A internet devorando a velha mídia (o factóide devorado pela blogosfera progressista)

 Este post de sete de julho último parece cobrir, em parte considerável, a extensão do dano causado à credibilidade da imprensa conservadora esta semana, pela aposta incisiva e irresponsável de alguns veículos de comunicação na sedimentação de uma "versão-verdade", o caso do factóide dos dados fiscais violados da filha de José Serra, peça política ensaiada e executada, em conjunto por oposição e mídia conservadora para colar junto aos eleitores e reverter o quadro eleitoral.
Mas as pessoas, em saus casas ou nas discussões descompromissadas ou compromissadas, nos pontos de ônibus, no boteco, na barbearia ou no trabalho, em sua ampla maioria parecem rechaçar o fato explorado pela imprensa, é o que apontam as recentes pesquisas de opinião divulgadas entre sexta-feira e sábado. Leia mais »

IPEA se previne contra O Globo

O Ipea responde à sociedade

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) é uma fundação pública federal vinculada à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Há 46 anos, suas atividades de pesquisa fornecem suporte técnico e institucional às ações governamentais para a formulação e reformulação de políticas públicas e programas de desenvolvimento brasileiros.

O Ipea tem como missão "Produzir, articular e disseminar conhecimento para aperfeiçoar as políticas públicas e contribuir para o planejamento do desenvolvimento brasileiro."

Dessa forma, o Instituto torna públicos à sociedade esclarecimentos decorrentes de questionamentos feitos pelo jornal O Globo entre 19 e 20 de agosto.

Este comunicado tem como objetivo preservar a reputação desta Instituição e de seus servidores e colaboradores, que por meio dos questionamentos do diário, estão sendo vítimas de ilações, inclusive de caráter pessoal. Leia mais »

O peso dos municípios no PIB

Do Valor

Aumenta participação dos municípios mais ricos no PIB, mostra estudo do Ipea

De Brasília e de São Paulo
13/08/2010

O peso dos municípios mais ricos no Produto Interno Bruto (PIB) nacional vem subindo ao longo dos anos, mostra estudo divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Em 1920, os 10% municípios mais ricos participavam com 55,4% do PIB. O número subiu para 72,1% em 1970 e chegou a 78,1% em 2007. Ou seja, houve aumento de 41% no peso relativo dos municípios entre os 10% com maiores PIBs entre 1920 e 2007.

"Atualmente, poucos municípios do país respondem pela maior parte do PIB, enquanto no passado havia menor concentração/desigualdade geográfica", diz o Ipea no estudo "Desigualdade da Renda no Território Brasileiro". O documento, que engloba dados que vão de 1920 até 2007, mostra que o peso relativo dos PIBs municipais foi multiplicado 2,24 vezes no período.

Leia mais »

O Brasil e a proteção social

Por Fernando Augusto Botelho

Do Agência Ipea

Sem os programas de transferência de renda, 40,5 milhões de pessoas viveriam com menos de um quarto de salário mínimo em 2008. Com essa política, cerca de 18,7 milhões de pessoas vivem nessas condições, uma diferença de 116%. É o que aponta o Comunicado do Ipea nº 59 -- Previdência e Assistência Social: Efeitos no Rendimento Familiar e sua Dimensão nos Estados, divulgado nesta quinta-feira (22), na sede do Instituto em Brasília. 

Vídeos: 
Veja o vídeo

As discussões sobre a política industrial

Do Valor

A política industrial e a caixa preta do BNDES

Sergio Leo
26/07/2010 

Ser grande não é sinônimo de eficiência: a Telmex, gigante telefônica do México, com seu dono multibilionário e seus serviços risíveis, é uma prova multinacional desse argumento. Por isso, o empenho do BNDES em anabolizar certos campeões nacionais, especialmente no setor de frigoríficos, merece as dúvidas levantadas por especialistas, um dos quais se destaca pela precisão com que cobra explicações ao governo para a lógica das intervenções do banco no setor industrial. É o economista Mansueto Almeida, do Instituto de Política Econômica Aplicada (Ipea), que lembra sempre o caso da Telmex, citado acima.

No bate-boca maniqueísta em que às vezes se degenera a discussão sobre o papel do Estado no desenvolvimento de setores industriais, há quem classifique Mansueto entre os inimigos da política industrial. Coisa que ele não é; pelo contrário. O economista levanta questões pertinentes, até agora sem resposta adequada do BNDES, que, como destaca Mansueto, tem liberado dezenas de bilhões de reais a grandes empresas competitivas com agilidade que falta, infelizmente, na gestão dos fundos setoriais de apoio à inovação e tecnologia destinados a empreendimentos necessitados de apoio oficial.

Leia mais »

Ipea: erradicação da miséria em 2016

Da Agência Brasil

Apesar das desigualdades regionais, Brasil pode acabar com a miséria em 2016, diz Ipea

Carolina Gonçalves
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro- Até 2016, o Brasil pode superar a miséria e diminuir a taxa nacional de pobreza absoluta (rendimento médio domiciliarper capita de até meio salário mínimo por mês), segundo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) sobre pobreza e miséria. O levantamento apresentado hoje (13) no Rio de Janeiro alerta que, para atingir esse ideal, o país precisa equilibrar a desigualdade que existe entre os estados em relação às taxas de redução da pobreza. Leia mais »

A mídia usa Quiroga; governos usam IPEA

É fantástico! A candidata Dilma Rousseff afirma que o Brasil poderá erradicar a miséria absoluta até 2016. Com base em quê? Em estudos do IPEA, o órgão do governo criado por Roberto Campos para estudos e diagnósticos sobre o país.

