Data de exibição: 
08/08/2011

Para discutir o processo que o governo e as empresas de telefonia terão que enfrentar para levar o acesso a internet para todo o país - o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), publicado em dezembro de 2010. Entre os convidados para o debate, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

Existem críticas quanto ao modelo do programa federal. Um deles é que definir um padrão de velocidade e preço para todo o Brasil pode ser um erro, dada as grandes diferenças regionais. Outro, que o texto do termo de compromisso assinado com as empresas de telefonia, que passaram a contribuir com o PNBL, não especifica qual é a cobertura exigida nem o preço das conexões.

Segundo o Ministério das Comunicações, o objetivo do plano é que, em 2014, exista oferta em larga escala de conexões de banda a uma velocidade de 5 megabits por segundo (mbps). Ocorre que o contrato realizado com as empresas de telefonia, para completar, tem um prazo que vai até 2015.

Os locais de evento da cúpula Rio+20 contarão com um teste piloto de celulares de quarta geração, será uma conexão "ultra-rápida" de internet de 50 megabits por segundo a 100 megabits por segundo. O objetivo é usar essa mesma infraestrutura para os eventos da Copa do Mundo de 2014 e Jogos Olímpicos de 2016.

Além do ministro das Comunicações, o jornalista Luis Nassif recebe o diretor executivo do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviços Móvel Celular e Pessoal (Sinditelebrasil), Eduardo Levy; e o sociólogo e professor da Universidade Federal do ABC, Sérgio Amadeu.

Nenhum voto