A importância do Gripen para o desenvolvimento tecnológico

As negociações do Brasil com a Suécia estão avançando e a expectativa das autoridades dos dois países é que até o início de dezembro seja assinado o contrato de desenvolvimento conjunto do jato Gripen New Generation. O projeto marca uma nova fase para a indústria nacional de defesa, que busca absorver a tecnologia estrangeira e conquistar mais autonomia.

Três modelos de avião participaram da concorrência do projeto FX-2, que busca modernizar a frota de aeronaves militares supersônicas da Força Aérea Brasileira (FAB): o americano Boeing Super Hornet, o francês Dassault Rafale e o sueco SAAB Gripen NG. Os três foram aprovados nos testes realizados pelos pilotos brasileiros, que simularam as necessidades operacionais da FAB. O Gripen foi escolhido, entre outros motivos, pela possibilidade de desenvolvimento conjunto. Leia mais »

Tags: 
indústria
Tags: 
tecnologia
Tags: 
defesa
Tags: 
militar
Tags: 
transferência de tecnologia
Tags: 
civil
Tags: 
aviação militar
Tags: 
aviacao civil
Tags: 
renovação de frota
Tags: 
Gripen
Tags: 
transbordo tecnológico
Tags: 
FX
Tags: 
FX-2
imagem de Lilian Milena

A importância do Gripen para o desenvolvimento tecnológico

Autor: 

As negociações do Brasil com a Suécia estão avançando e a expectativa das autoridades dos dois países é que até o início de dezembro seja assinado o contrato de desenvolvimento conjunto do jato Gripen New Generation. O projeto marca uma nova fase para a indústria nacional de defesa, que busca absorver a tecnologia estrangeira e conquistar mais autonomia.

Três modelos de avião participaram da concorrência do projeto FX-2, que busca modernizar a frota de aeronaves militares supersônicas da Força Aérea Brasileira (FAB): o americano Boeing Super Hornet, o francês Dassault Rafale e o sueco SAAB Gripen NG. Os três foram aprovados nos testes realizados pelos pilotos brasileiros, que simularam as necessidades operacionais da FAB. O Gripen foi escolhido, entre outros motivos, pela possibilidade de desenvolvimento conjunto. Leia mais »

Tags: 
Tags: 
Tags: 
Tags: 
Tags: 
Tags: 
Tags: 
Tags: 
Tags: 
imagem de Bruno de Pierro

"País carece de gestores de inovação", diz Ronaldo Mota, do MCT

Autor: 

Apesar dos esforços do governo para a sincronização de políticas científicas e industriais e a formação de recursos humanos, o desafio maior consiste em mudar a cultura empresarial com relação à valorização da inovação como fator de sobrevivência no mercado internacional. O país tem capacidade para produzir conhecimento, mas não está demonstrando o mesmo potencial para direcionar a produção das universidades para as demandas dos setores da indústria. Um dos principais motivos é a falta de gestores de inovação nas empresas, responsáveis pela mediação entre centros de pesquisa e as companhias. Em entrevista concedida ao Brasilianas.org, o secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ronaldo Mota, considera que existe um “divórcio” entre aquilo que soberanamente os pesquisadores decidem pesquisar, daquilo que são as necessidades típicas da indústria.

“Somos um país manco, assimétrico. Conseguimos avançar nas ciências básicas num ritmo muito superior àquilo que significou as ciências que se caracterizam por atendimentos de demanda e transferência de conhecimento para o setor produtivo”, diz Mota. Leia mais »

Tags: 
Tags: 
Tags: