As medidas para evitar sabotagem no Programa Mais Médicos

Sugerido por hugo

O Governo Dilma parece estar aprendendo a se comunicar e se antecipar uma possível sabotagem da classe médica em relação ao Mais Médicos.

Do Uol

Contato telefônico vai evitar sabotagem no Mais Médicos, diz Padilha

Fernanda Calgaro

Do UOL, em Brasília

Para evitar sabotagens no programa Mais Médicos, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse nesta quarta-feira (17) que a ouvidoria da pasta tem ligado diretamente para alguns profissionais que se inscreveram para confirmar o interesse.

"Com um programa como esse não se pode brincar, não se pode fazer nenhum tipo de sabotagem que postergue, que atrase a presença de médicos para a população que mais precisa", disse Padilha.

Desde quinta passada, a Polícia Federal investiga denúncias de que grupos estariam incentivando médicos a se inscreverem em massa no programa para, depois de encerradas as inscrições, desistirem de participar, atrapalhando o preenchimento das vagas.

"Desde segunda, o Ministério da Saúde, através da sua Ouvidoria, está ligando para médicos que se pré-inscreveram, mas que já tenham outros vínculos, para perguntar se realmente querem participar do programa", informou o ministro.

"Estamos estimulando os médicos brasileiros a participar do programa, mas não queremos ninguém que esteja fazendo qualquer tipo de sabotagem."

Mais de 11 mil inscritos

Ao fazer um balanço parcial do programa, ele disse que, dos mais de 11 mil médicos já inscritos, cerca de 2.000 trabalham fora do Brasil.

"Já temos mais de 11 mil médicos pré-inscritos, ou seja, não concluíram a inscrição, têm que anexar documentos ainda, mas dá para ter uma visão. São mais de dez mil que atuam no Brasil, mais de 2.000 médicos que atuam em outros países." Ele não detalhou, porém, qual nacionalidade predomina entre os médicos que trabalham no exterior.

Diante da suspeita de sabotagem, o ministro disse que não é possível saber, neste momento, quantas inscrições são, de fato, concretas. Segundo ele, será preciso aguardar a conclusão do processo para divulgar o balanço final.

"Os médicos fazem um processo de pré-inscrição, como nós chamamos, e depois eles têm que anexar documentos, escanear diploma, escanear CRM. Então, esse processo de conclusão da inscrição demora um pouco mais de tempo. Além disso, eles vão ter um momento para escolher os municípios, porque eles têm até o dia 28 para se cadastrar. Só a partir da inscrição dos municípios é que nós podemos considerar a conclusão do processo, aí é que vamos saber exatamente quantos estão inscritos."

----------------

Sugerido por Marcia

Do Jornal do Brasil

Para evitar sabotagem, governo muda regras do Mais Médicos

Participantes do Provab terão de declarar que desistirão destes programas

Jornal do Brasil 

O Ministério da Saúde vai reforçar a análise da documentação dos médicos no sistema de inscrição doprograma Mais Médicos. A partir desta sexta-feira (19), médicos que hoje ocupam vagas de residência e participantes do Programa de Valorização da Atenção Básica (Provab) terão de declarar, já no ato da inscrição, estarem dispostos a desistir destes postos para aderir aos Mais Médicos.

“O primeiro interesse que tem que ser atendido é o interesse da população, sobretudo aquela que não tem médicos perto de onde vive e trabalha. Estamos estimulando os médicos brasileiros a participar do programa, mas não queremos ninguém que esteja fazendo qualquer tipo de sabotagem para atrasar um programa que visa oferecer médicos para a população”, afirma o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Ao homologar sua participação no programa, o médico terá de entregar declaração impressa de seu desligamento da residência médica ou do Provab, emitido pela coordenação dos programas. A medida visa certificar a real intenção dos profissionais a participar do Mais Médicos.

