Sobre a vaia aos profissionais de Cuba

Sugerido por hugo

Do Yahoo

A vaia, os médicos-ninja & a paz

Por Pedro Alexandre Sanches

Ultrapop

A cruzada antissocial de um punhado barulhento de médicos brasileiros ultrapassou todo e qualquer limite de civilidade e humanidade, eu também acho.

Sou da turma que não cansa de se chocar com a imagem já histórica registrada pela Folha de São Paulo em Fortaleza: duas mulheres de jalecos brancos e de epidermes não-negras levam as mãos em concha às próprias bocas para vaiar com ferocidade um médico cubano de olhar triste e pele escura. Não consigo compreender quem não enxergue o racismo simbólico explícito tirado do armário pela fotografia. É a velha e carcomida fórmula perversa da casa grande & senzala, quando o antigo chicote escravagista foi substituído pela língua "moderna" que vaia, grita, berra, urra, ruge: "Escravo!".

Outra personagem emergente desse infeliz episódio vai à explicitude cadavérica via rede social, pasmada com o fato (ou melhor, hipótese) de que profissionais recém-chegadas de Cuba têm cara mais de "empregadas domésticas" (negras?) que de médicas. Cáspita!, diriam os nossos ancestrais. Ali Kamel, o mandachuva do "jornalismo" da Globo, seguirá depois dessa tormenta insistindo na tese caduca de que "não somos racistas"? Leia mais »

Comunicado da ONU atesta coerência do Mais Médicos

Sugerido por Gilson AS

Do Jornal GGN

ONU solta comunicado atestando a coerência do Programa Mais Médicos

ter, 23/07/2013 - 14:31 - Atualizado em 23/07/2013 - 14:34

Jornal GGN - Segundo comunicado da Organização Pan-Americana da Saúde da Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), no Brasil, o Programa Mais Médicos, do governo federal, está em conformidade com as recomendações da organização em questões de saúde para a população. No texto, a informação de que a OPAS/OMS acompanha os debates e “vê com entusiasmo o recente pronunciamento do governo brasileiro sobre o Programa ‘Mais Médicos’”, lembrando que a média nacional de médico/habitantes é muito abaixo do ideal. O comunicado termina com a afirmação de que “em longo prazo, a prática dos graduandos em medicina, por dois anos no sistema público de saúde, deve garantir, juntamente com o crescimento do sistema e outras medidas, maior equidade no SUS”.

Continue lendo >>>

Leia mais »

Os médicos cubanos e a integração da América Latina

Sugerido por Frank

Nassif, texto um pouco longo mas muito bonito. Ocorreu-me um idéia: Por que a TV Brasil não pega os melhores programas da Telesur e integra à sua programação? Não sei se seria o caso de traduzir ou deixar am castelhano mas penso que já seria uma ótima iniciativa para se começar a integrar o povo brasileiro ao resto da América Latina.

Da Carta Maior

Médicos cubanos: avança a integração da América Latina!

Não faltaram emoção, lágrimas e dignidade na chegada dos 176 médicos cubanos, que desembarcaram neste sábado à noite em Brasília, para um trabalho indispensável em municípios brasileiros, mais de 700, ainda sem qualquer assistência médica.

“O que brilha com luz própria , ninguém pode apagar
Seu brilho pode alcançar a escuridão de outras costas
Que pagará este pesar do tempo que se perdeu....
Das vidas que nos custou e das que nos podem custar..
O pagará a unidade dos povos em questão....
E a quem negar esta razão, a história condenará...”

