Vórtice

Autor: 
Uma alameda, ao mesmo tempo ensolarada e sombria. Duas filas de pessoas.
Uma seguia animada e em contraste com a que voltava. A fila que ia vibrava com a antecipação da vitória. A que vinha, cabeça baixa, lamentava os erros cometidos.
Os que iam nem olhavam para os outros. Não lhes interessavam a expressão da derrota, quando só pensavam nas glórias que viriam, antecipadas tantas vezes nos sonhos dos últimos dias. Não havia possibilidade de perder. Eram melhores e em tantas outras pelejas já realizadas contra o mesmo time, o triunfo viera.
Verdade que incomodava um pouco a profunda tristeza da outra fila, mas isto não iria abatê-los. Olhos para a frente e no objetivo. Era o que todos pensavam, mas um, talvez um pouco menos determinado, olhou de lado, de soslaio, com o cantinho dos olhos e viu - o horror - ele viu a si mesmo na outra fila. Abaixou a cabeça e tentou esquecer, mas foi ele quem errou o passe fatal, que levou a bola ao impensável, aos pés do adversário, que, meio sem jeito, a empurrou para as redes.
Nenhum voto

Postar novo Comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
CAPTCHA de imagem
Digite os caracteres exibidos na imagem acima.