Além disso, médicos que homologarem sua participação do projeto e não comparecerem no início das atividades ou desistirem nos primeiros seis meses serão excluídos do programa e só poderão se inscrever novamente seis meses depois. Os reincidentes ficarão impossibilitados em caráter definitivo de voltar a participar do programa. A inclusão desta regra no edital será publicada no Diário Oficial nesta sexta-feira.

Para verificar o real interesse dos médicos em participar da iniciativa, a Ouvidoria do Sistema Único de Saúde entrará em contato com os profissionais que já se inscreveram no programa e que apresentem inconsistência no cadastro.

A medida foi tomada após o Ministério receber uma série de denúncias relatando que grupos têm utilizado as redes sociais para disseminar propostas para inviabilizar e atrasar a implementação da chamada de profissionais. A ideia destes grupos seria gerar um alto número de inscrições formais e, posteriormente, provocar uma desistência em massa, prejudicando os reais interessados na participação da iniciativa.

As novas medidas serão comunicadas aos médicos já inscritos no programa pela Ouvidoria do Ministério da Saúde por telefone ou e-mail. As inscrições para o Mais Médicos seguem abertas até 25 de julho e podem ser feitas pelo site do Ministério da Saúde, www.saude.gov.br.

A iniciativa prevê a expansão do número de vagas de medicina e de residência e o aprimoramento da formação médica no Brasil.

Os médicos formados no Brasil ou com diplomas validados no país terão prioridade nas vagas do programa. As que não forem preenchidas por estes profissionais serão oferecidas aos estrangeiros inscritos na iniciativa.

Só serão selecionados médicos que atuam em países que tenham mais de 1,8 médicos por mil habitantes, com registro comprovado naquele país e que tenham conhecimento da língua portuguesa. Os participantes serão acompanhados por instituições públicas de ensino.

Nenhum voto
20 comentários
imagem de ArthurTaguti
ArthurTaguti

Olha, é cada uma que a gente vê. Esta matéria do Viomundo é estarrecedora, eu fico me perguntando em que mundo estes médicos pensam que vivem.

Por outro lado, que o governo oferece munição, ah isso ele oferece. Como é que me faz um programa desses e não me oferece 13º e FGTS? Num momento histórico em que as domésticas deixam a escravidão, o governo quer revogar a CLT pros médicos, agora?

 
 
imagem de a
a

    O saudoso  O PASQUIM ja dizia e´ a MAFIA DE  BRANCO

 
 
imagem de jura
jura

Qual o problema? Quando alguém desiste basta chamar o próximo.

Toda seleção é feita assim, mas acho que pelo salário que estão pagando - que até os espanhóis gostaram - a seleção deveria ser por classificação.

Não dá pra pagar dez paus tanto para os bons quanto para os maus currículos.

 
 
imagem de Jose Mayo
Jose Mayo

MENTIRAS, TEM "PERNAS CURTAS"...


Vamos destrinchar a reportagem? 

Vamos lá...

"Para evitar sabotagem, governo muda regras do Mais Médicos

Participantes do Provab terão de declarar que desistirão destes programas

Por quê? Se o Provab visa atender quase que a mesma clientela e se, a considerar o contexto, muito provavelmente o médico que adotar qualquer dos dois "sistemas" não terá tempo físico de atender aos dois ao mesmo tempo, o que justifica essa pré-condição? O preconceito?  

Jornal do Brasil 

O Ministério da Saúde vai reforçar a análise da documentação dos médicos no sistema de inscrição do programa Mais Médicos. A partir desta sexta-feira (19), médicos que hoje ocupam vagas de residência e participantes do Programa de Valorização da Atenção Básica (Provab) terão de declarar, já no ato da inscrição, estarem dispostos a desistir destes postos para aderir aos Mais Médicos.

Desistem "já no ato da inscrição" e depois não são aprovados na seleção, ou "sobram", ou só tem vaga em "Deus me Livre" e... Isso é o típico "factóide" de quem promete, mas não quer entregar: Cria-se um ou vários fatores de insegurança no candidato para que este não se inscreva e, depois, diz-se que não houve interesse do candidato na inscrição; claro que há interesse, mas não o de ser manipulado.

