Dilma acusa a oposição de provocar instabilidade

Por Marco Antonio L.

Do Yahoo

Dilma desafia FHC e volta a trocar farpas com tucanos

Por Tânia Monteiro e Rafael Moraes Moura 

A presidente Dilma Rousseff usou o seu discurso de comemoração dos dez anos de criação do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão, para reafirmar os fundamentos econômicos de seu governo, de crescimento com estabilidade e controle da inflação, assegurando que eles estão mantidos. Dando prosseguimento à troca de farpas com os tucanos, Dilma acusou a oposição de provocar "instabilidade" ao alardear a ameaça de racionamento de energia no País, lembrando que estas vozes "se calaram" quando o racionamento não aconteceu.

A presidente também desafiou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ao dizer que foi o governo do PT que criou o cadastro para as famílias receberem benefícios sociais. "É conversa que tinha cadastro. Nós levamos um tempão para fazer", atacou Dilma. Leia mais »

A oposição como cabo eleitoral do PT

Por Lair Amaro

Da Folha

O melhor cabo eleitoral do PT é a oposição

por Elio Gaspari

Anunciado como se pudesse vir a ser o discurso do então desconhecido companheiro Obama na convenção democrata de 2000, o grito de guerra do senador Aécio Neves foi um pronunciamento pedestre. Suas críticas à década petista têm alguma procedência, mas terminam caindo na armadilha de quem tem muitas opiniões sem que elas formem um ponto de vista. Viu o futuro no retrovisor.

Se a exibição das contradições morais, políticas e econômicas do comissariado levasse a algum lugar, Lula não teria sido reeleito, muito menos colocado os postes Dilma Rousseff no Planalto e Fernando Haddad na prefeitura de São Paulo.

O tucanato continua encantado pela crença segundo a qual se uma pessoa ficar com duas vezes mais raiva do PT, terá direito a dois votos nas próximas eleições. Só a falta de assunto explica o fato de os tucanos terem caído numa finta petista, aceitando uma antecipação precoce e descosturada da sucessão presidencial do ano que vem. Leia mais »

Sobre o papel da mídia como instrumento de oposição

Por Marco Antonio L.

É um disparate a mídia no papel da oposição

De Paulo Nogueira - No Diário do Centro do Mundo

Por que não faz sentido a tese de que a imprensa deve substituir a “oposição fragilizada”.

image

Uma das teses mais esquisitas que surgiram no Brasil moderno sugere que a imprensa livre, aspas, deve fazer o papel da oposição na política, dada a suposta fraqueza desta.

A ideia foi claramente formulada pela primeira vez, ao que parece, por uma executiva da Folha, Judith Brito, que ocupou a presidência da Associação Nacional de Jornais. Disse ela: “Os meios de comunicação estão fazendo de fato a posição oposicionista deste país, já que a oposição está profundamente fragilizada.”

Não é preciso mais que uma palavra para avaliar a tese: disparate.

Maiúsculas.

Exclamação.

Leia mais »

A pressão da oposição sobre os parlamentares

Por Demarchi

Da Istoé

Falando sem dizer

Paulo Moreira Leite

Derrotada em todas as opções para o comando do Congresso, a oposição retoma a pressão sobre os parlamentares brasileiros.

O clima é de fim de mundo.

Até jornalistas bem informados descrevem um universo apocalíptico, onde todos são corruptos, malandros, hipócritas – e quem não é apenas funciona como a exceção que confirma a regra.

Eu acho este raciocínio mais perigoso do que a própria corrupção que se procura denunciar, pois aponta para uma situação sem saída.

Quem descreve um mundo assim está dizendo que não há solução dentro das regras do jogo. Se todos são corruptos, não é dali que se deve esperar a salvação, certo?

Nós sabemos muito bem o que essa turma está falando sem dizer... Leia mais »

Dilma em ação, por Marcos Coimbra

Dilma em Ação

Marcos Coimbra

O comportamento de nossas oposições é, às vezes, francamente infantil.

Parecem-se com as crianças pequenas que gostam de atazanar os coleguinhas maiores com chutes, beliscões e xingamentos. E que choram quando os grandes reagem e lhes dão um chega pra lá.

Acabamos de presenciar uma dessas situações. Desde a semana passada, o que mais se ouve são as queixas oposicionistas contra o protagonismo que Dilma adotou em seu pronunciamento a respeito das questões energéticas e da redução das tarifas de eletricidade.

As oposições não gostaram do discurso. Seja na nota oficial do PSDB, nos editoriais da imprensa oposicionista ou nas “análises” dos entendidos recrutados por ela, disseram-se indignados com o conteúdo e a forma da manifestação.

O mínimo que afirmaram é que, ao convocar cadeia nacional de rádio e televisão para anunciar as posições do governo, a presidenta havia se aproveitado das prerrogativas do cargo e feito campanha em favor da reeleição.

