Dilma poderá vencer em São Paulo

Por Gunter Zibell - SP

Outro indicador: Dilma só ganha de Serra entre os que dão nota 8, 9 ou 10 ao governo. Só que estes são 68% do eleitorado, e a vantagem da petista entre eles é cada vez maior.

"...e a um surpreendente empate em São Paulo"

Então, eu procurei ontem à noite isso (os dados do estado) e não achei. A pesquisa no site do Ibope ainda está incompleta.

Mas, com os 41 (D) x 32 (S) que já saiu podemos fazer algumas deduções e chegar nos mesmos resultados que o JRToledo.

Dilma costuma (*) ter em SP 4 pontos menos que na região Sudeste. Então deve estar perto de 37%

Serra, do mesmo modo, costuma ter em SP 7% a mais que na média da região Sudeste. Deve estar com 39%, portanto.

Isso é uma situação de empate técnico. (As bolinhas à direita no gráfico são dessa hipótese descrita, não se trata de um dado oficial).

(*) média das pesquisas Vos Populi, Datafolha e Ibope da segunda quinzena de julho quando os dados para SP saíram simultaneamente aos da região Sudeste. Leia mais »

Em defesa do Metrô paulista

Por Pensador

Tem alguns equivocos ai.

1- Em muitos lugares, o que se chama de metro, inclui tambem os trens suburbanos. Se inclusas as linhas da CPTM, o numero salta de 61Km pra quase 300Km.

2- E preciso muito cuidado pra se definir o que e uma linha de metro.

Em Berlin, a S41 e a que vai e a S42 e a que volta. Sao duas linhas qdo na verdade e so uma.

Em Londres, varias linhas sao, na verdade, ramais de uma linha principal cujos trens com destinos distintos usam a mesma linha. Seria como se os trens da linha verde pudessem ir ate o Jabaquara, por ex. Uma confusao danada.

3- E me parece que ha um equivoco ai na populacao das areas metropolitanas. Sao Paulo e Nova Iorque nao tem 30mi de hab, mas 20. Toquio tambem tem menos hab, "somente" 36mi.

Leia mais »

O duro recomeço de Roberto Freire

Do Valor

Migrante em busca de votos 

Por Vandson Lima, de São Paulo
16/08/2010 

"O senhor se elegeria deputado em Pernambuco, hoje?" Ante à pergunta, o presidente do PPS Roberto Freire, ex-senador, cinco vezes deputado federal pelo Estado e agora candidato ao cargo por São Paulo respira, silencia por segundos, fixa os olhos no interlocutor e responde convicto: "Com certeza! [enfatiza] Com certeza. Meus detratores vêm com essa conversa de que eu não me elegeria nem síndico de prédio. E eu respondo que nunca perdi uma eleição parlamentar em Pernambuco".

Morando em São Paulo há dois anos, Freire refuta a hipótese de que sua mudança se deu por dificuldades nas urnas: "Domicílio eleitoral é entulho da ditadura. Havia uma tradição no velho PCB de as figuras do partido não se fixarem no local em que nasceram. Eu continuo vendo assim". Dos eleitos a deputado federal nas eleições de 2002, Freire foi o pernambucano menos votado, com 54.003 votos. "Minha dificuldade foi estar ao lado de um candidato à Presidência da República [Ciro Gomes, à época no PPS] que só caía nas pesquisas. Eu ia conversar com os estudantes e eram todos lulistas", afirma. Em 2006, foi suplente do senador eleito, Jarbas Vasconcelos (PMDB).

O cientista político Túlio Velho Barreto, da Fundação Joaquim Nabuco, discorda. Para ele, além da fragilidade do PPS no Estado, Freire optou por um caminho político que pôs em xeque sua credibilidade ideológica: "Em 1998, Jarbas venceu Miguel Arraes (PSB) na eleição estadual com mais de um milhão de votos de diferença [64% a 26%]. A partir daí, Freire e o PPS, identificados com a esquerda local, foram migrando para o grupo de Jarbas, aliado à ala mais conservadora da política estadual. Como o voto dele é de opinião, perdeu a identidade".

