitiva.

Cor de pele diferente é igual a origem diferente, que é igual a características humanas diversas: essa equação representa um equívoco muito comum.

"Ela sempre foi simples demais para ser verdade", diz Andreas Heinz, diretor da clínica de psiquiatria e psicoterapia do Hospital Universitário Charité, em Berlim. Ele balança a cabeça, divertido, ao contar sobre a médica de seus filhos: de pele e olhos escuros, ela tem um filho "selvagem", considerado criança-problema na escola.

Leia mais »

Sobre as cotas nas universidades e o ensino médio

 

Outro dia dando aula em uma sala de 3º colegial de uma escola particular (mensalidade na casa dos 800 reais por mês!), uma aluna me perguntou sobre a lei de cotas sancionada pelo governo para as universidades federais. Posicionei-me favoravelmente e ela no ato me retrucou: “mas, professor, os caras vão tomar a minha vaga!”. Achei extremamente interessante a resposta e ponderei o que poderia estar por trás dessa resposta. Respondi de pronto que a vaga não era dela, ou seja, tratava-se de uma vaga pública, regulada por concurso. Mas quis junto com os alunos entender o que exatamente estava por trás daquela resposta, a que discurso aquela fala tão convicta (“a MINHA vaga”), poderia remeter. Leia mais »

Sinais da tragédia nacional na história

Há pouco, cutucando arquivos digitalizados dei com a pérola que segue:

"Em data de 5 de Fevereiro officiou-me o Juiz de Direito da Comarca de Laranjeiras nestes termos:

'As cadeiras d'ersta comarca achão-se actualmente providas em pessoas que tem a necessaria capacidade para ensinar a mocidade; alguns dos professores cumprem bem com as obrigações dos seus empregos; outros, porém, firmes no erroneo systema de que huma vez providos pódem a asalvo menoscabar das leis, e do juramento por elles prestado, nenhum cuidado empregão[empregam]  em ensinar a mocidade, que depois de muitos annos de escola sahem peiores do que entrarão [entraram] para as aaulas, pois nellas vão aprender máos costumes, e vicios, que não levarão [levaram] da casa de seus paes; e se alguem ha que censure tal conducta aos professores, RESPONDEM QUE NA SUA SALA NÃO HÁ SENÃO MENINOS POBRES, E QUE SEUS FINS HE[é] SEREM SAPATEIROS, PESCADORES, ETC., como se a nação não tivesse interesse, que esses mesmo sapateiros e pescadores fossem homens bem morigerados;(...)'" (*) Leia mais »

Sinais da tragédia nacional

Há pouco, cutucando arquivos digitalizados dei com a pérola que segue:

 

"Em data de 5 de Fevereiro officiou-me o Juiz de Direito da Comarca de Laranjeiras nestes termos:

'As cadeiras d'ersta comarca achão-se actualmente providas em pessoas que tem a necessaria capacidade para ensinar a mocidade; alguns dos professores cumprem bem com as obrigações dos seus empregos; outros, porém, firmes no erroneo systema de que huma vez providos pódem a asalvo menoscabar das leis, e do juramento por elles prestado, nenhum cuidado empregão[empregam]  em ensinar a mocidade, que depois de muitos annos de escola sahem peiores do que entrarão [entraram] para as aaulas, pois nellas vão aprender máos costumes, e vicios, que não levarão [levaram] da casa de seus paes; e se alguem ha que censure tal conducta aos professores, RESPONDEM QUE NA SUA SALA NÃO HÁ SENÃO MENINOS POBRES, E QUE SEUS FINS HE[é] SEREM SAPATEIROS, PESCADORES, ETC., como se a nação não tivesse interesse, que esses mesmo sapateiros e pescadores fossem homens bem morigerados;(...)'" (*) Leia mais »