Aí o IPEA divulga seu estudo e o jornalismo esperto da Folha sequer ousa roçar o conteúdo: descobre, com a esperteza típica dos grandes repórteres farejadores, que o estudo foi divulgado no mesmo dia em que Dilma inaugura comitê. Cada dia de campanha tem um evento. Qualquer dia de divulgação do estudo poderá ser associado a qualquer evento de campanha. E garante-se a manchete e o ridículo.

Governos racionais se baseiam em estudos do IPEA, IBGE, FGV, Unicamp, USP, Embrapa.

A mídia prefere o polvo da Copa ou o astrólogo Quiroga.

Da Folha

Ipea detalha dados que fundamentam promessa de Dilma Leia mais »

Os estudos do IPEA sobre biocombustíveis

Por Fernando Augusto Botelho

TVNBR 27 de maio de 2010O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada divulgou, nesta quarta-feira (26/5), uma pesquisa que demonstra em números as vantagens de produzir biocombustível. O Ipea também destaca os investimentos feitos no setor nos últimos anos.

Comentário

Clique aqui para ir à página de vídeos de Biocombustíveis, onde o Fernando colocou vários vídeos sobre o tema.

Ajuda e enriquecer o acervo.

Vídeos: 
Veja o vídeo

"Como nossos pais" - Políticas Públicas para juventude

Por robertasales

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) análise o cenário brasileiro de políticas públicas para juventude. Dentre os temas abordados, o acesso à educação.

A gestão da Infraero

Por Adriano S. Ribeiro

Do Jornal do Brasil Online

Infraero deve ser repensada para melhorar setor aéreo, diz Ipea

Portal Terra

DA REDAÇÃO – Um estudo divulgado nesta segunda-feira pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) sobre o mercado de aviação, apontou que um dos principais entraves para a solução dos gargalos nos aeroportos brasileiros é a maneira de gestão representada pela Infraero.

Segundo o levantamento “Panoramas e Perspectivas para o Transporte Aéreo no Brasil e no Mundo”, “os gargalos de infraestrutura passam necessariamente pela redefinição do papel da Infraero e até de sua própria existência”.

Autarquia criada em 1972 pelo Ministério da Defesa, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária centraliza a administração de 67 aeroportos e 32 terminais de logística em todo o País, o equivalente a 97% de todo o transporte de carga e de passageiros do Brasil. Leia mais »

Os desperdícios da não reciclagem

Do Brasilianas.org

Déficit na reciclagem faz País perder R$ 8 bi/ano

Por Lilian Milena

O potencial econômico de todo o resíduo reciclável que é encaminhado para aterros e lixões nas cidades brasileiras é estimado em R$ 8 bilhões anuais. Leia mais »

A alta do investimento público

Do UOL

Investimento público em relação ao PIB é o maior em 15 anos, diz Ipea

Da Redação, em São Paulo

Em 2009, o investimento do setor público brasileiro em relação ao PIB bateu recorde dos últimos 15 anos, segundo levantamento apresentado nesta quarta-feira pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), órgão ligado ao governo federal.

No ano passado, o investimento público atingiu 4,38% do PIB (Produto Interno Bruto, o total das riquezas produzidas no país). Em dinheiro, isso representou R$ 137,4 bilhões.

Esses números incluem os investimentos feitos pelas empresas estatais. Normalmente, esses cálculos consideram somente o desembolso da União, mas o Ipea defende a soma de outros elementos. Leia mais »

O investimento em rodovias

Do Estadão

PAC cobre só 13% do custo de obras nas BRs

Levantamento do Ipea aponta que o governo precisaria investir R$ 183,5 bi para resolver todos os problemas

Leonardo Goy / BRASÍLIA - O Estado de S.Paulo

Para resolver os problemas de todas as rodovias federais brasileiras o governo precisaria investir R$ 183,5 bilhões, segundo levantamento feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O levantamento demonstrou que o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) só cobre o equivalente a 13% dessa demanda.

Do total necessário, R$ 144,18 bilhões devem ser direcionados a serviços de recuperação, adequação e duplicação, outros R$ 38,49 bilhões devem ser investidos na construção e na pavimentação de pistas e mais R$ 830 milhões nas chamadas "obras de arte", termo usado pelos engenheiros para designar estruturas como pontes ou viadutos.

Separando pelo tipo de obra, o maior gargalo dos investimentos do PAC está na área de recuperação, adequação e duplicação. Apenas R$ 9,75 bilhões estão contidos no programa, o equivalente a 7% do que, segundo o Ipea, seria ideal. Leia mais »

Faltam investimentos nos portos

Do Brasilianas.org

Faltam investimentos ao setor portuário

Por Bruno de Pierro

Apesar dos avanços relacionados à administração pública – com a Lei de Modernização dos Portos (1993) e o Decreto nº 6.620/2008, que instituíram significativas mudanças de rumo para a política de portos -, os investimentos destinados ao setor portuário ainda estão atracados num horizonte distante de suas reais demandas.

Em 2008, do total de investimentos públicos federais realizados no setor de transportes, somente 17% foram destina Leia mais »