Gestão Serra desativou prevenção de incêndios em favelas

Da Rede Brasil Atual

Serra desativou programa de prevenção de incêndios em favelas em São Paulo

Gilberto Kassab teve a chance de reativar o projeto, de baixo custo e testado na gestão de Marta Suplicy, mas preferiu editar um decreto para um programa que não recebeu recursos até hoje

Por Sarah Fernandes

São Paulo – Um projeto implantado durante a gestão da Marta Suplicy (PT) na cidade de São Paulo conseguiu, nos seus dois anos de atividade, controlar todos os focos de fogo em favelas antes que se tornassem grandes incêndios. A ideia se mostrou tão eficiente como simples: equipar algumas casas com extintores e treinar moradores para acabar com as chamas antes que se propagassem para moradias vizinhas. Apesar do custo reduzido e do sucesso nas ações, ele foi extinto por José Serra (PSDB) em 2005, quando assumiu a prefeitura. Sucessor do tucano, Gilberto Kassab (PSD) teve a chance de reativar o trabalho depois que um projeto de lei foi aprovado pela Câmara Municipal em 2009, mas não tocou a ideia adiante.“O problema dos incêndios em favelas já foi solucionado. É só a prefeitura querer continuar o que já deu certo”, afirma o técnico do laboratório de segurança ao fogo do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), Jose Carlos Tomina, que foi responsável pela metodologia do chamado Programa de Segurança Contra Incêndio, implantado em parceira com a prefeitura e com empresas de equipamentos de proteção contra fogo.

O projeto foi implantado nas favelas Vila Dalva, na zona oeste, Maria Cursi, na zona leste, Jardim Jaqueline, na zona oeste, Cabuçu, na zona norte, Viela da Paz, na zona sul e o Cortiço da Rua Sólon, no centro. Em cada uma, 50 moradores foram treinados para atuarem como brigadistas e cada um deles recebeu dois extintores de incêndio polivalentes, capazes de apagar fogo de qualquer natureza. 

“Os bombeiros são muito importantes, mas quando eles chegam o fogo já destruiu muito. Os brigadistas impedem que o fogo se espalhe por já estarem na comunidade e agirem rapidamente”, conta Tomina. Segundo ele, os brigadistas apagaram mais de 100 incêndios e conseguiram controlar todas as ocorrências antes que tomassem grandes proporções. “É muito barato. Precisamos apenas do equipamento de segurança para os brigadistas e dos extintores. Isso é muito menos frente os gastos que se tem para atender os desabrigados de grandes incêndios”.

Nos últimos cinco anos, o Corpo de Bombeiros contabiliza 530 incêndios em favelas, e boa parte das ocorrências registradas este ano ainda não entrou no cálculo. O tema chamou tanto a atenção que a Câmara Municipal abriu uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para apurar a possibilidade de se tratar de uma atuação criminosa. Dominada pela base do prefeito Gilberto Kassab (PSD), porém, a CPI não realizou qualquer investigação até agora. Após mais quatro incêndios em duas semanas, o colegiado finalmente nomeou vice-presidente e relator, e montou um calendário de reuniões. 

“Mesmo assim, a nova gestão [do ex-prefeito de São Paulo, José Serra] não tocou o projeto, sem dar justificativa. Já tínhamos tudo pronto, inclusive profissionais treinados, era só continuar”, conta. A Rede Brasil Atual procurou a prefeitura para questionar por que o programa foi interrompido e não obteve resposta. O coordenador-geral da Defesa Civil, coronel Jair Paca de Lima, que assumiu o cargo em 2005, primeiro ano do mandato do tucano, afirmou que não tem conhecimento sobre o programa anterior.

Retomada

Em 2009, o vereador Celso Janete (PTB) apresentou um projeto de lei para a implantação de um novo programa de prevenção a incêndios em favelas, que foi aprovado em plenário. Quase um ano depois, o prefeito Gilberto Kassab, então do Democratas, firmou um decreto que criou o Programa de Prevenção Incêndios em Assentamentos Precários (Previn).

