A demissão de Alexandre de Moraes

Do Estadão

Cai Alexandre de Moraes, o supersecretário de Kassab

Há três anos na Prefeitura, ele geria um orçamento de R$ 5 bilhões e acumulava os cargos de secretário de Transportes e de Serviços e de presidente da CET, da SPTrans e do Serviço Funerário 

Renato Machado - O Estado de S.Paulo 

Homem forte da gestão Gilberto Kassab (DEM) e responsável pelos principais contratos da Prefeitura de São Paulo, Alexandre de Moraes, de 41 anos, o supersecretário das pastas de Transportes e de Serviços e presidente do Serviço Funerário, da SPTrans e da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), vai deixar o governo após três anos.

O ex-promotor e ex-presidente da Febem, tido até então como provável candidato do DEM para substituir Kassab nas próximas eleições municipais, entrou em atrito publicamente com a cúpula governista após diversas polêmicas. Em seu lugar nos Transportes assumirá o ex-secretário de Infraestrutura Urbana e Obras Marcelo Cardinale Branco, de 40 anos - que deixou a Prefeitura há duas semanas. Cogita-se o nome do atual titular da pasta do Planejamento, Rubens Chammas, para a vaga de Serviços. Na noite de ontem, Chammas informou não ter sido procurado oficialmente.

Dentre as razões para a queda de Moraes está a sua resistência ao projeto de criação da Autoridade Metropolitana de Transportes. A proposta é uma das principais bandeiras do governo estadual para o transporte públicos. A resistência da Prefeitura, uma das únicas da região a se posicionar contra, colocou Kassab em rota de colisão com seu padrinho político José Serra (PSDB).

Leia mais »

Raio x dos Estados: São Paulo

Olha aí, São Paulo da Garoa, São Paulo do interior caipira, do violão de Américo Jacomino e de Garoto, do Capitão Furtado e dos festivais da Record., dos grandes botecos do passado. Uma festa, enfim.

Vídeos: 
Veja o vídeo

Apolinário e os gays

Da Folha

A ditadura gay

CARLOS APOLINARIO

Eu não concordei com a Prefeitura de SP quando ela proibiu as manifestações na avenida Paulista, mas lá manteve a Parada Gay

De alguns anos para cá, muito se tem falado sobre gays e lésbicas. Em todas as Casas Legislativas, e também no Executivo, têm sido aprovadas leis a esse respeito -e ainda existem muitos projetos em tramitação.

A Assembleia Legislativa de São Paulo aprovou a lei nº 10.948/ 2001, que determina: se alguém for acusado de discriminar um gay em uma empresa, além da multa e do processo penal, o estabelecimento poderá ter cassada a licença de funcionamento. Ou seja, se a empresa tiver 200 funcionários e sua licença for cassada, todos serão punidos com a perda do emprego.
O movimento gay faz um intenso lobby para que o Congresso Nacional altere a lei nº 7.716, que define os crimes de racismo.

O objetivo das lideranças gays é que a legislação passe a punir também aqueles que têm uma opinião divergente das suas.

Leia mais »

Mapa do Rodoanel de São Paulo

O Mapa está ali embaixo.

Imagens: 
Mapa do Rodoanel de São Paulo

Os caminhos distintos de PT e PSDB

Por Gunter Zibell

Acho que há controvérsias… Esse texto de L W Vianna é um esforço de compreensão do momento atual, mas ainda é muito retrospectivo, poderia incluir um pouco de prospecção.

A linha geral é a mesma de muitos outros textos que estamos vendo por estes meses, que colocam PT e PSDB como forças equivalentes, antípodas, mas ao mesmo tempo próximas de uma imaginária posição central.

Mas não são forças equivalentes.

Se houve semelhanças no início, em virtude de ambos os partidos terem origem em SP e na oposição ao regime militar, estas foram desaparecendo a partir das decisõ Leia mais »

Os paulistas PT e PSDB

Do Valor

Moderno São Paulo e a política nacional

Luiz Werneck Vianna
31/05/2010

Nessa próxima sucessão, salvo mudanças catastróficas no estado atual da disposição das forças políticas do país, teremos mais um presidente extraído das fileiras ou do PSDB ou do PT, mais quatro anos para esse ciclo que se abriu em 1994 e que está destinado a completar duas décadas em 2014. Nenhum outro partido durante esse longo período conseguiu se projetar de modo competitivo a ponto de ameaçar a posição desses dois partidos nas disputas presidenciais, largamente majoritários nos resultados das eleições presidenciais, embora, como se saiba, não contem com força própria de sustentação no Poder Legislativo, dependentes, quando vitoriosos eleitoralmente, de amplas coalizões com outros partidos. Mas, essa ressalva, contudo, não contraria o fato de que ambos se constituam como partidos hegemônicos na estrutura partidária brasileira, e de que sejam reconhecidos como tais pelos demais partidos.

