Por dia, oito professores desistem de dar aula em SP

R7

Por ano, 3 mil professores desistem de dar aula em São Paulo

Por Paulo Saldana

A cada dia, oito professores concursados desistem de dar aula nas escolas estaduais paulistas e se demitem. A média de pedido de exoneração foi de 3 mil por ano, entre 2008 e 2012. Salários baixos, pouca perspectiva e más condições de trabalho estão entre os motivos para o abandono de carreira.

Os dados obtidos pela reportagem por meio da Lei de Acesso à Informação são inéditos. A rede tem 232 mil professores - 120,8 mil concursados, 63 mil contratados com estabilidade e 49 mil temporários. A fuga de professores também é registrada na rede municipal de São Paulo, mas em menor escala. As escolas paulistanas têm média de 782 exonerações por ano desde 2008. Leia mais »

SESI-SP homenageará Paraná, ex-ponta-esquerda do São Paulo

Do SESI-SP

SESI-SP FAZ HOMENAGEM A PARANÁ, EX-JOGADOR DE FUTEBOL DO TRICOLOR, E PROMOVE CLÍNICA ESPORTIVA COM O TIME DE VÔLEI MASCULINO

Atividades serão realizadas nesta sexta-feira (23), a partir das 13 horas

São Paulo, 22/08/13 – O SESI-SP homenageará nesta sexta-feira, às 15 horas, o atleta Ademir de Barros, conhecido carinhosamente como Paraná. Ex-ponta-esquerda do São Paulo Futebol Clube, Paraná, atualmente com 71 anos, será o patrono de uma das quadras esportivas do Centro de Atividades Senador José Ermírio de Moraes, em Sorocaba. Na oportunidade, o presidente da Fiesp e do SESI-SP, Paulo Skaf, apresentará os investimentos destinados à ampliação da unidade.

Ex-ponta-esquerda do tricolor, time que defendeu em 395 partidas, Ademir de Barros nasceu em Cambará (Paraná), mas acabou fixando-se em Sorocaba, onde reside até hoje. Ingressou profissionalmente no futebol em 1961 pelo São Bento, passando a jogar no São Paulo quatro anos mais tarde, onde atuou até 1972.

Leia mais »

Plano de metas da gestão Haddad é tido como mais humanizado

Sugestão de Assis Ribeiro

Rede Brasil Atual

Após consultas, plano de metas da gestão Haddad está mais humanizado

Por Rodrigo Gomes 

Com 123 metas, versão final do plano inclui políticas para idosos, população de rua, jovens de periferia, saúde mental, portadores de deficiência e imigrantes, além de rever ações de segurança

A secretária municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão de São Paulo, Leda Paulani, anunciou a inclusão de ações para população idosa e para a população de rua na versão final do Plano de Metas 2013-2016, da gestão Fernando Haddad (PT), apresentado hoje (16), na Câmara Municipal de São Paulo. Entre as propostas está a construção de centros de referência para os dois segmentos, oito para idosos e cinco para moradores de rua. Entre inclusões, exclusões e alterações realizadas no texto original, o novo plano tem 123 metas, divididas em 20 objetivos. Leia mais »

Raí: "é hora de mudar as estruturas 'viciadas' do esporte"

Da Agência Pública

É HORA DE MUDAR AS ESTRUTURAS “VICIADAS” DO ESPORTE NO PAÍS, DEFENDE RAÍ

Ex-craque do São Paulo quer aproveitar megaeventos para mobilizar cidadãos e atletas por transparência e democracia nas estruturas e políticas públicas do esporte

Para quem não conhece a região, não é fácil chegar à Fundação Gol de Letra. As vias tortuosas e as ladeiras da Vila Albertina, no bairro do Tremembé, extremo norte de São Paulo, confundem quem está acostumado às ruas largas e sinalizadas do chamado centro expandido da capital paulista. A organização fundada pelos ex-craques do São Paulo, Raí e Leonardo, em 1998, fica no alto de um morro.