“Quando fiquei sabendo que seria lançado um programa nos moldes do anterior procurei a coordenadoria das subprefeituras e me dispus a ajudá-los a montar o projeto, com o know-how que eu já possuía. Nunca recebi um retorno”, conta Tomina. 

Semelhante à ação da gestão Marta, o programa, implantado em 2010, prevê nomeação de um zelador comunitário, instalação de hidrantes e retirada de “gatos” de energia. A Rede Brasil Atual solicitou informações sobre o andamento do programa a Secretaria das Subprefeituras, responsável pela ação, mas não obteve resposta. No Orçamento de 2011, o projeto chegou a receber dotação orçamentária de R$ 1 milhão, mas, segundo as planilhas disponíveis, nada foi efetivamente investido. Neste ano, novamente o montante executado foi nulo. 

Nenhum voto
30 comentários
imagem de Marcos Antônio
Marcos Antônio

O fogo para os especuladores imobiliários têm a vantagem que no fim quem paga é o estado!

 
 
imagem de fabio pada
fabio pada

Quando o li o texto, pensei que o projeto pretendia dar  ao morador de favela uma moradia digna,livre de riscos de incêndios e  doenças sanitárias.  Mas o projeto é baseado num extintor de incendio que permite ao morador passar o resto da vida em   péssimas condições sanitárias sem se queimar...

É escolher entre o risco de morrer queimado ou  morrer de leptospirose...

 

PT e o PSDB é o avesso do avesso da mesma camisa...

 
 
imagem de jura
jura

Só desativou ou trocou os extintores por lança-chamas...?

 
 
imagem de Edú Pessoa
Edú Pessoa

O incêndio em favelas na cidade e no Estado de São Paulo mostram uma opção política clara e inequívoca: a de que é mais fácil eliminar as pessoas pobres e negras queimando-as dentro de suas peles do que inserindo-as de forma digna no mercado de trabalho, na indústria cultural e no governo.

 

 
 
imagem de Sergio Lamarca
Sergio Lamarca

Como postei anteriormente, a plumagem tucana está manchada de sangue a troco de rancor contra pobre.

 
 
imagem de Alan Souza
Alan Souza

530 incêndios em favelas em Sampa. Pra não dizer que estou sendo injusto e acusando os governos municipal/estadual de compactuar com uma política nazista de limpeza étnica-social, proponho um contraponto: alguém aqui podia levantar a mesma estatística no Rio de Janeiro?

Só pra constar: em 2007 São Paulo tinha 1538 favelas, segundo a própria Prefeitura da cidade. 1/3 delas foram incendiadas. Impossível que o paulistano continue achando isso normal!

 

De poste em poste o Brasil vai se iluminando...

 
imagem de Sanzio
Sanzio

Hoje foi mais uma:

03/09/201215h22 > Atualizada 03/09/201220h17

Incêndio em favela de São Paulo deixa 285 famílias desabrigadas; fogo é controlado


  • Fogo destrói os barracos da favela do Buraco Quente, na zona sul de São Paulo

Um incêndio de grandes proporções atingiu na tarde desta segunda-feira (3) a favela do Buraco Quente, na zona sul de São Paulo, deixando 285 famílias desabrigadas - o equivalente a cerca de 1.140 pessoas, segundo informações da Defesa Civil. As casas localizadas numa área de 4.500 metros quadrados foram destruídas pelas chamas. A comunidade atingida fica no bairro do Campo Belo, no cruzamento das ruas Cristóvão Pereira e Xavier Gouveia.

Durante o incêndio, três pessoas foram socorridas pelo Corpo de Bombeiros. Um homem que fraturou a perna em uma queda, um adolescente com queimaduras leves e uma gestante em estado emocional abalado foram levados para prontos-socorros da região. Segundo os bombeiros, a Polícia Militar e o Samu (serviço de ambulâncias) também socorreram algumas pessoas, mas não foi divulgado o número de vítimas que atenderam. Para conter as chamas, o Corpo de Bombeiros enviou 30 carros ao local, conseguindo controlar o incêndio. 


