A "Estratégia Dora Kramer" de golpe constitucional

Autor: 

A “estratégia Dora Kramer” para o golpe constitucional.

Marcos Valério está ferrado, pegou penas que somadas chegam a 40 anos de prisão.

Marcos Valério entrega o Lula e sai numa boa com uma delação premiada.

Obviamente que qualquer declaração de Marcos Valério neste momento seria de validade nula se se baseasse apenas na sua palavra. Obviamente que uma conversa gravada clandestinamente não serve de prova em nenhum tribunal do mundo. Mas estamos em tempos de mensalão no Brasil. Leia mais »

Da tortura da lógica como técnica do argumento.

Autor: 

Os americanos prezam muito uma artimanha da argumentação política conhecida como "spin". Trata-se de girar um argumento até que ele fique na direção dejesada pelo argumentador.

O editorial de Folha de hoje - 06/10 - é uma boa tentativa dessa prática, não mais do que isso.

Chama-se "Excesso de zelo" e critica o voto do ministro Lewandowski que inocentou José Dirceu.

Faz parte do roteiro.

O ministro Joaquim Barbosa, por estes dias, está nos sendo apresentado como "o deus negro" nosso salvador - ia escrever "cavaleiro negro" - mas, já que o elogio a ele é o de escrever certo por linhas tortas, tem que ser "deus", inclusive porque isso é apropriado a entendermos sua "ira santa". Se esse sujeito safo, apenas para ficar nas palavras do ministro Marco Aurelio Mello, acredita nisso ou não, é outra história. Que está saboreando vê-se na sua cara.

O ministro Ricardo Lewadowski é seu contra-ponto, é o ingênuo útil aos mal-feitores. Esse juiz, no entanto, bate-se pela racionalidade e apela para que a Corte se atenha aos autos. 

Basilar, como criticá-lo?

E, no entanto, criticá-lo é preciso. Leia mais »

Em frasco pequeno

Autor: 

Há um ditado português e também brasileiro que elogia a qualidade em detrimento da quantidade. Diz ele:

"Os melhores perfumes e os piores venenos vêm em frascos pequenos".

Lembrei-o ao ler o artigo de hoje, 30/09, de Janio de Freitas na Folha de São Paulo - "Notícias de casa".

Janio comenta a eminente re-eleição de Eduardo Paes para a prefeitura do Rio de Janeiro.

Lá para o final do texto trata dos adversários do atual prefeito:

"... Freixo apoderou-se do segundo lugar. Mas até agora limitado a um terço do apoio declarado a Paes. Leia mais »

O Periquito foi à guerra ou, tira a mão do meu estádio

Nacionalização forçada de clubes completa 70 anos

HISTÓRIA Segunda Guerra levou times, como o Palmeiras, a trocar de nome

 

Há 70 anos, o Palestra Itália virou Palmeiras, ganhou do São Paulo e foi campeão.

O jogo do Pacaembu do dia 20 de setembro de 1942 é o episódio mais conhecido de um período opressor da ditadura Vargas, com perseguição a diretores e sócios estrangeiros dos clubes paulistas na 2ª Guerra Mundial.

Palmeiras e Corinthians, os times mais populares da cidade à época, sofreram mais. Ambos vinham da classe operária, um tinha Itália até no nome e o outro era composto por inúmeros entusiastas italianos, espanhóis, alemães, portugueses e árabes, membros da diretoria e sócios. Leia mais »

Mensalão - fatiados venceremos

Autor: 

O procurador Joaquim Barbosa deve ter escutado com um sorriso de escárnio suspenso nos lábios a leitura da acusação feita pelo PGR Roberto Gurgel. Era inepta. Gurgel usava de sarcasmo, citava Chico Buarque de Holanda, mas cometia um erro grosseiro, sustentava que uma quadrilha atrevida instalou-se no Palácio do Planalto e do escritório do Ministro da Casa Civil comprava apoio parlamentar - o mensalão. Contudo, terminava de maneira patética a acusação. Pedia a compreensão da Corte por não apresentar provas do que dizia. Provas, como todos ali sabiam, nesses casos são muito difíceis de serem obtidas. Leia mais »

Reflexões sobre a eleição paulistana pela ótica de Alckmin

Autor: 

Claro está que este texto tem o valor das minhas elucubrações, às quais fui levado pelo questionamento de dois colegas aqui do blog.

Na minha opinião existem dois jogos sendo jogados nessas eleições para prefeito de São Paulo.

O primeiro é a conquista da prefeitura de São Paulo, propriamente dita. O PT está fora da prefeitura há 8 anos. Tem agora sua grande chance de retomar a prefeitura dada a rejeição de Kassab. Que aliás, sumiu. Serra está lixado, não pode aparecer e não pode mostrar seu apoiador. Leia mais »

Mensalão - mitos e verdades

Muito didático.

