A solidão e o amor na divina comédia humana

Desde garoto tive uma relação bastante estreita com a solidão. Lembro-me, que desde de criança já procurava um refúgio para alguns momentos de isolamento e, muitas vezes, escolhia apenas a música para companhia. Ficava ali, num canto da sala, sentado sobre uma pilha de sacos de arroz no mais profundo isolamento. Meu pai era agricultor e quando não havia mais espaço para armazenar a colheita, empilhava tudo na sala de casa mesmo, só ficavam pequenos espaços para a passagem da família ou de eventuais visitas. Leia mais »

Aguinaldo Gonçalves lança nova obra poética

O crítico literário, ensaísta, escritor e poeta Prof.º Aguinaldo Gonçalves iniciou na capital paulista na noite de 19 de julho o lançamento da sua nova obra poética “Nove Degraus para o Esquecimento, publicada pela Ateliê Editorial.  No próximo dia 25/07, o lançamento seráem São José do Rio Preto, a partir das 19 h., no Bar Casa das Janelas, à rua João Teixeira, 346. O lançamento em outras cidades do Brasil,segundo o poeta, serão brevemente agendadas. Leia mais »

VOLTA DILMA É MAIS JUSTO DO QUE DIRETAS JÁ !!!

Impedir o mandato legítimo de uma governante sem crime foi o ápice da sacanagem nacional. Dessa sacanagem participaram canalhas do Executivo, Legislativo e Judiciário, com o fomento do Ministério Público, Polícia Federal, além da omissão de muita gente boa e ruim. Gritou-se pra cá. Esperneou-se pra lá. O povo foi levado às ruas, dividido, uns de bonecos da CBF, com direito a trajes esportivos verde-amarelos, outros por meio de organizações da sociedade, partidárias ou não, mas o fato é que panelas nas coberturas e bandeiraços encarnados nas praças não impediram o golpe na democracia e muito menos que a caça aos corruptos fosse conduzida por elementos caolhos. A seletividade da Lava-Jato e das Mídias é impressionante, e o mundo já percebeu, com resultados danosos ao patrimônio nacional, à nossa economia, aos trabalhadores, a autonomia, independência e autogestão de toda uma nação. O Brasil está sendo destruído por caprichos de sua elite mesquinha e perversa. Leia mais »

A Chuteira Sem Pátria

Autor: 

Naqueles gramados de chão batido, os pês descalços corriam atrás de bola, feita de meia e cheia de estopa e pano. Foi nesses campinhos, que se espalhavam e se estendiam, a todos os bairros, de qualquer rincão do Brasil, que surgiram Pelé, Marta, Garrincha, Formiga, Tostão, Daniela, Reinaldo, Zico, Roseli, Sócrates, Pretinha, Romário, Debinha, Barbosa, Barbara, Éder, Cristiane, Dener, Érica e tantas outras. Longe das escolas, que sequer existiam. Nelson Rodrigues acertou na mosca, “a pátria sem chuteiras”. Pois o futebol foi é uma paixão nacional. E pouco importa o 7 a 1 dentro de casa. Pois no futebol, o brasileiro consegue ser grande, ser gigante. No futebol o David vence Golias. Mesmo sem chuteiras, sem escolas, sem saúde, moradia, assistência social, sem saneamento básico, às vezes até sem alimento. Lá nos gramados, dentro das quatro linhas, nós o povo brasileiro é gigante. Leia mais »

Trump e o Mundo Novo

Autor: 

Impressiona inocência [perspicaz] dos grandes analistas e intelectuais de nosso tempo, ao justificar sempre o voto ao apelo moral. (“Não voto no Crivella que ele é contra o aborto”; “não voto no Trump porque ele peida fedido”; etc.). Como apelar a “moral”, se a própria moral se esvaiu? Se dissipou? Virou fumaça. A Globalitária (globalização autoritária de mercadorias, como disse Milton Santos) mentiu. Não há democracia no mundo. As grandes corporações tem seus interesses representados pelo Banco Mundial, a Organização Mundial do Comercio, o Fundo Monetário Internacional, entre outras. E essas “organizações” [poderosas] não são democráticas. Leia mais »

A CHIADEIRA AUSTRALIANA E O ACIONAMENTO DO "MODO VIRA-LATAS"

Não é uma questão de desqualificação ou despreparo para grandes eventos, de nós brasileiros. Fazemos anualmente dois dos maiores do Mundo: O Réveillon e o Carnaval. O que está acontecendo com as Olimpíadas é resultante do momento político que vivemos, e do capitalismo especulador e predador brasileiro, e internacional, aliado a uma mídia caseira tão aculturada e vassala que nos dá enjoos. Todo evento transitório, que envolve milhares de pessoas, precisa necessariamente de planejamento, logística e infra-estrutura. As Olimpíadas são um evento privado, cuja gestão é do COI. O planejamento é deles. A logística é deles. A cidade sede entra com a infra-estrutura, que os governantes (em todas as cidades do Mundo) denominam de "legado olímpico". Pois bem, aonde estava o COI, nesses quase dez anos, na atuação sobre o Planejamento e Logística? Leia mais »