Vista de fora, parece uma escola infantil bem cuidada, contrastando com as casas vizinhas, sem revestimento, e na companhia de Raí, vamos descobrindo a fundação. Entramos nas salas, ele cumprimenta as pessoas, explica as atividades realizadas ali: aulas de capoeira, futebol, teatro, música, informática. O objetivo é complementar a formação das crianças da região.

Leia mais »

Sobre a história política do Estado de São Paulo

Por Fabio de Oliveira Ribeiro

Comentário ao post "O conservadorismo que tenta construir a crise desde 2009"

A historia de São Paulo é canhestra. A capitania hereditária cá instalada pelos portugueses quase naufragou por causa da Confederação dos Tamoios. Durante séculos, a província de São Paulo foi a mais atrasada, miserável e despovoada do país. 

Nenhum grande episódio da historia do Brasil ocorreu aqui. O ciclo da cana-de-açúcar foi no nordeste, o do ouro em Minas Gerais e o da borracha na região norte. O ciclo do café começou no Rio de Janeiro e lentamente se espalhou por São Paulo. 

Os paulistas nada fizeram em favor da independência. A principal rebelião republicana ocorreu em Minas Gerais. Todos os grandes levantes populares durante a Colônia e Império ocorreram nas regiões norte, nordeste e sul. Antes de ser o túmulo do samba, São Paulo já era o túmulo da política. 

É verdade que em São Paulo ocorreu a primeira greve geral do Brasil. Porém quem a comandou foram os imigrantes, porque os paulistas sempre foram cordeiros nas mãos de seus patrões. Quando inventou o Jeca Tatu (aquele capial ignorante, subnutrido, enfermiço e que não entendia nada de política), Monteiro Lobato estava certamente pensando nos paulistas que conheceu no interior de São Paulo (cuja rotina modorrenta ele descreveu no seu livro Cidades Mortas). Leia mais »

IPC no município de SP teve deflação de 0,13%

Sugestão de Sérgio T.

Do Valor Econômico

IPC-Fipe termina julho com deflação de 0,13% 

SÃO PAULO  -  O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) no município de São Paulo teve deflação de 0,13% na quarta quadrissemana de julho, depois de cair 0,16% na terceira prévia do mês, de acordo com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Em junho, o indicador fechou com alta de 0,32%.

Na passagem da terceira medição de julho para a quarta, o grupo Alimentação foi de um recuo de 0,62% para queda de 0,40% e Saúde passou de uma alta de 0,26% para 0,33%. Despesas pessoais foram de aumento de 0,34% para 0,45%. Leia mais »

Crítica ao editorial da Folha de S.Paulo

Sugestão de Osvaldo Ferreira

Da Folha de S. Paulo

Por fora dos trilhos

Editorial

Cartel delatado pela Siemens lança suspeita grave sobre governos tucanos em SP; PSDB acusa Cade de servir como instrumento político

As sucessivas administrações do PSDB em São Paulo, Estado governado pelo partido desde 1995, estão no epicentro de um escândalo milionário em torno do fornecimento de material ferroviário para linhas de metrô e de trens da CPTM.

O caso foi revelado nesta Folha. Reportagem de 14 de julho relatou a delação de um cartel por um de seus integrantes, a empresa alemã Siemens, ao Cade (agência federal antitruste) e ao Ministério Público, com os quais fizera acordo de imunidade em troca de colaboração. Leia mais »

O maior conselho de participação popular foi criado

O maior conselho de participação da história da democracia ocidental foi criado 

Car@s, trata-se realmente do maior conselho de participação, ou assembleia popular, da história da democracia ocidental.

Nem na China, ou em qualquer outro corpo cósmico dentro da Galáxia da Via Lactea, existirá algo semelhante.

Para dar certo, precisaremos apoiar.

O Conselho poderá ter uma série de apoios da sociedade civil e dos movimentos sociais.

Precisamos observar, nos aproximar, discutir com as/os Conselheiros e com a gestão Haddad como apoiar esse Conselho.

