A restauração do Teatro Municipal

Por socram pb

Nassif, um pouco de cultura contra a barbárie ! :-)

do R7

No site tem mais fotos da restauração

publicado em 05/11/2010 às 05h50:

Do R7

Restauração do Teatro Municipal de São Paulo chega à reta final

Espaço será reaberto ao público em abril de 2011

Luciana Sarmento, do R7

Prédio de 1911 passa por sua terceira grande reforma, que começou em setembro de 2008 e está prevista para terminar em novembro deste ano

Após dois anos, as obras de restauração e conservação do Teatro Municipal de São Paulo chegam à reta final. O trabalho será concluído no mês de novembro, mas o público só poderá conferir o resultado final em abril de 2011, quando o teatro reabrirá.

Leia mais »

Os secretariado do governo Alckmin

Do Estadão

Alckmin vai se cercar de antigos aliados

Base do governador eleito de São Paulo será formada por políticos que ficaram ao seu lado na fracassada campanha à Prefeitura, em 2008 

03 de novembro de 2010 | 20h 23 

Roberto Almeida, de O Estado de S.Paulo 

SÃO PAULO - A próxima gestão no Palácio dos Bandeirantes, liderada pelo governador eleito Geraldo Alckmin (PSDB), já tem cara e marca própria. A base da nova administração deve ser o corpo político que o tucano construiu durante seu isolamento na legenda, com auge nas municipais de 2008, quando saiu candidato à Prefeitura paulistana com partido dividido.

Traço marcante dos principais apoiadores de Alckmin é a lealdade e, pontualmente, a capacidade de interlocução com a ala serrista do PSDB. O foco primordial, que pode vir a ser a marca da gestão, é o afinco com que se pretende criar a Secretaria de Gestão Metropolitana, que almeja atender às demandas de 80% da população paulista que vive entre Grande São Paulo, Campinas e Baixada Santista.

Leia mais »

Blusa não foi causa de falha no Metrô

Do Estadão

IC aponta falha técnica, e não blusa, como causa de pane que parou o metrô 

Por causa de superlotação na hora do rush, passageiros da Linha 3 pressionaram porta, que emitiu falso alerta de abertura para condutor 

03 de novembro de 2010 | 0h 00 

Eduardo Reina, Bruno Ribeiro - O Estado de S.Paulo

A pane que levou à paralisação por mais de duas horas de 18 estações da Linha 3-Vermelha do Metrô de São Paulo, prejudicando 250 mil pessoas no dia 21 de setembro, foi provocada por um problema técnico em um equipamento localizado acima das portas dos trens. É o que indica a perícia feita pelo Instituto de Criminalística (IC).

Havia a suspeita de ação criminosa no tumulto em pleno horário de pico da manhã. A direção do Metrô chegou a dizer que uma blusa havia impedido o fechamento das portas. No dia do incidente, o governador Alberto Goldman (PSDB) afirmou que uma sindicância iria apurar se a pane foi acidental ou proposital. Ele chegou a admitir que falhas recentes no transporte público da Grande São Paulo preocupavam o Estado. E deixou no ar a hipótese de que a paralisação teria sido uma sabotagem, com cunho eleitoral. "Não sabemos a motivação pela qual você encontra uma porta que não foi fechada pela ação de alguém. Se foi casual ou motivado, se foi um acidente ou foi proposital, nós queremos saber."

Leia mais »

Serra e o ICMS sobre energia elétrica na Constituinte

Por Homero Pavan Filho

Do As Perdas do Paraná

Lei de autoria de José Serra causou prejuízos de R$ 32,5 bilhões ao Paraná

O Paraná é o maior estado produtor de energia elétrica do Brasil. Nossos rios são a nossa maior riqueza.

Nossas usinas hidrelétricas geram mais de 1/4 de toda a eletricidade que o Brasil consome. Para construir essas usinas, inundamos terras produtivas, desalojamos milhares de famílias e destruímos uma de nossas maravilhas naturais, as Sete Quedas de Guaíra, no Rio Paraná. Mas não fomos compensados por isso.

Uma lei aprovada na Constituinte de 1988, e em vigor até hoje, impede que o ICMS, o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços, que incide sobre a produção de energia elétrica, nossa maior riqueza, seja recolhido no Paraná.

Leia mais »

A insustentável questão ambiental em São Paulo

http://sul21.com.br/jornal/2010/10/a-insustentavel-questao-ambiental-em-...