“O primeiro interesse que tem que ser atendido é o interesse da população, sobretudo aquela que não tem médicos perto de onde vive e trabalha. Estamos estimulando os médicos brasileiros a participar do programa, mas não queremos ninguém que esteja fazendo qualquer tipo de sabotagem para atrasar um programa que visa oferecer médicos para a população”, afirma o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Retórica vazia! Se o "primeiro interesse" fosse o da população, já estaríamos vendo as máquinas e as equipes trabalhando da instalação de esgotamento sanitário, água encanada e luz elétrica nas comunidades mais pobres; A melhor forma de tratar as doenças é EVITÁ-LAS.

Ao homologar sua participação no programa, o médico terá de entregar declaração impressa de seu desligamento da residência médica ou do Provab, emitido pela coordenação dos programas. A medida visa certificar a real intenção dos profissionais a participar do Mais Médicos.

Somente  UM IDIOTA IDEOLÓGICO teria tal grau de "desprendimento": Largar um pássaro que já tem na mão, por outro que ainda está voando; Cadê a garantia de aproveitamento após o estágio probatório? Desisto do que já estou, não sou aprovado para onde vou, ou não aprovo o local que me determinam e... A vida tem que seguir em frente, ainda que cada dia seja um recomeço.

Além disso, médicos que homologarem sua participação do projeto e não comparecerem no início das atividades ou desistirem nos primeiros seis meses serão excluídos do programa e só poderão se inscrever novamente seis meses depois. Os reincidentes ficarão impossibilitados em caráter definitivo de voltar a participar do programa. A inclusão desta regra no edital será publicada no Diário Oficial nesta sexta-feira.

Até aí "morreu o Neves"; É obvio que quem não comparece, ou desiste, deixa de fazer parte do programa; O período de inabilitação de seis meses é somente uma "pérola" do autoritarismo e a inabilitação permanente uma aberração jurídica.

Para verificar o real interesse dos médicos em participar da iniciativa, a Ouvidoria do Sistema Único de Saúde entrará em contato com os profissionais que já se inscreveram no programa e que apresentem inconsistência no cadastro.

"Morreu o Neves" mais uma vez, e de forma idiota; O contato com os pré candidatos poderia se dar através de correspondência com indicação do local de incrição definitiva, dia e horário. Quem não comparecer está fora, por óbvio, como em qualquer "vestibular".

A medida foi tomada após o Ministério receber uma série de denúncias relatando que grupos têm utilizado as redes sociais para disseminar propostas para inviabilizar e atrasar a implementação da chamada de profissionais. A ideia destes grupos seria gerar um alto número de inscrições formais e, posteriormente, provocar uma desistência em massa, prejudicando os reais interessados na participação da iniciativa.

Mais uma falácia do tipo "jogar para a plateia"; As pré-inscrições devem ter limite de tempo (prestigiando um cronograma de implantação), mas não há sentido em limitar o número de candidatos, logo, ainda que houvessem pré-inscrições "fake", haveria uma seleção absolutamente natural destas ocorrências, assim como de pré-candidatos que desistiram, no momento da incrição definitiva. Em caso de uma hipotética "desistência em massa", as supostas vagas seriam suficientemente cobertas pelo excesso de inscritos; Basta chamar os próximos da lista, como em qualquer concurso.

As novas medidas serão comunicadas aos médicos já inscritos no programa pela Ouvidoria do Ministério da Saúde por telefone ou e-mail. As inscrições para o Mais Médicos seguem abertas até 25 de julho e podem ser feitas pelo site do Ministério da Saúde, www.saude.gov.br.

Não precisa, não; Bota no jornal. Médico lê jornal.

A iniciativa prevê a expansão do número de vagas de medicina e de residência e o aprimoramento da formação médica no Brasil.

Agradecemos as primeira e segunda assertivas e temos fortes dúvidas quanto à terceira.