Formidável!

Precisamos, sem sombra de dúvidas, de apoiar esse trabalho magnífico que necessita dar certo!

Abraços, Gustavo Cherubina.

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/comunicacao/noticias/...

 

01/08/2013 14h25 Leia mais »

Novo capítulo do esquema de corrupção de trens e metrô em SP

Sugestão de Tamára Baranov

Trens e Metrô superfaturados em 30%

ISTOÉ

Ao analisar documentos da Siemens, empresa integrante do cartel que drenou recursos do Metrô e trens de São Paulo, o Cade e o MP concluíram que os cofres paulistas foram lesados em pelo menos R$ 425 milhões

Alan Rodrigues, Pedro Marcondes de Moura e Sérgio Pardellas

Na última semana, ISTOÉ publicou documentos inéditos e trouxe à tona o depoimento voluntário de um ex-funcionário da multinacional alemã Siemens ao Ministério Público. Segundo as revelações, o esquema montado por empresas da área de transporte sobre trilhos em São Paulo para vencer e lucrar com licitações públicas durante os sucessivos governos do PSDB nos últimos 20 anos contou com a participação de autoridades e servidores públicos e abasteceu um propinoduto milionário que desviou dinheiro das obras para políticos tucanos. Toda a documentação, inclusive um relatório do que foi revelado pelo ex-funcionário da empresa alemã, está em poder do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), para quem a Siemens – ré confessa por formação de cartel – vem denunciando desde maio de 2012 as falcatruas no Metrô e nos trens paulistas, em troca de imunidade civil e criminal para si e seus executivos. Até semana passada, porém, não se sabia quão rentável era este cartel. Leia mais »

CPI do Transporte Coletivo em São Paulo

Sugerido por ramalhino

CPI do Transporte Coletivo em São Paulo inicia fase de depoimentos

Da Agencia Brasil

Por Marli Moreira

São Paulo- Em sua terceira reunião, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Transporte Coletivo da Câmara Municipal, tomou hoje (26) o primeiro depoimento nos trabalhos que têm o objetivo de esclarecer a composição dos preços das tarifas do transporte público em São Paulo. Na sessão que começou, no final da manhã, o diretor de gestão econômico-financeira da SPTrans, Adauto Farias, explicou aos vereadores que o valor pago pela prefeitura a título de subsídios cresceu por causa dos benefícios sociais. Leia mais »

Periferia sofre com déficit de quase 3 mil médicos em SP

Sugerido por Marcos Doniseti

Da Rede Brasil Atual
 
 
Mesmo na maior metrópole do país, a carência de profissionais atrasa diagnósticos e tratamentos; atrair especialistas para longe do centro é o maior desafio
 
por Sarah Fernandes e Julia Rabahie, da RBA publicado 17/07/2013 10:13, última modificação 17/07/2013 12:13
 
São Paulo – A distância, a dificuldade de locomoção e a carência de médicos especialistas formados criam um quadro problemático nas periferias de São Paulo: a população mais pobre não consegue passar por consultas médicas e realizar exames no período adequado, aguardando meses pelo atendimento. Nos rincões da maior metrópole do país falta a porta de entrada no sistema público de saúde: ginecologistas, psicólogos, psiquiatras, anestesistas e até clínicos gerais. Nos cálculos da Secretaria Municipal de Saúde, o déficit é de 2.680 médicos.
Leia mais »

IBGE: Produção industrial em SP cai 3,7% entre abril e maio

Da Agência Brasil

Produção industrial cai em nove dos 14 locais pesquisados pelo IBGE em maio

05/07/2013 - 10h39

Vitor Abdala
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – A produção industrial caiu em nove dos 14 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) entre abril e maio deste ano. São Paulo, que tem o principal e mais diversificado parque industrial do país, teve a maior queda no período (-3,7%), depois de apresentar crescimento de 1% em abril.