Mas essa hegemonia embute outra, qual seja o papel dominante do Estado de São Paulo na política da Federação. Tanto o PSDB como o PT são "partidos paulistas", nascidos de movimentos sociais que fizeram parte da resistência ao regime militar, o segundo com origem no sindicalismo da região do ABC, sede da moderna indústria metalúrgica, e, o primeiro, como expressão de círculos intelectuais e de políticos nucleados em torno de um diagnóstico comum sobre o que seriam os males do país. Desse tempo originário guardaram marcas que conservaram nos seus primeiros embates eleitorais, é verdade que, hoje, algumas delas bem esmaecidas, quando não relegadas ao plano do que deve ser esquecido. Contudo, a memória da infância nos partidos é como nas pessoas - um partido já formado é prisioneiro, de algum modo, da sua história de fundação. Leia mais »

Ação penal contra Saulo de Castro

Por Adriano S. Ribeiro

TSE determina abertura de ação penal contra ex-secretário de Segurança Pública de São Paulo

27 de maio de 2010 – 22h36

Ver Arquivos

Por maioria de votos, o plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deu provimento a recurso do Ministério Público Eleitoral (MPE) e autorizou a abertura de ação penal com o recebimento de denúncia contra o ex-secretário de Segurança Pública do estado de São Paulo em 2006 Saulo de Castro Abreu Filho.

O Tribunal Regional Eleitoral paulista (TRE-SP) havia rejeitado denúncia do MPE para negar o processamento de ação por entrevista concedida pelo então secretário à rede Bandeirantes de televisão, quando afirmou que o “Partido dos Trabalhadores (PT) estaria por trás de atentados terroristas praticados pela organização criminosa conhecida como Primeiro Comando da Capital (PCC), crimes que visavam desestabilizar o governo do estado de São Paulo”, durante o ano eleitoral de 2006.

De acordo com o relator da matéria, ministro Arnaldo Versiani, a conduta do ex-secretário, no entanto, “se reveste de tipicidade e autoriza a instalação da ação penal com o recebimento da denúncia”. Disse que o artigo 325 do Código Eleitoral estabelece que é crime eleitoral “difamar alguém, na propaganda eleitoral, ou visando a fins de propaganda, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação”. Leia mais »

Erro urbanístico da Marginal

Do Estadão

Lentidão volta a crescer na Marginal

Abertura de pistas na Tietê atraiu muitos motoristas que antes usavam rotas alternativas; para especialista, 'alívio foi momentâneo'

Renato Machado - O Estado de S.Paulo

Após uma grande melhora com o início de operação das novas pistas, a Marginal do Tietê voltou, em maio, a registrar longos congestionamentos. Nas três primeiras semanas do mês, a média foi de 73,51 km de lentidão ao longo das 14 horas monitoradas pela Companhia de Engenharia de Tráfego. A piora foi de 41% em relação a abril, que teve média de 52,1 km. Procurada desde quinta, a CET preferiu não comentar o levantamento.

Os dados foram obtidos pela reportagem a partir da análise dos 476 boletins de trânsito divulgados de hora em hora pela CET no período. Foram analisadas todas as vezes em que os índices da Marginal do Tietê aparecem na parte "Principais Lentidões do Momento", quando são informadas as cinco vias mais problemáticas daquela hora e a extensão dos congestionamentos. A via aparece praticamente ao longo de todo o dia - a CET se recusou a divulgar os dados de todas as horas monitoradas.