Os médicos formados no Brasil ou com diplomas validados no país terão prioridade nas vagas do programa. As que não forem preenchidas por estes profissionais serão oferecidas aos estrangeiros inscritos na iniciativa.

Desde que devidamente aprovados e inscritos nos nossos respectivos Conselhos Regionais de Medicina, os colegas estrangeiros serão bem-vindos; Caso contrário, no nosso país e considerando que ainda prevaleça o Estado Democrático de Direito, seria prática ilegal da Medicina.

Só serão selecionados médicos que atuam em países que tenham mais de 1,8 médicos por mil habitantes, com registro comprovado naquele país e que tenham conhecimento da língua portuguesa. Os participantes serão acompanhados por instituições públicas de ensino.

Outra bobagem; Exceto na situação de regimes totalitários, os médicos e cidadãos de qualquer país democrático têm garantido o seu direito de ir e vir, não estando vinculada a sua hipotética emigração ao número de médicos por habitante do seu país de origem e formação. No Brasil, impor restrições à imigração de profissionais, no demais qualificados, baseando-se em tais parâmetros demográficos, também não faz nenhum sentido. 

 

"O pior desserviço que se presta às boas causas, é tentar fundamentá-las com argumentos ruins." (Jose Mayo)

 
imagem de Pedro A.
Pedro A.

"Para verificar o real interesse dos médicos em participar da iniciativa, a Ouvidoria do Sistema Único de Saúde entrará em contato com os profissionais que já se inscreveram no programa e que apresentem inconsistência no cadastro."

- Basta colocar um lugar para o candidato confirmar que as suas informações são verdadeiras. Se verificadas que não são, pode-se processar o individuo. Na minha opinião, deveria have um acordo entre a Justiça e o Executivo para um julgamento rápido e com pena branda, mas o suficiente para o candidato deixar de ser reú primário.

Além disso, médicos que homologarem sua participação do projeto e não comparecerem no início das atividades ou desistirem nos primeiros seis meses serão excluídos do programa e só poderão se inscrever novamente seis meses depois. Os reincidentes ficarão impossibilitados em caráter definitivo de voltar a participar do programa. A inclusão desta regra no edital será publicada no Diário Oficial nesta sexta-feira.

- Poderiam impossibilitar o médico de qualquer ajuda do poder público relativo a sua profissão, por exemplo, ficaria proibido de fazer pós-graduação, ter bolsas ou residência em hospitais e escolas públicas. 

 
 
imagem de Ivan de Union
Ivan de Union

"Desde quinta passada, a Polícia Federal investiga denúncias de que grupos estariam incentivando médicos a se inscreverem em massa no programa para, depois de encerradas as inscrições, desistirem de participar, atrapalhando o preenchimento das vagas":

A falha de SP ja deu o nome de pelo menos dois medicos suspeitos:

 

MiriamL (no Fora de Pauta)

Viomundo

 

O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes”

 

publicado em 18 de julho de 2013 às 23:42

 

 

O dr. Thomaz Srougi e Cesar Camara na frente da clínica médica particular na favela do Heliópolis. Cesar atende lá com jaleco do Sírio-Libanês, onde também trabalha

por Luiz Carlos Azenha e Conceição Lemes, a partir de leitora indignada da Folha

Há muitas críticas sinceras aos programas do governo Dilma no setor da Saúde, dentre os quais o Mais Médicos. O próprio Viomundo já publicou várias delas, aquiaqui aqui.

Porém, causa-nos estarrecimento ler nas redes sociais manifestações de xenofobia, racismo e desrespeito aos médicos estrangeiros, para não falar da completa piração direitista de que os médicos cubanos viriam ao Brasil promover uma revolução comunista.

As entidades médicas, por razões corporativistas, dizem que não faltam médicos no Brasil e que o problema seria a má distribuição. Não é verdade. Faltam profissionais nas regiões mais distantes e nas periferias das grandes cidades e eles também estão mal distribuídos. Nas regiões Sul e Sudeste do País há maior concentração de médicos, enquanto no Norte, Nordeste e Centro-Oeste, ela é menor.