Canción por La Unidad Latinoamericana
Pablo Milanez


Não faltaram emoção, lágrimas e dignidade na chegada dos 176 médicos cubanos, que desembarcaram neste sábado à noite em Brasília, para um trabalho indispensável em municípios brasileiros, mais de 700, ainda sem qualquer assistência médica. Quando aqueles cidadãos cubanos, muitos deles negros, muitas mulheres, com bandeirolas brasileiras e cubanas nas mãos, pisaram o solo brasileiro, ali estava o retrato do enorme progresso social, educacional e sanitário alcançado pela Revolução Cubana. Mas, também, uma prova concreta de que a integração da América Latina está avançando; não é só comércio, é também saúde. O Brasil coopera com Cuba na construção do Complexo Portuário de Mariel - sua mais importante obra de infraestrutura atualmente - e Cuba coopera com o Brasil preenchendo uma lacuna imensa, a falta de médicos. Leia mais »

Médico uruguaio faz seu primeiro atendimento em Pernambuco

Sugerido por Webster Franklin

Do BOL

Uruguaio do Mais Médicos faz seu primeiro atendimento em Pernambuco

Estadão Conteúdo

Manifestantes ligados ao Sindicato dos Médicos do Ceará protestam na noite de segunda-feira (26) durante a saída do grupo de 96 médicos estrangeiros da Escola de Saúde Pública do Ceará. De acordo com a assessoria de imprensa do sindicato, que organizou o protesto, os manifestantes foram orientados a não hostilizar os colegas estrangeiros Jarbas Oliveira/Folhapress

O médico uruguaio Gonzalo Lacerda Casaman, 31 anos, do programa Mais Médicos, fez seu primeiro atendimento no Brasil nesta quarta-feira, 28, por volta das 13 horas, ao socorrer uma mulher atingida por uma moto, no município metropolitano de Vitória de Santo Antão, em Pernambuco, onde está sendo ministrado o treinamento para os profissionais estrangeiros.

"Entendi tudo que ele disse", afirmou Helena Paulina de Araújo, 63 anos, ambulante. "Ele me disse para ficar calma, me tirou da rua e me examinou", afirmou. O médico vinha do almoço e contou ter ouvido um barulho forte. Em seguida viu a senhora no chão, no meio da Rua Eurico Valois, na área central, onde se localiza a Faculdade Miguel Arraes. Leia mais »

Martin Luther King e os problemas de discriminação nos EUA

Sugerido por Gunter Zibell - SP

Da Deutsche Welle

Sociedade dos EUA ainda vive divisão 50 anos após discurso de Martin Luther King

Com seu discurso "Eu tenho um sonho", Martin Luther King Jr. escreveu história. Cinquenta anos depois, afroamericanos e grupos como gays e lésbicas nos EUA ainda lidam com problemas de discriminação na sociedade.

"As pessoas estavam de pé em frente ao Memorial e em ambos os lados do espelho d'água", diz Bob Tiller, olhando para os degraus do Lincoln Memorial na capital Washington – o mesmo local onde, em 28 de agosto de 1963, Martin Luther King Jr. fez o discurso "Eu tenho um sonho" ("I have a dream"). "As pessoas estavam cheias de reverência, mas também entusiasmadas por vivenciar aquele momento", descreve.

Tiller era uma dessas pessoas. Então com 22 anos, ele deixou seu trabalho sem permissão para participar de uma marcha que reuniu 250 mil pessoas diante do memorial. "Eu cresci com o movimento dos direitos civis. Eu sentia como era importante estar aqui naquele dia", diz Tiller.

As milhares de pessoas reunidas em Washington sentiram o mesmo e escutaram o discurso de Luther King e de outros oradores que queriam assumir uma posição contra a discriminação de negros. "A parte mais memorável do discurso foi aquela em que Luther King descreve como, um dia, crianças de todas as raças andarão de mãos dadas", lembra Tiller. Leia mais »

Uma proposta para o revalida dos médicos

Por Mauro Segundo 2

Nassif, os médicos estão falando tanto na necessidade dos estrangeiros serem submetidos ao Revalida (que segundo alguns, é feita para reprovar)...e alguns rebatem sugerindo que os médicos Brasileiros também sejam submetidos ao mesmo teste e sejam impedidos de exercer a profissão se não passarem ( o que também não seria solução, afinal, se faltam médicos...).