Opinião Pública
23/10/10 | 06:00
Share
A insustentável questão ambiental em São Paulo

Jorge Héctor Rozas *

O meio ambiente entrou na pauta da campanha eleitoral e todos os candidatos fizeram considerações e promessas nessa área, inclusive o candidato do PSDB. Porém, é preciso que se saiba como o governo do PSDB, no caso que conheço, o de São Paulo, tratou e trata essa questão. Leia mais »

A lavagem de dinheiro do PCC

Por Carlos Eduardo (Kadu)

Notícia sobre Segurança Pública:

Do Jornal da Tarde

PCC 'lavou' R$ 199 milhões do tráfico

18 de outubro de 2010 |8h00 |Tweet este Post

Categoria: Polícia

Elvis Pereira

O Laboratório de Tecnologia Contra a Lavagem de Dinheiro (LAB) de São Paulo rastreou em seu primeiro ano de funcionamento cerca de R$ 199 milhões arrecadados com o tráfico de drogas e "lavados" pelo Primeiro Comando da Capital (PCC). A cifra corresponde a 60% dos R$ 331,7 milhões identificados pelo laboratório. Os donos do restante da fortuna são desde mafiosos estrangeiros a servidores corruptos. Leia mais »

Os pedágios da Marechal Rondon

Da Folha

Rodovia que recebeu menos verba ganhou mais pedágio desde 2009

Concessionárias que administram Marechal Rondon gastaram menos de 70% do previsto

Estrada, que entrou na 2ª fase de concessões do governo do Estado, ganhou oito praças de pedágio desde 2009

ALENCAR IZIDORO
DE SÃO PAULO Leia mais »

A diminuição de poder das subprefeituras

Por Luiz Gonzaga da Silva

"Foi essa burocracia que atrasou as ações antienchentes em 2009', afirma o vereador Adilson Amadeu (PTB), presidente da CPI das Enchentes."

Do Estadão.com.br

Kassab reúne verbas em 6 secretarias e reduz o poder das subprefeituras

Por Diego Zanchetta e Rodrigo Burgarelli, estadao.com.br, Atualizado: 15/10/2010 0:32

A fatia do orçamento da Prefeitura de São Paulo reservada às 31 subprefeituras despencou nos últimos seis anos. As obras e serviços nos bairros foram centralizados em seis secretarias comandadas por homens de confiança do prefeito Gilberto Kassab (DEM). Eles serão responsáveis por controlar em 2011 quase metade das verbas - R$ 15,7 bilhões de um total de R$ 34,6 bilhões.

Por outro lado, os 31 subprefeitos terão no próximo ano apenas R$ 857 milhões, o equivalente a 2,5% das verbas municipais - é o menor porcentual destinado desde a criação dessas subdivisões, em 2002. Pavimentação, obras de drenagem e projetos para a canalização de córregos dependem agora de autorização da cúpula kassabista. Até a contratação de equipes de limpeza de bocas de lobo é controlada pelo núcleo do governo.

Leia mais »

A discussão sobre o ensino paulista

Por Fabiano Duarte

Nassif: hoje, dia 15 de outubro, comemora-se o dia do professor. Desde 1965 que me dediquei como professor da escola pública, aqui no Estado de Sâo Paulo.

Nos anos da ditadura militar, com ato institucional, nós educadores, faziamos greves e passeatas em que colocavamos mais de 50 mil profissionais da educação em passeata pela avenida paulista, consolação etc. Era Secretário naquela época o sr. José Bonifácio Coutinho Nogueira. Conseguimos várias conquistas e até um plano de carreira bastante razoável. O Secretário, na época, ouviu as entidades e os reclames dos educadores. Leia mais »

Os deputados tucanos derrotados em SP

Por Edson o Primeiro

Da Folha.com

Tucanos derrotados devem 'inflar' secretarias de Alckmin

Geraldo Alckmin, que na campanha manifestou intenção de enxugar o número de secretarias do governo paulista, enfrentará demanda para acolher tucanos derrotados nas urnas, informa o "Painel" da Folha, editado por Renata Lo Prete .

Dentre os correligionários que não conseguiram um mandato estão Vanderlei Macris, Arnaldo Madeira, Silvio Torres, Antonio Carlos Pannunzio, Renato Amary, Walter Feldmann e Ricardo Montoro.

Nem todos, porém, irão para a administração.

O mais provável é que Alckmin nomeie deputados eleitos de sua confiança, como Edson Aparecido, Emanuel Fernandes, Duarte Nogueira e Julio Semeghini, abrindo espaço para outros nomes do PSDB na Câmara.

O dia do nordestino em São Paulo

Por Mario Cesar Loureiro

Nassif e amigos,

Peço licença de todos vocês para uma propaganda. 

Hoje é dia do nordestino em Sampa e fiz uma homenagem com direito a Sivuca, Hermeto e João Cabral de Melo Neto no meu blog, o www.pelaordemcompanheiro.wordpress.com .

Falo também sobre o reinício da campanha no rádio e TV.

O meu blog é absolutamente pessoal e não estou ganhando nenhum centavo com pageviews ou anúncios. Aliás, como sou neófito na brincadeira, se algum amigo puder explicar como faço para colocar um link direto do blog do Nassif lá (se ele autorizar, claro! Autoriza, vai... ) ficaria muito agradecido.

