Autor: 

100 maiores cidades lançam no meio ambiente o equivalente a 3.200 piscinas olímpicas de esgoto por dia

Estudo revela que o nível de mortalidade infantil (de 1 a 4 anos) entre os 10 municípios com a pior colocação em ranking que considera as 100 maiores cidades do país é de 2,63 entre 1 mil nascidos, portanto 61% maior do que o nível de mortalidade registrado entre as 20 cidades com melhores condições no senamento. O dado foi apresentado nesta quinta-feira (16) durante a divulgação do novo Ranking do Saneamento produzido pelo Instituto Trata Brasil (ITB) em parceria com a consultoria especializada em saneamento GO Associados.

O trabalho, divulgando anualmente desde 2007, está baseado nos indicadores do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Básico (SNIS), do Ministério das Cidades, com atualização mais recente do ano de 2010, quando a população total estimada pelo IBGE era de 191 milhões de pessoas, das quais 77 milhões (40%) viviam nas 100 cidades analisadas pelo levantamento. Para acessar o relatório de 2012 completo, clique aqui.

O presidente do ITB, Édison Carlos  apontou que os investimentos necessários para universalizar os serviços de saneamento até 2030, devem atingir 0,63% do PIB ao ano, entretanto, hoje os investimos atingem 0,23% do PIB.

Santos (SP), Maringá (PR), Franca (SP), Uberlândia (MG) e Jundiaí (SP), são, nessa ordem, as cinco cidades com a melhor colocação no ranking. As cinco piores colocadas são, em ordem crescente, Santarém (PA), Ananindeua (PA), Jaboatão dos Guararapes (PE), Porto Velho (RO) e Macapá (AP). Os municípios foram posicionados no ranking conforme a soma total de notas que receberam em oito indicadores.

Do volume de esgoto gerado entre os municípios do ranking, em função da água consumida pela população, apenas 36,28% foram tratados (semelhante à média nacional de 37,9%). Ou seja, as 100 maiores cidades do país lançam por dia no meio ambiente o equivalente a 3.200 piscinas olímpicas de esgoto, ou quase 8 bilhões de litros sem tratamento algum.

Seis cidades se destacaram com tratamento de esgoto superior a 81% da água distribuída:  Sorocaba (SP), Niterói (RJ), São José do Rio Preto (SP), Jundiaí (SP), Curitiba (PR) e Maringá (PR). Em contraposição, 40 cidades tratavam, em 2010, 20% ou menos do esgoto gerado.

Pouco mais de 59% das cidades analisadas realizaram coleta de esgoto, média também superior a nacional, de 46,2%. Já 32 municípios atendiam menos de 40% da população com esse serviço. Apenas as cidades de Belo Horizonte (MG), Santos (SP), Jundiaí (SP), Piracicaba (SP) e Franca (SP) informaram ter 100% de coleta.

Água tratada

O índice de atendimento à água tratada entre as 100 cidades foi de 90,94% (maior que a média nacional de 81,1%). 20 cidades cobriram 100% da população, e 11 apresentaram atendimento inferior a 80% dos munícipes. O ranking também analisou as perdas médias de água que foi de 40,46%, contra a média da média nacional de 36%.

“Percebemos que o esforço na redução de perdas sintetiza o melhor desempenho de gestão”, comentou Gesner Oliveira, da GO Associados, completando que ouve melhora de 6%, no total de água tratada, em relação ao último levantamento, divulgado em 2011.

A média de investimentos em relação à receita municipal em obras para a universalização de saneamento entre os municípios do ranking foi de 28%. A maior parte, 60, não investiu nem 20% para ampliar os serviços em 2010 e apenas 8 investiram acima de 80% na ampliação e melhoria do sistema de água e esgoto, dentre eles estão Ribeirão das Neves (MG), Recife (PE), Teresina (PI), Praia Grande (SP) e Vitória (ES).

Édison Carlos destacou, com base em  dados do Ministério das Cidades, que o esforço de investimentos necessários para que o país alcance a universalização dos serviços de coleta e tratamento de esgoto, até 2030, é de R$ 250 bilhões, na melhor das hipoteses, porque o valor pode chegar a R$ 270 bilhões.

Colocação no Ranking de Saneamento das cidades que irão sediar jogos da copa do mundo em 2014:

Brasília (11º);
Curitiba (12º);
Belo Horizonte (16º);
São Paulo (18º);
Salvador (32º);
Rio de Janeiro (37º);
Fortaleza (41º);
Porto Alegre (49º);
Recife (68º);
Natal (78º);
Manaus (82º);
Cuiabá (84º).

Nenhum voto

Postar novo Comentário

CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
CAPTCHA de imagem
Digite os caracteres exibidos na imagem acima.