Re: Os Ninja no Roda Viva: o futuro explodindo o velho

imagem de Joaquim Antonio Patriota
Joaquim Antonio Patriota

Não há como a velha mídia passar incólume se continua afrontando a sensibilidade e inteligência do público de forma acintosa. 

Ao fingir deter o monopólio da verdade, manipula e distorce as informações ao sabor das conveniências na forma de "pseudo-notícias", e ainda por cima hipocritamente posam de imparciais. 

Neste novo momento onde pela instantaneidade da informação, a força das imagens, áudio e vídeo em toda a sua crueza se sobrepõem a qualquer mediação que o mais "renomado" veículo ou grife queira indevidamente se apropriar. 

Com a internet, ocorre a reabilitação do indivíduo como "sujeito" da informação, pois deixa de ser um mero "expectador/ouvinte/leitor" para participar ativamente do processo de construção e validação da informação, apropriando-a como conhecimento. 

Este abismo de não identificação na produção de conteúdos, que já existia entre estes veículos e seu público, passa a ser um divórcio em sua toda sua plenitude, quando "doutos" e "independentes" jornalistas ousam querer "interpretar" o conteúdo veiculado, seguindo a cartilha de seus inconfessáveis interesses. Falta honestidade intelectual quando estes escondem de seu público suas reais motivações.

A mídia oligárquica é tão engajada em seus comerciais propósitos, que até mesmo a presidente da ANJ(Associação Nacional de Jornais), Maria Judith Brito, admitiu que a imprensa no Brasil, atua como um Partido de Oposição. 

Diante do fato da população nem sempre saber discernir na velha mídia a diferença entre a voz de seus serviçais e a de seus donos, o que seria mera desconfiança, passa a certeza do comprometimento destas mídias tradicionais com interesses que não são os seus. 

O debate no "Roda Viva" mostra o quanto os representantes da velha mídia estão desorientados. Diante do novo, reproduzem com avidez seu ideário carcomido demonstrando profunda incompreensão e frustração. Perigosamente surtam com sua impotência,  quando tentam desqualificar seus interlocutores apelando para velhos clichês, como a contínua insinuação de suspeição dos ninjas "carimbando-os" com "quem os financia"?

Honestamente, gostaríamos muito de ouvir esta resposta daqueles que insistentemente fizeram esta pergunta.