Soneto Nada Sentimental à Cidade de São Paulo

Autor: 

Soneto Nada Sentimental à Cidade de São Paulo

 

 

Xenofobia travestida em tuas ruas

contra destinos, nordestinos, diferentes

te torna exposta e sem resposta te insinuas

mas não te cegas, nem renegas estas gentes.

 

 

Te desvarias noite e dia em cores cruas

nos desatinos que aos sem tino faz doentes

mas não te cansas - sempre avanças, não recuas...

Segues sem culpas, sem desculpas, sempre em frente.

 

 

Viste o descaso com que os rasos governantes

abarrotaram, asfaltaram as tuas veias

mas inda anseias que elas fluam como dantes...

 

 

Sopras as velas das mazelas, mas se chove

neste Janeiro (o derradeiro?) em ruas cheias

quem não flutua e quem não voa não se move.

 

Reinaldo (rascunhado no Portal Luis Nassif).

Média: 5 (1 vote)

Postar novo Comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
CAPTCHA de imagem
Digite os caracteres exibidos na imagem acima.