Vídeos: 
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo

Dois pesos e dois mensalões

Dois pesos e dois mensalões

A premissa de serem crimes conexos os atribuídos aos réus do mensalão do PT não valeu para o mensalão mineiro

Na sua indignação com o colega Ricardo Lewandowski, o ministro Joaquim Barbosa cometeu uma falha, não se sabe se de memória ou de aritmética, que remete ao conveniente silêncio de nove ministros do Supremo Tribunal Federal sobre uma estranha contradição sua. São os nove contrários a desdobrar-se o julgamento do mensalão, ou seja, a deixar no STF o julgamento dos três parlamentares acusados e remeter o dos outros 35, réus comuns, às varas criminais. De acordo com a praxe indicada pela Constituição. Leia mais »

O julgamento da imprensa

O julgamento na imprensa

Se há contra os réus indução de animosidade, a resposta prevista só pode ser a expectativa de condenações

O julgamento do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal é desnecessário. Entre a insinuação mal disfarçada e a condenação explícita, a massa de reportagens e comentários lançados agora, sobre o mensalão, contém uma evidência condenatória que equivale à dispensa dos magistrados e das leis a que devem servir os seus saberes.

Os trabalhos jornalísticos com esforço de equilíbrio estão em minoria quase comovente. Leia mais »

Uma canção para Serra

José Serra é um imprudente.

Ao provocar a justiça contra Nassif e PHA trouxe sobre si a ira da blogosfera suja. Apanhou feito cachorro ladrão. Representativo de tal surra é a foto abaixo. Construída de um dia para o outro, é exemplo do trabalho participativo da internet e demonstra a não mais haver dúvidas o que é afrontar esse pessoal.

Gostaria, no entanto, de agir de outra maneira. Creio que Serra deveria utilizar as manifestações deste e de outros blogs como um material de reflexão. E para contribuir com tal ato de meditação deixo aqui, dedicada a Serra, uma bela canção de Chico Buarque de Holanda, cuja letra transcrevo, em um também belíssima interpretação de Elba Ramalho. Leia mais »

Vídeos: 
Veja o vídeo

Pobres plutocratas

Autor: 

PAUL KRUGMAN

Pobres plutocratas

Líderes empresariais dos EUA alegam que firmas não investem mais porque não são valorizadas por Obama

"VOU LHES falar sobre os muito ricos. Eles são muito diferentes de você ou de mim." Foi o que escreveu F. Scott Fitzgerald -e não queria dizer simplesmente que eles têm mais dinheiro. Leia mais »

O Nove de Julho e as pin-ups paulistas de Caruso

Autor: 

Para quem se interessar há uma galeria fantástica em http://www.pintorescaruso.com.br/

Entrando na campanha

Autor: 

Há um tempo escrevi aqui que Marta Suplicy era ao que de mais psdbista o PT de São Paulo havia chegado. A casca grossa e a cabeça dura me impedem de lembrar das resposta recebidas, mas foram as esperadas. 

Pois bem, de há pouco para cá, comecei a notar na Folha um movimento martista. Marta é colunista da Folha, mas não era coleguismo. Minha Linda Loura, Eliane Cantanhêde, defendendo Marta não me pareceu solidaridade de gênero. Principalmente para quem no passado já defendeu com a mesma verve o direito cassado pelo PMDB de Antony Garotinho se candidatar à presidência da República. Lamentava, na verdade, na época, a falta de alguém que tirasse votos de Lula. Por que agora seria diferente?

E o que dizer de Rogério Gentile, tão preocupado com o tratamento dado pelo PT a Marta? Transformada por Lula, segundo Rogério, em uma serviçal de quem se espera apenas que sirva cafezimos e cuide do paletó do professor Haddad. Seria cavalheirismo indignado pela falta de respeito a uma dama? 

Esses dois, minha Linda Loura e Gentile, são muito espertos. Mas não contavam com a astúcia de Daniela Lima que, ademais, teve o auxílio luxuoso de Gabriela Guerreiro. Leia mais »

CPI do Aroeira

Autor: 

Marcos Coimbra é um irônico. Brinca conosco em seu artigo “A CPI das Reviravoltas”, faz que não sabe o motivo para que a atual CPI instalada no Congresso – CPI do Cachoeira, mude tanto de nome.

Já teria sido do Acerto de Contas, do Juízo Final e da Cortina de Fumaça.

Coimbra sabe, ainda que não o diga, que ela terá todos os que forem necessários para que não tenha seu verdadeiro nome citado.

CPI da Veja ou CPI do PIG. Leia mais »

Algo de novo no front?

Autor: 

Comentário: como entender essa mudança de posicionamento da Folha de São Paulo?

Tema proibido

A imprensa deve revelar sua relação com o bicheiro para que o leitor decida o que é eticamente aceitável Leia mais »