"Os partidos não nos representam!"

A que ponto chegamos? De onde viemos? E para onde queremos ir?

Entendendo a evolução da consciência política do brasileiro...


H0MO ECONOMICUS

Neste estágio primário, o H0mo Brasileirus está preocupado com necessidades básicas: casa, comida, roupa lavada, viagens ao exterior... Empenha-se no seu crescimento econômico a qualquer custo. O H0mo Economicus escamba suas liberdades individuais, de expressão, opinião, manifestação, participação... por confortos materias. É a hora de "fazer crescer o bolo para depois dividir". Afinal, para se ter um povo forte, é necessário antes uma nação forte. Ou pelo menos assim ele acredita.

H0MO SALVATORIUS

Quando o H0mo Economicus não mais tem liberdades para trocar por bens materiais, ele busca então reconquistá-las. Ele troca o autoritarismo pela democracia, reclamando o seu direito de participação. Mas, ao invés de participar, ele busca alguém no novo regime para colocar no lugar dos últimos tiranos. Alguém que possa lhe devolver aquilo que perdeu; alguém que o salve da sua condição. São os "salvadores da pátria". Ele se torna então o H0mo Salvatorius.

H0MO PARTIDARIUS

A ingenuidade do H0mo Salvatorius não dura muito; afinal, errar é dos H0mos... Os salvadores lhe decepcionarão. Abandonado pelos seus salvadores, ele se sente indignado. Indignado e só. Busca então alento na companhia dos seus pares, que se identificam um ao outro na sua condição desamparada. Encontram então força na sua união. São mais fortes juntos, sob uma mesma legenda, um mesmo partido. Nasce o H0mo partidarius. Sua identidade se alinha com idéias, não com pessoas. Sua consciência é ditada por sua ideologia, e quem não a tem está desacordado.

H0MO PROPOSTUS

Mas, a realidade é complexa. Com o vento e o tempo, as linhas ideológicas se emaranham. Uma vez no poder, os partidos entortam e contorcem suas linhas para amoldá-las ao terreno. A meada de partidos é tal que nem mesmo seus líderes sabem mais onde ficaram os seus fios. Suas bases, outrora ideológicas, corroem-se, corrompem-se e apodrecem. Tomam o seu lugar pilastras de apropriação por empresas e associações de classe. Novamente o H0mo Brasileirus se vê sem chão; seus alicerces ideológicos retalhados e rifados na feira de interesses econômicos. Ele se indigna, se revolta, e vai às ruas tomar de volta o que é seu. Lá encontra outros, muitos outros como ele mesmo. Porém, ainda que lutando pela mesma causa, não se partidarizam. "Os partidos não os representam".

Uns querem a volta. Querem voltar ao estado primordial como quem retorna àquela vida simples em harmonia com a natureza. Uma vida livre de preocupações com jogos políticos e eleições obrigatórias. Só querem poder levar sustento e conforto às suas famílias. E em paz. São H0mo Economicus. Talvez nunca tenham deixado aquele tempo, em que a paz reinava somente no intervalo entre um tiranossauro de farda e outro. Outros não vão tão longe; só querem alguém que os salve do lamaçal de corrupção que os submerge. Estes são H0mo Salvatorius. Porém, já aprenderam; nos partidos não dá  para confiar. Buscam alguém de fora do ‘sistema’, um cavaleiro negro.

Ambos, contudo, são minoria; a seleção natural pouco a pouco os extingue. Só sobrevivem aqueles que têm olhar mais agudo, dão passos mais medidos. Estes não pegam carona na cartilha dos outros. Andam em bando, mas sabem a hora de tomarem seu rumo. Não assinam nada em branco; avaliam tudo no detalhe, proposta a proposta. É o H0mo Propostus. Ergue-se ereto; tem postura e não se apoia em nada e ninguém. Ele é pragmático; linhas ideológicas já não lhe orientam mais. As desilusões do passado deixaram marcas na sua péle; o amadureceu. Não busca pertencer a este ou aquele partido. Pelo contrário, nem anseia pertencer; ele é livre.