Sugiro, quem sabe uma solução intermediária, usando a metodologia científica que eles tanto gostam para racionalizar o Revalida:

Funcionaria assim:

1) Aplica-se o Revalida aos candidatos formados no exterior.

2) Aplica-se o mesmo Revalida ao mesmo tempo a uma amostra Médicos Brasileiros. Essa amostra pode ser de recém formados (podem ser todos), ou pode ser uma amostra aleatória dos médicos em exercício. Algo a discutir. Seria o "grupo-controle".

3) Afere-se a média do "grupo-controle" no Revalida (ou seja, qual a nota na prova daqueles que estão aptos a exercer a medicina do Brasil naquele dado momento). Leia mais »

Casamento homoafetivo é direito constitucional, afirma PGR

Sugerido por Edsonmarcon

Casamento homoafetivo é direito constitucional, afirma PGR

http://jornalggn.com.br/blog/casamento-homoafetivo-e-direito-constitucio...

orna GNN - A procuradora-geral da República, Helenita Acioli, enviou parecer ao STF (Supremo Tribunal Federal) para opinar pela incoerência da ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) 4.966, proposta pelo (PSC) Partido Social Cristão. Segundo Aciolli, o partido questiona a Resolução 175/2013, do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), que autoriza a celebração de casamento civil ou conversão de união estável em casamento entre pessoas do mesmo sexo. De acordo com o parecer da procuradora-geral, "deve-se dar tratamento uniforme e interpretação ampla e inclusiva ao conceito de família ditado pela Constituição Federal". Leia mais »

A entrevista com médico que comandou agressão aos cubanos

Sugerido por implacavel

Do blog da Cidadania, de Eduardo Guimarães

Blog entrevista o líder do grupo que vaiou médicos cubanos

O presidente do Sindicato dos Médicos do Ceará (SimeC) é o médico e ex-vereador José Maria Pontes. Ele liderou o protesto contra médicos cubanos ocorrido na terça-feira (27) em Fortaleza. Cobrado pela violência do ato, vem dizendo que “Ninguém vaiou médico cubano, mas quem estava com eles”. E que a vaia só ocorreu porque “Não dava para não misturar se estava todo mundo junto”.

O sindicalista ainda garantiu à imprensa que “A vaia, na verdade, foi para aquelas pessoas que tiveram a ideia absurda de trazer esses médicos para cá, inclusive com trabalho escravo sem nenhum compromisso a não ser com o compromisso ideológico do Partido dos Trabalhadores”.

A declaração de Pontes se deu no âmbito de críticas aos médicos, militantes políticos e sindicalistas cearenses que vaiaram os médicos cubanos, críticas que foram feitas por entidades médicas e sindicais do próprio Ceará, pela imprensa e pelas redes sociais.

Diante de fato como esse, o Blog decidiu entrevistar o presidente do SimeC. Este blogueiro encontrou Pontes em seu celular, em Brasília, preparando-se para voltar ao Ceará. Confira, abaixo, a conversa (gravada) com a pessoa que liderou a manifestação que xingou médicos cubanos negros de “escravos” e “incompetentes”. Leia mais »

O Mais Médicos e o diagnóstico de raiva

Assis Ribeiro

A colunista Eliane Cantanhêde, da Folha, escreveu que o avião da Cubana trazendo os médicos era um “avião negreiro“.

Vitor Teixeira

Leia mais »

Os médicos cubanos e a postura dos grandes jornais

Do Jornal GGN

Mais Médicos, cubanos e a postura dos grandes jornais

Lourdes Nassif

Médicos estrangeiros ocuparam as redes sociais na terça-feira, 27, e voltaram para as páginas dos jornais Folha e Estadão, com desdobramento do ocorrido em Fortaleza (CE), onde foram hostilizados por manifestantes de jaleco branco. Facebook e Twitter receberam notas de repúdio contra a ação dos ‘prováveis’ médicos brasileiros, reproduzindo matérias e colunas de sites, blogs e jornais.

