VOLTA DILMA É MAIS JUSTO DO QUE DIRETAS JÁ !!!

Impedir o mandato legítimo de uma governante sem crime foi o ápice da sacanagem nacional. Dessa sacanagem participaram canalhas do Executivo, Legislativo e Judiciário, com o fomento do Ministério Público, Polícia Federal, além da omissão de muita gente boa e ruim. Gritou-se pra cá. Esperneou-se pra lá. O povo foi levado às ruas, dividido, uns de bonecos da CBF, com direito a trajes esportivos verde-amarelos, outros por meio de organizações da sociedade, partidárias ou não, mas o fato é que panelas nas coberturas e bandeiraços encarnados nas praças não impediram o golpe na democracia e muito menos que a caça aos corruptos fosse conduzida por elementos caolhos. A seletividade da Lava-Jato e das Mídias é impressionante, e o mundo já percebeu, com resultados danosos ao patrimônio nacional, à nossa economia, aos trabalhadores, a autonomia, independência e autogestão de toda uma nação. O Brasil está sendo destruído por caprichos de sua elite mesquinha e perversa. Leia mais »

A Chuteira Sem Pátria

Autor: 

Naqueles gramados de chão batido, os pês descalços corriam atrás de bola, feita de meia e cheia de estopa e pano. Foi nesses campinhos, que se espalhavam e se estendiam, a todos os bairros, de qualquer rincão do Brasil, que surgiram Pelé, Marta, Garrincha, Formiga, Tostão, Daniela, Reinaldo, Zico, Roseli, Sócrates, Pretinha, Romário, Debinha, Barbosa, Barbara, Éder, Cristiane, Dener, Érica e tantas outras. Longe das escolas, que sequer existiam. Nelson Rodrigues acertou na mosca, “a pátria sem chuteiras”. Pois o futebol foi é uma paixão nacional. E pouco importa o 7 a 1 dentro de casa. Pois no futebol, o brasileiro consegue ser grande, ser gigante. No futebol o David vence Golias. Mesmo sem chuteiras, sem escolas, sem saúde, moradia, assistência social, sem saneamento básico, às vezes até sem alimento. Lá nos gramados, dentro das quatro linhas, nós o povo brasileiro é gigante. Leia mais »

Trump e o Mundo Novo

Autor: 

Impressiona inocência [perspicaz] dos grandes analistas e intelectuais de nosso tempo, ao justificar sempre o voto ao apelo moral. (“Não voto no Crivella que ele é contra o aborto”; “não voto no Trump porque ele peida fedido”; etc.). Como apelar a “moral”, se a própria moral se esvaiu? Se dissipou? Virou fumaça. A Globalitária (globalização autoritária de mercadorias, como disse Milton Santos) mentiu. Não há democracia no mundo. As grandes corporações tem seus interesses representados pelo Banco Mundial, a Organização Mundial do Comercio, o Fundo Monetário Internacional, entre outras. E essas “organizações” [poderosas] não são democráticas. Leia mais »

A CHIADEIRA AUSTRALIANA E O ACIONAMENTO DO "MODO VIRA-LATAS"

Não é uma questão de desqualificação ou despreparo para grandes eventos, de nós brasileiros. Fazemos anualmente dois dos maiores do Mundo: O Réveillon e o Carnaval. O que está acontecendo com as Olimpíadas é resultante do momento político que vivemos, e do capitalismo especulador e predador brasileiro, e internacional, aliado a uma mídia caseira tão aculturada e vassala que nos dá enjoos. Todo evento transitório, que envolve milhares de pessoas, precisa necessariamente de planejamento, logística e infra-estrutura. As Olimpíadas são um evento privado, cuja gestão é do COI. O planejamento é deles. A logística é deles. A cidade sede entra com a infra-estrutura, que os governantes (em todas as cidades do Mundo) denominam de "legado olímpico". Pois bem, aonde estava o COI, nesses quase dez anos, na atuação sobre o Planejamento e Logística? Leia mais »

Amizade líquida via facebook

A interconexão através das redes sociais interfere significativamente nos aspectos da vida social e pessoal dos indivíduos, produz novos modelos de pensamentos, de atitudes e de convivência. O que está em jogo é uma transformação radical no modo em que as relações humanas se configuram. Essas mudanças já passam a ser sentidas em vários contextos da vida cotidiana. O grande “palco” da vida passou ser o mundo virtual. Estar conectado tornou-se mais do que simples necessidade - transformou-se em obsessão. Leia mais »

Na Casa da Democracia

Autor: 

Desde a infância Aberlado aprendeu as coisas duras da vida. Por que vida é linha reta. Palavra é pedra; não é água. E bigode corta mais que fio de navalha. Aberlado aprendeu com seus calos a respeitar Lei e Palavra. Foi assim que Aberlado respeitando a Lei de Deus se casou na igreja; e respeitando a Lei do Homem registrou em cartório. Aberlado casou com Margarida Aparecida, e teve seis crias, cinco delas sobreviveram, sendo quatro mulheres e dois homens. Maria, Ana (natimorta), João, Claudio, Daina e Flavia, em ordem cronológica decrescente, respectivamente. Leia mais »