Supor que Dilma tenha resolvido se pronunciar buscando dividendos eleitorais é ignorar quem ela é. Os que a conhecem sabem que, em condições semelhantes, ela diria exatamente o mesmo, ainda que não cogitasse em se candidatar a nada. Leia mais »

Lewandowski rejeita ação direta de inconstitucionalidade

Por Assis Ribeiro

Do Brasil 247

Lewandowski: "Não se pode parar um país"

Ministro do STF rejeita ação direta de inconstitucionalidade que havia sido proposta pelos presidentes do PSDB, Sergio Guerra, e do DEM, Agripino Maia, contra medida provisória do governo Dilma que libera R$ 42,5 bilhões para obras do PAC e demais gastos federais; impasse foi criado quando o ministro Luiz Fux impediu votação do orçamento da União em meio à polêmica dos royalties

O ministro Ricardo Lewandowski, que preside temporariamente o Supremo Tribunal Federal, acaba de rejeitar a ação direta de inconstitucionalidade que havia sido proposta pelos presidentes do PSDB, Sergio Guerra, e do DEM, Agripino Maia, que contestavam a medida provisória 598/12. Editada pela presidente Dilma Rousseff, ela liberou R$ 42,5 bilhões para gastos do PAC e demais despesas do governo federal, depois que uma decisão do ministro Luiz Fux impediu a votação do orçamento federal, no fim do ano passado, no episódio dos royalties do petróleo – Fux queria que o Congresso avaliasse antes todos os vetos da presidente Dilma. "Não se pode parar um país", avaliou o ministro Lewandowski, ao tomar sua decisão. Leia mais »

PSDB quer impedir Dilma de usar roupas vermelhas

Do A Tarde

PSDB estuda recorrer à Justiça contra discurso de Dilma

Ricardo Brito | Agência Estado

O PSDB mudou o discurso nesta sexta-feira e agora estuda recorrer à Justiça contra o pronunciamento da presidente Dilma Rousseff, na última quarta (23), em cadeia nacional de rádio e TV em que anunciou a redução da conta de energia. No pronunciamento, a líder da nação também atacou quem fez previsões de que não seria possível garantir o corte para consumidores residenciais e industriais, setor agricultura e de serviços.

Em nota divulgada esta tarde, a assessoria do partido disse ter comprovado "a presença de elementos publicitários no pronunciamento feito, nesta quarta-feira, pela presidente da República e a forte identidade com os filmes exibidos na campanha eleitoral e nos horários reservados à propaganda eleitoral". Leia mais »

PSDB acha ruim que Dilma use vermelho

Por Tursi

PSDB vai entrar com representação para obrigar Dilma a não vestir mais vermelho. Link: http://www.psdb.org.br/wp-content/uploads/2013/01/comparacoes.pdf

"Política? Não pode!" Acham o PIG e a falecida oposição

Autor: 

Há tempos, ainda quando eu era professor universitário, um artigo acadêmico sobre comunicação me chamou a atenção para algo que seria corriqueiro em nossa “velha mídia”: a desqualificação das instituições e dos agentes da política “tradicional”.  Após um tenebroso inverno democrático, onde a politica se resumia a dois partidos (o do sim e o do sim, senhor), época em que floresceram os majestosos impérios midiáticos até hoje dominantes no país, nos acostumamos a ver retratados na mídia seus “comentaristas, especialistas ou os representantes oficiais do governo”.  Raramente aparecem na telinha as lideranças comunitárias, populares, representantes da sociedade civil ou militantes engajados em alguma causa específica.

Assim, especialmente nos programas tipo “desgraça a toda hora”, surge a própria mídia, encarnada nos Datenas da vida, como “intermediadores” entre o cidadão comum e “as autoridades”, seja para conseguir marcar uma cirúrgia, ter o asfalto na rua, dar segurança em determinada região ou ter qualquer direito seu (estabelecido e previsto em nossa Constituição) atendido. Leia mais »

A obsessão em inviabilizar a governabilidade

Da Folha

Oposição questiona MP que liberou crédito de R$ 42,5 bilhões

MÁRCIO FALCÃO

Acusando o Palácio do Planalto de maquiar o cenário econômico, DEM e PSDB protocolaram nesta terça-feira (22) uma ação no STF (Supremo Tribunal Federal) pedindo que seja declarada inconstitucional a medida provisória que liberou crédito extraordinário de R$ 42,5 bilhões para investimentos neste ano.

O Planalto recorreu em dezembro à MP após o Congresso adiar para fevereiro a votação da proposta orçamentária. Foi o maior valor já previsto em uma medida do tipo, sendo que o recorde anterior era de R$ 26,7 bilhões, em 2010.

Para a oposição, o governo está usurpando atribuições do Legislativo e ferindo a Constituição tendo em vista que não há urgência e relevância para a liberação desses recursos.

Segundo o vice-líder do DEM na Câmara, Ronaldo Caiado (GO), o objetivo do governo é inflar o resultado do PIB (Produto Interno Bruto) do primeiro trimestre desse ano. Leia mais »

As Oposições e suas Batalhas, por Marcos Coimbra

Da CartaCapital

As Oposições e suas Batalhas

Marcos Coimbra

2013 mal começou e a nova batalha das oposições, partidárias e extraparlamentares, já está em pleno andamento. Se a primeira quinzena de janeiro transcorreu assim, imagine-se o restante do ano.