O confronto dos dados aponta uma possível perda de praticamente todo o ganho em fluidez obtido com a inauguração das novas pistas. Há dez dias, a companhia informou que os dados de abril - analisadas todas as horas monitoradas - apontavam uma melhora de aproximadamente 40% apenas na Marginal do Tietê. Foi ressaltado que contribuiu para a queda nos congestionamentos a redução de 11,8% no volume de caminhões no pico da manhã e de 6,8%, à tarde. Leia mais »

O novo Plano Diretor de São Paulo

Do Estadão

Já saturados, Tatuapé, Santo Amaro e Lapa terão incentivo para novos prédios

Novo Plano Diretor que será apresentado hoje divide a cidade em cinco macroáreas e congela empreendimentos no centro expandido

Bruno Paes Manso e Diego Zanchetta - O Estado de S.Paulo

Consideradas saturadas em 2002, as regiões do Tatuapé, da Lapa e de Santo Amaro vão ganhar incentivos à verticalização. É o que apontam as diretrizes do projeto substitutivo ao Plano Diretor, em discussão há três anos na Câmara. As novas normas serão discutidas hoje entre os 55 vereadores, em reunião fechada.

Ao todo, o Legislativo incluiu 20 bairros entre os que precisam de estímulos para a ocupação de espaços vazios, todos dentro da macroárea de reestruturação e qualificação urbana. Essas novas diretrizes dividem a cidade em cinco macroáreas. Nesse modelo, regiões como Ipiranga, Penha, Santana e Vila Prudente também estão entre aquelas com boa infraestrutura viária e de transportes para receber mais moradores, conforme definido no substitutivo.

Como já preveem as operações urbanas lançadas recentemente pelo governo, o substitutivo ao projeto do prefeito Gilberto Kassab (DEM) ainda tenta induzir o crescimento da cidade ao longo da orla ferroviária, onde existem espaços vazios para a construção de novos prédios, e perto das futuras estações do Metrô e da CPTM. O crescimento dessas áreas ganhou 12 incentivos listados ontem pelo líder de governo, José Police Neto (PSDB), na última reunião da Comissão de Política Urbana destinada a discutir o texto final. Entre elas estão a reorganização do transporte coletivo desses bairros, a implementação do IPTU progressivo para forçar o uso residencial de terrenos ociosos e a outorga onerosa para as construtoras - recurso que possibilita ao construtor o pagamento de contrapartidas financeiras e de meio ambiente para erguer edificações acima do permitido pela lei de zoneamento. Leia mais »

A candidatura de Paulo Skaf

Do Valor

PSB lança Skaf em SP e soma nove candidaturas próprias nos Estados

Vandson Lima, de São Paulo
21/05/2010

"Vou concorrer de qualquer maneira e arco com as consequências". Foi com esta frase, dita há uma semana que Paulo Skaf, ex-presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Social da Indústria (Sesi-SP), convenceu seus correligionários no PSB e selou sua candidatura ao governo do Estado. Skaf segue para a disputa sem definições quanto ao vice de sua chapa e alianças com outros partidos.

O lançamento da pré-candidatura acontece hoje à tarde, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Estarão presentes, entre outros, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, presidente nacional do PSB e o deputado federal Márcio França, presidente estadual da sigla e principal articulador do ingresso de Skaf no partido. O deputado federal Ciro Gomes, licenciado, está nos Estados Unidos.

Antes de viajar, Ciro afirmou, em reunião do partido, que participaria da elaboração do programa de governo de Skaf, possibilidade com a qual Márcio França, que será o coordenador da campanha, ainda conta: "Ciro é um homem de grande visão política. Se ele se engajar de fato na construção do programa de governo, vai tomar a frente no projeto, o que será ótimo pra nós", afirma. Leia mais »

A propaganda oficial e a administração paulista

Da Folha

Verdades sobre os avanços de São Paulo

BRUNO CAETANO e FRANCISCO VIDAL LUNA

Esta gestão teve novos desafios de comunicação, como a lei antifumo e a Nota Fiscal Paulista, que envolvem uma mudança de hábitos

A ANÁLISE de orçamentos públicos deve ser feita com máxima cautela. Não pode ser apartada dos fatos externos às planilhas, ainda mais quando o objetivo é fazer um balanço de uma administração.

Na edição de 11/4, a Folha publicou reportagem ("No governo, tucano multiplicou receita, gastos e propaganda", Brasil) com o propósito de analisar a atual gestão do governo paulista, que termina em dezembro de 2010. Infelizmente, erros de interpretação e de informação comprometeram gravemente a matéria, que induz a conclusões equivocadas.

De saída, afirma que obras de infraestrutura foram prioridade "administrativa e publicitária" da gestão. Na verdade, em que pese o avanço de grandes obras, a principal prioridade foi o investimento social, com a implantação de dez novos hospitais, 28 Ambulatórios Médicos de Especialidade (AMEs), 60 escolas técnicas e 23 Fatecs (faculdades de tecnologia), mais que dobrando vagas no ensino profissionalizante, entre outras.