Com queda de 2,5%, Santa Catarina foi outro estado que apresentou desempenho pior do que a média nacional (-2%). Outros locais com queda entre abril e maio foram Ceará (-1,9%), Rio de Janeiro (-0,8%), Região Nordeste (-0,6%), Pará (-0,4%), Espírito Santo (-0,3%), Amazonas (-0,2%) e Bahia (-0,1%).

Houve crescimento da produção nos estados de Goiás (3,2%), Minas Gerais (1,1%), Paraná (0,9%), Rio Grande do Sul (0,7%) e Pernambuco (0,6%).

Leia mais »

As manifestações de junho de 2013 em SP, por Marilena Chaui

Do site Teoria e Debate

As manifestações de junho de 2013 na cidade de São Paulo

27 junho 2013

Marilena Chaui

Os manifestantes, simbolicamente, malgrado eles próprios e malgrado suas afirmações explícitas contra a política, realizaram um evento político: disseram não ao que aí está, contestando as ações dos Poderes Executivos municipais, estaduais e federal, assim como as do Poder Legislativo nos três níveis.

O que segue não são reflexões sobre todas as manifestações ocorridas no país, mas focalizam principalmente as ocorridas na cidade de São Paulo, embora algumas palavras de ordem e algumas atitudes tenham sido comuns às manifestações de outras cidades (a forma da convocação, a questão da tarifa do transporte coletivo como ponto de partida, a desconfiança com relação à institucionalidade política como ponto de chegada), bem como o tratamento dado a elas pelos meios de comunicação (condenação inicial e celebração final, com criminalização dos “vândalos”), permitam algumas considerações mais gerais a título de conclusão.

O estopim das manifestações paulistanas foi o aumento da tarifa do transporte público e a ação contestatória da esquerda com o Movimento Passe Livre (MPL), cuja existência data de 2005 e é composto por militantes de partidos de esquerda. Em sua reivindicação específica, o movimento foi vitorioso sob dois aspectos. Conseguiu a redução da tarifa e definiu a questão do transporte público no plano dos direitos dos cidadãos, e portanto afirmou o núcleo da prática democrática, qual seja, a criação e defesa de direitos por intermédio da explicitação (e não do ocultamento) dos conflitos sociais e políticos.

Leia mais »

Para Haddad, PT "é a maior máquina popular do país"

Folha de S.Paulo

O PT não vai perder o bonde, diz Haddad

Para prefeito, partido é a maior máquina popular do país; mas ele afirma entender quem "teme pelo pior"

MÔNICA BERGAMO
COLUNISTA DA FOLHA
EDUARDO GERAQUE
DE SÃO PAULO

Uma semana depois de anunciar que baixaria as tarifas de ônibus na cidade, o prefeito Fernando Haddad recebeu a Folha em seu gabinete para um balanço.

Disse que a prefeitura está "insolvente" e que seu problema agora é fechar as contas até dezembro. Afirmou que não pode "desperdiçar" a energia das ruas e que pretende, se necessário, "comprar briga" com os usuários de carro para melhorar o transporte público.

Para Haddad, que é professor de ciência política, ainda não está clara a agenda das manifestações que tomaram conta do país. Tanto podem ser "progressistas" quanto "desaguar em retrocessos". Leia abaixo os principais trechos da entrevista:

Leia mais »

Fiesp: atividade da indústria de SP caiu 0,9% em maio

Do site da Fiesp

Atividade industrial cai 0,9% em maio; Fiesp deve revisar para baixo as estimativas de 2013

Segundo diretor-adjunto de Economia da Fiesp, cenário atual dificulta qualquer previsão

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Walter Sacca, diretor-adjunto do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) da Fiesp. Foto/Arquivo: Julia Moraes/Fiesp

O Indicador de Nível de Atividade (INA) da indústria paulista registrou queda de 0,9% em maio contra abril na série com ajuste sazonal, mostrou pesquisa da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), divulgada nesta quinta-feira (27/06).  A entidade deve revisar para baixo a projeção para o desempenho do setor e para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2013. Leia mais »