A leitora indignada que nos procurou protestou contra a cobertura distorcida que, segundo ela, é dada pelaFolha de S. Paulo ao assunto, especialmente no caso do programa Mais Médicos.

Ela aponta para a seguinte sequência de eventos:

O dr. Miguel Srougi (professor titular de urologia da Faculdade de Medicina da USP) escreveu um artigo de opinião no jornal detonando as ações do governo Dilma no setor de saúde:

Senhora presidente, mais um clamor, respeitoso. Assuma a determinação política de priorizar recursos para as áreas sociais. Atue na saúde com competência e sensatez, não com respostas transloucadas aos gritos indignados da nação. Para que os brasileiros possam vislumbrar o alvorecer com esperança. E combata com arrojo o grupo de ímprobos e incompetentes instalados no teu entorno. Sem esquecer o arcebispo Desmond Tutu: “Se ficarmos neutros numa situação de injustiça, teremos escolhido o lado do opressor”.

O dr. Miguel Srougi é o mesmo que, em 2010, havia rasgado elogios ao então candidato ao Planalto José Serra, do PSDB, adversário de Dilma:

Difícil conseguir isso? Não, se reconhecermos entre nossos dirigentes aqueles dotados de sabedoria e integridade, capazes de transformar a sociedade, tornando-a mais justa para seus filhos. Com esses sentimentos, coloco-me ao lado de José Serra.Pode-se concordar ou não com sua forma de se relacionar, muitas vezes difícil, mas não há como ignorar algumas marcas incomparáveis da sua atuação política. Nos cargos públicos que ocupou, suas ações beneficiaram não apenas os mais desprotegidos, mas todos os estratos da nação. Na saúde, Serra opôs resistência quase solitária aos interesses indevidos que, com uma frequência além do razoável, rondam o setor.

Até aí, normal. Ter opinião é necessário e importante, diz a leitora.

Porém, hoje, a Folha deu na capa do caderno Cotidiano: “Médicos alegam falta de direitos e desistem de programa de Dilma”.

Leiam o subtítulo: “Profissionais recuam de inscrição ao saber que não há décimo-terceiro e FGTS” (grifo nosso).

É fato que este é um dos aspectos mais criticados do programa: a falta de garantias trabalhistas para os profissionais. Bolsistas ou contratados? É um debate justo e necessário.

Porém, dos 11.701 médicos inscritos no programa, a Folha só ouviu dois, ambos apresentados como desistentes.

Ambos disseram ter se inscrito e desistido do Mais Médicos por deficiência do programa.

Porém, é importante destacar que houve um movimento de doutores no sentido de sabotar o programa. Como? Fazendo a inscrição e desistindo posteriormente ”para atrapalhar o cronograma e o recrutamento dos médicos estrangeiros”, segundo a própria Folha explicou.

Impossível dizer se os dois médicos ouvidos pela Folha pretendiam desde o início participar do protesto. Eles se manifestaram como se tivessem sinceramente desistido por objeções à iniciativa posteriores à inscrição.

O fato é que a reportagem que motivou o protesto da leitora traz uma imensa foto do dr. Cesar Camara, com a frase:

“Não há direito algum. Fica complicado aceitar um trabalho nessas condições”, diz o urologista Cesar Camara, 38, de São Paulo, que fez a inscrição e desistiu de efetivá-la.

E quem é o dr. Camara?

Assistente do dr. Miguel Srougi, conforme ele próprio escreve em sua página no Facebook:

Na terça-feira que precedeu a reportagem (publicada quinta) ele pede ajuda para encontrar médicos que tenham se inscrito e posteriormente desistido do Mais Médicos.

Cesar faz parte do corpo clínico do setor de Urologia do Hospital Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, cujo professor titular é o dr. Miguel Srougi. As áreas dele são litíase (cálculo renal) e endourologia (área endocrinológica da urologia).