Amizade líquida via facebook

A interconexão através das redes sociais interfere significativamente nos aspectos da vida social e pessoal dos indivíduos, produz novos modelos de pensamentos, de atitudes e de convivência. O que está em jogo é uma transformação radical no modo em que as relações humanas se configuram. Essas mudanças já passam a ser sentidas em vários contextos da vida cotidiana. O grande “palco” da vida passou ser o mundo virtual. Estar conectado tornou-se mais do que simples necessidade - transformou-se em obsessão. Leia mais »

Na Casa da Democracia

Autor: 

Desde a infância Aberlado aprendeu as coisas duras da vida. Por que vida é linha reta. Palavra é pedra; não é água. E bigode corta mais que fio de navalha. Aberlado aprendeu com seus calos a respeitar Lei e Palavra. Foi assim que Aberlado respeitando a Lei de Deus se casou na igreja; e respeitando a Lei do Homem registrou em cartório. Aberlado casou com Margarida Aparecida, e teve seis crias, cinco delas sobreviveram, sendo quatro mulheres e dois homens. Maria, Ana (natimorta), João, Claudio, Daina e Flavia, em ordem cronológica decrescente, respectivamente. Leia mais »

Para pensarmos sobre as drogas e a banalidade do vício

Imagem: Folha da Região de Araçatuba

Leia mais »

Bem-Estar e Angústia, por Luiz Claudio Tonchis

A vida é movida pelas forças contrárias: é na derrota em que vislumbramos o sabor da vitória, é pela tristeza que sabemos valorizar a alegria, é pela doença que damos crédito à saúde... Este é o curso natural da vida: só reconhecemos um determinado valor quando abalados por seu oposto. E ainda somos afetados pelas circunstâncias do meio e pelos diversos contextos que produzem uma inexorável bipolaridade, que oscila entre estes dois extremos: o bem-estar e a angústia. Leia mais »

O que acho da carta do americano que achou sobre o Brasil

Autor: 

Alguém conhece engenheiro de obra pronta? Pois é... Existem de montão... Para quem nao sabe do que se trata, exemplifico: aquela pessoa que chega na sua casa e diz pra voce como deveria ser sem que voce tenha perguntado, e passa a dar idéias e fazer críticas sobre o que não sabe e não viveu. Ora, uma casa é viva e cada detalhe tem sua história, memorias, pode parecer feio, antiquado, ate com aspecto de lixo, mas são as suas memórias, sua história... Cada casa é isso, não uma vitrine de shopping de decoração ou capa de revista casa e jardim. Sua casa fala de voce, inclusive quando bagunçada... É minha, eu critico, voce nao! 
Mas isso tudo para dizer da sensação que tive ao ler o texto que anda sendo divulgado na rede, de um americano que do alto de seus vastos quatro anos de experiência no Brasil, acredita-se apto para fazer definições sobre o nosso modo de ser.  Leia mais »

Imagens: 
 O que acho da carta do americano que achou sobre o Brasil

A Beleza e o Cuidado de Si

Ser notado, admirado e despertar no sexo oposto o desejo através da beleza física e sensualidade, cada vez mais são necessidades prementes tanto para mulheres quanto para homens. Esse exagero obsessivo pela busca da beleza perfeita produz a falsa sensação de que a própria felicidade pode ser alcançada através da instrumentalização da beleza do corpo. Trata-se de uma verdadeira overdose de culto ao corpo e o desejo obsessivo de ser destaque pela aparência visual fabricada, em detrimento de outros valores e atributos que compõe a complexidade da dimensão humana. Leia mais »

Música nas Escolas - Faça acontecer!

Autor: 

 

A década é 1970. A seleção brasileira de futebol acabou de conquistar o tricampeonato no México e o Brasil vive sob a pressão da botina do governo militar. Nesse mesmo período, decreta-se a morte do ensino de música nas escolas públicas e particulares. No lugar das aulas de música, as escolas estão obrigadas a ministrar aulas de Educação Moral e Cívica e, mais tarde, Organização Social e Política do Brasil – OSPB.

O máximo que se aprendia em termos de música naquela época era cantar os hinos cívicos tais como o Hino Nacional, Hino da Independência, da Bandeira. As músicas que podiam tocar nos meios de comunicação eram somente as permitidas pelos fardados, tal como "Você também é Responsável", interpretada por Dom e Ravel, a qual, mais tarde, se tornaria conhecida como o Hino do Mobral - Movimento de alfabetização, ou ainda, da mesma dupla "Eu te amo meu Brasil". Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo
A música na escola