É fácil perceber o que as move e aonde pretendem chegar.

A espetacularização do julgamento do “mensalão” foi feita com o único objetivo de desconstruir a imagem do PT no plano moral. O que buscavam era marcar o partido e suas principais lideranças com o estigma da corrupção, a fim de erodir suas bases na sociedade.

Só quem acredita em histórias da carochinha levou a sério a versão de que a imprensa oposicionista tinha o desejo sincero de renovar nossos costumes políticos e promovera “limpeza das instituições”. Seus bons propósitos são tão  verdadeiros quanto os de Pedro Malasartes, personagem de nosso folclore famoso pelo cinismo e a falta de escrúpulos. Leia mais »

O alinhamento de FHC ao conservadorismo nacional

Por Marco Antonio L.

Do Diário do Centro do Mundo

FHC, o reacionário

PAULO NOGUEIRA

Fernando Henrique Cardoso tem que tomar cuidado para não repetir a trajetória de Carlos Lacerda

Fernando Henrique Cardoso está diminuindo com o correr dos anos. Não na mesma velocidade de  José Serra, é certo, mas com constância.

Dona Rute faz falta? É possível. Talvez ela mitigasse o rancor com que a vaidade de FHC enfrenta a vantagem que Lula vai levando no duelo pelo tamanho na história do Brasil diante da posteridade.

A despeito da mídia em seu ultraconservadorismo, forma-se um consenso segundo o qual entre FHC e Lula foi este último quem realmente inovou no combate ao que é claramente o maior mal do Brasil: a miséria, decorrente da abjeta distribuição de renda.

FHC acabou com a inflação, e isso é uma conquista gigantesca. Mas em políticas sociais suas realizações foram pequenas, até porque ele estava cercado de economistas que as desprezavam.

Eram economistas profundamente influenciados pela Universidade de Chicago,  dominada pelas ideias do Nobel Milton Friedman, um economista de grande influência mundial entre os anos 1970 e 2000. Leia mais »

Venezuela: oposição estaria se preparando para dar golpe

Por Nilva de Souza

Maduro denuncia intentos de oposición para que se dé golpe de Estado en Venezuela

En una entrevista desde Caracas, el vicepresidente venezolano hizo pública una carta difundida por el secretario ejecutivo de la Mesa de Unidad Democrática (MUD, Coalición opositora) a las embajadas del mundo en ese país, en la que se busca manipular el texto de la Constitución Nacional.

El vicepresidente de Venezuela, Nicolás Maduro, denunció este viernes la creación de una ofensiva nacional e internacional por parte la alianza opositora Mesa de la Unidad Demócrática (MUD), que pretende dar un golpe de Estado en Venezuela a días de la fecha establecida para la juramentación del presidente Hugo Chávez.

En una entrevista ofrecida desde Caracas (capital, al norte del país), Maduro afirmó que los sectores de oposición están creando escenarios pretendiendo que el presidente del Parlamento, Diosdado Cabello, dé un golpe de Estado contra Hugo Chávez, declarando una “falta absoluta” que no tiene condiciones de ser decretada.

Leia mais »

É só não ouvir certos comentaristas econômicos...

Constata a Receita: pequenos só fazem crescer. Crise? Só nos grandes. Nas reuniões da FIESP; da Associação Comercial de São Paulo... no PIG. Cá entre nós, os que não desgrudam da Globo News, CBN, Folha, Estadão, Exame... e dos seus comentaristas econômicos; os que acreditam em duendes. Só não se arrebentam de vez porque muito grandes; e todo mundo tem medo que, como paquidermes enormes caiam no jardim acabando com todas as margaridas, gerânios, rosas, lírios, dálias... já para os pobres coitados menores, que numa espécie de solidariedade de classe acreditam nos comentaristas, não há SEBRAE ou fundos governamentais de socorro que resolvam.

A matéria aqui (clique no título para ler por completo):

Pequenas e médias empresas são menos afetadas pela crise Leia mais »

Oposição com bom senso, por Marcos Coimbra

Autor: 

Oposição com Bom Senso 

Uma das mais lúcidas avaliações das perspectivas da oposição nos próximos dois anos foi apresentada esta semana pelo senador José Agripino (DEM-RN). Louve-se sua sinceridade e bom senso.

Atributos que nem sempre revela possuir. Quem não se lembra de sua lamentável interpelação, em 2008, à então ministra Dilma Rousseff, a respeito de mentir sob tortura? Teve a resposta que merecia, registrada para a posteridade em um vídeo que é até hoje acessado no YouTube.

São, no entanto, águas passadas.

O senador ocupa, desde 2011, um cargo complicado. É o presidente de seu partido, função a que chegou sem tê-la pleiteado. Assumiu-a em um momento em que o DEM parecia prestes a se dissolver, sangrando a céu aberto depois da debandada da maioria de seus integrantes em direção ao PSD de Gilberto Kassab.

Para piorar o cenário, seus correligionários remanescentes se dividiam em dois grupos antagônicos, um ligado a Rodrigo Maia (DEM-RJ) e outro ao ex-senador Jorge Bornhausen (SC). José Agripino tornou-se opção de conciliação. Leia mais »