A Petrobras e a crise

A “roda-presa” virá em cima da Petrobras

Autor: 

Que a nova presidente da Petrobras, Graça Foster, se prepare.
A turma da “roda-presa”, este ano, vem doida para cima da empresa.
Depois de idas e vindas, negociações e enxugamento nos preços, 2012 marca o deslanchar dos investimentos da companhia.
Começa a construção das 26 sondas de águas ultraprofundas – que se estenderá até 2015 – para o pré-sal, coisa de US$ 500 milhões cada, com conteúdo nacional em torno de 60%.
Inicia-se o reforço e conversão dos cascos de quatro petroleiros gigantes, com confirmação, nos próximos dias, do resultado da licitação que inclui a reativação do estaleiro Ishibras, agora Inhaúma, no Caju, no Rio de Janeiro, que que vão atuar na área de Franco, onde os testes de longa duração já estão avançados. A primeira delas, que você vê aí na foto ainda como um casco antigo – começa a ser convertida daqui a dois meses e há outras conversões em realização no Rio Grande do Sul e em Angra dos Reis. Cada uma delas é investimento da ordem de R$ 500 milhões, que continuará com um valor cerca de 60% maior para a colocação dos conjuntos de topside – o equipamento petroleiro propriamente dito – em casa uma delas. Leia mais »

Imagens: 
A “roda-presa” virá em cima da Petrobras

O investimento na infraestrutura ferroviária

Por Marco Antonio L.

Carta Capital

Dilma anuncia investimentos de R$ 46 bilhões até 2014

Em sua coluna Conversa com a Presidenta, Dilma diz que governo federal vai investir 46 bilhões de reais em ferrovias até 2014. Foto: Nikolay Doychinov/AFP

A presidenta Dilma Rousseff informou em sua coluna Conversa com a Presidenta, publicada nesta terça-feira 3, que o governo federal vai investir 46 bilhões de reais em 4,6 mil quilômetros de ferrovias até 2014. A ação ocorre por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2. Leia mais »

Governo investirá R$ 1,1 bilhão no sistema prisional

http://blog.planalto.gov.br/governo-investira-r-11-bilhao-para-criar-425...

Destaques do blog

Áudio - “Vamos investir R$ 7,6 bilhões para melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência”
“Vamos investir R$ 7,6 bilhões para melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência”

Quarta-feira, 23 de novembro de 2011 às 12:39
Governo investirá R$ 1,1 bilhão para criar 42,5 mil vagas e melhorar o sistema prisional

Ministros Fernando Haddad, José Eduardo Cardozo e Iriny Lopes lançam plano para criar 42 mil vagas no sistema prisional. Foto: Marcelo Casall Jr./ABr

O governo federal irá investir, nos próximos três anos, R$ 1,1 bilhão para zerar o déficit de vagas femininas em presídios e reduzir a quantidade de presos provisórios em delegacias. Esse é o objetivo do Programa Nacional de Apoio ao Sistema Prisional, lançado hoje (23) com a meta de criar 42,5 mil vagas em penitenciárias e cadeias públicas. Esse total se divide em 15 mil vagas femininas e 27,5 mil em cadeias públicas masculinas, destacou o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Leia mais »

Como a Petrobras se prepara para o pré-sal

Coluna Econômica

O anúncio do plano de investimentos da Petrobras ajudou a esclarecer alguns pontos que intrigavam o mercado.

A empresa tornou-se a grande operadora do pré-sal e caminha para ser uma das maiores do mundo. De um lado, necessitará captar investimentos volumosos - e eles dependem em grande parte do valor das suas ações (função da sua capacidade de gerar lucros).

Como monopolista do pré-sal, há inúmeras vantagens. Em contrapartida, foram definidos vários objetivos nacionais que ela terá que cumprir: como adquirir parte dos equipamentos com conteúdo nacional.

Com o câmbio nos níveis atuais, o produto nacional é pouco competitivo. Além disso, haverá desafios grandiosos na própria cadeia internacional de suprimentos, para atender às necessidades do pré-sal.

Para responder a essas questões, o presidente da Petrobras José Sérgio Gabriellli, participou de uma mesa redonda com analistas de mercado no meu blog (www.luisnassif.com.br).