Leia mais »

Os metrôs pelo mundo

Por Paulo Cavalcanti

Nassif,

A declaração de Serra, que vai contruir 400 kms de metrô, não passa de  mais uma de suas falácias, assim como foi o Ministério da Segurança Pública. O metrô de SP, já existe há 35 anos, 16 dos quais adminstrados pelo PSDB - que construim uma média de 1km por ano.  Isso me leva a entender que ele levará 400 anos para fazer essa obra.

Leia os dados abaixo sobre os metrôs pelo mundo a fora:

O Metrô de SP, transporta 3,4 milhões de passageiros (um Uruguai por dia); Leia mais »

Escândalo da merenda em SP

Promotoria de SP aponta desvios de R$ 280 milhões em verba de merenda

Baseado em matéria de Ricardo Westin, no Folha.com de hoje. O texto já saiu do ar.

O Ministério Público de São Paulo diz que funcionários de 35 prefeituras (inclusive a de São Paulo) receberam nos últimos dois anos cerca de R$ 280 milhões em propinas num esquema de desvio de verbas públicas da merenda escolar.

Segundo os promotores, o esquema envolve seis empresas terceirizadas que forneciam alimentação para colégios municipais (SP Alimentação, Geraldo J. Coan, Nutriplus, Convida, Sistal e Terra Azul). Com fraudes nas licitações, as empresas pagavam de 5% a 15% dos valores recebidos a funcionários municipais corruptos, com uso de notas fiscais falsas. Suspeita-se até de prefeitos e secretários, que deverão ser processados.

Em São Paulo, o caso envolvia a Secretaria de Abastecimento, que já não existe. Hoje os contratos da merenda estão na pasta da Educação.

  Leia mais »

Educação SP: propostas tiradas da cartola

16 anos de projeto educacional que deveria ter um mínimo de continuidade. Agora, no apagar das luzes, o governo de São Paulo anuncia uma forma de premiar alunos que participem de aulas de recuperação: pagando a eles.

Ora, essa medida foi tomada de afogadilho e chupada da proposta (polêmica) apresentada por Antonio Anastasia em Minas Gerais. O próprio Anastasia me falou dela recentemente, quando me telefonou para rebater críticas ao Centro Administrativo.

São Paulo teve 16 anos de administração do PSDB, quatro de Serra, para adotar práticas inovadoras, propostas novas, modelos eficientes de educação. No apagar das luzes, vem com essa proposta tirada da cartola. Olha se uma medida radical (e polêmica) como essa pode ser tomada por um governador interino, em final de mandato?

Aposto uma cerveja como essa ideia brilhante foi ordem do José Serra, chupando o que ouviu em Minas. Duvido que tenha havido uma discussão anterior sobre ela.

É a inversão da meritocracia: só ganhará a mesada quem piorar a nota para merecer aulas de recuperação. O que bom aluno irá receber de safanão em casa, para parar de ser besta, não está no gibi. Leia mais »

O TCM e os hospitais terceirizados em SP

Da Rede Brasil Atual

Prefeitura de SP é incapaz de controlar hospitais terceirizados, aponta auditoria 

Segundo relatório do Tribunal de Contas do Município, contas de Organizações Sociais mostram problemas de gestão, foram aprovadas com erros e têm dados inconsistentes

Por: Suzana Vier, Rede Brasil Atual

São Paulo - Auditoria do Tribunal de Contas do Município de São Paulo (TCM) apontou irregularidades no controle das Organizações Sociais (OS) que prestaram serviços na área de saúde na capital paulista, ao longo de 2009. A análise considerou as contas da Secretaria Municipal de Saúde e do Fundo Municipal de Saúde. O relatório do TCM indica que, apesar da existência de um órgão na secretaria para monitoramento e avaliação das OSs – o Núcleo Técnico de Contratação de Serviços em Saúde (NTCSS) –, há problemas no controle e fiscalização das organizações.

O trabalho do órgão é "falho e ineficiente, uma vez que as prestações de contas da contratada foram aprovadas contendo erros e inconsistências nos dados", cita o documento do tribunal. Outra irregularidade encontrada pelos auditores é a inexistência de contas correntes específicas para repasses e movimentação de valores, o que "inviabiliza a transparência e o controle da movimentação financeira das entidades". 

