A queda da extrema pobreza

Por João Paulo Caldeira, no Brasilianas.org
Da Agência Dinheiro Vivo

O Brasil está mais próximo de acabar com a extrema pobreza. Devido principalmente ao protagonismo das políticas de transferência de renda, como o aumento real do salário mínimo e das políticas voltadas para a distribuição de renda(como o Bolsa Família) e também ao crescimento do emprego formal no país e à estabilidade macroeconômica, 6 milhões de pessoas deixaram a faixa de extrema pobreza, classificada como as famílias que tem renda per capita de até R$ 67 mensais.

“Está ficando difícil estudar os extremamente pobres porque este grupo está mudando”, afirmou o técnico do Ipea(Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) Rafael Guerreiro Osório, na sua palestra no 15º Fórum de Debates Brasilianas.org, realizado na última quinta, em São Paulo.

Rafael apresentou os dados do Comunicado do Ipea “Mudanças Recentes na Pobreza Brasileira”, que traça um perfil da pobreza no Brasil e a evolução ocorrida no período 2004-2009. O estudo divide a população que, em 2009, tinha a ganhos abaixo de R$ 465 mensais per capita em três estratos: os extremamentes pobres, com renda menor que R$ 67/mês; os pobres, com renda entre R$ 67 e R$ 134; e os vulneráveis, com renda entre R$ 134 e R$ 465. Acima deste valor, as famílias são classificadas como não-pobres.

O técnico do Ipea mostrou que houve uma diminuição nos três estratos mais pobres. Entre o período estudado, no mínimo 18,3 milhões de pessoas ascenderam para a faixa dos não-pobres. Segundo o pesquisador, este dado é importante porque muda a impressão errada de que estes grupos são estáticos.

Ocorreu, também, uma mudança na estrutura etária destes estratos de renda. Com a vinculação do piso da previdência ao salário mínimo, os idosos agora se concentram entre os vulneráveis e os não-pobres, contra somente 1% de pessoas com mais de 65 anos na faixa de extrema pobreza.

De acordo com o Ipea, a pobreza agora está mais relacionada com o tipo de conexão com o mercado de trabalho. Na faixa dos extremamente pobres, 29% não tem conexão com o mercado, e 32% têm uma conexão precária, ou seja, empregados ou empreendedores informais, sem carteira de trabalho.

Apesar das mudanças, a distribuição espacial da pobreza no país mudou pouco. Os pequenos municípios rurais no Nordeste ainda concentram a maior parte da incidência de pobreza. Rafael sugeriu que políticas sociais com ênfase neste municípios podem ser mais eficientes no combate à pobreza.

O comunicado do Ipea conclui que, sem a geração de empregos e o aumento real do salário mínimo, o Bolsa Família não seria tão bem sucedido. Além disso, Rafael Osório ressaltou que, embora as políticas de transferência tenham influenciado ao aumento do bem-estar por causa da renda, esta evolução não teve a mesma intensidade em outras áreas da políticas públicas, como no saneamento básico.

Comunicados do Ipea nº 111: Mudanças Recentes na Pobreza Brasileira

Nenhum voto
18 comentários
imagem de LUIZ VALENTIM
LUIZ VALENTIM

O GOVERNO LULA -DILMA UNIVERSALIZOU AS POLÍTICAS SOCIAIS (TRANSFERÊNCIA DE RENDA , PRONAF(AGRICULTURA FAMILIAR), PROUNI, PROJOVEM ETC..)

O GOVERNO FHC (DEMO-TUCANO) FEZ UMA POLÍTICA SOCIAL MUITO PEQUENINA, RIDÍCULA, APENAS PARA PROPAGANDEAR.

ELES (DEMO-TUCANOS) IMITARAM JÂNIO QUADROS QUANDO FOI PREFEITO S]DE SÃO PAULO :

AS RUAS DO CENTRO ESTAVAM UM BRINCO, MAS, SAINDO PARA PERIFERIA ERA  LIXO E ESGOTO E AUSÊNCIA DE TRANSPORTE PÚBLICO.

 
 
imagem de Joao Carlos RB
Joao Carlos RB

Só cabe lamentar que o comportamento de muitos comentaristas aqui é o mesmo descrito por Nelson Rodrigues:

"Se os fatos me conbtradizem, danem-se os fatos!"

 
 
imagem de Francy Lisboa
Francy Lisboa

 

Ae Nassif, na moral!

 

Manda esses playboizinhos que aqui comentam contra a transferência de renda pra casa do...

Quem nuca viu o outro lado r acha que sabe o que é ser pobre me irrita profundamente!

Ninguém escolhe onde nasce, nem mesmo as experiências que vive. Quem fala de pobreza e nunca a sentiu de verdade deve pensar 1000 vezes antes de criticar

Por isso que eu não acredito na humanidade, cambada de hipócritas!!!!!!!!!

Ah sim,

sou aquele que vcs gostam de explicita ou implicitam,ente chamar de favelado!

Ou "povo" como já fui chamado aqui.

 
 
imagem de Diego Augusto Queiroz
Diego Augusto Queiroz

Esse cara não deve andar pelas ruas.

Ou só deve usar helicóptero.

 
 
imagem de Josué Machado Costa
Josué Machado Costa

Nassif ontem no Paraná na cerimônia em que o Governo Federal anunciava recursos para a construção do metrô em Curitiba a Dilma foi simplesmente  censurada na TV Educativa. Nos pronunciamentos do governado Beto Richa(PSDB) e do prefeito de Curitiba Luciano Ducci(PSB) foi tudo normal, mas na hora que o Ministro das Cidades Mario Negromonte começou a falar apareceu na tela o dezenho animado Cocoricó, já na hora do pronunciamento da Dilma o dezenho foi outro. Além de censura é muito provincianismo, como paranaense estou indignado!!!

