fruta farta

Autor: 

amoras no teu pêlo

quantas línguas

já provaram

mangas

na carne ancestral Leia mais »

Imagens: 
foto: artur gomes

jazz free som balaio

Autor: 

 

 

ouvidos negros miles trumpete nos tímpanos Leia mais »

Imagens: 
foto: artur gomes

tropicalirismo

Autor: 

 

girassóis pousando

nu teu corpo: festa

beija-flor seresta

poesia fosse

esse sol que emana

do teu fogo farto Leia mais »

Imagens: 
foto: artur gomes

tropicalirismo

Autor: 

girassóis pousando

nu teu corpo: festa

beija-flor seresta

poesia fosse

esse sol que emana

do teu fogo farto Leia mais »

Imagens: 
foto: artur gomes

poema bíblico

Autor: 

fosse pimenta

fruta farta

felicidade

tua voz seria

sereia mar Leia mais »

Imagens: 
foto: artur gomes

formigas no formigueiro

Autor: 

 

hoje na candelária a caminho da cinelândia alguma coisa acompanha o inconsciente coletivo não sei se mar de espanha areia aranha a cois que extrapola as páginas de algum livro o sangue do carrapato as solas do meu sapato pedra n0 meu caminho não sei se urubus ou passarinho são mesmo o que me provocam o coração em desmantê-lo o verde amarelo rubro ou 31 de outubro as duas horas da tarde lendo garcia lorca na aldeia de arcozelo sabendo no alvorada o palácio de brazilha algo fora da trilha deixa o povo em alvoroço como formigas no formigueiro

  Leia mais »

Imagens: 
fotos: artur gomes
formigas no formigueiro

entredentes 3

Autor: 

 

 

te procurei na ipiranga

não te encontrei na tiradentes

nas tuas tralhas tuas trilhas Leia mais »

Imagens: 
foto: artur gomes

entredentes 3

Autor: 

 

te procurei na ipiranga

não te encontrei na tiradentes

nas tuas tralhas tuas trilhas Leia mais »

Imagens: 
foto: artur gomes

SagaraNAgens Fulinaímicas

Autor: 

 

SagaraNAgens Fulinaímicas

guima
meu mestre guima
em mil perdões
eu vos peço
por esta obra encarnada
nacarne cabra da peste
da hygia ferreira bem casta
aqui nas bandas do leste
a fome de carne é madrasta

ave palavra profana
cabala que vos fazia
veredas em mais sagaranas
a morte em vidas severinas
tal qual antropofagia
teu grande serTão vou cumer

nem joão cabral severino
nem virgulino de matraca
nem meu padrinho de pia
me ensinou usar faca
ou da palavra o fazer

a ferramenta que afino
roubei do meste drummundo
que o diabo giramundo
é o narciso do meu Ser Leia mais »

Imagens: 
artur gomes - foto grafia

SagaraNAgens Fulinaímicas

Autor: 

 

SagaraNAgens Fulinaímicas

guima
meu mestre guima
em mil perdões
eu vos peço
por esta obra encarnada
nacarne cabra da peste
da hygia ferreira bem casta
aqui nas bandas do leste
a fome de carne é madrasta

ave palavra profana
cabala que vos fazia
veredas em mais sagaranas
a morte em vidas severinas
tal qual antropofagia
teu grande serTão vou cumer

nem joão cabral severino
nem virgulino de matraca
nem meu padrinho de pia
me ensinou usar faca
ou da palavra o fazer

a ferramenta que afino
roubei do meste drummundo
que o diabo giramundo
é o narciso do meu Ser Leia mais »

Imagens: 
artur gomes - foto grafia

Riverdies no Grito de Rock em Salvador

Autor: 

 

http://goytacity.blogspot.com/2011/02/riverdies-no-grito-de-rock-em-salvador.html

Riverdies no Grito de Rock em Salvador

Dia 7 de março 21:00h – 8 de março 00:00h Leia mais »

Imagens: 
fil buc - foto: artur gomes
riverdies - fotos: artur gomes
fil buc - foto: divulgação

jura secreta 128

Autor: 

 

 

a carne que me cobre é fraca

a língua que me fala é faca

o olho que me olha vaca

alfa me querendo beta Leia mais »

Imagens: 
tecidos sobre a pele

jura secreta 128

Autor: 

 

a carne que me cobre é fraca

a língua que me fala é faca

o olho que me olha vaca

alfa me querendo beta Leia mais »

Imagens: 
tecidos sobre a pele

noites galos e quintais

arranquei as paredes da casa claro como se fosse óbvio ainda vivo a procura dos olhos de mar de uma menina que ainda mora em bento e mesmo viva diz que morta está arranquei os telhados do teto como se não fosse o óbvio alice ainda está em são francisco com saudades dos anos 70 ouço belchior

Galos, Noites e Quintais
Belchior

Quando eu não tinha o olhar lacrimoso,
que hoje eu trago e tenho;
Quando adoçava meu pranto e meu sono,
no bagaço de cana do engenho;
Quando eu ganhava esse mundo de meu Deus,
fazendo eu mesmo o meu caminho,
por entre as fileiras do milho verde Leia mais »