Leia mais »

Homenagem ao Internacional

Por Gustavo Belic Cherubina

Pessoal, depois do primeiro "Você camponês que nos assiste", na voz do Plínio, eu fui torcer contra o São Paulo.

http://letras.terra.com.br/internacional-rs/1207769/

Minha Camisa Vermelha
Sport Club Internacional
Composição: Guarda Popular do Inter

Inter , estaremos contigo ..
Tu és minha paixão !
Não importa o que digam
Sempre levarei comigo
Minha camisa vermelha ..
e a cachaça na mão
O Gigante me espera ..
Para começar a festa !

Xalaialaiaa ,
Xalaialaiaa ,
Xalaialaiaa !
Você me deixa doidão !

Xalaialaiaa ,
Xalaialaiaa ,
Xalaialaiaa !
Inter do meu coração !

Xalaialaiaa ,
Xalaialaiaa ,
Xalaialaiaa !

http://www.youtube.com/watch?v=x3LaCNv-gQ4&feature=related

Camisa Vermelha - Do inicio ao Fim - Mamonas Assasinas

Clipe Camisa Vermelha Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo
Veja o vídeo

Idéias para o ônibus chinês em São Paulo

Por André

Achei a ideia bem interessante, até porque eles levaram em conta o fato de que ônibus em si também pode causar problemas de engarrafamento (vide corredor da Rebouças à noite).

No caso específico chinês, quem viu o videozinho notou que o veículo tem pontos de recarga de energia a cada parada. Eles são análogos aos que a própria China vem desenvolvendo para dar uma carga rápida em ônibus elétricos. Ao menos essa solução poderia ser adotada aqui no Brasil, pois evitaria os fios suspensos do trólebus e daria à tração elétrica a mesma capacidade de poder mudar de trajeto que um ônibus convencional possui. E creio que seria extremamente simples adaptar os "chifrudos" já existentes para essa tecnologia, o que inclusive favoreceria sua difusão para toda uma cidade. Já pensaram o que seria uma São Paulo só com ônibus elétricos e capazes de circular independentes de fios? Com certeza bem mais agradável do que ouvir aquele ronco cacofônico de motor Mercedes (uma vez que são pouquíssimos os ônibus paulistanos com motores Scania e Volvo, cujo ronco tem padrão mais agradável e é mais contido).

Leia mais »

O caso TV Cultura

Coluna Econômica

A recente decisão da Fundação Padre Anchieta de promover um enxugamento radical na TV Cultura comprova um dos grandes problemas do Estado: a incapacidade de planejar de forma eficiente a gestão pública de São Paulo.

Ao longo de anos e anos, descuidou-se da Fundação. Permitiu-se toda sorte de indicações políticas, não se tratou da questão da busca da eficiência e da ampliação da TV.

Herdou-se uma jóia da coroa, uma TV de largo alcance, respeitabilidade, imagem, bons programas, legados pela era Roberto Muylaert.

De lá para cá, foi uma sucessão de presidentes desmontando paulatinamente o modelo inicial. Matou-se o jornalismo, reduziu-se a programação de shows, encolheu-se a produção.

Mais: a Fundação tem uma estrutura de estabilidade dos funcionários. Assim, a redução dos programas não era acompanhada da redução da estrutura. Resultou disso uma estrutura maior do que a necessária para uma sub-produção.

***

Leia mais »

Os pedágios e a Artesp

Autor: 
Por Flavio Galib

Não sei se esses detalhes já foram comentados aqui, mas a forma como a ARTESP administra as rodovias sob concessão é altamente lesiva ao bolso dos usuários. Como se não bastasse o preço abusivo dos pedágios paulistas, a escolha dos lugares das praças de cobrança torna o valor arrecadado mais injusto ainda, onerando duplamente os usuários.

O cálculo das tarifas de pedágio é feito utilizando-se o conceito de tarifa quilométrica, que corresponde a um valor por quilômetro, fixado pelo Estado, variando, apenas, em função da extensão percorrida, da categoria das rodovias e dos veículos. Portanto, quem percorre uma estrada de ponta a ponta, paga o valor da tarifa quilométrica multiplicada pela extensão da rodovia. Mas na maioria das estradas o fluxo maior de usuários esta concentrado num determinado trecho. E é justamente aí que se concentra a cobrança, calculada com base em uma distância bem maior que esse trecho. Leia mais »