 
 
imagem de Jo Rolex
Jo Rolex

Aliança liberal deve estar usando fumo estragado do FHC.

 
 
imagem de mcn
mcn

A definição da linha de miséria e de pobreza é sempre controversa.

No caso, os valores apontados referem-se a rendimento mensal per capita.

Assim, segundo o estudo, uma família composta por uma mãe mais quatro filhos, no primeiro extrato teria rendimento mensal de até R$ 335. No segundo extrato, de até R$ 670 mensais e no terceiro, de até R$ 2.325 mensais. Acima disso, não seria mais considerada pobre.

 
 
imagem de Flics
Flics

R$67?... R$134?... R$465?....  

Estes são os valores de rendimento FAMILIAR  para classificar a pobreza? 

Mas que cretinos!!!!

 

Flics

 
imagem de maurobrasil
maurobrasil

Os valores são per capita...

 

 
 
imagem de Flics
Flics

"Per capita"?

Mas que cretinos!!!!

 

Flics

 
imagem de aliancaliberal
aliancaliberal

"Devido principalmente ao protagonismo das políticas de transferência de renda, como o aumento real do salário mínimo"

Uma mentira sempre dita pode com o tempo se torna uma falsa verdade.

A redução do nivel da pobreza deve se na verdade a acumulação de capital em nossa sociedade , apesar dos  governos nosso povo consegue superar o parasitismo estatal.

Somando se ao GRANDE aumento da produtividade  da nossa economia, em muitos setores o valor real dos bens foram reduzidos a 1/3 do que eram em anos anteriores.

 

 

"Sou reacionário. Minha reação é contra tudo que não presta." Nelson Rodrigues.

 
imagem de Mauro Abrão
Mauro Abrão

Como pode alguém escrever tamanha bobagem?Infelizmente no mundo todo o crescimento das últimas décadas foi muito mais das corporações do que das populações! E muito mais intangível do que real! Só no Brasil que se deu esse 'milagre', com a população acumulando riqueza...então tá.....

E antes de 2002 então (quando os indicadores de melhorias começaram a despontar...)? O governo atrapalhava mais ainda ou o povo ainda era "pouco tenaz"?? É obvio que a linha de ação tem papel fundamental nessa mudança.

Obs: não vale a desculpa das "crises", pois o atual governo (e o anterior) enfrentou ( e enfrenta) as maiores.

 

Informação ilimitada...contra "aquela velha opinião formada sobre tudo..."

 
imagem de .T.
.T.

Acumulação de capital é responsável pela diminuição da pobreza? Em absolutamente nenhum lugar do mundo isso é verdade, muito pelo contrário. Acumulação de capital = concentração de renda e aumento da desigualdade social.

Além disso, acreditar que nossa benevolentíssima e mega eficiente classe produtiva tupiniquim não apenas aumentou a produtividade de forma assombrosa, mas (pasmem!!!) distribuiu seus ganhos entre os mais pobres, sendo apenas esse gesto nobre o responsável pela redução da pobreza...é o mesmo que acreditar que na madrugada de 24 para 25 de dezembro, um velhinho vestido de vermelho vai deixar alguns pacotes debaixo da sua árvore enfeitada no canto da sala.

 
 
imagem de maurobrasil
maurobrasil

Mentira é o que saiu da cartilha dos neoliberais e foi repetido ad nauseam durante a década de 1990 todinha e que não engana mais ninguém...

A crise de 2008 mostrou claramente que apenas o mercado NÃO é suficiente...

 
 
imagem de Guilherme_RJ
Guilherme_RJ

R$465 é não pobre? Tem algo errado...

 
 
imagem de maurobrasil
maurobrasil

São R$ 465,00 per capita...

Uma familia com 4 pessoas isso daria uma renda familiar de R$ 1860,00...

 
 
imagem de Fuhgeddaboudit™
Fuhgeddaboudit™

Que em nehuma hipótese poderia candidatar-se ao Programa "MINHA CASA MINHA VIDA", feito exclusivamente para esta feliz família, mas, que, infelizmente, no país real, BRASIL, não tem a menor chance de comprar os imóveis construídos para ela; só a Classe Média mas abastada conseguiu fazer esta mágica. Passarão dez anos e eles continuarão fora.

O GOVERNO LULA FOI UM GOVERNO POPULAR ????????????????  NÃO, JAMAIS !!!

 

Ou eu encontro um caminho ou eu o faço! Philip Sidney.

 
imagem de Fuhgeddaboudit™
Fuhgeddaboudit™

2º) O Sr. LULA FALTOU COM A VERDADE -  A Distribuição de Renda foi feita através da implantação do "mão-grande" do Fator Previdenciário por FHC e endossado, com honras, por LULA, tirando 4 anos de contribuição (na média) de cada brasileiro idoso que pagou durante uma vida de trabalho para ter uma aposentadoria digna. Incapaz e incompetente para Redistribuir a Renda com a participação da Clase Média Alta, Ricos, Milionários e Bilionários (que foram parar entre os maiores bilionários do mundo, no governo LULA, restou subtraar dinheiro dos aposentados e aposentandos. DESMINTA-ME SE PUDER SR. LULA ou qualquer economista de plantão.  Só os trabalhadores Rurais que nunca recolheram nada, levam R$ 46 BILHÕES, por ano, do Sistema Atuarial de Repartição Simples, dos idosos que contribuiram.

 

Ou eu encontro um caminho ou eu o faço! Philip Sidney.

 

Postar novo Comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
CAPTCHA de imagem
Digite os caracteres exibidos na imagem acima.

Faça seu login e aproveite as funções multímidia!