As Igrejas e a ajuda aos moradores de rua

Por Cláudio José

PROJETO: NA CASA DO SENHOR, SEMPRE CABE MAIS UM

Amigos (as) o que me corta o coração é ver pelas ruas inúmeras famílias com crianças pelas calçadas sem um teto ou abrigo, temos pelo Brasil, milhares de igrejas de diversas religiões, que poderiam com ajuda do governo participarem de uma forma organizada de um grande mutirão de solidariedade no resgate dessas famílias das ruas, pois muitas vezes essas igrejas ficam vazias, quando não tem reunião. Pensando nisso os governos municipal, estadual e federal poderiam dar uma ajuda de custo de um salário mínimo, para que cada igreja adote, uma família de rua, mas essa família ficaria na igreja por um período de no máximo de 6 meses, para organizar a sua vida, e teria obrigações para cumprir como, fazer cursos oferecidos pelo governo, matricular as crianças na escola, etc. O governo também ofereceria um grande conjunto de ações como psicólogos e assistentes sociais, que visitariam essas famílias, que teriam um acompanhamento de perto, pois só com a união de forças e que poderemos ajudar essas famílias vencerem na vida, pois com disse o Papa, sempre dá para botar mais um pouquinho de água no feijão e NA CASA DO SENHOR SEMPRE, CABE MAIS UM. Com esse projeto nós poderemos tirar das ruas, de uma forma humanizada milhares de seres humanos, basta ter um pouco de boa vontade e Deus no coração.

Atenciosamente:
Cláudio José, um amigo do povo. Leia mais »

Manifestação contra Haddad é contida por moradores de rua

Por Janah

Do Portal Vermelho

Moradores de rua impedem manifestação contra Haddad

Moradores de rua que participavam da cerimônia de assinatura da adesão de São Paulo à Política Nacional para a População em Situação de Rua, detiveram dez pessoas que tentaram protestar contra o aumento da passagem de ônibus na cidade. Os moradores de rua expulsaram os manifestantes do auditório do Senai, onde ocorreu a cerimônia, com aplausos ao prefeito Fernando Haddad e gritos de "fora" para os manifestantes.

Anderson Lopes Miranda, uma das lideranças do movimento de moradores de pessoas em situação de rua, ressaltou que, pela primeira vez em oito anos, eles estão sendo atendidos pela prefeitura. Ele convidou os manifestantes a protestarem em atos do ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD), antecessor de Haddad. Leia mais »

Estudo desmistifica universo de moradores de rua no RJ

Por alfeu

Da Revista Fórum

Estudo no RJ mostra que maioria da população de rua não bebe nem usa drogas

Pesquisa constata ação equivocada de agentes da prefeitura, com abordagens violentas

Por Igor Carvalho

Moradores de rua são alvo de ação da Prefeitura do Rio de Janeiro (Foto: Marcelo Camargo/ABr)

O Núcleo de Direitos Humanos da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro realizou um estudo para traçar um perfil das pessoas em situação de rua, na região metropolitana da capital. A pesquisa derrubou mitos e trouxe à tona outra realidade sobre o perfil dessa população. Somente 13% dos moradores de rua são analfabetos, 65% não bebem e 62% não usam drogas.

“A intenção do projeto era realizar um mapeamento dessa população. É muito difícil realizar esse censo, nem o Censo do IBGE os afirma, pois parte da premissa do endereço,ou seja,  são pessoas invisíveis”, afirmou a coordenadora do estudo, Juliana Moreira.

Leia mais »

Sobre a exclusão territorial urbana

Por Thelma Torrecilha

Violência contra moradores escancara exclusão territorial urbana

De Nabil Bonduki, Na Carta Capital

A perspectiva de solução favorável ao conflito gerado pela tentativa de reintegração de posse na ocupação chamada de Pinheirinho II por seus moradores requer debater as alternativas para superar os processos de exclusão territorial urbana que até hoje têm prevalecido.

A gleba ocupada situa-se no distrito de São Mateus, Zona Leste, a cerca de trinta quilômetros do centro de São Paulo. A região simboliza uma forma excludente de construção da cidade. Segundo a história oficial, na década de 1940 a família Bei (cujo patriarca dá nome à principal avenida do distrito) começou o processo de parcelamento do solo, vendendo lotes a prestação, com a estratégia de doar tijolos e telhas para os trabalhadores que buscavam realizar o sonho da casa própria por meio da autoconstrução da moradia. Embora situada em São Paulo, a região foi procurada pelos operários do ABC, que fica nas proximidades.
Leia mais »

Programa paulistano pretende capacitar moradores de rua

Por Demarchi

Da Agência Brasil

São Paulo lança programa para capacitar profissionalmente moradores em situação de rua

Bruno Bocchini - Repórter da Agência Brasil

São Paulo – Dar uma profissão aos cerca de 2 mil moradores em situação de rua da cidade é o que pretende um programa lançado hoje (25) pela prefeitura de São Paulo em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). Os cursos, com turmas de 200 alunos, começam em abril e terão a duração de dois meses.