Um fato interessante na cobertura de hoje das hostilidades sofridas pelos médicos cubanos, é o tom das matérias nos dois jornais. Se antes havia críticas à vinda desses profissionais, com farto material sobre alegações de trabalho escravo e veementes declarações dos dirigentes dos conselhos de medicina, a tônica agora é outra. O exagero dos protestos de ‘médicos’ brasileiros acabou por torná-los figuras pouco apreciadas dentro das críticas ao Programa Mais Médicos, fazendo com que os grandes jornais baixassem o tom e velassem a mordacidade depois do episódio em Fortaleza. Um exemplo pode ser dado na abordagem de hoje da Folha, que anuncia em seu texto que a foto (a mesma que rodou nas redes sociais) de Juan Delgado foi capa de sua edição de terça, mas esquece da alfinetada dada aos médicos cubanos, em que repórter narra a dificuldade no entendimento do português por parte dos entrevistados, mas se esquece de dizer que a conversa se deu em meio ao calor da manifestação.

Continua aqui Leia mais »

Padilha lamenta postura de médicos

Sugerido por jn

Do O Povo

Ministro lamenta postura de médicos manifestantes contra estrangeiros

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, lamentou a postura de cerca de 50 médicos de Fortaleza que, na noite da última segunda-feira (26), hostilizaram médicos estrangeiros do programa Mais Médicos, que saíam de um curso na Escola de Saúde Pública do Ceará. “Foram atitudes truculentas, incitaram o preconceito e a xenofobia”, disse Padilha. “Eles (os médicos de Fortaleza) participaram de um verdadeiro corredor polonês da xenofobia, atacando médicos que vieram de outros países para atender a população apenas naqueles municípios onde nenhum profissional quis fazer atendimento”, disse Padilha.

Em entrevista coletiva ontem, o secretário de gestão estratégica e participativa do Ministério da Saúde, Odorico Monteiro, também criticou o protesto do Sindicato dos Médicos do Estado (Simec) contra a vinda dos profissionais sem submissão ao Exame Nacional de Revalidação de Diplomas (Revalida). Conforme ele, o ato foi uma demonstração clara de “truculência, violência, agressividade, xenofobia, preconceito e racismo”, pois os manifestantes tacharam os médicos de “escravos” e “incompetentes”, além de terem gritado: “voltem pra senzala”. Leia mais »

O patrocínio da Unimed no Salão de Humor de Piracicaba

Sugerido por Palhaço

Em pleno 40o. Salão Internacional de Humor de Piracicaba, a Unimed (obviamente, plano de saúde ou cooperativa de médicos) patrocinou dois prêmios de "humor" sobre o tema "saúde".

Dou um doce para quem adivinhar a temática das criticas das charges. Obviamente não foram os inúmeros problemas dos planos de saúde...

Leia mais »

SP: aumento de 29% nos casos de latrocínio em 2013

Sugerido por Marcel Santos

Da Agência Brasil

Latrocínio cresce quase 30% na capital paulista em 2013, segundo balanço

Em todo o estado, o número de latrocínios passou de 209 nos primeiros sete meses do ano passado para 234 este ano

São Paulo – De janeiro a julho deste ano, o número de latrocínios (roubo seguido de morte) cresceu 29,4% na capital paulista, segundo balanço mensal de ocorrências policiais que foi divulgado nesta segunda-feira (26/8) pela Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. Nos primeiros sete meses do ano passado, ocorreram 68 mortes em decorrência de roubo, enquanto neste ano houve 88 mortes.

Em todo o estado, o número de latrocínios passou de 209 nos primeiros sete meses do ano passado para 234 este ano, um aumento de quase 12%. Segundo o secretário de Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, os crimes de latrocínio são uma das maiores preocupações do governo de São Paulo.

“Sempre disse que latrocínios e roubos são os crimes que mais nos preocupam porque são os que mais impactam na sensação de segurança. Ainda há muito a ser feito, mas estamos adotando uma série de medidas, que exigem algum tempo para serem adotadas ou implantadas”, disse o secretário. Leia mais »