 

 

A CET (Companhia de Engenharia e Tráfego) bloqueou a rua Cristóvão Pereira em ambos os sentidos. A avenida Jornalista Roberto Marinho, sentido marginal Pinheiros, e um acesso da avenida Washington Luis para a Roberto Marinho também foram bloqueados para o trabalho dos Bombeiros. O helicóptero Águia, da Polícia Militar, auxiliou no atendimento no local. 

“Vi uma fumaça e as pessoas saindo correndo, pegando o que podiam carregar. Era muito forte o fogo, não dava tempo pra salvar quase nada”, conta Juliana Romão, coordenadora do Sarau da Ademar, que trabalha em escritório ao lado da favela do Buraco Quente. Segundo Romão, idosos, crianças e bebês de colo tiveram a ajuda de moradores para fugir do fogo. 

Outras pessoas que estavam no local na hora do incêndio dizem que muitos moradores foram afetados e perderam seus pertences. “Ninguém sabe como começou. Teve gente que perdeu tudo que tinha", diz Vera Lúcia, professora da escola municipal Chiquinha Rodrigues, localizada próxima à favela. "Queria saber por que a defesa civil não usou a escola mais próxima para acomodar as pessoas [afetadas pelo incêndio]. Foram levados para uma igreja, estão sendo cuidados pelo padre, por quem trabalha lá", completa a professora.  

A favela localiza-se a cerca de três quilômetros do Aeroporto de Congonhas que, segundo a Infraero, não sofreu consequências de operação em função da fumaça. O aeroporto operou normalmente durante todo o dia. 

A Polícia Militar, a Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros atuaram em conjunto na ocorrência. Segundo a Defesa Civil de São Paulo, o atendimento às famílias atingidas é feito pela Secretaria Municipal de Assistência Social e pela Subprefeitura de Santo Amaro. 

Segundo os bombeiros, 32 incêndios em favelas de São Paulo foram registrados em 2012. No ano passado foram 79 incêndios. Em 2008, 130 incêndios foram registrados; em 2009, 122 incêndios; e em 2010, 91 registros. 

Só nos últimos 20 dias, outros quatro incêndios atingiram favelas em São Paulo. Segundo o Corpo de Bombeiros, entre 2007 e 2011 ocorreram 262 incêndios em favelas da cidade de São Paulo. Na maior parte dos casos, não foi possível determinar a origem do fogo porque os inquéritos policiais não são conclusivos. Os dados fazem parte das informações recebidas pela CPI dos Incêndios em Favelas.

 
 
imagem de Spok da Silva
Spok da Silva

Ao chegar em casa, para o almoço, e uma outra favela em São Paulo ardia em chamas.  E essa turma ainda tem cara de pedir votos. Pior: como é que o governo Alckmin se diz bem avaliado? Quem avalia? Como? Com base em que dados?

 
 
imagem de Flávio Furtado de Farias
Flávio Furtado de Farias

http://partidodaimprensagolpista.wordpress.com/2012/09/03/serra-e-os-incendios-em-favelas-de-sao-paulo/ 

 

 

Flávio Furtado de Farias

 
imagem de Helder
Helder

Essa atitude deveria ser alvo de investigação e punição.

 

Não demora e São Paulo vai mudar de nome, com tantos incendios vai se chamar Roma. O Nero todos já sabemos quem é.

 
 
imagem de Flávio Furtado de Farias
Flávio Furtado de Farias

Pois é, e teve (e está tendo) uma investigação - A CPI das favelas incendiadas.....

DETALHE: O detalhe é que nunca conseguiu quorun pra uma reunião sequer.... está acabando e não tinha até esta semana, nem relator nem vice-presidente....

SEM PRESSÃO NÃO VAI....

