O plano de banda larga dos EUA

Por foo

Como está andando o Plano Nacional de Banda Larga brasileiro?

De O Globo

EUA devem apresentar nesta semana seu Plano Nacional de Banda Larga

WASHINGTON - Autoridades reguladoras dos EUA vão apresentar uma nova política nacional de internet nesta semana com o objetivo de revolucionar a forma como os americanos se comunicam, propondo um grande aumento na velocidade da banda larga que permitirá o download de filmes de alta-definição em segundos e não mais em horas.

O Plano Nacional de Banda Larga do Federal Communications Commission (FCC, a Anatel deles) pretende aumentar a velocidade da internet no país em até 25 vezes a média atual. O projeto não tomará partido de tecnologias ou aplicativos específicos. A ideia é que a banda larga ultra rápida incentive a inovação e a geração de empregos.

O FCC também quer que grandes instituições como prédios governamentais, escolas, bibiliotecas e hospitais tenham velocidades de 1 gigabit por segundo em 2020.

Responsáveis pela agência reguladora farão uma série de recomendações ao Congresso para garantir que a indústria da comunicação se mantenha atual e ofereça serviços online mais rápidos aos americanos, que cada vez mais utilizam a internet para conversar, pagar contas, acessar serviços médicos, planejar viagens, consumir músicas e filmes e muito mais.

- Esse é um evento único - disse Paul Gallant, analista da Concept Capital - O FCC nunca desenhou um marco regulatório como esse. A banda larga é importante e difícil, pois ameaça todos os setores estabelecidos de comunicação.

Alguns detalhes do plano vem sendo revelados nas últimas semanas. Entre eles, a forma como os EUA encontrarão espectro para a antecipada explosão no uso de aparelhos móveis com capacidade de tocar músicas, filmes e acessar a internet.

Algumas operadoras, como a AT&T e a Qwest, se irritaram quando o diretor da agência, Julius Genachowski, anunciou que o FCC iria propor que 100 milhões de lares americanos tivessem uma velocidade de acesso de 100 Mbps em 10 anos. A média atual está abaixo de 4 Mbps. Num sinal de tensão, a Qwest chamou a proposta de um "sonho" e e AT&T reagiu afirmando que a agência deveria resistir a "formas extremas de regulação".

Desde o início das discussões, a Cisco já anunciou um roteador que consegue lidar com velocidades até 12 vezes maiores que a de produtos rivais. O Google também entrou na onda e planeja montar uma rede super rápida em uma cidade pequena nos EUA. O FCC elogiou as duas iniciativas.

Mas o plano também gera tensões com canais de televisão, que deverão ceder parte do espectro utilizado na transmissão de seus sinais para operadoras sem-fio que precisam de mais espaço para aparelhos móveis, como iPhone e Blackberry. A proposta do FCC é que os lucros de leilões de reestruturação e redistribuição do espectro sejam compartilhados.

- Desenvolvemos um plano em que todos saem ganhando - disse Genachowski - Já ouvimos de vários canais que essa é uma iniciativa promissora.

O plano completo será apresentado nesta terça-feira e alguns pontos devem exigir aprovação do Congresso. Segundo a instituição, o documento deverá inspirar formas de garantir que na próxima década os 93 milhões de americans sem banda larga estejam conectados. O governo Obama vê na iniciativa a possibilidade de criação de empregos e uso mais eficiente de energia.

Nenhum voto
9 comentários
imagem de macedo
macedo

O plano de Banda Larga do Brasil ficou a desejar quanto ao incentivo a fabricantes nacionais de equipamentos de telecomunicações.

Na pág. 160 menciona de forma muito genérica a intenção de "criar as condições para consolidação de um grande fornecedor de equipamentos de rede, a partir do capital tecnológico existente no país", mas não entra em detalhes. Este é um fator importante para ampliar a difusão de Banda Larga já que poderia trazer, potencialmente, redução de custos dos equipamentos. Poderia ser utilizada a experiência adquirida do desenvolvimento das centrais Trópico na década de 80, e avaliar a viabilidade de política semelhante quanto ao desenvolvimento e fabricação local dos equipamentos das redes de dados. Não se trata de tentar concorrer com fabricantes como a CISCO e outros, mas o de identificar possíveis nichos de mercado de equipamentos em que empresas de desenvolvimento local poderiam atuar

Este estudo antigo do BNDES, de 2003, apresenta um histórico do setor de telecomunicações no Brasil. Inclui parte voltada à indústria de equipamentos de telecomunicações.