“Queremos aprender a desenvolver tecnologias sociais novas, encontrar soluções alternativas que não seja a mera repressão, que não é solução para nada. Ao final do curso, o trabalhador certificado vai também ter o apoio da prefeitura na intermediação com o mercado. Vamos buscar empresas para que essas pessoas também possam ser empregadas, inclusive pelos prestadores de serviço da própria prefeitura”, disse Haddad, após o lançamento do programa, na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP). Leia mais »

As políticas para população de rua em São Paulo

Por Marco Antonio L.

Da Rede Brasil Atual

Após barreira de Serra e Kassab, São Paulo adere a política para população de rua

Anúncio oficial será feito na segunda-feira. Adesão dá acesso de dez secretarias a recursos federais carimbados. Primeira parceria é para qualificação profissional

Por: Gisele Brito e Vitor Nuzzi, da RBA

São Paulo –  Uma das principais reivindicações do movimento de população em situação de rua da cidade de São Paulo será atendida na próxima segunda-feira (25). Em ato marcado para as 15h, o prefeito Fernando Haddad (PT) irá assinar no Salão Nobre da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), no Largo São Francisco, na região central, o decreto de formação do comitê municipal de políticas públicas para população de rua, o que habilita a cidade a buscar recursos federais.

O total de recursos ainda não foi divulgado. Mas dez secretarias passarão a ser irrigadas com recursos federais. A primeira ação concreta é o lançamento já na segunda-feira de um projeto de qualificação profissional por meio do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). Leia mais »

Moradores de rua, por Fr. Marcos Sassatelli

Por Demarchi

Do Adital

Moradores de Rua: por uma política que liberta

Fr. Marcos Sassatelli

Depois de 15 execuções de Moradores de Rua -em quatro meses- na cidade de Goiânia e depois da repercussão nacional que estas execuções tiveram na mídia, o Estado de Goiás e a Prefeitura da capital resolveram tomar algumas medidas, que, na realidade, são um paliativo e não abrem caminhos para uma solução estrutural do problema. Só servem para dar uma satisfação à sociedade, numa tentativa de "lavar a cara” do Estado e da Prefeitura. Leia mais »

A necessidade de inserção dos moradores de rua

Por alfeu

Da Agência USP de Notícias

Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua

Por João Ortega

A partir da análise urbanística da cidade de São Paulo em relação a população de rua que nela habita, a urbanista Paula Rochlitz Quintão constatou que nem todo morador de rua quer ou consegue sair desta condição e ter uma casa como seu lar. Na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP, Paula realizou um estudo em que propõe a inclusão de pessoas que estão nas ruas transitoriamente e as que habitam as vias permanentemente em projetos urbanos.

“Para as que desejam sair das ruas, é necessário oferecer meios para a inserção delas em uma vida ativa na sociedade. Para as que permanecerão, é necessário sua aceitação e inclusão no espaço urbano”, recomenda a pesquisadora, ressaltando que “o caminho de quem não quer sair da rua nunca é pensado”. Segundo Paula, as políticas públicas, em geral, voltam-se mais à remoção das pessoas do espaço público. Ela lembra que, entre 2000 e 2009, a população de rua em São Paulo cresceu 57%, atingindo aproximadamente 14 mil pessoas. No Brasil, o contingente está em por volta de 50 mil. Leia mais »

O ato no centro de SP em defesa dos moradores de rua

Por Demarchi

Do Spresso SP

Movimentos em defesa da população da rua fazem ato-vigília contra violência policial

Movimentos sociais vão ocupar o Largo São Francisco nesta segunda (17), a partir das 20h, para protestar contra “operação espantalho” da Prefeitura.

Por Cezar Xavier

As operações “espantalho” das polícias para impedir o agrupamento de moradores da rua em locais do centro da Capital geraram indignação nos movimentos sociais. Na próxima segunda-feira (17), ocorre o Ato-Vigília “Segurança Sim, Violência Não”, no Largo São Francisco, mesmo local de uma violenta operação policial ocorrida nos últimos dias. Leia mais »

A retirada de moradores de rua do Largo São Francisco

Do A Tarde

Kassab nega truculência na retirada de moradores de rua

Artur Rodrigues e Juliana Deodoro | Agência Estado

O prefeito Gilberto Kassab (PSD) disse ontem, terça-feira, que a retirada dos moradores de rua da frente da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), no Largo São Francisco, era para a liberação do espaço público e preservação do patrimônio. Ele negou que se trate de um projeto voltado especificamente para retirar essa população do centro da cidade e disse que não houve truculência na ação da Guarda Civil Metropolitana (GCM).

