Parcerias preveem economia de R$ 6,5 bi no orçamento da Saúde

Por Lilian Milena

As parcerias de desenvolvimento produtivo (PDP) compõe um dos eixos da política de incentivo da indústria da saúde, coordenadas pelo Ministério da Saúde. Até 2013, a pasta já havia formalizado 104 PDPs, envolvendo 16 dos 19 laboratórios oficiais, e 34 unidades da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). É através dessas parcerias que o Estado brasileiro induz a produção de medicamentos e produtos mais baratos para atender a demanda do Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo o assessor técnico da vice-presidência de inovação e saúde da Fiocruz, Jorge Costa, que palestrou no 53º Fórum Brasilianas.org – A indústria da saúde, realizado em São Paulo, a previsão é de que as PDPs resultem em uma economia de 6,5 bilhões de reais nos próximos cinco anos, a partir da substituição ou oferta de medicamentos já existentes no mercado. Leia mais »

Tags: 
orçamento
Tags: 
Ministério da Saúde
Tags: 
Fiocruz
Tags: 
Dengue
Tags: 
Bio-Manguinhos
Tags: 
inovação
Tags: 
tecnologia
Tags: 
Medicamentos
imagem de Lilian Milena

Parcerias preveem economia de R$ 6,5 bi no orçamento da Saúde

Autor: 

As parcerias de desenvolvimento produtivo (PDP) compõe um dos eixos da política de incentivo da indústria da saúde, coordenadas pelo Ministério da Saúde. Até 2013, a pasta já havia formalizado 104 PDPs, envolvendo 16 dos 19 laboratórios oficiais, e 34 unidades da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). É através dessas parcerias que o Estado brasileiro induz a produção de medicamentos e produtos mais baratos para atender a demanda do Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo o assessor técnico da vice-presidência de inovação e saúde da Fiocruz, Jorge Costa, que palestrou no 53º Fórum Brasilianas.org – A indústria da saúde, realizado em São Paulo, a previsão é de que as PDPs resultem em uma economia de 6,5 bilhões de reais nos próximos cinco anos, a partir da substituição ou oferta de medicamentos já existentes no mercado. Leia mais »

Tags: 
Tags: 
Tags: 
Tags: 
Tags: 
Tags: 
Tags: 

Modernização na saúde requer mais PPPs, defende Vecina Neto

Por Lilian Milena

Ciência e tecnologia estão na base da história de medicina, mas, ironicamente poucos hospitais públicos no país possuem hoje um sistema de tecnologia de informação eficiente para administrar seus recursos. A introdução de ferramentas da tecnologia da informação é compreendida hoje como fundamental para que a rede pública de saúde consiga dar saltos de eficiência, segundo o ex-presidente da ANVISA-Agência Nacional de Vigilância Sanitária e atual superintendente corporativo do Hospital Sírio Libanês, Gonzalo Vecina Neto, que participou do Fórum Brasilianas.org - A indústria de saúde, realizado em São Paulo. Leia mais »

Tags: 
modernização
Tags: 
PPP
Tags: 
saúde
Tags: 
Medicamentos
Tags: 
indústria farmacêutica
Tags: 
Fórum
Tags: 
Brasilianas.org
Tags: 
inovação e tecnologia
Tags: 
Gonzalo Vecina Neto
imagem de Lilian Milena

Modernização na saúde requer mais PPPs, defende Vecina Neto

Autor: 

Ciência e tecnologia estão na base da história de medicina, mas, ironicamente poucos hospitais públicos no país possuem hoje um sistema de tecnologia de informação eficiente para administrar seus recursos. A introdução de ferramentas da tecnologia da informação é compreendida hoje como fundamental para que a rede pública de saúde consiga dar saltos de eficiência, segundo o ex-presidente da ANVISA-Agência Nacional de Vigilância Sanitária e atual superintendente corporativo do Hospital Sírio Libanês, Gonzalo Vecina Neto, que participou do Fórum Brasilianas.org - A indústria de saúde, realizado em São Paulo. Leia mais »

Tags: 
Tags: 
Tags: 
Tags: 
Tags: 
Tags: 
imagem de Anônimo

As políticas públicas da indústria da saúde

Autor: 

Com o envelhecimento médio da população, a tendência é que a demanda por saúde no Brasil exploda nos próximos anos. De acordo com o Ministério da Saúde, em 2007, éramos o 10º país do mundo em consumo de medicamentos. Em 2012 já fomos o 6º. E até 2017 devemos ser o 4º.

No entanto, esse não é um setor que pode ser tratado apenas como mercado consumidor. A Constituição Federal brasileira prevê acesso universal e gratuito à saúde, o que faz do Brasil o único país do mundo que tem mais de 100 milhões de habitantes e busca garantir esse direito.

Na prática, no entanto, todos sabem, o serviço ainda está bem distante do ideal. O acesso primário à saúde em regiões distantes dos grandes centros só começa a ser garantido agora, com o programa Mais Médicos, do Governo Federal, mas ainda há uma profunda carência de atendimento nas especialidades, além do acesso a exames e cirurgias. Leia mais »