As relações do dr. Cesar Camara com a família do chefe vão além.  Ele trabalha na clínica médica do dr. Thomaz Srougi, filho do dr. Miguel, que fica na entrada da favela de Heliópolis e só realiza consultas particulares, que custam de R$ 40 (clínica-geral) a R$ 60 (especialidades). Não vale convênio, tampouco cartão do SUS.

César também trabalha no Hospital Sírio-Libanês. Aliás, ele usa na clínica de Heliópolis o jaleco que tem costurado o nome do Sírio-Libanês. Segundo matéria publicada no Estadão, a sua consulta particular custa R$ 450.

César iria largar tudo isto —  carreira promissora na Urologia da USP, trabalho no Sírio-Libanês, um dos mais prestigiados hospitais do Brasil, consultas de R$ 450 no seu consultório e a clínica com o filho do chefe — para participar do programa Mais Médicos, para atender pacientes do SUS?

O programa Mais Médicos, vale lembrar, pagará uma bolsa de R$ 10 mil por mês, mas os médicos terão de cumprir 40 horas semanais de trabalho. Supondo que Cesar tivesse escolhido ir para a periferia da cidade de São Paulo, onde encontraria tempo para as suas outras atividades?

O jornal não sabia disso? Não questionou o médico para saber se ele se inscreveu apenas para desistir e atrapalhar a implantação do programa, cujo objetivo é atender de graça nas periferias, através do SUS, pacientes como os que ele atende cobrando em Heliópolis?

Independentemente das respostas do doutor Cesar, de uma coisa estamos certos: a leitora indignada tem razão.

http://www.viomundo.com.br/denuncias/indignada-os-medicos-e-a-cobertura-da-folha.html

 
 
imagem de Fabio (o outro)
Fabio (o outro)

LEGAL .


Vai concorrer ao prêmio MAQUIAGEM do ano , junto com aquela entrevista das páginas amarelas de VEJA com o dublê de manifestante. 


Vocês votam em qual delas ?

 
 
imagem de Luciano Prado
Luciano Prado

Li a matéria do Azenha. Já havia lido outras nesse mesmo sentido.

É deplorável o nível do jornalismo praticado no Brasil pela grande mídia.

 

Essa prática se aproxima perigosamente da bandidagem travestida de jornalismo.

 

 
 
imagem de hc.coelho
hc.coelho

Se aproxima, ou já ultrapassa? O pig é bandido não tenham dúvidas.

 
 
imagem de renato arthur
renato arthur

300 anos de escravatura, uma midia herdeira dos ideais escravocratas, um judiciário sempre pronto a proteger os mais favorecidos, baixa educação da população, uma burguesia que não quer mudar umas das  sociedades mais desiguais do mundo,  esperar o que? Criticar governos que tentam alterar essa realidade é fácil (estamos repletos de Mervais) difícil é governar o Brasil, não é para amadores e se a elite presente que vai perder  (como agora) tenta o golpe. 

 
 
imagem de Zanchetta
Zanchetta

A PF vai investigar isso?!?!

Então é geração espontânea...

 
 
imagem de sergioa
sergioa

Olha se o governo realmente querer ele consegue implantar o programa. Não é uma tarefa fácil, principalmente quando se constata a existência de tanto médico mau-carater num momento deste.


Então o governo traça um objetivo, por exemplo 50.000 médicos.


Abre a primeira inscrição. Ai o corporativismo tenta atrapalhar fazendo este tipo de boicote, se cadastra e depois desiste. Mas vamos supor que ao final tenhamos 50.000 inscritos, porém 40.000 desistem com o intuito de atrapalhar. Então no final o governo consegue 10.000 (entre brasileiros decentes e estrangeiros). Ainda faltam 40.000.