"O objetivo não são os moradores de rua, que merecem nossa solidariedade. A ação era em relação a poder recuperar espaço público que estava ocupado indevidamente, trazendo risco para a manutenção de um espaço que estava tombado", afirmou o prefeito. Ele disse ainda que ações parecidas podem acontecer quando houver "qualquer cidadão que esteja transgredindo a norma básica de dar direito a outros transitarem". Leia mais »

Moradores de rua reinvidicam políticas de apoio em SP

Por zanuja castelo branco

Da Agência Brasil

Moradores de rua de SP pedem políticas sociais de apoio

Camila Maciel
Repórter da Agência Brasil

São Paulo – Moradores de rua da capital paulista passaram a madrugada de hoje (20) reunidos na Praça da Sé, no centro da cidade, para reivindicar políticas sociais de apoio à população em situação de rua. A manifestação começou na noite de domingo e terminou na manhã de hoje. A organização informa que 36 barracas foram montadas para abrigar três pessoas em cada, totalizando pouco mais de 100 manifestantes.

A mobilização faz parte do dia nacional de luta dessa população. O 19 de agosto faz referência ao Massacre da Sé, nome pelo qual ficou conhecido o episódio em que sete pessoas que dormiam na praça foram mortas nesse dia em 2004. Até hoje, nenhum dos suspeitos foi preso. A data também será lembrada em Belo Horizonte, Fortaleza, Salvador, Curitiba e Vitória. Leia mais »

O recolhimento compulsório de menores no Rio de Janeiro

Do G1

Relatório diz que menores do Rio são dopados e encarcerados em abrigos

Conselhos de psicólogos e assistentes sociais elaboraram documento. Profissionais põem em xeque a política de recolhimento compulsório.

Os conselhos regionais de Psicologia (CRP-RJ) e Serviço Social (CRESS-RJ) do Rio de Janeiro divulgaram relatório, nesta sexta-feira (17), em que apontam encarceramento e dopação de crianças e adolescentes nos abrigos da Prefeitura do Rio. Os conselhos visitaram quatro abrigos na Zona Oeste da cidade, onde crianças e adolescentes são recolhidos compulsoriamente por conta do uso de álcool e drogas, especialmente o crack. Leia mais »

O documentário "Eu Existo", sobre os moradores de rua

Por Adamastor

“Eu existo” denuncia tratamento cruel dado aos moradores de rua no centro de SP

Documentário "Eu Existo", produzido pelo Centro Acadêmico XI de Agosto sobre a questão dos direitos humanos no centro de São Paulo.

O curta-documentário "Eu Existo" se propõe a tirar os moradores de rua da invisibilidade a qual estão condenados, colocando-os como agentes políticos capazes de expor os próprios problemas e de sugerir mudanças. Por meio de reveladores depoimentos e um toque de arte, "Eu Existo" traz a denúncia de gravíssimas violações de direitos humanos, estimulando um novo olhar da sociedade em relação à situação de rua e quebrando mitos e tabus. 

"Eu existo" será utilizado como forma de pressão para que os candidatos à prefeitura assumam um compromisso com relação à efetivação dos direitos humanos na região central da cidade.

Direito à vadiagem

 

Direito à Vadiagem

 Fiz um comentário ao ótimo artigo de Rodrigo Martins, intitulado "A Solução é negar um prato de comida?", na Carta Capital, sobre a manifestação contra a criminalização da distribuição de alimentos nas ruas de São Paulo. Eis que abaixo do comentário que fiz, aparece-me este:

"Vá lançar suas maldições noutra freguesia. O sopão somente vai perpetuar a situação desses pobres desgraçados, ao passo que se fossem enquadrados em contravenção de vadiagem, poderiam ir para um presídio escola, agrícola ou industrial, e aprender algum ofício e largar a cachaça e as drogas. O sopão só perpetua esta situação, e estimula a vagabundagem e a continuidade de modos de vida ocos e sem sentido algum. Isso é "caridade"?" Leia mais »

Cidade dos EUA é acusada de expulsar moradores de rua

Por wilson yoshio.blogspot

Da Folha.com

Cidade americana comprará passagens só de ida para moradores de rua

DA EFE

Uma cidade da Flórida decidiu comprar passagens de ônibus só de ida para moradores de rua, com o objetivo de enviá-los a familiares ou amigos que estejam dispostos a cuidar deles.

Segundo informa a imprensa local, as autoridades de Fort Lauderdale, ao norte de Miami, criaram um programa de US$ 25 mil inspirado em outros existentes em localidades do sul da Flórida.

Segundo a publicação "NewTimes", o Programa de Reunificação de Pessoas Sem Lar é financiada pelo Fundo para a Aplicação da Lei, cuja receita procede de dinheiro confiscado de criminosos. Leia mais »