Passem por lá. 

O rombo de R$2 bi no Detran

Por Fuhgeddaboudit™

Caro Nassif,

MAIS UMA DO PICARETAS DO "RAMO"; esta, no segmento ESTADUAL

ILEGALIDADES NO DETRAN APONTAM DESVIO NA TAXA DE EMPLACAMENTO

Do Estadão

Rombo pode alcançar R$ 2 bilhões 

Ação civil pública acusa quatro ex-diretores do Detran e um ex-secretário adjunto da Segurança Pública de fechar contratos ilegais

- MARCELO GODOY, DE O ESTADO DE S. PAULO - 08 de outubro de 2010 | 0h 00

Quatro ex-diretores do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) e um ex secretário adjunto da Segurança Pública são acusados de provocar, entre 1994 e 2006, um rombo que pode chegar a R$ 2 bilhões. A causa são supostas ilegalidades em contratos de emplacamento de carros - durante esse período, a taxa prevista em lei para lacrar veículos em São Paulo deixou de ser cobrada das empresas pelo Estado.

A acusação contra 15 empresários, delegados e o ex-secretário - além de seis empresas - consta de ação civil pública apresentada à 14.ª Vara da Fazenda Pública pelo promotor Roberto Antônio de Almeida Costa, da Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social de São Paulo. É o resultado de um inquérito que se arrastou por dez anos e a primeira ação contra a chamada máfia das placas. Delegados e empresários ouvidos pelo Estado negam as acusações.

Leia mais »

Os precatórios paulistas

Por Neves

Escandaloso e imoral. Serra pagou mais de um bilhão de reais por precatório de uma única empresa, esquecendo dezenas de milhares de famílias que há muitos anos esperam o pagamento de precatórios de natureza alimentar

Carlos Newton

Deixei de publicar este artigo antes de 3 de outubro para não ser confundido com fanáticos partidários da candidata Dilma Rousseff. Com a abertura do segundo turno, creio que não faltarão tempo e argumentos para que os candidatos se expliquem e prestem contas, seja com relação à invasão de privacidade via Receita Federal e ao informal balcão de negócios aberto por Erenice Guerra, no Palácio do Planalto, seja sobre o absurdo de Serra despender mais de UM BILHÃO DE REAIS, para saldar o CRÉDITO DE EMPRESA titular de precatório não alimentar, em detrimento de dezenas de milhares de outros credores, mais necessitados. Leia mais »

O mapa da Assembléia Legislativa de SP

Do Estadão

Região de Campinas foi a que mais ampliou presença na Assembleia

Bancada do segundo maior colégio eleitoral de SP terá 20 parlamentares, 7 a mais que hoje; Barretos fica sem representante na Casa

- O Estado de S.Paulo

A região de Campinas foi a que mais ampliou sua representatividade na Assembleia Legislativa paulista nas eleições deste ano. A bancada, composta de 13 deputados na atual legislatura, saltou para 20, somados todos os municípios que compõe o segundo maior colégio eleitoral do Estado (6,4 milhões de eleitores, segundo a Fundação Seade).
Apenas uma das 17 regiões administrativas de São Paulo - Barretos, no norte do Estado - não conseguiu eleger representantes no domingo. A Grande São Paulo, com 14,5 milhões de eleitores, continuará com a maior "bancada" - 42 deputados. São José do Rio Preto, na terceira posição, teve 5 candidatos eleitos.

Com três representantes cada uma ficaram as regiões da Baixada Santista, Central (Bauru), Presidente Prudente, São José dos Campos, Sorocaba e Ribeirão Preto. Embora apresentem números bem diferentes de eleitores - São José dos Campos tem 1,6 milhão e Presidente Prudente, 712 mil -, elas serão representadas pelo mesmo número de deputados a partir de 2011.

Leia mais »

São Paulo e o federalismo

Por jura

Os problemas de São Paulo com o federalismo brasileiro começaram muito antes de 32.

O Rudá Ricci já esclareceu aqui a "questão meridional" do Brasil, que na realidade é setentrional. Importação dos recursos naturais e da mão de obra vindas sobretudo do norte (mas não só) e exportação de produtos acabados para seus mercados cativos. Igualzinho ao que os estrangeiros ainda fazem com o Brasil, que muitos chamam de imperialismo.

No livro A Capital da Solidão, Roberto Pompeu de Toledo (sim, aquele da Veja) mostra o isolamento de São Paulo durante o Brasil colônia. Isolamento que se constituiu tanto em oposição ao governo central - colonial e imperial - quanto de seus territórios. Naquele tempo o principal negócio dos paulistas era a escravização dos únicos brasileiros da época: os índios. E até hoje eles reclamam dos imigrantes, que começaram a levar pra lá a força! Até os imigrantes europeus desdenham os imigrantes brasileiros... Leia mais »