“O Setor de Telecomunicações”, BNDES, 2003.Disponível em: http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias...

 
 
imagem de Reinaldo
Reinaldo

Pelo amor de Deus! Aqui em MInas Gerais , o Aécio inaugurou o centro administrativo, gastou quase 2 bilhões, concentrou o tráfego em uma região, se acha futurista, e vc vem falar que as pessoas vão trabalhar em home-offices.

 
 
imagem de Edson
Edson

porque as empresas iriam popularizar internet rápida a preços baixos, como em outros países, se eles colocam internet somente em bairros ricos, cobrando caro pelo serviço, mas ganhando bastante sem precisar investir em infraestruturas caras, o que seria necessário para popularizar mais a internet?

E quanto pior, mais cara é a internet no Brasil. Algum economista explica essa inversão das leis do tal ¨mercado¨?

 
 
imagem de Aldo Cardoso
Aldo Cardoso

Nassif,

Este nosso Blog deveria ter uma forma de manifestar-se formalmente, via web, junto às instâncias afim, mediante texto objetivo e sucinto produzido pela comunidade, em temas relevantes onde a participação popular seja imprescindível como é o caso da Banda Larga.

A nossa discussão passaria a ser mais produtiva, mais conseqüente porque de resultado.

Então, o que esse plano de banda larga dos EUA teria de diferencial que importaria à uma comissão do Blog, que entende do ramo, propor e, após as devidas contribuições, encaminhar em nome desta comunidade à instância brasileira que está tratando do assunto?

 
 
imagem de Luiz Lima
Luiz Lima

Sabe o que acho mais estranho? É que nos EUA acesso à Web é tratado como serviço público. No Brasil, ainda não conseguimos sequer superar a ideia de que o acesso é uma "assinatura". Ou seja, algo que podemos escolher não ter. Ou - o que é mais grave - algo a que somente alguns têm acesso.

 
 
imagem de Eduardo CPQ
Eduardo CPQ

É, Luna,

os EUA foram tomados de assalto pelos bolcheviques...

 
 
imagem de foo
foo

Oi apresenta ao governo banda larga de R$ 15 a R$ 35

BRASÍLIA - A Oi apresentou hoje ao governo um plano de expansão da banda larga no País em que a empresa ofereceria serviços de internet rápida a preços que podem variar de R$ 15 a R$ 35. Esses valores são os mesmos que estão sendo trabalhados pelo governo nos cenários elaborados para o Plano Nacional de Banda Larga e que seriam viáveis para garantir o acesso das classes C e D aos serviços. A proposta da Oi foi apresentada em reunião, que durou toda a manhã, com o presidente da empresa, Luiz Eduardo Falco, a ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, e o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, e vem sendo avaliada com um novo passo para facilitar uma parceria entre governo e iniciativa privada.

Os valores dos serviços, previstos no projeto da Oi, foram informados pelo secretário de Logística e Tecnologia da Informação, Rogério Santanna, que também participou da reunião. Santanna não revelou os investimentos estimados pela Oi, mas disse que a proposta financeira da empresa passa por "possíveis desonerações" e segue um modelo parecido com o programa Luz para Todos, em que o governo subsidia diretamente o usuário, por meio de recursos de fundos setoriais.

http://economia.estadao.com.br/noticias/not_13118.htm

 
 
imagem de marcosomag
marcosomag

O governo federal deve ficar firme na posição de expandir a banda larga pela sua rede de fibra ótica. O Brasil precisa da democratização da internet para quebrar a espinha da velha mídia conservadora, otimizar a eficiência das empresas e permitir o desafogo do tráfego nas grandes cidades. Com a maioria trabalhando em home-offices vão acabar os problemas de trânsito nas grandes cidades.

 
 
imagem de Augusto José Hoffmann
Augusto José Hoffmann

E pensar que nós por aqui ainda discutimos míseros mbits. E as empresas, às vezes, tem propriatários comuns aqui e lá.

Então por que será que aqui prospera tanta sacanagem com o assinante? Parte da história, é fácil de entender. Deixaram um gambá cuidando do galinheiro. O Hélio Costa, se não se eleger, vai ser escalado prá novela das 6, na globo. E essa do Coutinho, do BNDES, de concentrar os recursos da democratização da banda larga nas mãos de BrOi?

Como diz o PHA, aí tem! E deve ter mesmo.

 
 

Postar novo Comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
CAPTCHA de imagem
Digite os caracteres exibidos na imagem acima.

Faça seu login e aproveite as funções multímidia!