Ucrânia: ‘Bem-vindo a Berlim’: refugiados ucranianos chegam à Alemanha

[ad_1]

BERLIM: O anúncio pelo alto-falante é quase abafado pelo burburinho de passageiros saindo do trem de Varsóvia, mas é uma mensagem que muitos deles desejam ouvir: “Caros passageiros da Ucrânia, bem-vindos a Berlim!”
Pouco mais de uma semana depois que a Rússia lançou um ataque à Ucrânia, o fluxo de refugiados de guerra que chegam à Alemanha aumentou em um fluxo constante.
“A situação mudou drasticamente”, disse Katja Kipping, senadora para assuntos sociais da cidade-estado de Berlim.
Só na noite de terça-feira, 1.300 refugiados chegaram à capital alemã de trem.
A prefeita Franziska Giffey espera que Berlim, a menos de 100 quilômetros da vizinha Polônia, a oeste da Ucrânia, receba pelo menos 20.000 ucranianos nas próximas semanas, e sua cidade está preparando urgentemente acomodações de emergência.
O Ministério do Interior da Alemanha registrou oficialmente mais de 5.000 refugiados ucranianos até agora. Mas, dada a ausência de controles de fronteira entre a Polônia e a Alemanha, o número real provavelmente é maior.
Na estação central de trem de Berlim, mulheres e crianças ucranianas compõem a maior parte dos que chegam da Polônia, deixando para trás maridos, pais e filhos para se juntarem à luta contra o avanço das tropas russas.
Entre os recém-chegados está Nathalia Lypka, uma professora alemã da cidade de Zaporizhzhia, no leste da Ucrânia, que fugiu com sua filha de 21 anos.
“Nos encontramos em Lviv”, disse ela à AFP, sentada em um banco de madeira montado por voluntários em um canto da vasta estação ferroviária, uma das mais movimentadas da Europa.
“Minha filha estava em Kiev, foi terrível, ela estava com medo e teve que se abrigar na estação de metrô” para se proteger do bombardeio, diz ela.
“Meu marido e meu filho ficaram… Meu marido já serviu no exército e teve que voltar ao serviço”, acrescenta.
Lypka e sua filha planejam embarcar em um trem para Stuttgart em seguida, onde os amigos estão esperando para levá-los.
“Agradecemos à Europa pelo seu apoio”, acrescenta.
Embora o influxo ucraniano seja insignificante em comparação com as centenas de milhares de sírios e iraquianos que fugiram de seus países devastados pelo conflito para a Alemanha em 2015-2016, as cenas de refugiados sendo recebidos por comitês voluntários de boas-vindas são notavelmente semelhantes.
Na estação de Berlim, voluntários vestidos com jaquetas amarelas de alta visibilidade distribuem bananas, pães e garrafas de água para os recém-chegados.
Alguns carregam adesivos no peito que dizem que falam russo ou ucraniano. Outros ajudam os recém-chegados desnorteados a planejar viagens, fazendo uso da oferta de viagens gratuitas da operadora ferroviária Deutsche Bahn para os ucranianos.
Nas proximidades, voluntários dobrando cobertores e roupas param brevemente para aceitar a doação de máscaras anti-coronavírus de uma mulher alemã.
Em outra parte da estação, a Cruz Vermelha está à disposição para administrar os primeiros socorros aos refugiados ou providenciar transporte hospitalar para aqueles que necessitam de cuidados mais sérios.
“Muitas pessoas chegam aqui exaustas, com dores de cabeça” e outras dores, disse Nicolas Schoenemann, que supervisiona uma equipe de cinco trabalhadores da Cruz Vermelha.
Entre os que vêm da Ucrânia também está um número significativo de pessoas originárias da África.
Antes da invasão da Rússia, a Ucrânia abrigava cerca de 16.000 estudantes africanos, de acordo com Liubov Abravitova, embaixador ucraniano na África do Sul.
O camaronês Aurelien Kaze estudava economia na segunda cidade da Ucrânia, Kharkiv, que foi atingida por bombardeios russos.
“Ouvimos os bombardeios, havia pânico por toda parte”, diz ele, esperando para embarcar em um trem com destino a Bruxelas, onde tem parentes.
O jovem de 25 anos se considera sortudo por ter atravessado a fronteira sem problemas entre a Ucrânia e a Polônia, após relatos de comportamento racista de guardas de fronteira contra africanos.
Kaze disse que parece ter sido “um pouco mais fácil” para ele do que para alguns outros. “Eles verificaram meus papéis”, ele lembra, e foi acenado.



[ad_2]
Fonte link