Russos cercam portos ucranianos enquanto colunas blindadas param

[ad_1]

KYIV (Reuters) – Forças russas cercaram dois portos marítimos estratégicos ucranianos na quarta-feira e pressionaram o bombardeio da segunda maior cidade do país, enquanto a enorme coluna blindada que ameaçava Kiev parecia parada fora da capital.
Enquanto isso, o isolamento de Moscou se aprofundou quando a maior parte do mundo se alinhou contra ela nas Nações Unidas para exigir que ela se retirasse da Ucrânia. E o promotor do Tribunal Penal Internacional abriu uma investigação sobre possíveis crimes de guerra.
Uma segunda rodada de negociações com o objetivo de encerrar os combates era esperada na quinta-feira, mas parecia haver poucos pontos em comum entre os dois lados.
A Rússia relatou suas baixas militares pela primeira vez desde que a invasão começou na semana passada, dizendo que quase 500 de seus soldados foram mortos e quase 1.600 feridos. A Ucrânia não divulgou suas próprias perdas militares, mas disse que mais de 2.000 civis morreram, uma afirmação que não pode ser verificada de forma independente.
Com os combates acontecendo em várias frentes em todo o país, o Ministério da Defesa da Grã-Bretanha disse que Mariupol, uma grande cidade no Mar de Azov, foi cercada por forças russas, enquanto o status de outro porto vital, Kherson, uma cidade de construção naval do Mar Negro de 280.000 habitantes, permaneceu claro.
As forças do presidente russo, Vladimir Putin, alegaram ter assumido o controle total de Kherson, o que a tornaria a maior cidade a cair ainda na invasão. Mas um alto funcionário da defesa dos EUA contestou isso.
“Nossa opinião é que Kherson é uma cidade muito contestada”, disse o funcionário, falando sob condição de anonimato.
O prefeito de Mariupol, Vadym Boychenko, disse que os ataques foram implacáveis.
“Não podemos nem mesmo tirar os feridos das ruas, de casas e apartamentos hoje, já que o bombardeio não para”, disse ele à agência de notícias Interfax.
Enquanto isso, o alto funcionário da defesa dos EUA disse que a imensa coluna de centenas de tanques e outros veículos parecia estar parada a cerca de 25 quilômetros de Kiev e não havia feito nenhum progresso real nos últimos dois dias.
O comboio, que no início da semana parecia prestes a lançar um ataque à capital, foi atormentado pela escassez de combustível e alimentos e enfrentou forte resistência ucraniana, disse a autoridade.
Nos confins de Kiev, combatentes voluntários com mais de 60 anos ocuparam um posto de controle para tentar bloquear o avanço russo.
“Na minha velhice eu tive que pegar em armas”, disse Andrey Goncharuk, 68. Ele disse que os combatentes precisavam de mais armas, mas “vamos matar o inimigo e pegar suas armas”.
A Rússia também atacou Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia com cerca de 1,5 milhão de pessoas, em outra rodada de ataques aéreos que destruíram prédios e iluminaram o horizonte com chamas. Pelo menos 21 pessoas morreram e 112 ficaram feridas no último dia, disse Oleg Sinehubov, chefe da administração regional de Kharkiv.
Vários aviões russos foram derrubados sobre Kharkiv, de acordo com Oleksiy Arestovich, um dos principais conselheiros do presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy.
“Hoje Kharkiv é a Stalingrado do século 21”, disse Arestovich, invocando o que é considerado um dos episódios mais heróicos da história russa, a defesa de cinco meses da cidade dos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.
De seu bunker no porão, o prefeito de Kharkiv, Igor Terekhov, disse à BBC: “A cidade está unida e devemos permanecer firmes”.
Ataques russos, muitos com mísseis, explodiram o telhado do prédio da polícia regional de cinco andares de Kharkiv e incendiaram o último andar, e também atingiram a sede da inteligência e um prédio da universidade, de acordo com funcionários e vídeos e fotos divulgados pelo Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia. . Autoridades disseram que prédios residenciais também foram atingidos, mas não deram detalhes.
Sete dias após a invasão da Rússia, a ONU disse que mais de 870.000 pessoas fugiram da Ucrânia em uma crescente crise de refugiados no continente europeu, enquanto o chefe da agência de vigilância nuclear da ONU alertou que os combates representam um perigo para os 15 reatores nucleares da Ucrânia.
Rafael Grossi, da Agência Internacional de Energia Atômica, observou que a guerra é “a primeira vez que um conflito militar está acontecendo em meio às instalações de um grande programa de energia nuclear estabelecido”, e disse estar “gravemente preocupado”.
“Quando há um conflito em andamento, é claro que existe o risco de um ataque ou a possibilidade de um golpe acidental”, disse ele. A Rússia já assumiu o controle da usina desativada de Chernobyl, cenário em 1986 do pior desastre nuclear do mundo.
Em Nova York, a Assembleia Geral da ONU votou para exigir que a Rússia interrompa sua ofensiva e retire imediatamente todas as tropas, com potências mundiais e pequenos estados insulares condenando Moscou. A votação foi de 141 a 5, com 35 abstenções.
As resoluções da Assembleia não são juridicamente vinculativas, mas podem refletir e influenciar a opinião mundial.
A votação ocorreu depois que a assembléia de 193 membros convocou sua primeira sessão de emergência desde 1997. Os únicos países a votar com a Rússia foram Belarus, Síria, Coreia do Norte e Eritreia. Cuba falou em defesa de Moscou, mas acabou se abstendo.
O embaixador da Ucrânia na ONU, Sergiy Kyslytsya, disse que as forças russas “chegaram ao solo ucraniano, não apenas para matar alguns de nós… eles vieram para privar a Ucrânia do próprio direito de existir”. tão bárbaro que é difícil de compreender.”
Uma grande explosão sacudiu o centro de Kiev na noite de quarta-feira, no que o gabinete do presidente disse ter sido um ataque com mísseis perto da estação ferroviária sul da capital. Não houve nenhuma palavra imediata sobre quaisquer mortes ou ferimentos. Milhares de ucranianos estão fugindo da cidade através do extenso complexo ferroviário.
Um porta-voz do Ministério da Defesa russo, major-general Igor Konashenkov, divulgou os números de baixas militares de seu lado, contestando como “desinformação” relatos de perdas muito maiores. O líder da Ucrânia afirmou que quase 6.000 soldados russos foram mortos.
Konashenkov também disse que mais de 2.870 soldados ucranianos foram mortos e cerca de 3.700 feridos, enquanto mais de 570 foram capturados.
A Rússia também aumentou sua retórica. O ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, lembrou ao mundo sobre o vasto arsenal nuclear do país quando disse em entrevista à Al-Jazeera que “uma terceira guerra mundial só poderia ser nuclear”.
Na cidade de Chernihiv, no norte, dois mísseis de cruzeiro atingiram um hospital, segundo a agência de notícias ucraniana UNIAN, que citou o chefe da administração de saúde, Serhiy Pivovar, dizendo que as autoridades estavam trabalhando para determinar o número de vítimas.



[ad_2]
Fonte link