GVT entra em São Paulo

Por Rubem

Do Estadão

31 de julho de 2010 | 0h 00

GVT estreia no mercado paulista com telefonia fixa e banda larga

Planos. Controlada pela francesa Vivendi, empresa elevou expectativa de investimento de R$ 1,1 bilhão para R$ 1,5 bilhão, solicitou licença de TV paga via satélite para a Anatel e prepara-se para lançar serviços na capital de São Paulo no próximo ano

Renato Cruz - O Estado de S.Paulo

"O cenário competitivo ficou mais complicado e mais desafiador para todos nós", afirmou Amos Genish, presidente da GVT, referindo-se aos grandes negócios anunciados esta semana no setor de telecomunicações. "Com este cenário, precisamos acelerar nossos planos de alcançar uma presença nacional." Leia mais »

As terceirizações em São Paulo

Do R7

Terceirizações crescem 40% na gestão de Serra em SP

Crítico do inchaço da máquina, tucano aposta na iniciativa privada para administrar 

Thiago Faria, do R7

Enquanto o candidato José Serra (PSDB) torna a crítica ao inchaço da máquina pública e o loteamento de cargos no governo federal uma das bandeiras de campanha, a administração do tucano em São Paulo teve como uma de suas marcas as terceirizações. De acordo com dados do Sisgeo (sistema de gerenciamento do orçamento paulista), despesas com contratações de serviços que poderiam ser feitos por servidores do governo, mas foram repassados a terceiros, como limpeza, segurança, vigilância, além de repasses a entidades conveniadas, cresceram 40% de 2006 a 2009.

Questionado sobre as tercerizações, em sabatina ao R7, na última quinta-feira, o candidato tucano preferiu dizer que, se eleito, vai combater o inchaço da máquina acabando com "desperdícios". Ele admitiu que na esfera federal há funcionários demais, mas aponta que o problema está nos cargos comissionados (que não precisam de concursos), e não nos funcionários públicos. Serra afirmou que abriu 110 mil vagas em concursos no Estado, quando governou São Paulo.

Essa marca da administração tucana de optar por repassar a terceiros funções que antes eram exercidas pelo Estado foi sentida logo que Serra sentou na cadeira de governador, em 2007. Em seu segundo dia de mandato, o tucano assinou um decreto determinando o enxugamento em 15% os gastos com funcionários em cargos de comissão ou função de confiança. Atualmente, dos quase 450 mil funcionários do governo, apenas 6.239 (1,4%) são comissionados.

Leia mais »

Pontal: porque São Paulo falhou e o Paraná acertou

Por Fábio Lúcio

Uma rara oportunidade para verificar a diferença que faz a gestão, na prática. Uma pesquisa apoiada pela Fapesp comparou como se desenvolveu, ao longo dos anos, a região onde se encontram três estados da Federação, São Paulo (Pontal do Paranapanema), Mato Grosso do Sul e Paraná. Incrível as diferenças que encontrou. Nesse ambiente específico, por diversos motivos que têm relação não só com geografia, mas principalmente com gestão (articulação entre prefeituras, por exemplo), o Paraná está séculos à frente de São Paulo.

A matéria foi divulgada pela Agência Fapesp:

http://www.agencia.fapesp.br/materia/12551/linhas-nada-imaginarias.htm

Especiais

Linhas nada imaginárias

30/7/2010

Por Fábio de Castro Leia mais »

A aprovação automática e a progressão continuada

Por Eduardo Prado

Concordo em grande parte com o autor do post., João Maurício. Na recente sabatina UOL/Folha o candidato Mercadante se referiu a Progressão Continuada e a Promoção Automática como se fossem a mesma coisa, não são. O que existe na rede pública paulista é a segunda. A primeira, só existe no papel.

Eu trabalho na rede de ensino público de S. Paulo e são tantos os problemas e as deficiências que eu não sei mais apontar qual delas é a mais grave ou mais determinante para o fracasso educacional do estado. A falta de recursos e uma visão economicista das políticas estaduais de educação são, certamente, algumas. Os últimos governos estaduais do PSDB se propuseram o desafio de melhorar a qualidade do ensino disponibilizando a menor quantia de dinheiro possível. Esse tipo de eficiência na administração de recursos públicos não vai resultar numa educação pública mais eficiênte. Antes o contrário.

Leia mais »