Abre a segunda inscrição, porém os que se cadastraram na primeira fez e desistiram para boicotar ou não o plano, ficam proibidos de se cadastrarem uma segunda vez. E ai o processo continua até se chegar aos 50.000. Pode demorar, mas no final o objetivo é alcançado. Pois onde vão conseguir tantos médicos para boicotar cada etapa de inscrição se os que desistiram em alguma etapa ficam proibidos de participar de outras?????


E ainda se sou o presidente, seria fdp com estes infelizes que a todo momento tentam boicotar o país de melhorar. De posse do cadastro dos médicos que tentaram boicotar o plano, colocoria a Receita Federal para investigar o quanto estes infelizes sonegam de impostos.


 


 

 
 
imagem de João Maria Fernandes de Sousa
João Maria Fernandes de Sousa

Padilha poderia copiar tim-tim-por-tim-tim essa idéias, excelente.

E eu faria mais: proibiria o sabotador ou sabotadora de participar de qualquer concurso ou disputa nos meios públicos.

 
 
imagem de seba
seba

Têm hora que a gente se vê mais perdido que cego em tiroteio. Não dá pra confiar em ninguêm. Parece que de todos lados estamos cercados de bandidos. Políciais, Parlamentares, camelos, dono de supermercados, ruralistas, industriais, pastores evangelicos, trombadinha(este é profissional). Até o médico?

O que se percebe é uma politicagem em geral, contra o governo aí, instalado. Quando eles percebem que não dá pra contestar no argumento, fazem sabotagens, ameaçam com direitos trabalhista. Isso só têm uma explicação; PSDB e sua curriola. Fuiiii!

 

 

 
 
imagem de Fabio (o outro)
Fabio (o outro)

É o tipo de mentalidade interna que se formou e consolidou no Brasil ao longo de séculos  , e se reflete no corporativismo mais rasteiro em todos os níveis sociais e profissionais.


Da OAB aos médicos , dos parlamentares , prefeitos , passando pelos sindicalistas , funcionários públicos , MST e ruralistas , a mentalidade é uma só : colocar o aparato estatal para trabalhar a seu favor.


Não pergunte o quê o Estado pode fazer por você , mas o quê você pode fazer pelo Estado , é uma coisa que se escutarem você dizer , te matam !

 
 
imagem de Francy Lisboa
Francy Lisboa

Impossível não estár de acordo com você, Fábio. Faça das suas minhas palavras.

 

Quem nasceu e foi criado em bueiro não pode ter medo de ratos.

 
imagem de Avelino de Oliveira
Avelino de Oliveira

Caro Nassif  e demais

Meusdeuses, como pode isso, em nome da democracia, querer sabotar o povo?????!!!

Dilma, detone essas pessoas, com o mesmo respeito que eles estão sabotando o povo.

Saudações

 
 
imagem de Lucas Costa
Lucas Costa

Uma ligação telefônica evitará uma eventual sabotagem? 

 

"Quem não se comunica se trumbica"

 
imagem de Pedro Paulo Parrela
Pedro Paulo Parrela

Serio que tem tanto medico mau carater assim que se da ao trabalho de se inscrever e depois desistir, so pra atrapalhar o governo? Sera que nao e porque na verdade tem mesmo muito medico interessado em aceitar o programa agora que e o governo federal que vai pagar o salario, e nao as prefeituras de cada cidadezinga, e assim o risco de calote e quase inexistente? Satanizou-se tanto os medicos nesse ultimo mes que ate parece dificil pensar que eles tinham razao quando falam que a dificuldade em aceitar empregos no interior e por causa dos contratos de trabalho espurios.  

 
 
imagem de Murdok
Murdok

Abram bem os olhos. Isso é caso de terrorismo contra a população  pobre.

Um cara que se diz médico e serve pra uma sacanagem dessas...prova que trata-se de um grande vagabundo querendo só encher o rabo de dinheiro coma vida dos outros.

 
 

Postar novo Comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
CAPTCHA de imagem
Digite os caracteres exibidos na imagem acima.

Faça seu login e aproveite as funções multímidia!