***

Leia mais »

O crescimento dos investimentos em TI

Por Marcos RTI

Investimentos em TI passarão de 4 para 40 bilhões de reais em 4 anos

Do Terra

Indústria do pré-sal dita regras na robótica nacional

14 de julho de 2011  21h37  atualizado às 21h37 

Rodrigo Teixeira (Terra)
Direto do Rio de Janeiro 

Durante a mesa de trabalhos que debateu a inovação tecnológica na indústria de robôs no Brasil, ficou claro que a área mais cobiçada pelas empresas de tecnologia é a de petróleo e gás. No evento no Clube de Engenharia, no Rio de Janeiro, a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), órgão vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia, projetou que em cinco anos deverá receber 10 vezes mais para investir em pesquisa na área.

Para o superintendente da área de Subvenção e Cooperação da Finep, Hudson Mendonça, o momento atual é de se olhar para o pré-sal e visualizar nele uma oportunidade para todos. "Nós somos um exemplo disso. A verba total de pesquisa da Finep até 2010 foi de R$ 4 bilhões, nossa meta é chegar em cinco anos a R$ 40 bilhões", afirma.

Leia mais »

Os investimentos asiáticos em São Paulo

Por MiriamL

Da Folha.com

75% do investimento em SP vem de asiáticos

CLAUDIA ROLLI
DE SÃO PAUO

A Ásia é responsável por 75% dos investimentos estrangeiros feitos no Estado de São Paulo.

Dos R$ 5,2 bilhões anunciados por 13 empresas nos últimos três anos, R$ 3,9 bilhões vieram de japoneses, sul-coreanos e chineses.

É o que mostra levantamento da Investe São Paulo, agência do governo paulista que assessora os interessados em investir no Estado. Atualmente, 80 projetos que podem render investimentos da ordem de US$ 22 bilhões e 52 mil empregos recebem consultoria da agência.

Entre as empresas asiáticas que já anunciaram investimentos no Estado, três são japonesas (AGC, vidros, Toyota e Horiba, máquinas e equipamentos); duas, sul-coreanas (Doosan, máquinas, e Hyundai); duas, chinesas (Chery, veículos, e Sany, máquinas e equipamentos). Leia mais »

O crescimento dos investimentos

Do Valor

Ritmo do investimento volta a crescer no 1º bimestre

Sergio Lamucci | De São Paulo
04/04/2011 

O investimento voltou a crescer com força no começo de 2011, depois de dar sinais de perda de fôlego no fim do ano passado. No primeiro bimestre, a produção e a importação de bens de capital tiveram crescimento expressivo, assim como a fabricação de insumos típicos da construção civil. Segundo estimativas da MB Associados, em janeiro e fevereiro a formação bruta de capital fixo (FBCF) cresceu 13,6% em relação ao mesmo período do ano passado. Em relação ao último bimestre de 2010, houve alta de 2,7%, feito o ajuste sazonal.

O resultado indica que a expansão da capacidade produtiva segue firme na economia, uma notícia muito positiva, que vai ajudar a reduzir pressões inflacionárias no médio e longo prazo, diz o economista-chefe da MB Associados, Sérgio Vale. Ele observa, porém, que no curto prazo é mais um fator a alimentar a demanda, num momento em que a inflação está elevada. "De qualquer maneira, é uma mudança importante numa trajetória que parecia ser de desaceleração", afirma Vale.

Leia mais »

Os investimentos da China no Brasil

Do Valor

Investimento chinês no Brasil já vai além das commodities

Sergio Lamucci e Marta Watanabe | De São Paulo
18/02/2011

Os investimentos chineses em atividades produtivas no Brasil alcançaram quase US$ 19 bilhões em 2010, dos quais US$ 16 bilhões ligados a commodities, evidência da estratégia agressiva do país de garantir o autofornecimento de matérias-primas. Os U$ 2,9 bilhões restantes se destinam aos setores de infraestrutura, como energia elétrica, e de produtos manufaturados, como automóveis e máquinas e equipamentos, equivalendo ao total investido pelo Japão no país no ano passado. Esse número deixa claro que a ofensiva chinesa no Brasil não se limita aos segmentos de commodities e à preocupação com o abastecimento futuro. Há um interesse crescente de companhias chinesas em aproveitar a expansão do mercado interno e da América Latina, movimento que alguns analistas classificam como "segunda fase" do apetite chinês.

Os números do levantamento do Valor se referem a operações concluídas ou anunciadas em 2010. Há incertezas quanto ao fluxo de investimento direto que entrou no país, estimado pela Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização (Sobeet) em até US$ 17 bilhões, mas os especialistas dizem não ter dúvidas de que a China foi o principal investidor. O mapeamento do Valor chegou a quase US$ 2 bilhões a mais de operações do que o da Sobeet.