 

Flávio Furtado de Farias

 
imagem de J.Meirelhes
J.Meirelhes

Aqui no Rio, no governo Carlos Lacerda, o programa foi mais direto, era o "Fogo nas Favelas", para estimular a remoção das mesmas. Mas era só na Zona Sul. Havia também o programa da Sandra Cavalcanti para dar o "banho final" nos mendigos, que eram afogado no Rio Guandu.

Quem sabe a dupla Serra / Kassab não tenha se inspirado na dupla aqui do Rio?

 
 
imagem de Gunter Zibell - SP
Gunter Zibell - SP

Vi esta notícia trazida em outro post por um colega - Gustavo Cherubine - e achei importante repercutir por alguns motivos. Em se confirmando a matéria se explica algo que intrigou muitas vezes, por que os incêndios em favelas de S.P. são tão mais frequentes que em outras metrópoles. Não são, parece, exatamente mais frequentes, ocorrem espontaneamente por várias precariedades, em SP 100 por ano. Há menor prevenção do que se deveria e isso estava subnoticiado, levando alguns a crer até em teorias de conspiração. Se, de fato, o projeto de Marta Suplicy era inteligente e econômico, houve um apagão de informação depois (nem Stanley Burburinho conhecia esse "Previn") omitindo-se tanto uma ação positiva de um programa do PT como uma ação mesquinha de um governo antagônico. Isso deveria ter sido tão investigado como a suspensão de investimentos em desassoreamento de rios. E esta nota não é uma atividade partidária: governos de qualquer matiz também podem ser omissos, isto é, saberem/poderem fazer algo de baixo custo e não executarem por interesse politico. Combate à homofobia, por exemplo.

 

"Eu abri uma frestinha na porta do armário. Dei uma escapadinha para fora. Eu entro no armário de novo e tranco a porta. Boto cadeado. Juro." http://www.facebook.com/FelixBichaMa

 
imagem de ed.
ed.

Alguns aqui mencionam que a míRdia noticia fatos negativos de "qualquer" governo, como os destes tucanos e assemelhados de SP e de SP.

Um exemplo é o destes incêndios, noticiados frequente, mas discretamente.

O que alguns ingênuos (ou de má fé) não percebem é que uma coisa é noticiar, outra é transformar a notícia em combustível (literalmente no caso) de campanha... lenha na fogueira.

É cristalinamente evidente, estatísticamente, que os incêndios que ocorrem em SP estão anos-luz fora de qualquer curva! Em relação ao país inteiro, com mais miséria ainda!.

Por que não há aí "jornalismo investigativo"? Razões? Origens? Causas? Suspeitos? Pré-culpados? Campanhas de esclarecimento e punição? Barulho? ESCÂNDALO?...

Por que? Por que? Por que? ...

Apenas notícias assépticas...

"Cumprem seu papel"...

Que aliás, pode ser usado para incendiar o que querem...

 
 
imagem de AlvaroTadeu
AlvaroTadeu

Sandra Cavalcanti, Secretária do Serviço Social do extinto estado da Guanabara, na gestão Carlos Lacerda, golpista de 1964 e traído pelos militares (foi cassado e teve os direitos políticos suspensos por 10 anos), essa mulher ficou famosa por ser acusada de jogar mendigos da cidade do Rio de Janeiro no Rio da Guarda. Naquela época, a Lagoa Rodrigo de Freitas era rodeada por palafitas e um dos lugares mais miseráveis da cidade. Após vários incêndios em favelas, as palafitas, embora ficassem sobre a água, pegaram fogo (diziam que era a mando da Sandra). O serviço de limpeza destruiu o que sobrou dos barracos e hoje os apartamentos em torno da Lagoa passeiam na cifra dos milhões de reais.

 
 
imagem de Jurandir Paulo
Jurandir Paulo

Já que a justiça brasileira agora não precisa de provas, valem as evidências, a CPI criada sobre os incêndios nas favelas de SP deveria começar pelos números: segundo o IBGE, dados do último censo, existem no Brasil 6.329 favelas. No estado de SP são 2.087. Vamos agora cruzar os dados de quantos incêndios em favelas aconteceram no Brasil por estados e cidades. Pesquisando no Google as notícias, a capital de São Paulo vence disparada. 

