Re: Cortiços: o mercado habitacional de exploração da pobreza

imagem de Fuhgeddaboudit™
Fuhgeddaboudit™

Eu acrescentaria que houve coisas mais graves. Inicialmente, atendeu-se, com especial preferência, a centenas de milhares de investidores, que, agora, pagam, por ex. R$ 1.200,00 de prestações decrescentes, em 30 anos e alugam os imóveis por R$ 1.600,00. Os imóveis adquiridos por estes profissionais "com grandes famílias", são aqueles que já no primeiro dia do lançamento, aparecem como "reserva técnica".  E, estas são as mãos onde grande parte do povo terá que beijar para poder morar.  E, no 1º Contrato, não há como se aplicar o IGPM. O preço é, sempre, à vontade do investidor. Idem está acontecendo com os imóveis antigos, contaminados pela especulação facilitada às vésperas da reeleição de LULA. O segundo ponto, por demais vergonhoso para o governo, foi o achatamento dos salários, através da utilização de índices que medem a inflação e corrigem salários, que EXPURGAM descaradamente os aumentos dos Novos Contratos de Aluguéis  (150% de aumento em três anos) que já atigem 40% das unidades alugadas, isto sem falar no expurgo do  aumento, induzido, nos preços dos imóveis novos que contaminaram os antigos (casa própria é supérfluo ???). 

 

Ou eu encontro um caminho ou eu o faço! Philip Sidney.