Leia mais »

Os investimentos até 2014

Por ex wilson yoshio

Da BBC Brasil

Brasil deverá ter R$ 1,6 tri em investimentos até 2014, prevê Coutinho

Fabrícia Peixoto
Da BBC Brasil em São Paulo 

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, disse nesta quarta-feira que o país deverá ter R$ 1,6 trilhão em investimentos nos próximos quatro anos.

O valor inclui tanto os investimentos realizados pela iniciativa privada, como também as obras públicas, sobretudo na área de infraestrutura. A estimativa do banco é de que o nível de investimento saia de 19% do PIB neste ano para 22% em 2014.

Ainda segundo Coutinho, no período de 2006 a 2009 esses investimentos somaram R$ 960 bilhões.

Leia mais »

O papel do petróleo nos investimentos

Do Valor

Setor de petróleo vai representar 14% do investimento em 2014 

Chico Santos | Do Rio
18/10/2010 

Mesmo na fase preliminar da exploração da camada pré-sal, a indústria do petróleo e gás vai liderar os investimentos no Brasil nos próximos anos. Sua participação no total da formação bruta de capital fixo (FBCF) anual do país deve alcançar 14,7% em 2014, mais que o dobro dos 6% de 2000. A conclusão é de um estudo ainda inédito do economista André Albuquerque Sant'Anna, gerente da área de pesquisa e acompanhamento econômico do BNDES. O trabalho será editado na "Visão do Desenvolvimento", uma das publicações do banco estatal. A Formação Bruta de Capital Fixo mede quanto o país investe em máquinas e equipamentos e na construção civil em um determinado período.

O trabalho de Sant'Anna foi feito a partir de uma previsão de investimentos em petróleo e gás no Brasil de R$ 378 bilhões no período de 2011 a 2014 - mais que o dobro dos R$ 180 bilhões aplicados de 2005 a 2008 -, levando em conta um índice de nacionalização próximo a 55% desses investimentos, totalizando R$ 205 bilhões a serem investidos diretamente no Brasil. O estudo lembra que dos investimentos previstos para até 2014 o pré-sal, ainda em fase embrionária, receberá apenas 15% (R$ 45 bilhões).

Leia mais »

Os investimentos brasileiros na África

Do Brasilianas.org

Brasil aumenta investimento no mercado africano

Por Dayana Aquino

Na expansão de mercados consumidores, o Brasil vem firmando acordos e se aproximando de diferentes países emergentes. Nessa fila, o continente africano pode vir a ser um importante mercado consumidor de produtos e serviços brasileiros, mas ainda é preciso focar no desenvolvimento daquelas nações, fomentando a educação e o combate a miséria.

A opinião é da professora e pesquisadora da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Lígia Maura Fernandes Garcia da Costa, que ressalta que o Brasil pode vir a ter oportunidades futuras com o esforço na cooperação. "Se o Brasil quer ser um líder, e realmente será, vai ter que investir nessas ações, e certamente terá um grande resultado".

Leia mais »

Como aumentar as inovações ?

Valor Econômico - Naercio Menezes Filho

A produtividade das empresas brasileiras é bem menor do que a das americanas, europeias e coreanas. Um relatório recente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) mostra que a produtividade das empresas brasileiras (não explicada por máquinas e trabalhadores) é metade das americanas, o que contribui para que o PIB per capita do Brasil seja apenas 20% do americano. Na América Latina, as empresas brasileiras são mais parecidas com as colombianas e mexicanas em termos de eficiência, ainda distantes das líderes chilenas. Por que a produtividade das firmas brasileiras é tão baixa? Leia mais »

O investimentos russo no pré-sal

Do Estadão

Russos negociam com o Brasil para investir no pré-sal

Representantes da ANP e da Petrobrás conversaram com empresas do setor de energia da Rússia que querem se estabelecer no País

Jamil Chade / MOSCOU - O Estado de S.Paulo

Os russos vão desembarcar no Brasil. Empresas do setor de gás natural e de tecnologia de extração vão abrir escritórios no Rio de Janeiro e propõem investimentos no pré-sal para permitir que se explore não apenas o petróleo, mas também para capturar e comercializar o gás que sairá das reservas.

Há uma semana, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) e a Petrobrás mantiveram conversas preliminares em Moscou com algumas das gigantes do setor, entre elas a Gazprom - a maior empresa de gás natural do mundo.

A decisão foi a de iniciar rodadas de negociações ainda neste ano, no Brasil, para tentar identificar de que forma o investimento russo poderia ser incorporado aos projetos do pré-sal. "Eles (russos) se mostraram muito interessados em fazer o processo caminhar rápido", afirmou Carlos Paranhos, embaixador do Brasil na Rússia.

Leia mais »