 
 
imagem de nirso
nirso

Hey!!!! Mas neste caso com certeza o judiciário irá penalizar na forma da Lei Serra e Kassab. Crime de responsabilidade, omissão etc e tal. Aposto que o Barbosa e o Aurélio já estão com "suas honras" nas mãos. Parabéns aos grandes juristas brasileiros; valha nossa tradição jurídica...desde Rui.

 
 
imagem de Geraldo Costa
Geraldo Costa

Simples. O kassab (minusculo mesmo!) vem do ramo imobiliário. Áreas de pobre são baratas, basta apenas dar um jeitinho de reitrá-los de lá compra o terreno baratinho e montar mega-empreendimentos.  mercado imobiliário financiou kassab e serra a contra-partida tinha que vir de algum modo não acham?

Taí um bom material para Haddad e sua campanha explorarem e botarem o nosferato mais ainda nas cordas!

Segundo turno! Haddad e Russomano. Serra ao degredo político para nunca mais voltar...só na CPI para Privataria...!

 
 
imagem de Daytona
Daytona

Acho que tá explicaod os constantes incêndios ocorridos nas gestões Serra-Kassab, dos quais a canalha Soninha fazia piada no twitter.

 
 
imagem de Leo PP
Leo PP

Este é o tipo de legado do Serra que a gente espera que se encerre em menos de 6 meses.

 
 
imagem de Maria Luisa
Maria Luisa

 Tem certas responsabilidades publicas que deveriam ser considerados crimes.

 
 
imagem de Kid Prado
Kid Prado

E quem disse que os tucanos querem extinguir os incêndios na favela???

O problema que preocupa os tucanos é própria exitnção do PSDB que, se prenuncia, acontecerá antes do mono-carvoeiro, do mico-leão-dourado e do urso-panda.

 

Kid Prado

 
imagem de jura
jura

"A ideia se mostrou tão eficiente como simples: equipar algumas casas com extintores e treinar moradores para acabar com as chamas antes que se propagassem para moradias vizinhas. Apesar do custo reduzido e do sucesso nas ações, ele foi extinto por José Serra (PSDB) em 2005, quando assumiu a prefeitura."

Quer dizer que Serra "extinguiu os extintores" e instalou lança-chamas no lugar deles...?

 
 
imagem de junioryoung
junioryoung

Gostaria de lembrar ao nobre cidadão que extintores de incêndio têm prazo de validade...

 
 
imagem de Paulo F.
Paulo F.

Fogo é mais eficiente que reintegração de posse!

 
 
imagem de j.pessoa
j.pessoa

Aqui na z.s.tem um candidato a vereador que faz o maior terrorismo nas favela,ele espalha boatos que o local vai ser retomado...em seguida ao boato sempre aperece um cupicha dele para resolver a questão...este candidato sempre e o mais votado na zs...Pobre deste povo ate quando vai ser lezado.

 

j.pessoa

 
imagem de Donizeti - SP
Donizeti - SP

A gestão higienista e anti-social do Serra/Kassab acabou com o programa simples de combate a incêndio nas favelas do governo da Prefeita Marta e agora são incêndios em sequencia.

A pergunta que não quer calar: por que tantos incêndios em favelas paulistanas ?

Alguém pode fazer um levantamento de quantos incêndios ocorreram nas favelas da cidade na gestão Serra/Kassaab desde Janeiro de 2005, posse do tucano ?

Outra favela na Zona Sul da cidade de São Paulo acaba de pegar fogo (!!!), é de grandes proporções segundo o site G1.

É o 5º incêndio em favelas na capital em apenas 20 dias, tem que se fazer alguma coisa em relação a esta preocupante situação, essas pessoas humildes que moram na favela por não ter outra alternativa perdem todos os seus bens nessas tragédias.