A matéria e os gráficos confundiam o leitor, ao colocar lado a lado o que se chama tecnicamente de "investimento" para áreas diferentes, levando à falsa conclusão de que gastou-se mais em obras rodoviárias, por exemplo, do que em educação e saúde. Leia mais »

O uso do twitter na política

Do Portal Luís Nassif

Do Blog de Ana Claudia Martins

O Twitter revolucionando o jeito de "fazer política"

Comemoramos o Dia Mundial da Internet anteontem e hoje fiquei feliz ao ler sobre a ideia "Adote um Vereador", por meio do twitter, segundo projeto elaborado por Milton Jung. Leia mais »

Os menores da Cracolândia

Por ademar prado jr

Nassif, olha o absurdo da retaliação que está sendo feita: Mariana Oliveira

Do G1

Psiquiatra afirma sofrer pressão para internar menores da Cracolândia

Médico que coordenou Caps do Centro de SP disse ter sido afastado. Secretaria não comenta; para MP, laudo médico precisa ser respeitado. Uma queda de braço entre a direção de uma unidade de tratamento psicossocial de menores no Centro de São Paulo e a Prefeitura resultou na saída do diretor do local, o psiquiatra Raul Gorayeb. Em entrevista ao G1, o médico afirma que sua equipe sofria pressão por parte da prefeitura para internar os menores usuários de drogas recolhidos na Cracolândia – região do Centro marcada pelo tráfico e consumo escancarado de drogas -, mesmo quando o laudo médico concluía que eles não precisavam de internação. A Secretaria Municipal de Saúde não quis comentar as afirmações. O médico coordenava os trabalhos do Centro de Atenção Psicossocial (Caps) Infantil da Sé. Ele afirma que seria irresponsabilidade internar sem critérios. "A gente tem responsabilidade. A gente ficou três meses avaliando crianças e nenhuma delas tinha indicação de internação. Eram pegos usando crack, fumando maconha, cheirando cola. Isso não é certo, mas não quer dizer que eu tenha o direito de trancá-la num hospital psiquiátrico." A legislação brasileira determina que a internação para os pacientes psiquiátricos precisa de laudo médico que comprove sua necessidade. Há três tipos de internação: a voluntária, com consentimento do paciente; a involuntária, no caso de menores de idade ou pacientes em crise; e a compulsória, quando a Justiça determina a internação. No caso de internação involuntária, o hospital deve comunicar o Ministério Público estadual em até 72 horas. Leia mais »

O caso CIAP

Por Stanley Burburinho

Do Paraná Online

CIAP é suspeito de desviar R$ 300 milhões em cinco anos

Redação

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (11), em Londrina, a Operação Parceria, visando desarticular esquema criminoso de desvio de recursos públicos por meio de uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público). A operação ocorre em conjunto com a Controladoria Geral da União, a Receita Federal e o Ministério Público Federal.

O Centro Integrado de Apoio Profissional (CIAP) é suspeito de desviar R$ 300 milhões nos últimos cinco anos em favor de pessoas e empresas do grupo que orbitam em torno de centenas de projetos de parceria firmados entre a OSCIP e entes públicos. Somente em Londrina, conforme a Controladoria Geral da União (CGU) que a auditou, de um total aproximado de R$ 34 milhões recebidos pela OSCIP, mais de R$ 10 milhões em alegadas despesas não restaram comprovadas. Leia mais »

São Paulo e o Bolsa Família

Por Alexandre Leite

Sem o Fora de pauta, posto aqui:

Por fora, bela viola; por dentro, pão bolorento: SP tem o pior acompanhamento sobre a saúde no Bolsa Família

Não são os demotucanos que dizem que o Bolsa-Família não acompanha contrapartidas sociais? Que o Bolsa-Família descaracterizou o que ‘tinha de bom no Bolsa-Escola’?

Será que falam em causa própria?

Do Estadão.com.br

SP tem pior monitoramento no Bolsa Família, diz governo

AE - Agência Estado

Um levantamento feito pelo Ministério do Desenvolvimento Social a pedido do jornal O Estado de S. Paulo mostra que em 18 cidades com mais de 500 mil habitantes o acompanhamento sobre as contrapartidas de saúde do Bolsa Família é feito em menos de 50% das famílias beneficiadas. A situação pior ocorre em São Paulo, a cidade mais rica do País: apenas 21,2% dos beneficiários responde pelas contrapartidas. Leia mais »