Para pensarmos sobre as drogas e a banalidade do vício

Imagem: Folha da Região de Araçatuba

Leia mais »

Bem-Estar e Angústia, por Luiz Claudio Tonchis

A vida é movida pelas forças contrárias: é na derrota em que vislumbramos o sabor da vitória, é pela tristeza que sabemos valorizar a alegria, é pela doença que damos crédito à saúde... Este é o curso natural da vida: só reconhecemos um determinado valor quando abalados por seu oposto. E ainda somos afetados pelas circunstâncias do meio e pelos diversos contextos que produzem uma inexorável bipolaridade, que oscila entre estes dois extremos: o bem-estar e a angústia. Leia mais »

O que acho da carta do americano que achou sobre o Brasil

Autor: 

Alguém conhece engenheiro de obra pronta? Pois é... Existem de montão... Para quem nao sabe do que se trata, exemplifico: aquela pessoa que chega na sua casa e diz pra voce como deveria ser sem que voce tenha perguntado, e passa a dar idéias e fazer críticas sobre o que não sabe e não viveu. Ora, uma casa é viva e cada detalhe tem sua história, memorias, pode parecer feio, antiquado, ate com aspecto de lixo, mas são as suas memórias, sua história... Cada casa é isso, não uma vitrine de shopping de decoração ou capa de revista casa e jardim. Sua casa fala de voce, inclusive quando bagunçada... É minha, eu critico, voce nao! 
Mas isso tudo para dizer da sensação que tive ao ler o texto que anda sendo divulgado na rede, de um americano que do alto de seus vastos quatro anos de experiência no Brasil, acredita-se apto para fazer definições sobre o nosso modo de ser.  Leia mais »

Imagens: 
 O que acho da carta do americano que achou sobre o Brasil

A Beleza e o Cuidado de Si

Ser notado, admirado e despertar no sexo oposto o desejo através da beleza física e sensualidade, cada vez mais são necessidades prementes tanto para mulheres quanto para homens. Esse exagero obsessivo pela busca da beleza perfeita produz a falsa sensação de que a própria felicidade pode ser alcançada através da instrumentalização da beleza do corpo. Trata-se de uma verdadeira overdose de culto ao corpo e o desejo obsessivo de ser destaque pela aparência visual fabricada, em detrimento de outros valores e atributos que compõe a complexidade da dimensão humana. Leia mais »

Música nas Escolas - Faça acontecer!

Autor: 

 

A década é 1970. A seleção brasileira de futebol acabou de conquistar o tricampeonato no México e o Brasil vive sob a pressão da botina do governo militar. Nesse mesmo período, decreta-se a morte do ensino de música nas escolas públicas e particulares. No lugar das aulas de música, as escolas estão obrigadas a ministrar aulas de Educação Moral e Cívica e, mais tarde, Organização Social e Política do Brasil – OSPB.

O máximo que se aprendia em termos de música naquela época era cantar os hinos cívicos tais como o Hino Nacional, Hino da Independência, da Bandeira. As músicas que podiam tocar nos meios de comunicação eram somente as permitidas pelos fardados, tal como "Você também é Responsável", interpretada por Dom e Ravel, a qual, mais tarde, se tornaria conhecida como o Hino do Mobral - Movimento de alfabetização, ou ainda, da mesma dupla "Eu te amo meu Brasil". Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo
A música na escola

A coreografia do poder - Cisne Negro Cia de Dança e Trama

Querer representar um éthos nacional é um cipoal que deveria fazer com que qualquer artista pensasse e pesasse bem seu objetivo, a forma como fazê-lo e como apresentá-lo. Não a ponto de desistir, mas para evitar qualquer caminho batido, que ofusque o que a obra pode ter de positivo. Vale para qualquer país, porém creio que ganha ares ainda mais complexos no Brasil, cuja formação da idéia de nação está antes atrelada ao território que a um povo (Antônio Carlos Robert de Moraes faz uma interessante análise nesse sentido em Território e história no Brasil).

O coreógrafo Rui Moreira até teve cuidado na apresentação de seu espetáculo Trama, de 2001, dançado pela Cisne Negro Cia de Dança no CCSP, no penúltimo fim de semana deste maio. Ele trata de avisar no programa: "Neste Brasil mestiço, misterioso e mágico, todos os retratos são tendenciosos, parciais ou comprometidos". Como não podia deixar de ser, portanto, tendencioso também é o retrato que ele traça do "contagiante caminho da alegria neste País". Contudo, por mais que seja avisado da parcialidade, há algo no ângulo por ele assumido que merece uma maior reflexão.  Leia mais »

Má Educação

Autor: 

 


Aqui nessa casa ninguém

quer a sua boa educação

nos dias que tem comida

comemos comida com a mão...

(Arnaldo Antunes)

  Leia mais »

UMA DECLARAÇÃO DE AMOR A MINHA CIDADE

Eu te amo Rio de Janeiro não somente por ter nascido de seu útero.
Eu te adoro não apenas por ter me parido nas Laranjeiras.
Justamente em março, trinta dias após seu aniversário, na sua mais bela estação. Leia mais »