Segue a notícia do G1.

Incêndio atinge favela na zona sul de SP

Texto atualizado às 15h44. SÃO PAULO - Um incêndio de grandes proporções atinge uma favela localizada na Rua... 

Incêndio atinge favela na zona sul de SP

"Pelo menos oito viaturas dos bombeiros foram ao local"

Texto atualizado às 15h44.

SÃO PAULO - Um incêndio de grandes proporções atinge uma favela localizada na Rua Cristóvão Pereira, na região de Campo Belo, zona sul da capital paulista. A princípio, oito ambulâncias do Corpo de Bombeiros foram enviadas para combater às chamas, mas em função da dimensão do fogo, foi necessário reforço e 17 viaturas atuam no combate ao incêndio. Nenhuma vítima foi encontrada até as 15h desta segunda-feira, 3.

Às 14h44 o helicóptero águia, da Polícia Militar, foi acionado para auxiliar no atendimento. A favela localiza-se a cerca de três quilômetros do Aeroporto de Congonhas. Apesar disso, a Infraero disse que nenhum pouso ou decolagem sofreu consequências de operação em função da fumaça. O aeroporto opera de forma visual desde a sua abertura, às 6h desta segunda.

Trânsito. O cruzamento entre as ruas Cristóvão Pereira e Xavier Golveia está totalmente bloqueado para o tráfego de veículos, informa a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Há reflexos do incêndio também na Avenida Jornalista Roberto Marinho, com uma faixa da direita ocupada por viaturas do Corpo de Bombeiros no sentido Marginal do Pinheiros.

A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras informou que ainda não tem detalhes sobre a favela atingida. Segundo a pasta, uma equipe foi enviada ao local. A Polícia Militar acompanha a ocorrência e o caso deve ser registrado no 5º Distrito Policial.

Outros incêndios. Este é o quinto incêndio em favelas da capital em 20 dias. Outro incêndio foi também registrado, por volta das 14h30 desta segunda, pelo Corpo de Bombeiros na altura do número 456, na Vila Mariana. Segundo os bombeiros, as chamas destruíram parte de uma edificação comercial. Três viaturas foram enviadas para o local. Nenhuma pessoa ficou ferida.

 

 
 
imagem de Miguelito
Miguelito

Um relato que pode ajudar a investigar causas dos incêndios em Favelas em SP!

Certo dia aqui em SP. Deparei-me com algo inusitado! Que poderia servir de base para investigar as causas dos incêndios nas Favelas paulistas.

Neste dia de trabalho estava eu em um terreno (grande murado) rodeado de Favelas, com boa localização, mas sem ocupações ou invasões urbanas.

Perguntei ao funcionário da empresa dona do terreno como eles mantinham o local sem ocupações ou invasões e obtive uma resposta surpreendente!

Temos uma pessoa infiltrada na comunidade (Favela) que mora e reside no local pago por nós e ainda pagamos um salário para ela.

Com isso ela nos passa todas as informações sobre a atuação e movimentos da comunidade. Sempre que precisamos, ela nos informa.

A polícia é quem nos auxilia para ter esta pessoa por lá, é sempre alguém da policia que manda na área. Os contatos são deles.

Fico aqui pensando, como é que as empresas mantêm seus terrenos vazios em plena SP. Este fato é real e comprovado.

As empresas imobiliárias poderiam muito bem colocar uma pessoa na favela e parecendo que foi acidente colocar fogo. O final, todos nós conhecemos.

 

 
 
imagem de Alan Souza
Alan Souza

À primeira vista eu diria que seu comentário é improvável, meio "teoria da conspiração". Mas na São Paulo dos demo-tucanos ele é perfeitamente possível!

 

De poste em poste o Brasil vai se iluminando...

 
imagem de Adamastor
Adamastor

Perfeito! 

 
 

Postar novo Comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
CAPTCHA de imagem
Digite os caracteres exibidos na imagem acima.

Faça seu login e aproveite as funções multímidia!